quarta-feira, 9 de agosto de 2017

.: Espaço Cultural Porto Seguro apresenta Manifesto Gráfico

"Manifesto Gráfico" reúne cartazes de artistas nacionais e estrangeiros.Mostra traz uma seleção de 120 trabalhos do acervo pessoal do artista gráfico Rico Lins, que também apresenta cartazes de sua autoria


Urbano, rápido, de linguagem sintética, ao mesmo tempo complexa e desconcertante. Um bom cartaz é capaz de reunir todas essas características em meio às quatro arestas que o limitam. É este o ponto de partida de Manifesto Gráfico, exposição que o Espaço Cultural Porto Seguro recebe entre 17 de agosto e 8 de outubro. A mostra traz uma seleção de cerca de 120 cartazes da coleção pessoal do artista gráfico Rico Lins.

Além de cartazes de sua própria autoria, Rico, que também assina a curadoria da exposição, revela um cuidadoso olhar para a produção brasileira e internacional de cartazes, tomando como mote da mostra o próprio significado de “manifesto”, que tem como origem etimológica o significado de claro, evidente - além de, em italiano, significar também cartaz.

O artista apresenta ao público trabalhos de artistas como Leonilson, Antonio Maluf, Rodolfo Vanni, Alexandre Wollner, Kiko Farkas, André Stolarski e Guilherme Cunha Lima e também cartazes dos designers do prestigiado grupo russo Ostengruppe. A mostra apresenta ainda um conjunto de livros e outras obras de referência, fundamentais para seu repertório.

“O cartaz traz a nós, designers, um espaço precioso de síntese gráfica. Ele nasceu na cidade e para a cidade, logo se transformando em mídia com a função de informar. Com o passar do tempo e o avanço da tecnologia, acabou caindo em desuso. O digital, entretanto, possibilitou o renascimento dessa cultura, que hoje está em plena transformação”, afirma Rico.

Fruto da industrialização e da urbanização, o cartaz como hoje conhecemos nasceu em meados do século 19 em resposta às profundas mudanças sociais e tecnológicas daquele tempo. As cidades ganharam passantes ávidos por informações e com acesso a bens de consumo. O que surgiu como um meio essencial para a promoção de produtos, eventos ou até mesmo como suporte para a veiculação de informações, ocupa hoje a linha de frente do design gráfico, disputando espaço em galerias e museus. “O cartaz perdeu força como meio de massa e transformou-se em um objeto de estudo, de pesquisa, um prato cheio para experimentações infinitas”, pontua o artista.

O compilado, que se espalhará por dois andares do Espaço Cultural Porto Seguro, tem como intuito apresentar ao público as diferentes correntes e expressões no campo do design gráfico, além das técnicas distintas empregadas para a confecção desses trabalhos, tais como a serigrafia e a impressão offset. A mostra trará cartazes impressos e digitais e uma instalação com lambe-lambes.

Entre as muitas questões que abarca, Manifesto Gráfico propõe uma discussão acerca do lugar ocupado pelo cartaz hoje, sua função inicial de comunicação em espaços públicos, as derivações ao longo da história - incluindo a atribuição de obra de arte, o contraste entre as produções nacionais e estrangeiras e a transposição da peça para o universo digital.

Entusiasta da cultura do cartaz, Rico não sabe precisar exatamente quando deu início à sua coleção. “Sou de uma geração em que o cartaz tinha uma aura importante de contestação, era uma manifestação muito clara da contracultura”, aponta. “Convivia muito com cartazistas, trocávamos cartazes, recebia vários outros, etc. Quando vi, já era tarde”, conta. Atualmente, seu acervo reúne cerca de 3 mil peças. Para ele, a construção de coleções desta natureza possibilita não só a valorização da memória do design em âmbito mundial, mas também um traçado de pontos de seu desenvolvimento e ampliação do acesso a pesquisadores, estudantes e artistas.

Artista: Rico Lins é designer e curador da exposição Manifesto Gráfico. Formado pela ESDI, em 1979, e com Master pelo Royal College of Art de Londres, é membro da AGI (Alliance Graphique Internationalle), com longa carreira internacional que combina atividades profissionais e didáticas. Atuou nas últimas três décadas entre Paris, Londres, New York, Rio e São Paulo. Foi professor da NY School of Visual Arts, coordenou o Master em Graphic Design no Istituto Europeo de Design SP e atualmente coordena a área de ilustração na EBAC- Escola Britânica de Artes Criativas.


Serviço:
Exposição Manifesto Gráfico
Período expositivo: de 17 de agosto a 8 de outubro
Horário de funcionamento: de terça a sábado, das 10h às 19h; domingos e feriados, das 10h às 17h (última entrada até 30 minutos antes do horário de encerramento).
Quanto: grátis.
Classificação: livre.
Espaço Cultural Porto Seguro
Endereço: Alameda Barão de Piracicaba, 610, Campos Elíseos, São Paulo | (11) 3226-7361.
Estacionamento: Alameda Barão de Piracicaba, 634 (sede Porto Seguro) – até 1h30: gratuito. 1ª, 2ª e 3ª hora adicional: R$ 10 a hora. A partir da 4ª hora adicional: R$ 5 a hora. De segunda a sexta a partir das 17h30: R$ 20 (preço único). Sábados, domingos e feriados: R$ 20 (preço único). Cliente Porto Seguro tem 50% de desconto.
Serviço de vans: o Espaço Cultural Porto Seguro oferece vans gratuitas da Estação Luz até as dependências do Espaço.
Restaurante Gemma: Terças a sextas-feiras das 10h às 19h; sábados das 10 às 18h e domingos das 10h às 16h.

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.