Mostrando postagens com marcador Agenda. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Agenda. Mostrar todas as postagens

domingo, 26 de maio de 2024

.: Peça "Depois do Ensaio, Nora, Persona" desdobra diálogo entre Bergman e Ibsen


Com direção e dramaturgia de José Fernando Peixoto de Azevedo, obra aborda o terror que atravessa os processos de mobilidade social. Foto: André Voúlgaris

Dando continuidade à pesquisa sobre o terror nas relações cotidianas, em sua dimensão racializada, o encenador José Fernando Peixoto de Azevedo estreia "Depois do Ensaio, Nora, Persona". A peça cumpre temporada no Sesc Avenida Paulista até dia 23 de junho, com sessões às quintas, sextas e sábados, às 19h00. Aos domingos e no feriado, 30 de maio, às 17h00. E na quarta, dia 19 de junho, às 19h. O trabalho estabelece uma relação entre os textos “Depois do Ensaio” e “Persona”, do escritor e cineasta sueco Ingmar Bergman (1918 - 2007), e “Casa de Bonecas”, do dramaturgo norueguês Henrik Ibsen (1828 – 1906). As obras, que discutem temas como o abandono, a inveja, o teatro e o cinema, ganharam novos contornos a partir da dramaturgia de Azevedo.

“Desde que montei ‘Ensaio sobre o terror’, em 2023, estamos retomando uma experiência de coletivo. Aos poucos vai se consolidando a Sociedade Arminda, uma plataforma de trabalho, de aquilombamento, inicialmente com Rodrigo Scarpelli e Thainá Muniz", afirma José Fernando Peixoto de Azevedo. Já para este projeto, outros artistas se agregam. É o caso da diretora de arte Beatriz Barros e do diretor musical Muato, além do aprofundamento da parceria com o cineasta André Voúlgaris. "Em mira, os embates que acontecem quando brancos e negros estão juntos. Aqui, nesse ‘juntos’, a cifra do que interessa investigar, apostar, inventar", diz o diretor.

A questão da interracialidade passou a integrar a trama. Em "Depois do Ensaio, Nora, Persona", o público assiste a três peças, uma na sequência da outra. A experiência tem a duração total de 3h40 com um intervalo de 20 minutos. Embora a articulação dos textos não seja imediata, Azevedo realiza uma combinação de trajetórias, fazendo com que uma fábula vá se desdobrando na outra, com pequenas adaptações que dão a ver a atualidade do material.

Sobre a encenação
O espetáculo começa com "Depois do Ensaio". Na trama, enquanto ensaia para montar "Casa de Bonecas", uma jovem atriz negra discute com seu diretor, um homem branco de meia idade, a respeito de certos impasses do trabalho e da vida, fazendo vir à tona aspectos não resolvidos de ambas as trajetórias. Os dois têm visões muito diferentes sobre o fazer teatral, sobre a maneira de politizar o trabalho e como viver/tratar os conflitos.

Ao mesmo tempo, a memória da mãe da jovem – uma grande atriz, amante do diretor, que morreu em crise com suas escolhas – toma a cena, presentificada em sua força falante, um fantasma exigindo justeza entre palavra e gesto, ali, onde a justiça talvez já não seja possível. “Com 'Depois do Ensaio', estou fazendo algo que eu não fazia há muito tempo: uma cena aterrissando na palavra, sem nada que a enquadre, senão os próprios atores, sem utilizar dispositivos do audiovisual, por exemplo” – esta, uma característica do trabalho do encenador José Fernando.

A segunda parte do trabalho é composta pela montagem de "Casa de Bonecas", que teve uma versão do próprio cineasta, em 1981, em que atualizava alguns aspectos do original ibseneano. Agora a peça aparece intitulada Nora, concebida também como um conto de terror. Isso porque a protagonista, em seu casamento com um jovem advogado e banqueiro branco, vivencia uma espiral intensificada de ameaças e devastação, sentindo-se constantemente pressionada por um empréstimo que fez e não deveria. Essa situação evoca aspectos presentes nos dois textos de Bergman, integrando os espetáculos em um movimento de suspense sem solução. E, para criar esse clima aterrorizante, Azevedo retoma um dos elementos centrais das suas montagens: a prática do cinema, ao vivo, em cena.

Três câmeras estão em cena, telas exibem imagens ao vivo e gravadas, e o cenário é construído a partir de chroma key, um recurso que permite a substituição de uma cor sólida (no caso, o azul) por uma imagem. A trilha sonora também é executada ao vivo.

Por fim, em "Persona", uma atriz colapsa em cena e perde a voz. Na tentativa de se recuperar, confronta-se com uma jovem mulher: a enfermeira que, no esforço de cuidar da outra, compreende a falta como um abandono de si. São duas mulheres negras tendo que lidar com a palavra que irrompe no silêncio, como desencontro. "Persona", aqui, divide-se em duas partes. Em um primeiro momento, os espectadores acompanham uma espécie de filme sonorizado ao vivo pelos atores. Depois, quando a fala colapsada emerge em cena, recupera-se a dinâmica do filme inteiro sendo feito ao vivo, como acontece com a encenação do "Casa de Bonecas".

“Com esse projeto, discutimos a permanência dos corpos negros em cena. Por isso, temos pelo menos três gerações de teatro no trabalho. Em Depois do ensaio, temos duas gerações radicalmente diferentes de mulheres negras em cena, o que permite uma reflexão sobre teatro, sobre racialidade no teatro, sobre interracialidade e sobre o lugar dessas mulheres no teatro que fazemos”, comenta Azevedo.

O jogo entre as atrizes, no trânsito entre uma parte e outra, em cena, e a cena em que vemos a atriz jovem, sua mãe, também atriz; ou a atriz revendo o que ainda é possível considerar de sua personagem, Nora, e, depois, de si mesma, são elementos decisivos que, integrados pela presença da câmera e o cinema ao vivo, fazem ver um tanto da violência estrutural que define nossa sociabilidade no seu momento interracial, quando o silencio é nome de ferida social.

Sinopse
"Depois do Ensaio, Nora, Persona": três ensaios sobre a falta e as formas do terror que atravessam processos de mobilidade social na dinâmica inter-racial disso que ainda chamamos sociedade. Primeiro, o teatro, e o que nele se faz na medida em vamos nos inventando a nós mesmos; depois, os confrontos da cena em sua demanda violenta de atualidade sem recuos; por fim, o trabalho de cura sobre os corpos que não esquecem suas dores, mas que as vão mapeando, no esforço de não se perderem em meio a elas, numa reiteração sem fim.

Ficha técnica
Espetáculo "Depois do Ensaio, Nora, Persona" |  Textos: Ingmar Bergman (Depois do ensaio, Persona) e Henrik Ibsen ("Casa de Bonecas") | Tradução: Karl Erik Schøllhammer ("Depois do Ensaio", "Casa de Bonecas", "Persona") e Aderbal Freire-Filho ("Casa de Bonecas") | Dramaturgia, dispositivo de cena e de imagem, direção geral: José Fe  rnando Peixoto de Azevedo |  Elenco: Daniel Tonsig, Castilho, Ellen Regina, Filipe Roseno, Izabel Lima, Rodrigo Scarpelli, Thainá Muniz e Victor Barros | Direção técnica e de imagem: André Voúlgaris | Direção de arte: Beatriz Barros e Maíra Sciuto | Direção musical e trilha: Muato | Desenho de Luz: Denilson Marques | Assistente de direção: Diego Roberto | Operação de câmera e edição de imagens: Fredo Peixoto | Assessoria de imprensa: Canal Aberto – Márcia Marques, Daniele Valério e Kelly Santos | Produção: Gabi Gonçalves e Anderson Vieira - Corpo Rastreado.

Serviço
Espetáculo "Depois do Ensaio, Nora, Persona" |  Com Sociedade Arminda e direção de José Fernando Peixoto de Azevedo |  Até dia 23 de junho de 2024 | Quintas, sextas e sábados, às 19h00 | Domingos e feriados, às 17h00 | Quinta, 30 de maio, às 17h00 |  Quarta-feora, 19 de junho, às 19h00 | Duração: 230 minutos, com intervalo | Sesc Avenida Paulista - Local: Arte II (13º andar) | Av. Paulista, 119 - Bela Vista / São Paulo  | Ingressos: R$ 50,00 (inteira), R$ 25,00 (meia-entrada) e R$ 15,00 (credencial plena)

.: "Rita Lee - Uma Autobiografia Musical" estende temporada no Teatro Porto


Com roteiro e pesquisa de Guilherme Samora, direção de Marcio Macena e Débora Dubois e direção musical de Marco França e Marcio Guimarães, espetáculo é baseado na autobiografia da rainha do rock brasileiro. Foto: João Caldas F.º

Em comemoração aos seus 9 anos, o Teatro Porto atendeu aos pedidos do público prorrogando a temporada do espetáculo "Rita Lee - Uma Autobiografia Musical", inspirado na autobiografia da cantora. Com mais de 15 mil ingressos vendidos antes da estreia e mais de 40 sessões esgotadas, a temporada será estendida até 15 de setembro, com apresentações às sextas e aos sábados, às 20h, e aos domingos, às 17h. Com direção de Marcio Macena e Débora Dubois, o espetáculo traz a atriz Mel Lisboa interpretando a roqueira-mor em um musical inédito, dez anos depois da estreia do sucesso "Rita Lee Mora ao Lado".

Quando Mel Lisboa pisou pela primeira vez em cena como Rita Lee em 2014, ela não poderia prever algumas coisas: primeiro, de que seriam meses de casa cheia num dos maiores teatros de São Paulo. Segundo, que a própria Rita apareceria sem avisar, abençoaria sua performance e ainda voltaria para assistir ao espetáculo. Trabalho, aliás, que rendeu a Mel prêmios como melhor atriz e a colocou de vez entre os maiores nomes do teatro nacional, com uma frutífera e diversificada carreira. 

Como diz Rita no livro, seu grande gol é ter feito um monte de gente feliz. E Mel, no palco como Rita, leva a sério essa missão e comemora o sucesso da temporada. “Ao mesmo tempo que me surpreendi com o sucesso de vendas absolutamente incomum do espetáculo, não é estranho considerando a magnitude da obra e vida da Rita Lee. E, agora que estamos sentindo a reação da plateia, percebemos que, de fato, Rita fez e ainda faz um monte de gente feliz", declara Mel Lisboa.

A nova montagem ainda tem direção musical de Marco França e Marcio Guimarães e, junto com Mel, estão no elenco Bruno Fraga, Fabiano Augusto, Carol Portes, Debora Reis, Flavia Strongolli, Yael Pecarovich, Antonio Vanfill, Gustavo Rezê e Roquildes Junior. Diferentemente do projeto anterior, dessa vez, Mel conta a história de Rita com base no livro da cantora, lançado em 2016 e um dos maiores sucessos editoriais do Brasil. O livro narra os altos e baixos da carreira de Rita com uma honestidade escancarada, a ponto de ter sido apontado como “ensinamento à classe artística” pelo jornal O Estado de São Paulo. A ideia do novo musical surgiu quando Mel gravou a versão em audiolivro, como Rita, em 2022. 

O texto de Rita, numa narrativa envolvente e perfeita para um musical biográfico, conta do primeiro disco voador avistado por ela ao último porre. Sem se poupar, ela fala da infância e dos primeiros passos na vida artística; de Os Mutantes e de Tutti-Frutti; de sua prisão em 1976, na ditadura; do encontro de almas com Roberto de Carvalho; das músicas e dos discos clássicos; do ativismo pelos direitos dos animais; dos tropeços e das glórias.

A montagem tem roteiro e pesquisa de Guilherme Samora inspirada no livro "Rita Lee - Uma Autobiografia", onde a cantora fala abertamente da sua vida pessoal e profissional. A ideia é criar uma versão inédita que mostre todas as facetas dessa grande cantora, compositora, multi-instrumentista, apresentadora, atriz, escritora e ativista dos direitos humanos e uma das maiores, se não a maior artista brasileira.

O Teatro Porto prorroga a temporada do musical "Rita Lee - Uma Autobiografia" em sintonia com as comemorações de seus 9 anos, completados em maio. Como parte de seu compromisso em incentivar a cultura brasileira e fomentar a efervescência da região central da cidade, a peça se alinha à visão curatorial do teatro, que busca excelência artística enquanto promove a inclusão de diferentes públicos.

Clientes da Porto Bank mais acompanhante têm 50% de desconto, e clientes Porto mais um acompanhante têm 30% de desconto.  O Teatro Porto oferece a seus clientes uma van gratuita partindo da Estação da Luz em direção ao prédio do teatro. O local de partida é na saída da estação, na Rua José Paulino/Praça da Luz. No trajeto de volta, a circulação é de até 30 minutos após o término da apresentação. E possui estacionamento gratuito para clientes do teatro. Compre o livro "Rita Lee - Uma Autobiografia Musical", de Rita Lee, neste link.


Ficha técnica
Espetáculo "Rita Lee - Uma Autobiografia Musical". Roteiro e Pesquisa: Guilherme Samora. Direção Geral: Débora Dubois e Márcio Macena. Direção Musical: Marco França e Marcio Guimarães. Coreografia: Tainara Cerqueira. Assistente de Coreografia: Priscila Borges. Figurinista: Carol Lobato. Iluminação: Wagner Pinto. Elenco: Mel Lisboa, Bruno Fraga, Fabiano Augusto, Carol Portes, Debora Reis, Flavia Strongolli, Yael Pecarovich, Antonio Vanfill, Gustavo Rezê e Roquildes Junior. Coordenação de Produção: Edinho Rodrigues. Realização: Brancalyone Produções.

Serviço
Espetáculo "Rita Lee - Uma Autobiografia Musical". Estreou em 26 de abril de 2024. Temporada prorrogada até 15 de setembro - Sextas e sábados às 20h e domingos, às 17h00. Ingressos:  Sextas - Plateia: R$100,00 (inteira) Balcão e Frisas: R$80,00 (inteira). Valor especial: R$40,00 (inteira)* Sábados e Domingos - Plateia: R$120,00 (inteira) Balcão e Frisas: R$100,00 (inteira). Valor Especial: R$40,00 (inteira)*O ingresso VALOR ESPECIAL é válido para todos os clientes e segue o plano de democratização da Lei Rouanet, havendo uma cota deste valor promocional por sessão.. Classificação: 12 anos. Duração: 120 minutos. Teatro Porto. Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos – São Paulo. Telefone (11) 3366-8700.


Bilheteria
Aberta somente nos dias de espetáculo, duas horas antes da atração.
Clientes Porto Bank mais acompanhante têm 50% de desconto.
Clientes Porto mais acompanhante têm 30% de desconto.
Vendas: www.sympla.com.br/teatroporto
Capacidade: 508 lugares.
Formas de pagamento: Cartão de crédito e débito (Visa, Mastercard, Elo e Diners).
Acessibilidade: 10 lugares para cadeirantes e 5 cadeiras para obesos.
Estacionamento no local: Gratuito para clientes do Teatro Porto.


O Teatro Porto oferece a seus clientes uma van gratuita partindo da Estação da Luz em direção ao prédio do teatro. O local de partida é na saída da estação, na Rua José Paulino/Praça da Luz. No trajeto de volta, a circulação é de até 30 minutos após o término da apresentação. E possui estacionamento gratuito para clientes do teatro.

.: "Corpo Intruso" faz nova temporada na Biblioteca Mário de Andrade em junho


Com Luciana Schwinden, Sílvio Restiffe e Julia Terron no elenco, 
espetáculo "Corpo Intruso", de Samir Yazbek, com direção de Pedro Granato, ganha nova temporada de 3 a 24 de junho, na Biblioteca Mário de Andrade. As sessões acontecem toda segunda-feira, às 21h00. Após a apresentação, haverá bate-papo com escritoras convidadas. Foto: Nadja Kouchi

Texto de Samir Yazbek, com direção de Pedro Granato, o espetáculo "Corpo Intruso" terá  nova temporada de 3 a 24 de junho, na Biblioteca Mário de Andrade, com sessões toda segunda-feira, às 21h00. Após a sessão haverá bate-papo com escritoras convidadas: Aline Bei (3 de junho), Ivana Arruda (10 de junho), Andrea Del Fuego (17 de junho) e Natalia Timernan (24 de junho). Os ingressos são gratuitos. Com Luciana Schwinden, Sílvio Restiffe e Julia Terron no elenco, a trama acompanha a trajetória de uma professora de língua portuguesa do ensino médio que, distante da sua vocação literária, encontra-se no leito de um quarto de hospital, acometida por uma doença desconhecida. Sua relação com o marido mantém padrões de afetos desgastados pelo tempo, com arquétipos e símbolos do casamento convencional, força motriz de uma vida comprometida com as aparências e os ganhos materiais.

Ao receber no hospital a visita de uma aluna apaixonada pelo universo da literatura, a professora, questionada em sua visão de mundo, passa a rever a sua relação com o seu marido e a forma de tocar a sua própria existência. O espetáculo traz discussões sobre vida e morte, e mais precisamente, sobre o que nos mantém vivos, o que nos impulsiona a ter sonhos e querer realizá-los. O universo da educação e da literatura também estão presentes no trabalho, tanto na relação entre professora e aluna, quanto no âmbito familiar e no embate geracional. “A busca da vocação e da paixão está no centro da peça”, conta Granato.

A atmosfera é de suspense intimista. Mesclar o mistério e o drama em um ambiente hospitalar de maneira a criar uma história equilibrada e “temperada” foi o maior desafio da construção, conta o diretor. O minimalismo está presente em toda a concepção do espetáculo, da cenografia que quer colocar o espectador dentro de um quarto de hospital à trilha sonora original, fortemente inspirada na banda britânica Portishead. O espetáculo estreou no Teatro Alfredo Mesquita em março de 2024, cumprindo uma temporada com sessões lotadas e repercussão de público e crítica. Em maio realizou temporada no Pequeno Ato.


Ficha técnica
Texto: Samir Yazbek. Direção: Pedro Granato. Atores: Julia Terron, Luciana Schwinden e Silvio Restiffe. Participação Especial: Carolina Romano. Cenário e adereços: Diego Dac. Iluminação: Beto de Faria. Trilha sonora original: Décio 7. Figurino: Iara Wisnik. Produção executiva: Carolina Henriques e Rommaní Carvalho. Técnico de palco: Victor Moretti. Técnico de Luz: Carol Soares. Técnico de Som: Diego Leo. Acompanhamento técnico: Édson Reis.  Assistente de direção e Contrarregragem: Carolina Romano. Assistente de cenário e Adereços: Luana Miyamoto. Assistente de Figurino: Amrita. Assistente de Trilha Original: Joaquim Scandurra. Tintura Cabelo: Cida Grecco. Assessoria de imprensa: Adriana Balsanelli. Fotos: Nadja Kouchi. Design gráfico: Carolina Romano. Produção: Jessica Rodrigues Produções e Pequeno Ato. Direção de produção: Jessica Rodrigues.


Serviço
Espetáculo "Corpo Intruso" na Biblioteca Mário de Andrade. Temporada: de 3 a 24 de junho de 2024 - Segundas-feiras, às 21h00. Ingressos: grátis. Duração: 90 minutos. Classificação: 14 anos. Bate-papo após o espetáculo: Aline Bei (3 de junho), Ivana Arruda (10 de junho), Andrea Del Fuego (17 de junho) e Natalia Timernan (24 de junho). Biblioteca Mário de Andrade. Rua da Consolação, 94 - República / São Paulo. Telefone: (11) 3150 9453.

sábado, 25 de maio de 2024

.: Teatro: "A Fuzarca dos Descalços", grátis, no Centro Cultural Santo Amaro


O Centro Cultural Santo Amaro recebe neste domingo, dia 26, e terça-feira, dia 28 de maio, o espetáculo "A Fuzarca dos Descalços", montagem do Coletivo dos Anjos. O ator Eder dos Anjos está em cena ao lado de Salloma Salomão e dos músicos Ito Alves e Juh Vieira, que tocam ao vivo a trilha sonora em diálogo constante com a dramaturgia.

Com idealização de Eder dos Anjos, direção de Aysha Nascimento e dramaturgia de Victor Nóvoa, o espetáculo é livremente inspirado em "Esperando Godot", de Samuel Beckett, e cria reflexões sobre as contradições sociais e raciais brasileiras. Na trama, Atsu e Baakir estão do outro lado da cerca. Eles não sabem se estão presos ou do lado de fora, apartados de um mundo ao qual não têm nenhum acesso. Ambos são corpos marginalizados que compartilham sonhos, cicatrizes e dores. Mesmo nas situações mais violentas e oníricas, eles permanecem juntos, tentando compreender e romper com tudo aquilo que os segrega da sociedade.


Serviço
Espetáculo "A Fuzarca dos Descalços"
Recomendação etária: 12 anos
Duração: 60 minutos
Ingressos: gratuitos.
Centro Cultural Santo Amaro
Avenida João Dias, 822, 822. Telefone: (11) 98397-3660
Dias 26 e 28 de maio – Terça-feira, às 20h e domingo, às 19h.

.: Cineflix Cinemas estreia "Furiosa: Saga Mad Max" e "A Estrela Cadente"

Cena de "Furiosa: Saga Mad Max" que estreia na Cineflix Cinemas de Santos


A unidade Cineflix Cinemas Santos, localizada no Miramar Shopping, bairro Gonzaga, estreia o longa de ação "Furiosa: Saga Mad Max" e a comédia de suspense "A Estrela Cadente". Seguem em cartaz os sucessos de bilheteria como a comédia infantil "Amigos Imaginários", o drama musical biográfico "Back To Black"a trama de ação e aventura "Planeta dos Macacos: O Reinado" e a animação "Garfield: Fora de Casa" e "The Chosen: Os Escolhidos". Programe-se e confira detalhes abaixo! 

A pré-venda dos ingressos para assistir na Cineflix Cinemas a Final da UEFA Champions League 2024, que acontece dia 1 de junho, às 16 horas, está aberta. Garanta os ingressos pela internet antecipadamente aqui: https://vendaonline.cineflix.com.br/cinema/SAN.

O Resenhando.com é parceiro da rede Cineflix Cinemas desde 2021. Para acompanhar as novidades da Cineflix mais perto de você, acesse a programação completa da sua cidade no app ou site a partir deste link. No litoral de São Paulo, as estreias dos filmes acontecem no Cineflix Santos, que fica no Miramar Shopping, à rua Euclides da Cunha, 21, no Gonzaga. Consulta de programação e compra de ingressos neste link: https://vendaonline.cineflix.com.br/cinema/SAN.

Estreias da semana na Cineflix Santos

"A Estrela Cadente" ("L'Étoile filante"). Ingressos on-line neste linkGênero: comédiaClassificação: 16 anos. Duração: 1h38. Ano: 2023. Idioma original: francês. Distribuidora: Pandora Filmes. Direção: Dominique Abel, Fiona Gordon. Roteiro: Dominique Abel, Fiona Gordon. Elenco: Fiona Gordon, Dominique Abel, Kaori ItoSinopse: Boris (Dominique Abel) é um ex-ativista que há 35 anos vive na clandestinidade, trabalhando como bartender em Bruxelas. Sua vida pacífica é subitamente interrompida quando um estranho misterioso irrompe no bar, armado e determinado a acertar as contas do passado. Boris se vê forçado a confrontar os fantasmas de sua vida anterior, especialmente quando se depara com uma vítima buscando vingança pelo seu envolvimento em um ataque mal sucedido. No entanto, surge uma reviravolta inesperada quando Dom (Dominique Abel), um homem deprimido e surpreendentemente parecido com Boris, entra em cena, oferecendo uma oportunidade de fuga do perigo iminente. Enquanto Boris e sua companheira Kayoko (Kaori Ito), apoiados pelo porteiro Tim (Philippe Martz), tentam manipular a situação em torno de Dom para sua vantagem, eles se veem em uma teia complexa de segredos e mentiras. Porém, o que eles não sabem é que a ex-mulher de Boris, Fiona (Fiona Gordon), uma detetive particular, está observando de perto, pronta para desvendar os mistérios que cercam a vida de Boris e Dom.

O Resenhando.com é parceiro da rede Cineflix Cinemas desde 2021. Para acompanhar as novidades da Cineflix mais perto de você, acesse a programação completa da sua cidade no app ou site a partir deste link. No litoral de São Paulo, as estreias dos filmes acontecem no Cineflix Santos, que fica no Miramar Shopping, à rua Euclides da Cunha, 21, no Gonzaga. Consulta de programação e compra de ingressos neste link: https://vendaonline.cineflix.com.br/cinema/SAN.

Sala 1 (legendado) - De 23 a 29 de maio: 18h30


"Furiosa: Saga Mad Max" ("Furiosa - A Mad Max Saga"). Ingressos on-line neste linkGênero: açãoClassificação: 14 anos. Duração: 2h28. Ano: 2023. Idioma original: inglês. Distribuidora: Warner Bros. Pictures Brasil. Direção: George Miller. Roteiro: George Miller, Nico Lathouris. Elenco: Anya Taylor-Joy (Furiosa), Chris Hemsworth (Dr. Dementus), Alyla Browne (Young Furiosa), Tom Burke, Nathan Jones, Angus Sampson, Daniel WebberSinopse: Quando o mundo entra em colapso, a jovem Furiosa terá que sobreviver a muitos desafios para encontrar e trilhar o caminho de volta para casa.

O Resenhando.com é parceiro da rede Cineflix Cinemas desde 2021. Para acompanhar as novidades da Cineflix mais perto de você, acesse a programação completa da sua cidade no app ou site a partir deste link. No litoral de São Paulo, as estreias dos filmes acontecem no Cineflix Santos, que fica no Miramar Shopping, à rua Euclides da Cunha, 21, no Gonzaga. Consulta de programação e compra de ingressos neste link: https://vendaonline.cineflix.com.br/cinema/SAN.

Sala 3 (legendado) - De 23 a 29 de maio: 15h00 - 18h00 - 21h00


Seguem em cartaz na Cineflix Santos


"Amigos Imaginários" ("IF"). Ingressos on-line neste linkGênero: infantil, comédiaClassificação: livre. Duração: 1h44. Ano: 2023. Idioma original: inglês. Distribuidora: Paramount Brasil. Direção: John Krasinski. Roteiro: John Krasinski. Elenco: Ryan Reynolds, John Krasinski, Fiona ShawSinopse: Depois de descobrir que pode ver os amigos imaginários de todos, uma garota embarca em uma aventura mágica para reconectar amigos imaginários esquecidos. Confira os horários: neste link


"Back To Black" ("Back To Black"). Ingressos on-line neste linkGênero: musical, dramaClassificação: 16 anos. Duração: 1h44. Ano: 2023. Idioma original: inglês. Distribuidora: Universal Pictures Brasil. Direção: Sam Taylor-Johnson. Roteiro: Matt Greenhalgh. Elenco: Marisa Abela (Amy Winehouse), Jack O'Connell (Blake Fielder-Civil), Eddie Marsan (Mitch Winehouse), Lesley ManvilleSinopse: O relacionamento tumultuado da cantora Amy Winehouse com Blake Fielder-Civil a inspirou a escrever e gravar o álbum "Back to Black". Confira os horários: neste link

Trailer de "Back To Black"

"Planeta dos Macacos: O Reinado" ("Kingdom of the Planet of the Apes "). Ingressos on-line neste linkGênero: ação, aventuraClassificação: 14 anos. Duração: 2h18. Ano: 2023. Idioma original: inglês. Distribuidora: 20th Century Studios. Direção: Wes Ball. Roteiro: Josh Friedman, Rick Jaffa, Patrick Aison, Amanda Silver. Elenco: Owen Teague, William H. Macy, Freya Allan, Kevin Durand, Peter MaconSinopse: O longa realiza um salto no tempo após a conclusão da Guerra pelo Planeta dos Macacos. Muitas sociedades de macacos cresceram desde quando César levou seu povo a um oásis, enquanto os humanos foram reduzidos a sobreviver e se esconder nas sombras. Confira os horários: neste link



"Garfield: Fora de Casa" ("Garfield The Movie"). Ingressos on-line neste linkGênero: infantil, comédiaClassificação: livre. Duração: 1h41. Ano: 2024. Distribuidora: Sony Pictures Motion Picture Group. Direção: Mark Dindal. Roteiro: David Reynolds, Paul A. Kaplan, Mark Torgove. Dublagem original: Chris Pratt, Nicholas Hoult, Hannah Waddingham, Brett Goldstein, Cecily Strong, Bowen Yang e Luke Cinque-WhiteSinopse: Garfield tem um reencontro inesperado com seu pai, que estava há muito tempo desaparecido - um gato de rua todo desengonçado que atrai o filho para um assalto de alto risco. Confira os horários: neste link


"The Chosen: Os Escolhidos" ("The Chosen"). Ingressos on-line neste linkGênero: religiosoClassificação: 12 anos. Duração: 2h08. Ano: 2024. Distribuidora: Paris FilmesSinopse: Exibição dos episódios 3 e 4 da 4ª temporada da série The Chosen. Confira os horários: neste link





"Furiosa: Saga Mad Max" ("Furiosa - A Mad Max Saga"). Ingressos on-line neste linkGênero: açãoClassificação: 14 anos. Duração: 2h28. Ano: 2023. Idioma original: inglês. Distribuidora: Warner Bros. Pictures Brasil. Direção: George Miller. Roteiro: George Miller, Nico Lathouris. Elenco: Anya Taylor-Joy (Furiosa), Chris Hemsworth (Dr. Dementus), Alyla Browne (Young Furiosa), Tom Burke, Nathan Jones, Angus Sampson, Daniel WebberSinopse: Quando o mundo entra em colapso, a jovem Furiosa terá que sobreviver a muitos desafios para encontrar e trilhar o caminho de volta para casa.


Sala 3 (legendado) - De 23 a 29 de maio: 15h00 - 18h00 - 21h00


sexta-feira, 24 de maio de 2024

.: Espetáculo "Palhaços" reestreia com sessões beneficentes para o RS


José Rubens Chachá comemora 50 anos de carreira com a peça "Palhaços", e faz sessões beneficentes para o Rio Grande do Sul. No palco com Caio Paduan, espetáculo reestreia dia 1° de junho no Teatro Fernando Torres, em São Paulo, e tem ingressos a R$ 20 mais uma garrafa d'água de 1,5L, que será doada. Foto: Ronaldo Gutierrez


Um dos mais importantes textos de Timochenko Wehbi, o espetáculo "Palhaços” foi sucesso durante anos quando estreou na década de 70 e agora volta em nova montagem dirigida por Léo Stefanini, estrelada pelos atores José Rubens Chachá e por Caio Paduan. Com reestreia dia 1° de junho, no Teatro Fernando Torres, a peça não poderia ser mais adequada para Chachá, que completa 50 anos de carreira. E para ajudar aos desabrigados da tragédia do Rio Grande do Sul, as sessões dessa temporada têm ingressos a R$ 20,00, mais uma garrafa d'água de 1,5 litro que será doada para o Rio Grande do Sul.

"O texto revela a minha própria situação enquanto artista, que chega a esse determinado ponto de vida e não tem ainda segurança financeira, estabilidade emocional e econômica. Com 50 anos de carreira já teria uma estabilidade em qualquer outra profissão, não na artística, em que continuamos lutando até não sei quando. O espetáculo é como a vida: você chora, se emociona, tem sua parte do ódio e da alegria", avalia Chachá.

A peça narra a história de um palhaço que tem a sua rotina alterada ao se deparar com um espectador em seu camarim. O encontro entre Careta (José Rubens Chachá) e Benvindo (Caio Paduan), um vendedor de sapatos, faz com que ambos questionem a vida e a própria existência de uma maneira espirituosa, opondo o palhaço profissional ao palhaço da vida.

Durante a conversa, os personagens passam a se provocar, como em um jogo entre essas figuras opostas, desestabilizando crenças e valores, que se desnudam e refletem acerca de suas escolhas. A todo instante, um dos personagens parece dominar a cena quando, com um simples gesto, o outro rouba a atenção e o poder momentâneo do diálogo. As distâncias e as proximidades existentes entre Careta e Benvindo remetem à metáfora dos homens que os assistem na plateia. "Palhaços" é um convite à reflexão sobre nossas vidas, o que faz com que o público ultrapasse o espaço da lona, do espaço cênico, para ver de perto o verdadeiro palhaço.

"O texto expõe e coloca o dedo na ferida numa questão endêmica num país onde a arte e os artistas não são realmente valorizados. Guerreiros da arte em busca de poder seguir trabalhando com seu sonho, ou ofício, pois ambos são a mesma coisa. Essa questão toca diretamente na minha vida nos últimos quase 20 anos de carreira. Seguir lutando para conseguir permanecer na carreira com dedicação e vocação. Antes do crescimento, o artista busca a permanência, que já é muita coisa. Eu sigo buscando permanecer", diz Caio Paduan.

Para o diretor Léo Stefanini, "Palhaços" é uma obra-prima da dramaturgia e um sonho que ele queria realizar há muito tempo. "A peça passeia por diversas emoções, diverte, comove, assusta e diverte de novo. E a nossa concepção busca justamente mostrar todas estas facetas. Estamos com dificuldade até para classificar o gênero. É cômico, dramático e trágico ao mesmo tempo! 'Palhaços' é um diamante perfeitamente lapidado, com mil faces. Se pudesse, eu classificaria como um thriller tragicômico!", define o diretor.


Ficha técnica
Espetáculo "Palhaços" | Texto: Timochenco Wehbi | Direção: Léo Stefanini | Assistente de direção: Déo Patrício | Elenco: José Rubens Chachá e Caio Paduan | Cenário: Léo Stefanini e Thiago Wenzler | Cenotécnico: Tony Filho | Figurinos: Domingos de Lello e Maitê Chasseraux | Assistente de produção: Rudah Chasseraux | Desenho de Luz: Cesar Pivetti | Trilha sonora: Sérvulo Augusto | Fotos: Ronaldo Gutierrez | Assessoria de imprensa: Dobbs Scarpa Multiplataformas.


Serviço
Espetáculo "Palhaços" |  De 1° a 30 de junho | Sábados, às 20h00, e domingos, às 19h00 | Exceto dias 15 e 16 de junho | Ingressos: R$ 100 (inteira) R$ 50 (meia-entrada) |Classificação: 12 anos | Duração: 75 minutos | Teatro Fernando Torres | Rua Padre Estevão Pernet, 588 - São Paulo | Bilheteria: Sympla

.: Uma ode ao teatro e à liberdade na comédia "O Retrato de Janete"


Espetáculo com música ao vivo para todos as idades comemora os 12 anos da Cia Bendita no Sesc Pinheiros. Foto: Ronaldo Gutierrez


Uma atriz melodramática com mais de 200 anos vive esquecida num teatro abandonado. Sua única companhia são as divertidas lembranças de sua carreira e uma vespa de estimação que sonha em fugir. Este é o mote do espetáculo infantil "O Retrato de Janete", que estreia dia 2 de junho no auditório do Sesc Pinheiros, em São Paulo e faz temporada todos os domingos, com sessões às 15h00 e 17h00, até dia 30 de junho.

Escrito e dirigido por Marcelo Romagnoli, a história exalta a importância de laços familiares saudáveis, a liberdade e a memória como força de vida. Em cena, Jackie Obrigon interpreta Maristela, uma grande atriz cheia de histórias para contar, que divide o camarim com uma vespa atormentada e rebelde. As músicas são executadas ao vivo por Bruno Garcia. Escrita em 2002, O Retrato de Janete foi o primeiro texto para crianças escrito pelo dramaturgo Marcelo Romagnoli, que até hoje já assinou 32 espetáculos encenados.

A montagem brinca com diversas formas de atuação e traz, além de uma homenagem ao poder da imaginação e da arte, uma alegoria sobre as relações entre adultos e a infância, apostando que o verdadeiro cuidado vem acompanhado de desapego e confiança. Com "O Retrato de Janete", a Cia Bendita ressalta mais uma vez seu compromisso com a formação emocional da criança, na esperança de uma sociedade mais compreensiva e amorosa.

O Grupo
A Cia Bendita é um premiado grupo de São Paulo com sólida trajetória na produção teatral para a infância e juventude. Seu repertório inclui os espetáculos Terremota (2012), Gagá (2017), Elagalinha (2019) e Fábula (2021). Com O Retrato de Janete o grupo aproveita para comemorar também os 30 anos de carreira de sua co-fundadora, Jackie Obrigon.

Sinopse
Comédia para todos os públicos que comemora os 12 anos da Cia Bendita. Na peça, uma atriz melodramática com mais de 200 anos relembra sua carreira. Esquecida num camarim cheio de truques, sua única companhia é uma vespa de estimação que sonha em fugir. As músicas, efeitos sonoros e sonoplastia são executadas ao vivo. A história exalta a importância de laços familiares e emocionais saudáveis, a liberdade e a memória como força de vida.


Ficha técnica
Espetáculo "O Retrato de Janete" | Texto e Direção: Marcelo Romagnoli | Com: Jackie Obrigon e Bruno Garcia | Assistente de direção: Fausto Franco | Desenho de luz: Marisa Bentivegna | Figurinos: Chris Aizner | Cenário: Marcelo Andrade | Músicas: Morris e Bruno Garcia | Adereços: Ivaldo de Melo | Estudo de texto: Cris Lozano | Operação e montagem: Nicolas Sadoyama | Diretor de palco: Mauro Felles | Costureira: Judite de Lima | Visagismo: Simone Batata | Fotos: Ronaldo Gutierrez | Identidade visual: Andrea Pedro | Produção: Corpo Rastreado/Nathália Christine | Direção de produção: Jackie Obrigon | Idealização: Cia Bendita


Serviço
Cia Bendita em “O Retrato de Janete”
Estreia dia 2 de junho, domingo, às 15h00, no Auditório do Sesc Pinheiros
Temporada: de 2 a 30 de junho de 2024 - Domingos, duas sessões às 15h00 e 17h00
Duração: 50 minutos
Classificação: livre
Sesc Pinheiros - Auditório, 3º andar
Rua Paes Leme, 195 Tel: (11) 3095-9400
Ingressos: R$ 30,00 (inteira), R$ 15,00 (meia entrada), R$ 10,00 (credencial plena). Gratuito para crianças até 12 anos
Link de vendas: https://www.sescsp.org.br/programacao/o-retrato-de-janete/

quinta-feira, 23 de maio de 2024

.: "A Estrela Cadente", mescla de drama e comédia, estreia na Cineflix Cinemas

Comédia "A Estrela Cadente", que estreia na Cineflix Cinemas dia 23 de maio, quinta-feira, apresenta a história de Boris (Dominique Abel), um ex-ativista que há 35 anos vive na clandestinidade, trabalhando como bartender em Bruxelas. Sua vida pacífica é subitamente interrompida quando um estranho misterioso irrompe no bar, armado e determinado a acertar as contas do passado. 

Boris se vê forçado a confrontar os fantasmas de sua vida anterior, especialmente quando se depara com uma vítima buscando vingança pelo seu envolvimento em um ataque mal sucedido. No entanto, surge uma reviravolta inesperada quando Dom (Dominique Abel), um homem deprimido e surpreendentemente parecido com Boris, entra em cena, oferecendo uma oportunidade de fuga do perigo iminente. 

Enquanto Boris e sua companheira Kayoko (Kaori Ito), apoiados pelo porteiro Tim (Philippe Martz), tentam manipular a situação em torno de Dom para sua vantagem, eles se veem em uma teia complexa de segredos e mentiras. Porém, o que eles não sabem é que a ex-mulher de Boris, Fiona (Fiona Gordon), uma detetive particular, está observando de perto, pronta para desvendar os mistérios que cercam a vida de Boris e Dom. Garanta os ingressos para "A Estrela Cadente" aqui: Ingressos on-line neste link

"A Estrela Cadente" ("L'Étoile filante"). Ingressos on-line neste linkGênero: comédiaClassificação: 16 anos. Duração: 1h38. Ano: 2023. Idioma original: francês. Distribuidora: Pandora Filmes. Direção: Dominique Abel, Fiona Gordon. Roteiro: Dominique Abel, Fiona Gordon. Elenco: Fiona Gordon, Dominique Abel, Kaori ItoSinopse: Boris (Dominique Abel) é um ex-ativista que há 35 anos vive na clandestinidade, trabalhando como bartender em Bruxelas. Sua vida pacífica é subitamente interrompida quando um estranho misterioso irrompe no bar, armado e determinado a acertar as contas do passado. Boris se vê forçado a confrontar os fantasmas de sua vida anterior, especialmente quando se depara com uma vítima buscando vingança pelo seu envolvimento em um ataque mal sucedido. No entanto, surge uma reviravolta inesperada quando Dom (Dominique Abel), um homem deprimido e surpreendentemente parecido com Boris, entra em cena, oferecendo uma oportunidade de fuga do perigo iminente. Enquanto Boris e sua companheira Kayoko (Kaori Ito), apoiados pelo porteiro Tim (Philippe Martz), tentam manipular a situação em torno de Dom para sua vantagem, eles se veem em uma teia complexa de segredos e mentiras. Porém, o que eles não sabem é que a ex-mulher de Boris, Fiona (Fiona Gordon), uma detetive particular, está observando de perto, pronta para desvendar os mistérios que cercam a vida de Boris e Dom.

O Resenhando.com é parceiro da rede Cineflix Cinemas desde 2021. Para acompanhar as novidades da Cineflix mais perto de você, acesse a programação completa da sua cidade no app ou site a partir deste link. No litoral de São Paulo, as estreias dos filmes acontecem no Cineflix Santos, que fica no Miramar Shopping, à rua Euclides da Cunha, 21, no Gonzaga. Consulta de programação e compra de ingressos neste link: https://vendaonline.cineflix.com.br/cinema/SAN.

Sala 1 (legendado) - De 23 a 29 de maio: 18h30



.: "Angu" combate estereótipos ao contar histórias de pessoas pretas e gays


Após duas temporadas no Rio de Janeiro, peça com Alexandre Paz, João Mabial e Orlando Caldeira chega a São Paulo, no Sesc Ipiranga. Foto: Rai do Vale


Buscando subverter o olhar social fetichista que objetifica, coisifica, criminaliza e hiperssexualiza as “bixas pretas”, o espetáculo "Angu", idealizado por Alexandre Paz e Nina da Costa Reis, faz sua primeira temporada em São Paulo. Com direção e dramaturgia de Rodrigo FrançaRodrigo França, a peça fica em cartaz no Sesc Ipiranga entre os dias 25 de maio e 23 de junho, com sessões às sextas e aos sábados, às 20h00, e, aos domingos, às 18h00. No feriado do dia 30 de maio, quinta-feira, haverá sessão às 18h00.

Na trama, histórias de “bixas pretas” se entrelaçam, mostrando ao público que as vidas dessas pessoas não se resumem apenas às situações de violência. “Nos meus trabalhos, gosto de mostrar que existem outras realidades possíveis. Ficção e documental se misturam no trabalho, gerando empatia dos espectadores”, afirma França. O texto concorreu ao Prêmio Shell de 2024 pelo Rio de Janeiro.

Além de evocar narrativas passíveis e possíveis envolvendo negros gays, a montagem celebra e agradece ícones como Madame Satã, Gilberto França; o bailarino Reinaldo Pepe; Rolando Faria e Luiz Antônio (Queer Les Étoiles) e Jorge Laffond. Em cena estão Alexandre Paz, João Mabial e Orlando Caldeira.


Sobre a encenação
“'Angu' é um grito. Não necessariamente de socorro, porque acima de tudo existe potência, amor, desejo e intensidade na vida. O espetáculo é um Ebó. Que saiamos do teatro limpos e reequilibrados daquilo que nos oprime, nos aliena, nos engessa de sonhar”, acrescenta o diretor.

A peça tem a missão de enaltecer esses corpos que estão lutando por sua felicidade e existência. Os espectadores acompanham um sargento da Polícia Militar que honra a sua farda, mas tem a sua sexualidade como alvo de piadas para seus colegas; um jovem estudante de enfermagem que se deslumbra com a classe média branca e deseja ser por ela incluído, porém, é somente hiperssexualizado; um sonhador que fica diariamente sentado no banco da rodoviária e se envolve numa tarde de amor em um banheiro público; um menino encantando com o que dizem do seu tio Gilberto, um homem negro gay que desapareceu no mundo para fazer a sua arte longe da família homofóbica; Madame Satã – transformista que teve que largar a arte para viver à margem como malandro da Lapa; e uma homenagem ao Les Étoiles, icônica dupla queer negra brasileira que abriu as portas da Europa para a MPB.

Todos os personagens subvertem o esperado: não haverá um homem negro performando a sua masculinidade ultra, mega viril e heteronormativa. “Muito do que vivemos no nosso cotidiano foi incorporado aos personagens, o que enriquece a montagem”, diz Alexandre. Ao retomar as referências artísticas da negritude, o espetáculo configura-se como um resgate à ancestralidade preta e gay. “Estamos homenageando pessoas que morreram apenas por ser quem são. Gente que foi pioneira e acabou embranquecida, abandonada ou esquecida, principalmente quando se fala na luta LGBTQIAPN+, que costuma ter como protagonista o homem gay e branco”, comenta Rodrigo.

O cenário de Clebson Prates, que concorreu ao Prêmio Shell de 2024, é uma grande metáfora para tudo isso. “Em cena está um grande armário, mas a provocação que fazemos é: quem realmente pode ficar ‘dentro do armário’? Usamos essa ideia para discutir o que é o patriarcado no aspecto cultural, econômico e filosófico. É esse pensamento que mata tudo o que foge dessa estrutura de poder”, defende França.

Já a trilha sonora assinada por Dani Nega contribui na criação de uma ambiência ritualística para o espetáculo. “Queremos que o público seja transformado pelo nosso Angu. E que celebre as bixas pretas, já que ser bixa preta tem consternado muita gente”, defende Orlando.


Sinopse
A trama conta seis histórias paralelas vivenciadas por pessoas negras gays, ou bixas pretas, buscando subverter o olhar social fetichista que as objetifica, criminaliza e hiperssexualiza.

"Masculinidades Negras": ciclo de bate-papos
Dialogando com o espetáculo Angu, e fazendo parte da programação do Festival Sesc Culturas Negras, o Sesc Ipiranga realiza um ciclo de bate-papos sobre Masculinidades Negras. Organizado em quatro encontros, pessoas convidadas especialistas desenvolvem, a cada dia, discussão de um tema específico sobre Masculinidades Negras, expandindo a compreensão sobre as diversas relações étnicas/raciais, de gênero e orientação sexual, que constituem a humanidade dos homens negros em relação à sociedade.


Masculinidades Negras: ciclo de bate-papos
Dialogando com o espetáculo Angu, e fazendo parte da programação do Festival Sesc Culturas Negras, o Sesc Ipiranga realiza um ciclo de bate-papos sobre Masculinidades Negras. Organizado em quatro encontros, pessoas convidadas especialistas desenvolvem, a cada dia, discussão de um tema específico sobre Masculinidades Negras, expandindo a compreensão sobre as diversas relações étnicas/raciais, de gênero e orientação sexual, que constituem a humanidade dos homens negros em relação à sociedade.

Ficha técnica
Espetáculo "Angu"
Idealização: Alexandre Paz e Nina da Costa Reis
Dramaturgia e direção: Rodrigo França
Diretor assistente: Kennedy Lima
Elenco: Alexandre Paz, João Mabial e Orlando Caldeira
Direção de movimento e preparação corporal: Tainara Cerqueira
Direção de imagens: Carol Godinho
Cenário: Clebson Prates
Figurino: Tiago Ribeiro
Visagismo: Diego Nardes
Trilha sonora: Dani Nega
Iluminação: Pedro Carneiro
Operação de som e vídeo: Igor Borges
Contrarregragem: Wil Thadeu
Fotos e vídeos: Charlinhus
Programação visual e mídias sociais: Júlia Tavares
Produção: MS Arte e Cultura
Assistentes de produção: Igor Borges e Wil Thadeu
Produção executiva: Anne Mohamad
Assessoria de imprensa: Canal Aberto - Márcia Marques e Daniele Valério
Coordenação de produção: Alexandre Paz e Orlando Caldeira
Direção de produção: Aline Mohamad


Serviço
Espetáculo "Angu"
Data: 25 de maio a 23 de junho, às sextas e aos sábados, às 20h, e, aos domingos, às 18h | No feriado do dia 30 de maio, quinta-feira, tem sessão às 18h
Local: Sesc Ipiranga – Rua Bom Pastor, 822 – Ipiranga - São Paulo - SP
Ingresso: R$50 (inteira), R$25 (meia-entrada) e R$15 (credencial plena)
Compre aqui: https://www.sescsp.org.br/programacao/angu/
Classificação indicativa: 14 anos
Duração: 90 minutos

"Masculinidades Negras": ciclo de bate-papos
Data: 23 de maio a 20 de junho, às quintas, às 20h, exceto dia 30 de maio. Grátis. Não é preciso retirada de ingressos. Classificação indicativa: livre. Duração: 90 minutos.

Dia 23 de maio - "Homens Pretos, Masculinidades e Relações Raciais", com Henrique Restier e Vinicius Zacarias.
Dia 6 de junho - "Masculinidades Negras: uma Questão de Saúde", com Thiago A. S. Soares, Daniel de Souza Campos e Leonardo Peçanha.
Dia 13 de junho - "Masculinidades Negras, Educação e Gênero", com Douglas Araújo e Mônica da Silva Francisco.
Dia 20 de junho - "Masculinidades Negras, Cultura e Arte", com Douglas Iesus e Nego Lipão.

quarta-feira, 22 de maio de 2024

.: "Fúria Primitiva" de Dev Patel, sucesso no Festival SXSW, estreia na Cineflix


Em "Fúria Primitiva", Dev Patel faz sua estreia como diretor. O ator ganhou reconhecimento ao interpretar Jamal Malik em “Quem Quer Ser um Milionário”, vencedor de oito Oscars em 2009. Sobre essa nova experiência, o artista diz que “o filme é uma carta de amor para minha família. É sobre unir a mitologia que meu pai e meu avô me contaram e honrar o poder da mulher mais incrível da minha vida, a minha mãe. E também é sobre o quão longe alguém pode ir para vingar alguém que ama tão profundamente.”

O filme foi gravado em Batam, na Indonésia e, tanto a produção, quanto o elenco, enxergaram como um lugar incrível e inspirador, a localização ideal para o que Patel queria em seu longa. O vencedor do Oscar, Jordan Peele, foi produtor da obra. Para ele, é uma obra que explora a jornada de um vingador-defensor, trazendo temas emocionais profundos que cativam o público desde o primeiro momento.

"Fúria Primitiva" foi um grande sucesso no Festival SXSW e recebeu o selo “fresh” no Rotten Tomatoes. A história original é do ator e diretor, que também assina o roteiro ao lado de Paul Angunawela e John Collee. A história do filme apresenta Kid (Patel), um jovem que ganha a vida em um clube de luta clandestino, onde é espancado todas as noites usando uma máscara de gorila. Até que, depois de anos ele encontra um jeito de se infiltrar na elite da cidade e, ao mesmo tempo, tem que lidar com traumas de infâncias e uma sede de fazer vingança.

Além de Dev Patel, o elenco principal do filme também conta com Sharlto Copley, Pitobash, Vipin Sharma, Sikandar Kher, Adithi Kalkunte, Sobhita Dhulipala, Ashwini Kalsekar e Makarand Deshpande.

Sinopse: Estrelado e dirigido por Dev Patel, "Fúria Primitiva" acompanha a jornada violenta de um homem em busca de vingança. Patel é Kid, um jovem que ganha a vida em um clube de luta clandestino, onde, usando uma máscara de gorila, é brutalmente espancado todas as noites por lutadores mais populares. Após anos de raiva contida e uma vida muito dura, Kid encontra uma maneira de se infiltrar na elite da cidade. À medida que seu trauma de infância ressurge, ele não mede esforços para acertar as contas com os homens da alta sociedade que tiraram o pouco que ele tinha.


Leia+

.: Resenha crítica de "Quem quer ser um Milionário?"

.: Crítica: "A Fera" é suspense que Idris Elba leva bem até o final

.: Resenha crítica: "Back To Black" é suave, romântico e também poderoso

.: Resenha: "Amigos Imaginários" faz reencontrar o "eu" usando a imaginação

.: Resenha de "Planeta dos Macacos: O Reinado", longa cheio de camadas

.: Resenha crítica de "Garfield: Fora de Casa", animação solar sobre pai e filho

.: Livro "Modern Love: Histórias Reais de Amor" inspirou a série da Amazon

.: Sesc Santo André: Reflexão sobre o envelhecimento em filmes

Postagens mais antigas → Página inicial
Tecnologia do Blogger.