sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

.: Marília Barbosa completa 50 anos de carreira com CD, por Luiz Otero

"​O tempo é o nosso bem mais precioso",
Marília Barbosa

Por Luiz Gomes Otero
Em dezembro de 2015

Existem cantoras e existem atrizes. E há ainda as "cantrizes", aquelas artistas que além de atuarem de forma competente nas artes cênicas, ainda conseguem convencer interpretando canções com muita emoção e devoção. Este é o caso de Marília Barbosa, cuja voz foi ouvida diariamente na TV no início da novela "A Sombra dos Laranjais", com aquele belo tema que exaltava o circo e sua magia. 

Ainda por cima, atuava com destaque como a personagem Ritoca na mesma produção. E daí seguiram muitos outros momentos marcantes na TV e em disco, como a bela canção "Caso Você Case", de Vital Farias. Marília está completando 50 anos de carreira com o lançamento de um CD, intitulado "Minhas Manias", com produção de Zell Stefany. Um trabalho que prima pelo bom gosto e pela interpretação vocal sempre firme e precisa. Confira a entrevista que Marília concedeu ao site Resenhando para divulgar esse seu trabalho mais recente.


RESENHANDO - Como foi o processo de produção do disco? 
MARÍLIA BARBOSA - ​Fácil, pois o produtor Zell Stefany​ ​é também o compositor das canções e da maioria das letras também​. É arranjador de qualidade indiscutível, portanto, para mim, coube a voz solo. As músicas eu mesma escolhi e cantei com muito gosto.

RESENHANDO - No repertório consta uma canção em inglês - "Pilot In Love" - que, ao que parece, já tinha uma letra em português. Como foi que surgiu essa ideia?
​M.B. -  Ao ouvir a música pela primeira vez, perguntei se poderia fazer uma homenagem aos meus irmãos, oficiais da Força Aérea Brasileira, a FAB, e a minha ideia foi muito bem recebida. Zell falou que gostaria que pilotos, amigos dele pelo mundo afora, ouvissem a música e a entendessem. Daí eu sugeri que o meu amigo, escritor, poeta e tradutor Johann Heyss fosse convidado a fazer uma letra em inglês para a canção e assim aconteceu.​


RESENHANDO - Para esse disco, como é que você tem feito a divulgação - shows, rádios, TV, etc?
​M.B. -  Rádios, TVs, internet, entrevistas pelo telefone... Hoje em dia a comunicação ampliou demasiadamente a sua capacidade de comunicar​​, portanto, quem quer faz sua própria divulgação e quem tem admiradores, fãs, amigos do coração, tudo se amplia de maneira incontrolável. Esse é o lado muito bom dos meios de comunicação hoje, todos têm meios ao seu alcance, de fazer valer o seu trabalho, vai depender de colaboração e perseverança e... qualidade ajuda muito.​ 

RESENHANDO - Você sempre esteve ligada com as artes, mesmo estando um pouco mais afastada da mídia. Conte um pouco de seu trabalho mais recente, além do disco.
​M.B. -  ​Tenho feito um bom trabalho em parceria com músicos de excelente cepa, um CD recém-saído do forno "Minhas Manias"​, bonito, profissional, só músico fera no CD.


RESENHANDO - Como intérprete, quem foram seus ídolos na música?
​M.B. -  Angela Maria, quando eu era menininha, Sarita Montiel, na pré-adolescência, Barbra Streisand​, na adolescência, Billie Holiday, na maturidade, e mais tarde juntaram-se à turma Nina Hagen, Amy Whinehouse e Yoko Ono, indiscutivelmente porque todas propunham em suas performances algo mais do que cantar uma canção. Havia um "viver a causa" na hora da canção, como fazem Maria Bethânia e Gal. Como eu mesma faço.

RESENHANDO - Hoje em dia, quem você ouve na música?
​M.B. -  ​Costumo colocar na TV fechada, no canal "Música​", e vario entre jazz clássico, samba de raiz, anos 60 e 70. É muito bom!​


RESENHANDO - Na sua opinião, o que mudou em relação aos anos 70/80 na TV, em termos de novelas e produções como minisséries?
​M.B. -  ​A tecnologia ampliou o talento de artistas e técnicos que sempre fizeram uma televisão nota 10 em termos visuais, mesmo sem os recursos que têm hoje, portanto, nos dias de hoje, eles esbanjam uma TV de imensa qualidade visual. Quanto ao conteúdo, ah, isso é outra conversa!​


RESENHANDO - Que lição você teve ao completar 50 anos de carreira?
​M.B. -  ​A consciência da maturidade irreversível. Daqui pra frente, não dá para dar um passo errado e dizer que "não vi a pedra logo à frente do meu nariz"! É, para mim, uma consciência tão plena daquilo que é mesmo meu dever cumprir​, sem conversas, sem "nhém, nhém, nhem"... ​O tempo é o nosso bem mais precioso, é preciso serenidade para que não o vivamos à toa.​

"Minhas Manias"

"Pilot In Love"

"O Circo" (abertura da novela "A Sombra dos Laranjais")



 
Compartilhar no WhatsApp
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

Um comentário:

  1. Luiz Otero, você é a delicadeza em pessoa!
    Muito obrigada pela matéria tão atenciosa, cuidadosa e carinhosa.
    Receba meu mais caloroso abraço,
    Marilia 🎀 Barbosa

    ResponderExcluir

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.