sexta-feira, 2 de dezembro de 2022

.: Bruce Springsteen declara amor a soul music em "Only The Strong Survive"


Por
 Luiz Gomes Otero, jornalista e crítico cultural.

Bruce Springsteen volta com um mais um excelente álbum. E desta vez, traz um trabalho cheio de covers nostálgicas que revelam uma parte importante de sua formação musical. "Only The Strong Survive", o disco, é composto basicamente por canções do estilo soul music dos anos 60 e 70, que foram determinantes para sua carreira como intérprete.

O disco tem produção de Ron Anielo, que tocou a maioria dos in  strumentos que acompanham Springsteen. E tudo foi cuidadosamente preparado para dar ao disco um certo clima retrô, mas sem exagero. São canções de The Temptations, Diana Ross & The Supremes, Four Tops, Billy Paul (que lançou a canção que deu título ao disco), além de outros menos conhecidos do grande público como Ben E. King e Tyrone Davis.

Se você ficou curioso para ouvir Springsteen como crooner de soul, vai se surpreender com o resultado. É de longe um dos melhores discos que ele gravou nos últimos anos. Se por um lado não traz canções autorais, por outro lado tem o mérito de mostrar para o público uma fase mágica da soul music que era produzida no passado nos Estados Unidos, mais precisamente em Detroit e na Filadélfia.

O disco tem entre as mais conhecidas as canções "Night Shift" (hit do grupo Commodores dos anos 80), "Someday We´ll Be Together" (de Diana Ross & The Supremes), e a surpreendente "The Sun Ain´t Gonna Shine Anymore", que foi gravada pelo grupo vocal Walker Brothers nos anos 60. Todas interpretadas de forma magistral.

Nas canções menos conhecidas, Bruce Springsteen mostra toda sua genialidade. Ele joga luz sobre canções obscuras como "Turn Back the Hands of Time" (de Tyrone Davis) e "Don´t Play That Song" (de Ben E. King), bem como nas demais faixas. A faixa título ganhou um arranjo mais rústico e menos dançante em comparação com a gravação original. E tudo funcionou muito bem na voz de Springsteen.

É preciso entender que ninguém recebe o apelido de The Boss (O Chefe) à toa. E ele faz questão de “exercer plenamente o cargo”, ao direcionar seus trabalhos sempre da forma que deseja conduzir. E este álbum "Only The Strong Survive" bem que poderia ter um segundo volume, porque tenho certeza que ele gostaria de ter incluído outras pérolas desse estilo musical. Ficaremos na torcida. Mas, por hora, esse álbum ficou perfeito. Vale muito a pena conferir. Você pode comprar "Only The Strong Survive"  neste link.

"Do I Love You"

"Turn Back The Hands Of Time"

"Night Shift"


.: Crítica: "Até os Ossos" é história de amor brindada com carnificina


Por: Mary Ellen Farias dos Santos 

Em dezembro de 2022


"Até os Ossos", indicado para maiores de 18 anos, entrega carnificina enquanto constrói uma história de amor juvenil conturbada. Em cartaz no Cineflix Cinemas, o longa dirigido por Luca Guadagnino, de "Me Chame Pelo Seu Nome", é romântico e dramático, mas muito ágil a ponto de mexer com os estômagos mais sensíveis e conseguir abalar, um pouco, inclusive os mais fortes e fãs da série antológica "American Horror Story" ou de filmes slashers, por exemplo.

No longa de 2h10m, a jovem Maren Yearly (Taylor Russell) está numa festa do pijama com as amigas até que uma se fere e sua fome infreável de carne fala mais alto. Sim! Em segundos, um dedo da garota é devorado. Para tanto, a moça que não sabe lidar com tal desejo, começa uma peregrinação, uma vez que Frank (André Holland), o pai a abandona com um toca fitas K-7, um fone de ouvido e uma fita gravada. Nas palavras de Frank, um resumo da história do canibalismo da protagonista. Uma ferramenta inteligente que faz a trama se desenvolver com rapidez enquanto envolve o público.


Em fuga, e com bom gosto para a leitura -lê J. R. R. Tolkien e "O Fantasma da Ópera", de Gaston Lerou-, a jovem esbarra com o devorador Sully (Mark Rylance). Homem em idade avançada e com outra compulsão -revelada perto do fim do longa-, além da de também comer carne humana. Ele que sentiu o cheiro de Maren há grande distância, oferece abrigo numa casa invadida em que a dona está moribunda, ou seja, prestes a virar aperitivo para a dupla de canibais. 


A estadia da moça é breve. Afinal, Maren está numa odisséia -garantindo uma belíssima fotografia no filme. Tal qual uma nômade, segue em fuga quando esbarra em Lee (Timothée Chalamet, de "Duna""Me Chame Pelo Seu Nome"), outro devorador sem rumo, com quem estabelece um elo de simpatia, diferentemente de Sully. Enquanto o sentimento de afeição cresce entre os dois. Para entender a essência que carrega em si, Maren busca a mãe que a abandonou quando bebê e quem nem mesmo conheceu. Com a ajuda de Lee, Maren encontra a progenitora, Janelle Yearly (Chloë Sevigny, de "American Horror Story: Hotel" e "The Act") e pistas sobre quem ela é, uma vez que foi adotada.

Ainda que seja visivelmente perturbador, inclusive em cenas que deixam situações pesadas subentendidas, "Até os Ossos", mesmo retratrando canibais, permite uma leitura diferente e que foge ao pé da letra do que se vê na telona. No fundo, a produção com roteiro de David Kajganich é uma história de amor entre dois jovens sem uma base familiar firme que buscam entender seus anseios mais profundos e que encontram, um no outro, a base que tanto buscavam. Vale muito a pena conferir "Até os Ossos"!

Em parceria com o Cineflix Cinemas, o Resenhando.com assiste aos filmes em Santos, no primeiro andar do Miramar Shopping. O Cineclube do Cineflix traz uma série de vantagens, entre elas ir ao cinema com acompanhante quantas vezes quiser - um sonho para qualquer cinéfilo. Além disso, o Cinema traz uma série de projetos, que você pode conferir neste link.


* Mary Ellen é editora do site cultural www.resenhando.com, jornalista, professora e roteirista, além de criadora do photonovelas.blogspot.com. Twitter:@maryellenfsm


"Até os Ossos" (Bones and All) 
Diretor: Luca Guadagnino
Roteiro: David Kajganich
Gênero: Romance/Drama
Classificação: 18 anos
Duração: 2h10
Data de lançamento: 1 de dezembro de 2022 (Brasil) 


Trailer





.: A lua cheia nasce em Beacon Hills: "Teen Wolf: O Filme" vem aí!

O filme é produzido pela MTV Entertainment Studios e MGM's Orion Television. Elenco da série estará presente do domingo dia 4 de dezembro em um painel no palco principal da CCXP.  Foto: Divulgação


O Paramount+ acaba de divulgar a arte oficial do próximo filme original "Teen Wolf: O Filme" que estreará em 2023. Os atores do elenco do filme Colton Haynes e Shelley Hennig estarão presentes neste fim de semana na CCXP em São Paulo, onde revelarão detalhes e conteúdo exclusivo para os fãs do aguardado título. Siga @paramountplusla e @paramountplusbr no Instagram e no TikTok para saber as novidades.

Em "Teen Wolf: O Filme" a lua cheia nasce em Beacon Hills e com ela um mal terrível se aproxima. Os lobos estão uivando mais uma vez, pedindo o retorno dos banshees, os homens-coiotes, os cães do inferno, os kitsunes e todos os outros metamorfos da noite. Mas apenas um lobisomem como Scott McCall (Posey), que já não é mais um adolescente, mas ainda um alfa, pode reunir novos aliados e amigos de confiança para lutar contra o que pode ser o inimigo mais poderoso e mortal que já enfrentaram.

O filme é produzido por Jeff Davis e estrelado por Tyler Posey, Holland Roden, Shelley Hennig, Crystal Reed, Colton Haynes, Vince Mattis, Khylin Rhambo, Amy Workman, Dylan Sprayberry, Tyler Hoechlin, Orny Adams, Linden Ashby, JR Bourne, Seth Gilliam, Ryan Kelley, Melissa Ponzio, Ian Bohen e Nobi Nakanishi.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2022

.: Cineflix Santos: "Noite Infeliz" e mais três estreias arrebatadoras


O espírito natalino toma conta do 
Cineflix Cinemas, em Santos, de uma maneira inusitada. Nesta quinta-feira, estreia o terror "Noite Infeliz" ("Violent Night"), com David Harbour, John Leguizamo, Beverly D'Angelo. Outro destaque é a estreia da comédia dramática "O Menu" ("The Menu"), com . Também estreiam os dramas "Até os Ossos" ("Bones and All"), com Timothée Chalamet, Michael Stuhlbarg e Mark Rylance, e "Aftersun", com Paul Mescal, Frankie Corio, Celia Rowlson-Hall.

Seguem em cartaz a animação "Mundo Estranho" ("Strange World"), a deliciosa fábula natalina "Sra. Harris Vai a Paris" (Mrs. Harris Goes To Paris), o o drama espírita "Nada É Por Acaso", com Rafael Cardoso, Giovanna Lancellotti, Tiago Luz e a tão aguardada sequência do filme de herói da Marvel, de 2018, "Pantera Negra: Wakanda para sempre" em que Rainha Ramonda, Shuri, M'Baku, Okoye e Dora Milaje lutam para proteger sua nação das potências mundiais intervenientes após a morte do rei T'Challa.

Confira os dias, horários e sinopses para você ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo do cinema. Cineflix Santos fica Miramar Shopping: rua Euclides da Cunha, 21, Gonzaga, em Santos, no litoral de São Paulo. Programação do Cineflix em outras localidades neste link ou no app Cineflix.

Estreias no Cineflix Santos


"Noite Infeliz" ("Violent Night")
Classificação: 16 anos. Ano de Produção: 2022. Idioma: inglês. Direção: Tommy Wirkola. Duração: 1h46. Elenco: David Harbour, John Leguizamo, Beverly D'Angelo e outros. Sinopse: às vésperas do Natal, uma equipe de mercenários invada um complexo familiar. No entanto, essa equipe de marginais não estava preparada para enfrentar um combatente inusitado: o próprio Papai Noel em pessoa.

Sala 4 (dublado)
1°/12/2022 - Quinta-feira: 18h35
2/12/2022 - Sexta-feira: 18h35
3/12/2022 - Sábado: 18h35
4/12/2022 - Domingo: 18h35
5/12/2022 - Segunda-feira: 18h35
6/12/2022 - Terça-feira: 18h35
7/12/2022 - Quarta-feira: 18h35

Sala 4 (legendado)
1°/12/2022 - Quinta-feira: 20h50
2/12/2022 - Sexta-feira: 20h50
3/12/2022 - Sábado: 20h50
4/12/2022 - Domingo: 20h50
5/12/2022 - Segunda-feira: 20h50
6/12/2022 - Terça-feira: 20h50
7/12/2022 - Quarta-feira: 20h50

"Noite Infeliz" - Trailer legendado


"O Menu" ("The Menu")
Classificação:
16 anos. Ano de produção: 2022. Idioma: inglês. Direção: Mark Mylod. Duração: 1h47. Elenco: Anya Taylor-Joy, Ralph Fiennes, Nicholas Hoult e outros. Sinopse: um casal (Anya Taylor-Joy e Nicholas Hoult) viaja para uma ilha costeira para comer em um restaurante exclusivo, onde o chef (Ralph Fiennes) preparou um cardápio farto, com algumas surpresas chocantes.

Sala 2 (legendado)
1°/12/2022 - Quinta-feira: 18h15 - 20h30
2/12/2022 - Sexta-feira: 20h
3/12/2022 - Sábado: 18h15 - 20h30
4/12/2022 - Domingo: 18h15 - 20h30
5/12/2022 - Segunda-feira: 20h
6/12/2022 - Terça-feira: 18h15 - 20h30
7/12/2022 - Quarta-feira: 18h15 - 20h30

"O Menu" - Trailer


"Até os Ossos" ("Bones and All")
Classificação:
18 anos. Ano de produção: 2022. Idioma: inglês. Direção: Luca Guadagnino.  Duração: 2h11. Elenco: Timothée Chalamet, Michael Stuhlbarg, Mark Rylance e outros. Sinopse: baseado no romance homônimo de Camille DeAngelis, acompanhamos Maren Yearly (Taylor Russell), uma jovem que quer as mesmas coisas que todos nós. Ela quer ser alguém que as pessoas admiram e respeitam. Quando sua mãe a abandona no dia seguinte ao seu aniversário de 16 anos, Maren vai à procura do pai que nunca conheceu e encontra muito mais do que esperava ao longo do caminho. O amor floresce entre uma jovem à margem da sociedade e um vagabundo marginalizado (Timothée Chalamet) enquanto eles embarcam em uma odisseia de 3.000 milhas pelas estradas secundárias da América. No entanto, apesar de seus melhores esforços, todos os caminhos levam de volta a seus passados ​​aterrorizantes e a uma posição final que determinará se o amor deles pode sobreviver às diferenças.

Sala 1 (legendado)
1°/12/2022 - Quinta-feira: 15h30 - 21h
2/12/2022 - Sexta-feira: 21h
3/12/2022 - Sábado: 15h30 - 21h
4/12/2022 - Domingo: 15h30 - 21h
5/12/2022 - Segunda-feira: 21h
6/12/2022 - Terça-feira: 15h30 - 21h
7/12/2022 - Quarta-feira: 15h30 - 21h

"Até os Ossos" - Trailer



"Aftersun" (Título original)
Classificação:
14 anos. Ano de produção: 2022. Idioma: inglês. Direção: Charlotte Wells. Duração: 1h42. Elenco: Paul Mescal, Frankie Corio, Celia Rowlson-Hall e outros. Sinopse: Sophie reflete sobre a alegria e a melancolia das férias que ela tirou com seu pai 20 anos antes. Memórias reais e imaginárias preenchem as lacunas enquanto ela tenta reconciliar o pai que conheceu com o homem que desconhecia.

Sala 1 (legendado)
1°/12/2022 - Quinta-feira: 18h40
2/12/2022 - Sexta-feira: 18h40
3/12/2022 - Sábado: 18h40
4/12/2022 - Domingo: 18h40
5/12/2022 - Segunda-feira: 18h40
6/12/2022 - Terça-feira: 18h40
7/12/2022 - Quarta-feira: 18h40

"Aftersun" - Trailer legendado


Seguem em cartaz no Cineflix Santos


"Mundo Estranho" ("Strange World")
Classificação: 10 anos. Ano de produção: 2022. Idioma: português. Diretor: Don Hall . Duração: 1h41. Sinopse: Os lendários Clades são uma família de exploradores cujas diferenças ameaçam sua última missão.

Sala 4 (dublado)
1°/12/2022 - Quinta-feira: 15h - 17h10
2/12/2022 - Sexta-feira: 19h
3/12/2022 - Sábado: 15h - 17h10
4/12/2022 - Domingo: 15h - 17h10
5/12/2022 - Segunda-feira: 19h
6/12/2022 - Terça-feira: 15h - 17h10
7/12/2022 - Quarta-feira: 15h - 17h10

"Mundo Estranho" - Trailer


"Nada É Por Acaso" (Filme nacional)
Classificação: 14 anos (Conteúdo Sexual, Drogas Lícitas, Violência). Ano de produção: 2022. Idioma: português. Direção: Márcio Trigo. Duração: 1h46. Com Rafael Cardoso, Giovanna Lancellotti, Tiago LuzSinopse: duas mulheres se descobrem unidas por laços de amor e amizade que remontam para além dessa vida.

Sala 2
1°/12/2022 - Quinta-feira: 16h
3/12/2022 - Sábado: 16h
4/12/2022 - Domingo: 16h
6/12/2022 - Terça-feira: 16h
7/12/2022 - Quarta-feira: 16h

"Nada É Por Acaso" - Trailer


"Pantera Negra: Wakanda Para Sempre" (Black Panther: Wakanda Forever)

.: Crítica: "Pantera Negra: Wakanda para sempre" é filmaço denso e emocionante 
Classificação: 12 anos. Ano de produção: 2022. Idioma: inglês. Diretor: Ryan Coogler . Duração: 2h41. Com Tenoch Huerta (Namor), Michael B. Jordan, Letitia Wright (Shuri), Angela Bassett (Ramonda), Dominique Thorne (Riri Williams),  Mabel Cadena (Namora), Daniel Kaluuya (W'Kabi), Michaela Coel (Aneka), Danai Gurira (Okoye), Jarrell Pyro Johnson (Jabari Warrior), Lupita Nyong'o (Nakia), Winston Duke (M'Baku), Dorothy Steel (Merchant Tribe Elder), Alex Livinalli (Attuma), Florence Kasumba (Ayo), Martin Freeman (Everett Ross). Sinopse: a rainha Ramonda, Shuri, M'Baku, Okoye e Dora Milaje lutam para proteger sua nação das potências mundiais intervenientes após a morte do rei T'Challa.

Sala 3 (legendado)
1°/12/2022 - Quinta-feira: 19h20
2/12/2022 - Sexta-feira: 21h10
3/12/2022 - Sábado: 19h20
4/12/2022 - Domingo: 19h20
5/12/2022 - Segunda-feira: 21h10
6/12/2022 - Terça-feira: 19h20
7/12/2022 - Quarta-feira: 19h20

"Pantera Negra - Wakanda Para Sempre" - Trailer

"Sra. Harris Vai a Paris" (Mrs. Harris Goes To Paris)
.: Crítica: "Sra. Harris Vai a Paris" é conto de fadas sobre fazer o bem
Classificação: 12 anos. Ano de produção: 2022. Idioma: português. Diretor: Anthony Fabian. Duração: 1h56. Elenco: Jason Isaacs, Alba Baptista, Lesley Manville e outros. Sinopse: a história de uma faxineira viúva que se apaixona por um vestido de alta costura da Dior.  

Sala 2 (legendado)
1°/12/2022 - Quinta-feira: 16h10
3/12/2022 - Sábado: 16h10
4/12/2022 - Domingo: 16h10
6/12/2022 - Terça-feira: 16h10
7/12/2022 - Quarta-feira: 16h10

"Sra. Harris Vai a Paris" - Trailer

.: Crítica: "O Enfermeiro da Noite" é drama maçante da Netflix

Por: Mary Ellen Farias dos Santos 

Em dezembro de 2022


Não espere um suspense quando cogitar assistir "O Enfermeiro da Noite" com Eddie Redmayne e Jessica Chastain. A produção da Netflix, dirigida por Tobias Lindholm, embora faça a encenação do caso verídico de um assassino serial, entrega o crime no gênero drama. Assim, toda a trajetória da enfermeira Amy Loughren, ao lado do criminoso enfermeiro Charles Cullen, chamado de o "Anjo da Morte", preso em 2003, é apresentada de modo arrastado.

Para tanto, o público conhece o assassino testemunhando o resultado da própria ação. Contudo, ele cruza o caminho da enfermeira Amy, sempre muito compreensiva e amorosa com seus pacientes, mesmo estando cansada e sozinha no atendimento. Apesar da brutal personalidade, Cullen consegue esconder seu lado cruel, sendo gentil e agradável e, logo, faz amizade com a enfermeira, chegando a frequentar a casa dela.

A parceria entre os dois vai sendo construída enquanto que as mortes chegam no hospital em que atuam. No entanto, a polícia começa a investigar Charles Cullen devido o grande número de mortes e Amy age em apoio para que ele se entregue. Contudo, como todo criminoso frio e calculista, ele nega o quanto pode. Com a confirmação do modo de agir, ela descobre que colocou as filhas em perigo, uma vez que ele não é o que parecia ser.

Por muitas vezes, o longa deixa a sensação de falta de edição. Seja quando filma a parede, desce lentamente até o aparelho do hospital e finalmente chega no rosto de Amy ou quando a própria enfermeira revira embalagens de soro, tentando comprovar uma suspeita, e os coloca no chão, sendo que uma das embalagens fica equilibrado em cima dos outros e rola. Todo o processo -demorado- é mantido em foco na câmera.

"O Enfermeiro da Noite" é interessante por trazer um caso verídico que estampou os tablóides nos anos 2000, porém não imprime a energia necessária para um filme com 2h1m de duracão. Apesar de ser maçante, a produção consegue se salvar ao pontuar com a atuação impecável dos protagonistas, vencedores do Oscar, Eddie Redmayne e Jessica Chastain. Fica de dica a leitura do livro! Você pode comprar "O enfermeiro da noite", de Charles Graeber aqui: amzn.to/3N5yJJy 

* Mary Ellen é editora do site cultural www.resenhando.com, jornalista, professora e roteirista, além de criadora do photonovelas.blogspot.com. Twitter:@maryellenfsm


Filme: "O Enfermeiro da Noite" 
Elenco: 
Eddie Redmayne (Charles Cullen),  Jessica Chastain (Amy Loughren), Nnamdi Asomugha (policial),  Kim Dickens (Linda Garran), Noah Emmerich (Tim Braun), Devyn McDowell (Maya Loughren), Gina Jun (Doctor) 


.: Crítica: "Morte, morte, morte" é terror comédia juvenil com provocações

Por: Mary Ellen Farias dos Santos 

Em dezembro de 2022


Uma história de terror slasher moderna, com toques de humor, feita para e com jovens. Eis "Morte, morte, morte" (Bodies, bodies, bodies), com direção de Halina Reijn e roteiro de Sarah DeLappe, que insere as namoradas Sophie (Amandla Stenberg) e Bee (Maria Bakalova), com pouco tempo de relação, numa festa particular, durante um furacão, em uma mansão localizada numa ilha remota. Enquanto a novata, Bee, vai ganhando "confiança" dos amigos ricos de Sophie, numa roda surgem propostas de brincadeiras, inclusive uma que dá o título do longa, similar ao brasileiro "Detetive".

Assim, David (Pete Davidson), Emma (Chase Sui Wonders), Jordan (Myha’la Herrold), Alice (Rachel Sennott), com o namorado mais velho Greg (Lee Pace) fazem com que a brincadeira seja levada ao limite. Logo, nota-se uma crítica no filme a respeito da geração Z, destacando a  falta de controle ao agir de modo impensado e sem considerar as consequências de cada ato.


Enquanto a geração TikTok -em certo momento do filme, os amigos gravam algo para a rede social de vídeos curtos- tenta conviver sem tecnologia, esbaldam-se nas bebidas e drogas. Sem luz e, fatalmente, sem sinal da internet, por conta do temporal, a atividade lúdica vai além e se torna mortal, uma vez que o sangue vai jorrando em sequência, naquela mansão. 

"Morte, morte, morte" não é somente um filme para aguçar os sentidos a respeito da descoberta de quem é o assassino da trama, mas vai além, sendo uma clara crítica sobre a dependência tecnológica. E, quando, inexiste, as pessoas nem mesmo sabem como interagir umas com as outras, no limite da tolerância. Tanto é que logo a história assume o lado "lavação de roupa suja" entre as grandes amigas e as acusações permitem "agir em nome do que cada um acredita".


A carnificina se faz ali, por conta de não estarem conectados -seja enquanto amigos, seres humanos e tecnologicamente, via celular. Tanto é que a primeira morte, que acelera a caça ao assassino, acontece em meio a completa estupidez -ao fim tudo é revelado. Contudo, os jovens não abandonam seus aparelhos, sempre os preservam nas mãos durante quase todo o filme. Cada um com o seu. O próprio mundinho? Talvez. 

É uma produção interessante de se assistir por lembrar a essência da saga "Pânico", considerando um dos cartazes. No filme há um destaque, que é a presença do ator Lee Pace, protagonista do seriado "Pushing Daisies" (Um Toque de Vida) e o elfo Thranduil da saga "O Hobbit". É ele quem interpreta Greg, uma espécie de tiozão do lugar, o representante da geração millennial, que, em menor quantidade, fatalmente sai perdendo com uma condenação automática. Vale a pena conferir "Morte, morte, morte"!


* Mary Ellen é editora do site cultural www.resenhando.com, jornalista, professora e roteirista, além de criadora do photonovelas.blogspot.com. Twitter:@maryellenfsm


quarta-feira, 30 de novembro de 2022

.: Crítica: "Mundo Estranho" traz protagonismo gay e criaturas coloridas

Por: Mary Ellen Farias dos Santos 

Em novembro de 2022


As rusgas que agitam as relações entre pais e filhos estão na essência da nova animação Disney, "Mundo Estranho", em cartaz no Cineflix Cinemas. Com título escrito em fonte similar -não idêntica- ao clássico "DuckTales: Os Caçadores de Aventuras", em nada lembra a série animada exibida em canal aberto no final dos anos 80, salvo o fato de que, na nova produção, há também uma trama vivida em família que reserva muitas surpresas -geralmente de encher os olhos-, fazendo por vezes, lembrar o sucesso que voltará aos cinemas, "Avatar"

Em "Mundo Estranho", com o colorido combinado do modo mágico e encantador que a Disney sabe imprimir nas telonas como ninguém, o público é apresentado aos Clades, uma família lendária de exploradores. E, antes de chegar nos dias atuais, começa há 25 anos, quando pai e filho, Jaeger (Dennis Quaid) e Searcher (Jake Gyllenhaal) se desentendem durante uma expedição com um grupo. Afinal, Searcher -nome um tanto que sugestivo- não quer viver do jeito que o pai deseja. Objetiva ser fazendeiro, ou seja, enquanto um explora o outro prefere semear e colher. 


Sem perceber a importância das habilidades de cada um, o pai some e é dado como morto. Passados os 25 anos, Searcher é um fazendeiro importante da região, após colher Pando e salvar Avalonia. Orgulhoso do que construiu, tendo um casamento feliz com Meridian (Gabrielle Union), é pai de Ethan (Jaboukie Young‑White), garoto de 16 anos que sonha ser um explorador e é apaixonado por Diazo (Jonathan Melo). Nesse ponto, a trama remete e muito a história de conflito de gerações de "Procurando Nemo".

Tendo total aceitação dos pais e amigos no quesito romântico com Diazo, Ethan sofre por não ser ouvido por Searcher que tenta impor seus desejos ao filho, igual Jaeger tanto fez. Contudo, o destino bagunça a história quando promove um reencontro entre Jaeger e Searcher, incluindo a terceira geração, o jovem Ethan, que mostra uma terceira opção, Ainda que admire o vô explorador, Ethan acredita que é possível viver com respeito e harmonia -mesmo estando num mundo cheio de estranhas criaturas. 

Tanto é que Ethan faz amizade com um ser que parece um vírus de geleca, muito fofo e o batiza de Splat. Tal qual o E.T., Stitch, na cor azul, o ser não fala, mas se comunica muito bem, a ponto de ser um personagem importante para que a trama aconteça com fôlego. Diante da necessidade, os Clades vão encontrando formas de derrubar os muros das diferenças entre si, para que saiam vivos dessa jornada e, claro, salvem Avalonia.


"Mundo Estranho" faz referências a outras produções Disney, seja a mão estendida seguida da pergunta "confia em mim?", de "Aladdin", ou ainda apresenta o cachorro Lenda, que em muito lembra o companheiro peludo do príncipe Eric do clássico "A Pequena Sereia", Max. O grupo de seres de cores vibrantes que serve de "caminho" lembra as tarturugas em "Procurando Nemo" na corrente ou até a "ponte" de "Viva! A Vida é Uma Festa".

Contudo, "Mundo Estranho" reforça mais uma vez que de nada adianta estampar referências a clássicos Disney ou ter representatividade nos personagens, se a história não convence ou não envolve o suficiente. A nova produção simplesmente passa diante dos olhos, mas não acontece. Não emociona. Todavia, dá um show de colorido, principalmente nas criaturas. Vale pelo visual! 


Em parceria com o Cineflix Cinemas, o Resenhando.com assiste aos filmes em Santos, no primeiro andar do Miramar Shopping. O Cineclube do Cineflix traz uma série de vantagens, entre elas ir ao cinema com acompanhante quantas vezes quiser - um sonho para qualquer cinéfilo. Além disso, o Cinema traz uma série de projetos, que você pode conferir neste link.


* Mary Ellen é editora do site cultural www.resenhando.com, jornalista, professora e roteirista, além de criadora do photonovelas.blogspot.com. Twitter:@maryellenfsm


"Mundo Estranho" (Strange World) 
Classificação: 10 anos
Ano de produção: 2022
Diretor: Don Hall
Duração: 1h41


.: "Viva! A vida é uma festa" celebra a família e emociona


Trailer



.: "Terça Insana": Grace Gianoukas em espetáculo gratuito no Teatro Paulo Eiró

A atriz Grace Gianoukas, Roberto Camargo, do elenco inicial, e a talentosa Agnes Zuliani, no elenco há vários anos, apresentam-se espetáculos gratuitos no Teatro Paulo Eiró. Foto: Annelize Tozetto

Atriz, autora e diretora de teatro, Grace Gianoukas sentia a responsabilidade social de buscar novas formas, novos terrenos, novos assuntos para se fazer humor, que pudessem traduzir as revoluções ocorridas no pensamento, no comportamento moderno. Acreditava que poderia fugir da pasteurização e buscar o humor crítico, contemporâneo, inteligente e inusitado. “Tínhamos que deixar de rir do outro para rirmos de nós mesmos”, explica.

Empenhada em oferecer alternativas, pesquisar e testar novos temas e estéticas para rir, proporcionar à classe artística, um espaço neutro, para libertar a criatividade onde se pudesse trocar e apresentar ideias sobre humor. Surgia a "Terça Insana", em 2001, e começava assim uma verdadeira revolução na cena teatral do humor brasileiro. Nestes espetáculos gratuitos no Teatro Paulo Eiró estarão no elenco Grace Gianoukas, Roberto Camargo, do elenco inicial, e a talentosa Agnes Zuliani, no elenco há vários anos.

No domingo, Grace sobe ao palco para o espetáculo "Grace em Revista", que comemora os 21 anos de lançamento do Projeto Terça Insana e comemora os 40 anos de carreira da artista, para o encerramento da turnê, que percorreu o país em 2022, sempre com espetáculos lotados.

Sozinha em cena, a atriz revela o caminho que percorreu para transformar o palco da comédia num espaço de questionamento, de guerra ao preconceito, de respeito às minorias e transformação social.  Em 70 minutos ela conta histórias vividas e revela o processo de criação que deu origem às suas criações icônicas. Entre elas:  Aline Dorel, Santa Paciência, Advogada do Diabo, Adolescente Girassol, Preguiça, Mulher Limão e Cinderela que pedem passagem para brilhar entre as histórias.


Sobre a atriz
Grace Gianoukas
é atriz, diretora, autora e produtora de eventos culturais. Cursou Artes Cênicas na UFRGS. Natural da cidade de Rio Grande, RS, estreou no teatro em Porto Alegre em 1983 com o espetáculo “O Acre vai à Rússia”. Mudou para São Paulo em 1984 e desde então vem atuando em teatro, televisão e cinema.

Na TV Cultura atuou em “Ra-tim-bum” e “Castelo Ra-tim-bum”. Na TV Globo atuou na “Escolinha do Professor Raimundo”, “Sex Appeal”, “Bang Bang”, “Guerra dos Sexos”, “Haja Coração”, “Amor e Sexo”, “Orgulho e Paixão” e “Salve-se Quem Puder”. No Multishow fez “Eu, Ela e Um Milhão de Seguidores”, “O Dono do Lar” e “Vai que Cola”. No Teatro participou como atriz de espetáculos como os premiadíssimos “Pequeno Mago” e “Além do Abismo do Grupo” do XPTO, “Amigo da Onça” e “Hortance, a Velha”.

Fundou sua própria companhia teatral Harpias e Ogros em 1985 onde criou produziu e atuou em dezenas de espetáculos até 1991. Em 2001 criou o revolucionário projeto de comédia "Terça Insana", onde até hoje atua, dirige e escreve. Recebeu o Troféu Açorianos pelo espetáculo "O Acre vai à Rússia", o Prêmio Mambembe de Melhor Atriz pelo espetáculo "O Pequeno Mago", Troféu Nelson Rodrigues de referência nacional no teatro e TV e o Premio Aplauso Brasil de Melhor Atriz pelo espetáculo "Grace Gianoukas Recebe". Em 2021 estreou O “L” Perdido.


Ficha técnica
"Grace em Revista"
Texto e interpretação: 
Grace Gianoukas
Apresentações: dia 4 de dezembro, às 19h
Duração: 100 minutos
Faixa etária: 14 anos
Visagismo: Cabral
Realização: Ventilador de Talentos
Entrada franca


Serviço:
"Terça Insana"
Grace Gianoukas | Roberto Camargo | Agnes Zuliani
Apresentações: dias 2 e 3 de dezembro, às 19h
Duração: 80 minutos
Faixa etária: 14 anos
Realização: Ventilador de Talentos
Entrada Franca

Teatro Paulo Eiró – 468 lugares
Avenida Adolfo Pinheiro, 765 - Santo Amaro
Telefone: (11) 5686.8440


.: "Olhos de Pixel", de Lucas Mota: romance vencedor do Prêmio Jabuti


Vencedor do Prêmio Jabuti na categoria Romance de Entretenimento, o livro "Olhos de Pixel" é lançado pela editora Plutão Livros. O livro, escrito por Lucas Mota, também foi finalista do Prêmio Odisseia de Literatura Fantástica e do Prêmio Leblanc de 2022. Ambientado em uma Curitiba futurística e cyberpunk, o romance leva o leitor em uma jornada sobre como podemos reafirmar nosso lugar no mundo e enfrentar os próprios preconceitos.

O romance gira em torno de Nina Santteles - mercenária, queer, habitante do submundo. O objetivo dela é resgatar o amor do filho adolescente e conseguir passagens só de ida para a colônia espacial Chang'e. Quando é detida pela polícia, recebe a oportunidade de capturar o hacker alvo da maior corporação-igreja do país em troca das tão desejadas vagas no paraíso.

O problema é que o hacker oferece o mesmo negócio, mas com um adendo: ela não precisará ir contra seus ideais se ajudar a enfrentar a igreja que quer banir a existência de pessoas como ela. Nina vai atravessar explosões e realizar feitos super-humanos para decidir se o preço de se redimir com o filho e dar a ele uma vida melhor vale tanto quanto provar para o mundo que sua existência não é um crime. Você pode comprar o livro "Olhos de Pixel" neste link.


Sobre o autor

Lucas Mota é escritor, vencedor do Jabuti 2022 com "Olhos de Pixel" (Plutão Livros, 2021). Também escreveu "Boas Meninas Não Fazem Perguntas" (financiamento coletivo, 2018) e "Todos os Mentirosos" (Amazon, 2016). Tem contos publicados na coletânea "Desencontros" (Elements, 2020) e na amazon. Nas horas vagas produz o podcast "Suposta Leitura". Compre o livro "Olhos de Pixel" neste link.

.: "O Menu": conheça os personagens, pois o jantar está na mesa!

Dirigido por Mark Mylod, a produção é estrelada por Ralph Fiennes, Anya Taylor-Joy e Nicholas Hoult


“O Menu”, novo thriller satírico da Searchlight Pictures que se centra no mundo da alta gastronomia, estreia dia 1 de dezembro nos cinemas nacionais. Na trama, um grupo de clientes viaja para uma pequena ilha americana na costa do Pacífico para desfrutar de um jantar exclusivo no aclamado restaurante Hawthorne, comandado pelo chef do momento, Julian Slowik (Ralph Fiennes). O encontro, no entanto, toma rumos inesperados quando a majestosa sucessão se transforma, aos poucos, em uma experiência cheia de tensão e segredos que vêm à tona.

Seja nas mesas do imponente salão ou na imaculada cozinha do Hawthorne, “O Menu” apresenta uma coleção de personagens tão requintados quanto as preparações de Slowik. Para o diretor Mark Mylod, selecionar o elenco que dá vida a esses personagens foi um desafio divertido e muito gratificante. “Tive muita sorte com o elenco, mas há um velho ditado que diz que quando os roteiros são bons, coisas boas acontecem. Uma dessas coisas boas foi Mary Vernieu, a diretora de casting, que é fantástica. Descrevi o tom e a forma como queria trabalhar para ela, bem no estilo Robert Altman, com todos em cena o tempo todo. Precisa de atores que fossem rápidos e seguros para fazer isso e também abrir espaço para improvisação”, diz Mylod.

JULIAN SLOWIK, O CHEF

À frente e ao centro do mundo de Hawthorne está Julian Slowik, o chef que está no auge de sua carreira profissional, mas que está à mercê dos investidores do restaurante e tem sentimentos conflitantes em relação à sua clientela de elite. “Slowik é um perfeccionista e trabalha constantemente para manter um nível muito elevado para as pessoas que não o valorizam”, diz o ator Ralph Fiennes, que interpreta o chef.

“O que é fantástico na performance que Ralph faz de Slowik é que em vez de ser obviamente louco, ele nos faz sentir uma certa empatia, porque ele ama tanto o que faz, mas ao mesmo tempo é um pouco maluco”, diz Anya.

Mylod, por sua vez, acrescenta: “Slowik é um personagem bastante complexo. Queria mostrar a dedicação que ele tem para que sua arte seja mais elevada e inovadora, a ponto de colocar sua própria vida em risco; por isso o que ele faz é cativante e extraordinário. Para Ralph e para mim, era essencial não apresentar o personagem como uma caricatura. Queríamos encontrar sua humanidade, sua dor e entender suas ações, não para justificá-las, mas talvez para dar-lhes um contexto e autenticidade”.

Para dar vida ao chef, Fiennes voltou-se a várias fontes de inspiração, incluindo a série documental Chef’s Table e as experiências da renomada chef com estelas Michelin Dominique Crenn, que esteve presente no set de filmagens como consultora e inclusive criou o menu que faz parte da história.

UM CASAL DISTANTE

Entre os diversos clientes que vão ao Hawthorne, o casal com poucos interesses em comum, formado por Margot (Anya Taylor-Joy) e Tyler (Nicholas Hoult), é um dos destaques. Enquanto ela chega ao local sem o mínimo interesse nas preparações de Slowik e desdenhando da pretensão da experiência, ele é obcecado por culinária e fã número um do chef.

Hoult compartilha sua visão de seu personagem: “Para ele, conseguir ir a este restaurante é um sonho realizado. Ele planejava ir com sua namorada, mas ela terminou com ele, então levou Margot, porque não há mesas para um no Hawthorne. Tyler é um personagem que você pode gostar em algum momento, por causa de sua paixão e do prazer que tem em estar no restaurante, mas também é alguém com grades problemas psicológicos”.

Taylor-Joy, por sua vez, confessa que gostou muito de interpretar Margot. “Ela é durona, divertida, mas muito, muito rápida. Ela conhece seu trabalho, que é descobrir o que a pessoa que está com ela quer e se tornar esse ideal. Foi muito divertido interpretá-la”, diz.

UM DIVERSIFICADO GRUPO DE CLIENTES

Durante o jantar de “O Menu”, a equipe do Hawthorne serve um grupo de clientes dividido em seis mesas. Cada um representa um tipo de pessoa que despertou raiva ou desrespeitou o chef Slowik, desde ex-clientes que pararam de frequentar seus restaurantes até pomposos críticos gastronômicos que acham que sabem de tudo.

De um lado, a renomada e arrogante crítica gastronômica Lillian Bloom, interpretada pela premiada atriz Janet McTeer (Ozark; Albert Nobbs). As críticas de Bloom têm o poder de elevar o destruir para sempre a carreira de um chef. Juntando-se a ela está Ted (Paul Adelstein), seu submisso editor.

Em outra mesa está uma egocêntrica e irritante estrela de cinema (John Leguizamo), que está ansiosa para dar um salto em sua estagnada carreira de ator com a oportunidade de fazer um programa de viagens e gastronomia. O ator chega ao Hawthorne com sua assistente Felicity (Aimee Carrero), uma jovem que só pensa em largar o emprego e a relação tóxica de trabalho que tem com o ator.

Dois outros clientes da noite são Richard e Anne (Reed Birney e Judith Light), um casal rico que é frequentador regular do Hawthorne, mas que não parece gostar da companhia um do outro ou da experiência oferecida por Slowik.

Completando a clientela da noite está um trio de jovens executivos da indústria da tecnologia formado por Bryce (Rob Yang), Soren (Arturo Castro) e Dave (Mark St. Cyr). Com seus bolsos cheios e atitudes arrogantes, ele vão ao Hawthorne dispostos a gastar fortunas e exigir o serviço que acreditam merecerem por suas posições de poder.

“Todos esses personagens são desagradáveis em muitos aspectos, mas, de uma forma estranha, também fazem você querer passar um tempo com eles, por algum motivo você se identifica com eles”, diz Nicholas Hoult.

A EQUIPE DO HAWTHORNE

Na cozinha do Hawthorne, uma equipe comandada por Slowik trabalha como uma orquestra infalível. Com veneração ao chef e uma dedicação absoluta ao restaurante, todos se comportam de uma maneira um tanto insana.

À frente da equipe e como braço direito de Slowik está Elsa (Hong Chau), uma mulher rigorosa e formal que faz tudo o que o chef manda e nunca questiona suas diretrizes. A complexidade e obscuridade de Elsa desperta intrigas na história. Com ela na linha de frente do restaurante estão o sommelier (Peter Grosz) e os sous chefs Katherine (Christina Brucato) e Jeremy (Adam Aalderks). A relação entre o chef Slowik e sua equipe é a prova de como eles acreditam firme e plenamente em sua visão. Os funcionários seguem o plano para a noite, independentemente das possíveis consequências.

Assim como seus personagens “O Menu” não é o que parece ser à primeira vista. Conduzidos pela equipe do Hawthorne, cada prato do suntuoso menu de degustação do Slowik revela um novo aspecto da história, levando o espectador a uma inesperada e tempestuosa aventura, que é tão sombria e perturbadora, quanto extremamente divertida.

“O Menu” estreia dia 1 de dezembro nos cinemas.

Trailer:

.: Drama alemão "Plano A", baseado em história real do holocausto, nos cinemas

Na quinta-feira, dia 1º de dezembro, o drama alemão "Plano A" (Plan A), dos cineastas e roteristas Doron Paz e Yoav Paz (ambos do filme "A Lenda de Golem"), estreia exclusivamente nos cinemas brasileiros com distribuição da A2 Filmes. O filme chegará aos cinemas de São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Brasília e Salvador.

Estrelado por August Diehl ("Bastardos Inglórios" e "Uma Vida Oculta"), Sylvia Hoeks ("Blade Runner 2049" e da série "See"), Michael Aloni ("Além da Fronteira") e Milton Welsh ("O Grande Hotel Budapeste"), o filme se passa em 1945, onde um grupo de sobreviventes judeus do Holocausto planeja envenenar o sistema de água na Alemanha. Baseada em uma história real, esta é a história de uma perigosa e ousada operação secreta chamada Plano A.

No período pós-guerra, um grupo de judeus germano-poloneses e sobreviventes do Holocausto, ao mesmo tempo, planejam manipular o abastecimento de água em várias grandes cidades da Alemanha ocupada, envenenando a água potável, em retaliação ao Holocausto e outros crimes cometidos durante o período da Segunda Guerra Mundial.


Comentários dos diretores, Yoav e Doron Paz


Ao fazer a pesquisa para o filme, tivemos muitas horas de conversas com as pessoas que tiveram um papel ativo nesse plano de vingança monstruoso. Tendo perdido suas famílias inteiras e tendo sobrevivido a um horror inimaginável, esses homens e mulheres não viram que tinham um futuro pelo qual viver.

Preencher-se com os sentimentos primitivos de ódio e vingança era uma maneira de continuar e encontrar um propósito. Olhando para o mundo de hoje, também sentimos que este é um elemento muito atual em nossa história.

Enquanto escrevíamos esses personagens, era importante para nós retratá-los como um homem e uma mulher que já foram cheios de vida, mas, depois que os nazistas mataram toda a sua família e seis milhões de outros judeus, eles se transformaram em pessoas dispostas a tirar a vida de milhões.

Por um lado, são vigilantes furiosos e desesperados, mas, por outro, são seres humanos cheios de paixão pela vida. É importante para nós contar esta história como um thriller histórico emocionante. Nosso objetivo é contar essa história o mais longe possível dos “filmes do Holocausto” tradicionais. 

Achamos que essa combinação de cinema de gênero moderno – alta-tensão e drama cheio de ação – combinado aos elementos profundamente emocionais e profundos dessa incrível história verdadeira transformam este trabalho, de um longa de arte "comum", em um filme verdadeiramente significativo, importante e divertido. Uma produção que pode atingir um público muito amplo.

Somos a primeira geração que finalmente consegue fazer um filme sobre o "Plano A" e nos sentimos profundamente honrados em contar a história dessas pessoas corajosas que acabaram escolhendo a vida em vez de vingança e destruição. Também achamos que este assunto é relevante para o clima social e político em nosso mundo nos dias de hoje.


Filme: Plano A (Plan A)

Direção: Doron Paz, Yoav Paz

Roteiro: Doron Paz, Yoav Paz

Produção: Minu Barati, Skady Lis

Elenco: August Diehl, Sylvia Hoeks, Michael Aloni, Nikolai Kinski, Milton Welsh, Oz Zehavi, Yoel Rozenkier, Ishai Golan

País: Alemanha, Israel

Ano de produção: 2021

Gênero: Drama, Suspense

Duração: 109min (IMDb)


Trailer




.: Gabriela Rivero, a professora Helena da "Carrossel" mexicana, vem ao Brasil


A atriz e cantora mexicana Gabriela Rivero, que interpretou a Professora Helena na versão original da novela "Carrossel" (Televisa / 1989-1990), vem ao Brasil em janeiro para participar de um evento com fãs brasileiros. No evento, Gabriela Rivero vai contar histórias e curiosidades sobre sua carreira de atriz e cantora, participará de uma sessão de perguntas e respostas e ao final do evento ainda vai tirar fotos com todos os participantes.

Na ocasião também vai visitar alguns programas de TV e entrevistas para outras mídias. O “Encontro com Gabriela Rivero” acontecerá no dia 21 de janeiro, às 14h, em um hotel da capital paulista. Os ingressos já estão disponíveis para venda com o preço único de R$ 60. Site de vendas:  https://vamoapp.com/events/15126/gaby-rivero-em-sao-paulo.

Postagens mais antigas → Página inicial
Tecnologia do Blogger.