sábado, 24 de fevereiro de 2018

.: A palavra “MITO” modificada no Brasil do Século XXI, por Marcio Costa


Por Marcio Costa*, em dezembro de 2017

O que leva o povo brasileiro do século XXI a chamar alguém, ou algum ser humano de “mito”? Vamos à etimologia da palavra: "mito", vem do grego mythós, que significa nada mais do que uma narrativa ou discurso, o ouvinte acreditando ou não. Advém de dois verbos gregos que em si, significam apenas contar, falar, conversar e “prosear”. Está estritamente ligado às Tragédias e as Epopéias gregas.

Já a palavra "logos" significa palavra, explicar, argumentar entre outros. Se trouxéssemos os antigos filósofos gregos para o Brasil de hoje, a diferença entre as palavras logos e mythós estariam entre razão e fé. Pois "mythós" simbolizaria a fé, algo que é falado ou discursado por um narrador e, o  "logos" simbolizaria a razão, algo argumentado e baseado em fatos, talvez empíricos ou não, mas  possivelmente, mais concretos.

E por que atualmente no Brasil várias pessoas são chamadas de “mito” (jogadores de futebol, políticos, juízes e muitos outros)?

Em primeiro lugar, não se conhece a etimologia da palavra "mito"; em conseguinte, há o conceito popular atual de que “mito” é algo extraordinário; e por fim, as pessoas realmente não sabem o que é um mito.

Até o final do século XX, mito significava, na cultura popular, algo que não existe, que não passa de ficção. Na Grécia Antiga, o mito era apenas algo que se falava, ou “proseava”, ou seja, a mentira do pescador.

Mas no Brasil do século XXI o mito ganhou o nome de algo forte, sinônimo de virilidade, ostentação de narrativa e argumentação, mas por quê? Será que pelo fato de o Brasil ser o país do futebol e carnaval, e não o da etimologia das palavras?

Basta buscar no passado, onde todas, ou quase todas, as palavras foram construídas em sua etimologia grega ou do latim, “alma”, “costa”, “mito”, democracia” e tantas outras. Qual a intenção de modificar um sinônimo, ou, se é sem intenção, o que é?

É necessário voltar ao meu primeiro artigo escrito para esse portal (você pode acessá-lo nesse link), todo o problema está na “EDUCAÇÃO”. Para o brasileiro do século XXI, o mito é o cara “foda”, teoria é algo que não foi comprovada, sendo que o nome disso é “hipótese” e a ciência é em um todo falaciosa e os grandes líderes das Igrejas, são honestos e detentores da verdade.

Precisamos nos relembrar dos gregos e dizer que o mito, sim, é algo falacioso, não passa de uma narrativa ou discurso, nada além. No caso de jogadores de futebol, algo estético, nada mais. O “logos” que seriam os fatos empíricos são verdadeiros, ou, pelo menos, comprovados.

É necessário no Brasil dos tempos modernos, estarmos de verdade nos “tempos modernos”. É inviável a uma nação do tamanho do Brasil retroceder, não podemos aceitar os “desmandos” dos governos. Certo dia desses, um presidente da Câmara dos Deputados disse que a Câmara não é cartório e não podem ratificar tudo o que o povo pede (Fonte O Globo: http://blogs.oglobo.globo.com/eissomesmo/post/presidente-da-camara-afirmou-que-casa-nao-precisa-ouvir-o-povo-nos-checamos.html), precisamos andar à frente, nem que para este caminho seja necessário a revolta. 

Esqueçamos os mitos modernos e lembremo-nos dos mitos gregos. Qualquer mito além do grego, não passa de falácia.


*Marcio Costa é publicitário e estudante de filosofia.

Compartilhar no WhatsApp
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.