sábado, 30 de janeiro de 2016

.:"Os Dez Mandamentos - O Filme" dá ao público o que ele quer ver

O Resenhando esteve na pré-estreia promovida
para convidados pela Record Litoral
Por Helder Miranda
Em janeiro de 2016

"Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus" é uma frase atribuída a Jesus nos evangelhos sinóticos. A máxima, nos tempos de hoje, pode ser adaptada para: "Dai ao público o que ele quer ver" no melhor sentido, pois tudo já foi tão liberado que a tendência é que as pessoas comecem a se voltar para o seu próprio interior e buscar profundidade nas respostas que elas próprias buscam.

A Bíblia é o maior de todos os folhetins. Os conhecedores desse, que é o livro mais vendido no mundo, e até grandes escritores, admitem. Da Bíblia brotam histórias lindas, de amor, superação e sobretudo fé. Não é à toa que "Os Dez Mandamentos", como folhetim televisivo na Rede Record, foi fenômeno de audiência e promete, após um dia da estreia bem-sucedida, repetir a proeza do cinema. 

"Os Dez Mandamentos" na televisão foi a novela das 21h escolhida pelo público quando a Globo, até então líder de audiência, amargava uma trama péssima, "Babilônia", com personagens indefinidos e sem um propósito mesmo com a grife de Gilberto Braga, autor de sucessos como "Dancin Days", "Vale Tudo" e "Celebridade". Acontece que os tempos, desde esses sucessos recentes, são outros. Alguns consideram isso como um retrocesso, mas a realidade anda tão dura que os telespectadores não querem ver noticiários nas novelas, o que vem acontecendo com certa frequência, e muito menos nos cinemas. Querem sonhar, torcer e se identificar!


O evento foi realizado no Cine Roxy 4 -
Shopping Pátio Iporanga, em Santos
Pessoas, esclarecidas ou não, querem exemplos de quem se espelhar, e também, na dinâmica dessas novelas atuais, sentem falta de se identificaram com os personagens, vibrar pelos mocinhos. Confesso que, desconhecedor da novela "Os Dez Mandamentos", que não vi nenhum capítulo, fui ao cinema imaginando algo bem alegórico e fantasioso. Falava-se muito de figurinos carnavalescos mas um sucesso desse porte, quando é criticado, é mais por despeito do que por argumentos, pois um folhetim que vence a emissora número um do país merece, no mínimo, respeito. 

O que posso dizer é que saí do cinema positivamente surpreendido e, com todas as letras, que "Os Dez Mandamentos" é mesmo um fenômeno, não importa se na televisão ou no cinema, porque dá ao povo exatamente o que ele quer ver, e transmite a mensagem que quer passar independente de com que público estiver lidando.


Ao contar a história de um homem criado como príncipe que abandona o luxo para viver como um plebeu e, com sua coragem desafiou um rei protegido apenas pela fé em Deus e salvou um povo, o filme atinge o objetivo de passar uma mensagem de esperança a quem estiver assistindo. 

Alguns irão reclamar do tom didático da narrativa de Sidney Sampaio, o narrador do longa-metragem, que a voz de Deus poderia ter sido a do Cid Moreira, a até da música romântica que toca no meio do filme em uma cena romântica entre o mocinho da história e seu par romântico, mas não podemos esquecer que o longa-metragem veio de uma telenovela e manter a música que soou fora do tom foi uma maneira de não fugir da origem de onde todo esse grande projeto começou.


Vários atores caracterizados como os personagens da novela e do filme tiraram fotos com o público.
Apresentadores da emissora local e celebridades, como Sidney Sampaio e Rick Zavalla, vencedor do programa "Batalha dos Confeiteiros", marcaram presença
As pragas do Egito, a jornada para a Terra Prometida e toda a emoção do maior fenômeno dos últimos anos com cenas inéditas e um final exclusivo para o cinema pontuam a obra que termina justamente quando a próxima novela religiosa da Rede Record começa "Os Dez Mandamentos 2 - A Terra Prometida", que estreia em março, gerando expectativa nos admiradores desse gênero de novela ou seriado, o religioso, que vem ganhando cada vez mais popularidade no mundo inteiro. 


Por trás da superprodução há muita gente competente, como Paula Richard, já entrevistada pelo Resenhando (entrevista neste link ou um texto maravilhoso dela aqui) quando ainda nem era profissional da emissora, mas mostrava o seu talento. 

A saga de Moisés, interpretado por Guilherme Winter, tem interpretações corretas. É claro que muita coisa ficou de fora, papéis importantes no folhetim se tornaram coadjuvantes, como a Nefertari de Camila Rodrigues, seguramente o melhor papel que ela fez, superando até "América", da Globo, na década passada. Resumir uma novela de oito meses em duas horas é um trabalho quase impossível que foi realizado com muita competência. 

O evento contou com um coquetel servido pelo
buffet Odila Hoehne e vários mimos
No filme está o Deus do Antigo Testamento, aquele que pune sem dó nem piedade quem não o obedecer. Alguns podem pensar que não é o mesmo a ser seguido nos dias de hoje, mas a trama respeitou o que está escrito na Bíblia -o que, por si só, é um grande desafio. A mexicana Gisele Itié, a mocinha da novela, brilha na pele de Zípora até no filme, em que aparece pouco, mas sempre com presença marcante.

As pragas, um dos chamarizes da novela, foram contadas com muita agilidade, e o conflito entre os amigos de infância criados juntos que se tornam inimigos, Moisés e Ramsés (Sérgio Marone) emociona porque, embora se saiba a história, o espectador torce para uma reconciliação entre os dois. Está desenhado a partir desse arquétipo toda a característica de um herói, e isso é tudo o que o público quer para conseguir torcer, e de um vilão bem definido, tudo o que os espectadores querem odiar. Tudo muito definido para que não restem dúvidas de quem é bom ou mal. As noções de certo e errado também são bem nítidas.

"Os Dez Mandamentos - O Filme" teve quase 600 mil espectadores no dia da estreia. Para efeito de comparação, o blockbuster "Velozes & Furiosos 7", que todos estavam curiosos por ser o último filme do ator Paul Walker, vendeu 543 mil ingressos na estreia e foi um dos grandes sucessos do ano passado. Os mais otimistas esperam tirar de "Tropa de Elite 2" o topo do ranking de campeões de bilheteria do cinema nacional. Maior resultado de todos os tempos em pré-venda já tem: foram 3,2 milhões de entradas vendidas. 


Os convidados ganharam potes de pipoca
e refrigerantes. Foi uma sessão inesquecível
Quanto as salas vazias noticiadas pela imprensa? Intriga da oposição! Quem, em sã consciência e em tempos de crise - tirando os aficionados - vai ao cinema se não estiver ansioso para assistir algum filme? E torcer contra só porque é religioso, ou da Record, é, no mínimo, burrice. Que o cinema nacional ganhe cada vez mais público! Se a Record for esperta, irá correr para contar a trajetória de Jesus Cristo em formato de novela e, depois, filme. Será, literalmente, épico!

Com direção de Alexandre Avancini, destacam-se ainda Petrônio Gontijo, Denise Del Vecchio, Samara Felippo, Mel Lisboa, Paulo Gorgulho, Vera Zimmermann, Zecarlos Machado (do seriado "Sessão de Terapia"), Larissa Maciel (a "Maysa" do seriado da Globo). O roteiro é de Vivian de Oliveira
 e Joaquim Assis. 

Trailer de "Os Dez Mandamentos - O Filme"

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

2 comentários:

  1. A sua imparcialidade em comentar sobre o filme foi o que mais gostei...parabéns

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto.
    Parabéns

    ResponderExcluir

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.