domingo, 15 de julho de 2018

#15Linhas: Sobre partidas da vida e jogos de futebol

Por Helder Moraes Miranda, em julho de 2018.


França X Croácia. Vitória de 4 a 2 para o primeiro time. É claro que eu queria que o Brasil estivesse na final da Copa do Mundo, até para elevar um pouco da autoestima dessa nação que anda tão diminuta. Brasil apanharia. Mas, sem essa opção, eu torci que a Croácia ganhasse porque quero ter esperanças na vida. 

Quero acreditar que um time que é considerado menor vença aquele que é o favorito. É como o embate de Davi e Golias, em que venceu aquele que ninguém acreditava. Mas isso é um paralelo com o futebol, porque eu quero isso para a vida. Chance para todos, sem o vitimismo que a probletimatização de tudo quer apregoar. Quero oportunidades iguais para todos sem que para isso seja lançado mão de cotas.

A Copa do Mundo não muda a vida de ninguém, só a dos jogadores que participam da partida. No máximo, alegria para as suas nações. No mais, eu fico na minha caminha, aproveitando uma semaninha de férias, ops, recesso, que a profissão de professor me permite. Mas quero jogos justos nas partidas da vida. Isso não é nem de longe pedir muito.


*Helder Moraes Miranda escreve desde os seis anos e publicou um livro de poemas, "Fuga", aos 17. É bacharel em jornalismo e licenciado em Letras pela UniSantos - Universidade Católica de Santos, pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura, pela USP - Universidade de São Paulo, e graduando em Pedagogia, pela Univesp - Universidade Virtual do Estado de São Paulo. Participou de várias antologias nacionais e internacionais, escreve contos, poemas e romances ainda não publicados. É editor do portal de cultura e entretenimento Resenhando.

Compartilhar no WhatsApp
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.