quinta-feira, 17 de maio de 2018

.: Crítica de "Deadpool 2", o proibidão dos diálogos inteligentes

Por: Mary Ellen Farias dos Santos
Em maio de 2018
Atualizado em 18 maio, às 12h30m


A característica história de "super herói" apimentada com muito sarcasmo, sacadas inteligentes e lutas surreais sobrevivem em "Deadpool 2". Na verdade, a essência do anti-herói amado por ser realista, romântico, fã de músicas dos anos 80, piadista -inclusive quando não deveria- e tagarela estão 100% presentes na sequência da FOX e Marvel, desta vez, com direção de David Leitch -que não deixa nada a desejar ao manter a desconstrução sem ter que seguir o politicamente correto.

Roteiro preguiçoso? É como que um bordão do protagonista que faz a reclamação, por vezes, para o público. Ironia? Total! O próprio Ryan Reynolds participou da criação escrita, ao lado de Paul Wernick, Rhett Reese, Rob Liefeld e Fabian NiciezaO bate-papo com o público, a metalinguagem, está mais presente, funcionando como um elo entre protagonista e o espectador. 

"Deadpool 2", assim como o primeiro, não é cheio de reviravoltas mirabolantes, mortes de protagonistas e personagens importantes como nos recentes sucessos da Marvel: "Logan" e "Vingadores: Guerra Infinita". O próprio Deadpool comenta isso! A história de Wade (Ryan Reynolds) vai além, pois a narrativa agarra pela excelência do texto lotado de tiradas e puro deboche, que balanceiam com o drama em diversas formas, seja a perda de um ente querido ou sofrer maus-tratos e até bullying. 

Mais uma vez os detalhes enriquecem toda a trama. Embora continue sem papas na língua, o rei da pancadaria -com direito a uso de armas- não é a mesma metralhadora de palavrões, mas há uma justificativa mais plausível: Vanessa se foi. Sem motivos para viver e sem poder morrer, devido o alto poder de cura, Wade faz peripécias. Sim! O "mocinho" fica em pedaços, literalmente. Após o drama amoroso surge a apresentação clássica de "Deadpool"com dizeres hilários, do que será encontrado no longa, ao som da música de Celine Dion: "Ashes". Mesmo deprimido, enquanto bebe no bar do amigo, o anti-herói lembra da morte de George Michael, mas deixa claro não saber da partida de David Bowie.

Sem tempo para desenhar -as ilustrações aparecem nos créditos finais-, Wade está mais polido. Quem será que tentou lavar a boca dele? Talvez, ao ingressar na "Escola para Jovens Superdotados" do professor Xavier, mesmo que contra a vontade, o processo de "maneirar" o palavreado tenha acontecido de modo inconsciente. O que dizer da cena em que Deadpool reclama sobre nunca encontrar os X-Men famosos na mansão, enquanto que o público é presenteado com tamanha visão? Aos fãs, fica o momento de pura felicidade mesclada com aquela gargalhada que não se consegue conter.

"Deadpool 2" traz um Wade mais tolerante? Um pouquinho! O próprio comenta que a sequência é um filme de família. Digamos que sim e não, tudo depende do ponto de vista. Ao recrutar membros para formar o "X-Force", com o intuito de salvar um garoto com poderes ainda não dominados, o anti-herói seleciona perfis diferentes e promove a inclusão: uma linda negra sortuda -mesmo- com vitiligo a até um ser humano bigodudo, sem poderes, tem vez com ele.

O vilão? Vem diretamente do futuro para interferir no presente, mas não rouba a cena, de modo algum. Deadpool, indiscutivelmente, é o dono da história durante as 2 horas de filme. Há um outro vilão na trama, para atrapalhar o X-Force, por ser extremamente robusto e de uma força assombrosa, que, em certo momento, faz parceria com o garoto de dons incontrolados. O que ele faz a Wade? Proporciona um crescimento ainda mais hilário do que a mãozinha "fofa" -no primeiro filme. 

Não há cena após os créditos finais, como no anterior em que o herói faz igual a Ferris Bueller de "Curtindo a Vida Adoidado", mas há boas surpresas antes e com alto grau de importância. Após os desenhos de Deadpool apresentando os personagens e seus atores, as cenas imperdíveis podem ser conferidas. Elas têm o poder de mudar grande parte do que se viu no filme. Logo, não há como classificar certos comentários do longa como "spoiler". 

"Deadpool 2" é imperdível! A produção estreia nos cinemas em 17 de maio e foi proibida para menores de 18 anos. Na sexta-feria, dia 18 de maio, a classificação indicativa foi ajustada para 16 anos, podendo assistir se acompanhados por pais/responsáveis ou com autorização.




Filme: Deadpool 2 (Deadpool 2, eUA)
Direção: David Leitch
Roteiro: Ryan Reynolds, Paul Wernick, Rhett Reese, Rob Liefeld, Fabian Nicieza
Música composta por: Tyler Bates
Elenco: Ryan Reynolds, Josh Brolin, Zazie Beetz
Produtoras: 20th Century Fox, Marvel Entertainment, Genre Films, The Donners' Company
Data de lançamento: 17 de maio de 2018 (Brasil)

*Mary Ellen Farias dos Santos é criadora e editora do portal cultural Resenhando.com. É formada em Comunicação Social - Jornalismo, pós-graduada em Literatura e licenciada em Letras pela UniSantos - Universidade Católica de Santos. Twitter: 
@maryellenfsm



Trailer

Trailer

Música "Ashes" interpretada por Celine Dion





Sobre o Cine Roxy: Em mais de oito décadas, o Roxy é caso raro de cinema que acompanhou a transformação da maneira de se exibir um filme: dos primeiros e grandes rolos de película ao sistema digital. A rica trajetória se deve à perseverança e o senso empreendedor da família Campos: de pai para filho, chegou ao atual diretor do Roxy, Antônio Campos Neto, o Toninho Campos. A modernização, aliada à tradição, transformou o Roxy no principal cinema do litoral paulista, fato que rendeu a Toninho o Prêmio ED 2013 na categoria Exibição -Destaque Profissional de Programação, considerado o principal do país nos segmentos de exibição e distribuição. E o convite para ser diretor cultural do Santos & Convention Visitors Bureau.



Compartilhar no WhatsApp
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

4 comentários:

  1. Filme para chorar de rir, mas é também cheio de pancadaria. As cenas depois dos nomes do elenco mudam tudo mesmo. Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Que tiro? nada. Que filme foi esse? Franquia longa, já.

    ResponderExcluir
  3. Filme de diversão, cara! Quero é ver de novo.

    ResponderExcluir
  4. O melhor dos melhores. Filme pecou por ser mais limpo nas palavras, mas valeu muito.

    ResponderExcluir

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.