sábado, 4 de agosto de 2018

.: Bienal do Livro: Walcyr Carrasco e Adriana Falcão em conversa aberta

Por: Mary Ellen Farias dos Santos
Em agosto de 2018


Que a Bienal Internacional do Livro de São Paulo é o maior evento cultural da metrópole do Brasil, não há qualquer dúvida. Tamanha grandeza proporciona uma incrível mistura de emoções em um só lugar, no caso no Anhembi. No sábado, dia 4 de agosto, nArena Cultural BIC®, a partir das 13h30, os escritores e roteiristas Walcyr Carrasco e Adriana Falcão falaram de modo franco, sobre adaptações e influências literárias para TV e Cinema. 

A palestra sobre o tema "O livro na TV", esmiuçou as diferenças e semelhanças entre roteiros e livros. Centrada, Adriana Falcão comentou sobre o início de carreira como roteirista, uma consequência que surgiu diante de textos escritos para "salvá-la da loucura", assim como Clarice Lispector dizia. Produções essas que ganharam "vida" ao serem utilizadas pelo marido e roteirista João Falcão, na "Comédia da Vida Privada".

Ela, responsável por sucessos como “A Grande Família” e “O Auto da Compadecida”, diz escrever sobre o cotidiano, mais focada no núcleo familiar, tal qual uma fonte de inspiração. Explicou que escrever um livro, produção finalizada que exige um exercício solitário, é algo mais livre, uma criação puramente própria, com raras e proveitosas interferências de editores. Já no roteiro, Adriana Falcão considera a resposta do público para que o rumo da trama prossiga pelo caminho correto. 

Com um toque de bom humor, Walcyr Carrasco contou um pouco das dificuldades de um jornalista em ingressar no meio de roteiristas, destacando a necessidade de manter o foco e não desistir de seus objetivos. Algo diferente da atualidade, em que recebe encomendas de textos.

"Neste momento eu estou vivendo uma possibilidade. É o de fazer uma encomenda de 'Verdades Secretas'. Quando eu escrevi 'Verdades Secretas' eu plantei a semente da segunda temporada. Eu não sei se eles viram isso que eu tinha plantado ou realmente o sucesso, 'Verdades Secretas' é internacional e eles acharam: Ah! Por que não tentar uma segunda temporada? Vamos ver se acontece", comentou.

Walcyr Carrasco também revelou detalhes a respeito da crendice de que há uma pesquisa na rede de televisão para que algum personagem mude de comportamento. "Se tiver alguém na Globo ou em qualquer lugar que venha com a resposta certa, exata, eu vou me ajoelhar e perguntar para ela. Não existe!".

O escritor comentou que "para a criação não há uma técnica exata, não é matemático, em que um mais um é igual a dois. Não! Pode ser igual a três, pode ser igual a quatro ou a cinco. Quando há uma pesquisa, em geral, é um estímulo para você surpreender o público com uma coisa bem diferente e não para o que ele está esperando."

Irreverente, Carrasco revelou que em pesquisas, as mulheres já falaram: "Não! Pelo amor de Deus, mata essa personagem, ela é ruim demais, ela faz coisas pavorosas, tira da novela. Isso para mim é assim: Que bom! Essa vilã deu certo. Vou fazer ela fazer coisas piores ainda".

Serviço
25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo
03 a 12 de agosto de 2018
Pavilhão de Exposições do Anhembi                          
Av. Olavo Fontoura, 1.209 – Santana / 02012-021 São Paulo – SP
www.bienaldolivrosp.com.br


*Mary Ellen Farias dos Santos é criadora e editora do portal cultural Resenhando.com. É formada em Comunicação Social - Jornalismo, pós-graduada em Literatura e licenciada em Letras pela UniSantos - Universidade Católica de Santos. Twitter: 
@maryellenfsm
Compartilhar no WhatsApp
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.