quinta-feira, 3 de setembro de 2015

.: Pesquisa traça perfil sociopolítico dos moradores da cidade de SP

Os paulistanos se mostraram conservadores em relação aos aspectos coletivos e progressistas em relação às liberdades individuais aponta a pesquisa realizada pela FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo), entre os dias 10 e 22 de junho de 2015.

O clima de polarização política que o país tem vivenciado desde as manifestações de junho de 2013 levou pesquisadores da FESPSP a iniciarem um estudo de perfil sociopolítico, em particular do paulistano, explica o professor William Nozaki, coordenador da pesquisa CONSERVADORISMO E PROGRESSISMO NA CIDADE DE SÃO PAULO. “São Paulo aparece como epicentro de uma polarização política muito intensa e a questão que nós da FESPSP levantamos era se vivemos um novo conservadorismo ou é o velho que se explicita”.

Para entender esse fenômeno, a equipe do Núcleo de Pesquisas em Ciências Sociais da FESPSP elaborou um questionário de 60 perguntas divididas em quatro grandes eixos: visão de mundo e estilo de vida, relação com as diferenças e com o outro, construção de direitos e privilégios e avaliação de políticas públicas. Assim foram ouvidos 1.287 moradores da cidade de São Paulo, entre os dias 10 e 22 de junho de 2015

A pesquisa realizada aponta que os paulistanos têm posicionamento conservador diante de questões sociais e são “liberais” nas questões individuais. Esse segundo aspecto é melhor observado na população de menor renda. A pesquisa tem intervalo de confiança de 95% e 3 pontos percentuais de margem de erro para mais e menos. 

O levantamento mostra que 61,4% são a favor do uso do exército no combate à criminalidade, 70% prefere a democracia à Ditadura, e 42% afirmam que os grupos de Direitos Humanos defendem bandidos.  No entanto, 23,1% se diz de esquerda e/ou extrema esquerda, 20,1% de centro e 14,2% de direita e/ou extrema direita, e 0,2% se disseram anarquistas. Nesta pergunta sobre posicionamento ideológico é importante observar que 41,4% são de respostas: “nenhuma”, “não sabe” e “não respondeu”.

Em outro aspecto, a pesquisa mostra que enquanto 52% são favoráveis à legalização da maconha, 62,3% apóiam a redução da maioridade penal. Ainda em comportamento, 70% dos entrevistados concordam com relações homoafetivas, aceitando outros formatos de família (54%) que não a tradicional. E 80% se mostram tolerante às diferentes expressões religiosas. Quanto ao trabalho, 92% pensam que há desigualdade de gênero, pois os salários pagos a homens são maiores que os pagos as mulheres.

O objetivo da pesquisa não é exclusivamente acadêmico, o estudo tem um viés aplicável, explica o professor Rodrigo Estramanho de Almeida, um dos responsáveis pela elaboração da pesquisa. “Entender a cultura política dos paulistanos pode contribuir para que os dirigentes e gestores reflitam nas decisões sobre políticas públicas que afetem a cidade e seus moradores”.


Serviço
Apresentação dos resultados da pesquisa
CONSERVADORISMO E PROGRESSISMO NA CIDADE DE SÃO PAULO
Data: 3 de setembro de 2015
Horário: 10hs
Local: Auditório Campus FESPSP – Rua General Jardim, 522 – Vila Buarque – São Paulo
Visite nosso portal: www.fespsp.org.br

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.