quinta-feira, 14 de setembro de 2017

.: 7x2: AHS Cult ensina a não ter medo do escuro e dá medo

Por: Mary Ellen Farias dos Santos
Em setembro de 2017



A verdade é que quando nós, seres humanos, ouvimos em alto e bom som para não fazer algo, o convite para fazer o contrário é ainda mais apetitoso. Eis que no segundo episódio de "American Horror Story: Cult", intitulado "Don´t be afraid of the dark", o pavor incontrolável de Ally (Sarah Paulson) pouco diminuirá se qualquer um disser: "Não tenha medo do escuro -e de palhaços, claro!". 

A irracionalidade dela diante do maior medo que sente e envolve a todos, acaba mudando toda a forma de viver dela e ainda que esteja na própria casa, ao lado de quem a ama e a protege. Por outro lado, todo o temor de Ally (Sarah Paulson) parece ser contagioso, pois o filho Oz começa a sofrer com pesadelos protagonizados pelo palhaço Twisty. E a parceira dela, Ivy? Quando não acredita no que ela diz, banca de salvadora e empunha um facão na busca por algum palhaço que ouse assombrá-la.

Loucura? Alucinação? Brincadeira? O pânico de Ally somente aumenta e o pobre Oz também passa a "ser visitado por palhaços". Talvez seja um reflexo pelo fato de Winnie (Billie Lourd) ter colocado o pequeno para assistir vídeos de assassinatos!? Contudo, marcas são sempre marcas! 

Enfatizando o temor de "AHS Cult", é a vez de deixar claro o que Winnie sente por Kai (Evan Peters): medo total, o que explica tamanho empenho da moça em tacar terror na família de Ally e Ivy. Em tempo, o pesadelo de Oz gera uma sequência eletrizante! Contudo, todo vilão tem o seu momento coitadinho, e é aí que Kai volta à cena como um homem local e inocente, brutalmente atacado. Eis que surgem novos personagens na trama: Um casal que filmou tudo -e será bem inserido na trama.

Para a Tv, a vítima "atacada" por ilegais -pura brincadeira com a distorção dos fatos, feitos da mídia- usa e abusa da situação para mostrar o quão defensor de Donald Trump é. Com sarcasmo de sobra, a promessa de Kai, de mandar os medos para longe é irônica e mentirosa -como o habitual no meio político.

De dia, sem assombração de palhaços, Ally percebe a chegada de vizinhos e resolve "xeretar" de perto, de modo invasivo e sem nem pedir desculpas. Já na cozinha, ela também dá fim a uma briga entre um americano e um latino. Interessante, não é? A crítica de construir pontes e não muros é gritante.

Nesse jogo confuso, Winnie usa Oz, de modo, um tanto que hilário, faz um pacto de dedinhos com o pequeno. Lembrou muito a extinta série "Scream Queens", também de Ryan e Brad. Entre palhaços assassinos e discursos de Kai, um casal de vizinhos para lá de estranhos, a situação para Ally fica mais intrigante e medonha. Ao procurar por Oz, que está com os novos vizinhos, Ally e Ivy tem a chance de conhecer os dois: Ela, diz ter largado o trabalho para por um câncer, embora trabalhe de casa. Entre citar Beyoncè e a série "Housewives", ele se declara fã de Nicole Kidman e gay. 

Dupla bem peculiar. Por quê? Ambos estão juntos por terem feito um pacto: Caso não se casassem até os 35 anos, mesmo sendo diferentes, juntariam as escovas! Excêntricos ao extremo! É o que Ivy e Ally discutem até fazerem o papel de pais que deixam o filho -que está na fase dos pesadelos- dormir na cama junto. Eis que Ivy é chamada pelo fato de o alarme do restaurante disparar, mas quem sai é Ally. Mesmo tomada de coragem, as "visões" realistas voltam com força e até um morto congelado surge para fazê-la berrar de medo! E com razão... A suspeita de assassinato respinga em Ally e no outro cozinheiro, o qual se desentendeu com o defunto.

Enquanto que a visitinha particular do psicólogo (Cheyenne Jackson) serve para acalmar Ally -até a página dois-, a de Kai torna a desestabilizá-la por completo. Numa disputa ideológica entre os dois, Kai reluta e tenta convencê-la, utilizando fontes como o Facebook. Por sorte, todo o reforço nas portas e janelas da casa estão aprovados! Buuuuu! A ironia? Enquanto que ela pensa na construção das pontes, está cada vez mais trancada em seu próprio mundo.

Para acalmar, nada como uma taça de vinho e um banhinho especial de banheira, não é? Winnie é quem prepara tudo e demonstra certo interesse em Ally. Uma aparição repentina que assusta, insinuação de lesbianismo e mais uma vez o alarme dispara. Nova sequência de deixar qualquer um roendo as unhas! Vamos aguardar ansiosos pelo próximo episódio, pois a série está começando a pegar fogo.


Seriado: American Horror Story: Cult
Episódio: Don´t be affraid of the dark 

Elenco: Sarah Paulson como Ally Mayfair-Richards, Evan Peters como Kai Anderson, Cheyenne Jackson como Dr. Rudy Vincent, Billie Lourd como Winter Anderson, Alison Pill como Ivy Mayfair-Richards, Colton Haynes como Detetive Samuels, Billy Eichner como Harrison Wilton, Leslie Grossman como Meadow Wilton, Adina Porter como Beverly Hope, Lena Dunham como Valerie Solanas, Emma Roberts como Serina Belinda, Chaz Bono como Gary Longstreet, John Carroll Lynch como Twisty, o Palhaço, Frances Conroy, Mare Winningham, James Morosini.


* Mary Ellen é editora do site cultural www.resenhando.com, jornalista, professora e roteirista, além de criadora do www.photonovelas.com.br. Twitter: @maryellenfsm 
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.