sexta-feira, 24 de maio de 2024

.: Espetáculo "Palhaços" reestreia com sessões beneficentes para o RS


José Rubens Chachá comemora 50 anos de carreira com a peça "Palhaços", e faz sessões beneficentes para o Rio Grande do Sul. No palco com Caio Paduan, espetáculo reestreia dia 1° de junho no Teatro Fernando Torres, em São Paulo, e tem ingressos a R$ 20 mais uma garrafa d'água de 1,5L, que será doada. Foto: Ronaldo Gutierrez


Um dos mais importantes textos de Timochenko Wehbi, o espetáculo "Palhaços” foi sucesso durante anos quando estreou na década de 70 e agora volta em nova montagem dirigida por Léo Stefanini, estrelada pelos atores José Rubens Chachá e por Caio Paduan. Com reestreia dia 1° de junho, no Teatro Fernando Torres, a peça não poderia ser mais adequada para Chachá, que completa 50 anos de carreira. E para ajudar aos desabrigados da tragédia do Rio Grande do Sul, as sessões dessa temporada têm ingressos a R$ 20,00, mais uma garrafa d'água de 1,5 litro que será doada para o Rio Grande do Sul.

"O texto revela a minha própria situação enquanto artista, que chega a esse determinado ponto de vida e não tem ainda segurança financeira, estabilidade emocional e econômica. Com 50 anos de carreira já teria uma estabilidade em qualquer outra profissão, não na artística, em que continuamos lutando até não sei quando. O espetáculo é como a vida: você chora, se emociona, tem sua parte do ódio e da alegria", avalia Chachá.

A peça narra a história de um palhaço que tem a sua rotina alterada ao se deparar com um espectador em seu camarim. O encontro entre Careta (José Rubens Chachá) e Benvindo (Caio Paduan), um vendedor de sapatos, faz com que ambos questionem a vida e a própria existência de uma maneira espirituosa, opondo o palhaço profissional ao palhaço da vida.

Durante a conversa, os personagens passam a se provocar, como em um jogo entre essas figuras opostas, desestabilizando crenças e valores, que se desnudam e refletem acerca de suas escolhas. A todo instante, um dos personagens parece dominar a cena quando, com um simples gesto, o outro rouba a atenção e o poder momentâneo do diálogo. As distâncias e as proximidades existentes entre Careta e Benvindo remetem à metáfora dos homens que os assistem na plateia. "Palhaços" é um convite à reflexão sobre nossas vidas, o que faz com que o público ultrapasse o espaço da lona, do espaço cênico, para ver de perto o verdadeiro palhaço.

"O texto expõe e coloca o dedo na ferida numa questão endêmica num país onde a arte e os artistas não são realmente valorizados. Guerreiros da arte em busca de poder seguir trabalhando com seu sonho, ou ofício, pois ambos são a mesma coisa. Essa questão toca diretamente na minha vida nos últimos quase 20 anos de carreira. Seguir lutando para conseguir permanecer na carreira com dedicação e vocação. Antes do crescimento, o artista busca a permanência, que já é muita coisa. Eu sigo buscando permanecer", diz Caio Paduan.

Para o diretor Léo Stefanini, "Palhaços" é uma obra-prima da dramaturgia e um sonho que ele queria realizar há muito tempo. "A peça passeia por diversas emoções, diverte, comove, assusta e diverte de novo. E a nossa concepção busca justamente mostrar todas estas facetas. Estamos com dificuldade até para classificar o gênero. É cômico, dramático e trágico ao mesmo tempo! 'Palhaços' é um diamante perfeitamente lapidado, com mil faces. Se pudesse, eu classificaria como um thriller tragicômico!", define o diretor.


Ficha técnica
Espetáculo "Palhaços" | Texto: Timochenco Wehbi | Direção: Léo Stefanini | Assistente de direção: Déo Patrício | Elenco: José Rubens Chachá e Caio Paduan | Cenário: Léo Stefanini e Thiago Wenzler | Cenotécnico: Tony Filho | Figurinos: Domingos de Lello e Maitê Chasseraux | Assistente de produção: Rudah Chasseraux | Desenho de Luz: Cesar Pivetti | Trilha sonora: Sérvulo Augusto | Fotos: Ronaldo Gutierrez | Assessoria de imprensa: Dobbs Scarpa Multiplataformas.


Serviço
Espetáculo "Palhaços" |  De 1° a 30 de junho | Sábados, às 20h00, e domingos, às 19h00 | Exceto dias 15 e 16 de junho | Ingressos: R$ 100 (inteira) R$ 50 (meia-entrada) |Classificação: 12 anos | Duração: 75 minutos | Teatro Fernando Torres | Rua Padre Estevão Pernet, 588 - São Paulo | Bilheteria: Sympla

.: Entrevista: Dalmo Medeiros, do MPB-4, fala sobre 60 anos de música


Por
 Luiz Gomes Otero, jornalista e crítico cultural. 

O tão esperado álbum comemorativo de 60 anos de carreira do MPB4 será lançado pela gravadora Biscoito Fino em breve. O primeiro single desse trabalho, foi dedicado ao Quarteto em Cy. A música escolhida do álbum é “Angélica”, gravada originalmente, em 1978, pelo quarteto formado, à época, por Cynara, Cyva, Dorinha e Sônia. Além do mais, “Angélica” é a única parceria de Chico Buarque com um integrante do MPB4 (Miltinho). Chico Buarque participou dessa regravação.

A história do grupo começou nos anos 60, na época dos festivais. E vem atravessando as últimas décadas de forma impecável. Mesmo com algumas mudanças na formação, sempre manteve um nível elevado de qualidade no repertório. Esse item, aliás, é destacado por Dalmo Medeiros, integrante da formação atual, juntamente com Miltinho, Aquiles e Paulo Malaguti Pauleira. Em entrevista ao Resenhando.com, Dalmo conta um pouco sobre o como ocorre o processo de criação dos arranjos e sobre a fase atual do grupo. “O MPB-4 é uma entidade musical muito forte, pela sua história e pelo seu incrível repertório sempre rico”.


Resenhando.com - Como funciona o processo criativo atual do grupo?
Dalmo Medeiros - Temos o Miltinho e o Paulo Malaguti como arranjadores. Na questão das vozes, sempre procuramos conversar e ver sempre se o alcance de cada voz está adequado para a melodia escolhida. O Aquiles, por ter uma escrita privilegiada, costuma fazer os roteiros das apresentações, ajudando sempre a direcionar o que cada um deve falar nos shows.


Resenhando.com - E esse novo trabalho, como foi trazer esse time de feras para cantar no disco?
Dalmo Medeiros - Foi uma emoção muito grande. A presença do Chico Buarque era algo até natural, levando em consideração a trajetória do grupo. Mas tivemos a presença do João Bosco, que participa da faixa "Pret-à-porter de Tafetá", que deve ser o segundo single, a princípio. Mas tivemos ainda Ivan Lins, Milton Nascimento e mais outros. Tem também o Dori Caymmi que ajudou nos arranjos. Em breve divulgaremos a escalação completa do time.

 
Resenhando.com - Você entrou em 2004 no grupo. Na sua opinião, qual seria a melhor qualidade a ser destacada no MPB-4?
Dalmo Medeiros - Eu acredito que o repertório que o grupo escolheu ao longo dos anos seja o ponto mais forte. Veja bem: o grupo consegue resgatar canções mais antigas e se integrar perfeitamente com autores da geração mais atual, como por exemplo, o Lenine. Todas as fases do grupo são recheadas de canções que marcaram a nossa música.


Resenhando.com - E como estão os planos para shows?
Dalmo Medeiros - Certamente iremos ao palco para levar esse repertório e outras canções que marcaram os 60 anos do MPB-4. Temos um show em São Paulo e depois devemos seguir adiante por outros estados.

"Angélica"

.: Desaparecida, pintura "Viúva'" ressurge em mostra no Museu Lasar Segall


“Witwe” ou "Viúva", de Lasar Segall. Foto: Alexandre Santos Silva


A pintura “Witwe” ou "Viúva", de Lasar Segall, que fez parte da exposição "Arte Degenerada" em Munique, Alemanha, iniciativa de Joseph Goebbels durante o governo nazista de Adolf Hitler, ressurge no Brasil após oito décadas de desaparecimento. Considerada perdida, a obra foi encontrada na Europa pelo marchand Paulo Kuczynski e estará no centro da mostra "Witwe, Uma Pintura Reencontrada", do Museu Lasar Segall. Juntamente com a pintura, serão exibidas gravuras produzidas pelo artista na mesma época, parte do acervo de mais de 3 mil itens que a instituição conserva e divulga. A exposição abre durante a 22ª Semana Nacional de Museus, uma iniciativa do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), e segue em cartaz até 18 de agosto. 

Dada como perdida há cerca de 80 anos, Kuczynski encontrou a pintura na França há cerca de dois anos. "São momentos inesquecíveis na vida de um marchand - o prazer da descoberta. No entanto, neste caso, a emoção é de outra natureza e há pouca chance de que se repita na minha vida", afirma. "No caso de 'Viúva', no entanto, existiu um salvador, e isso me intriga, faz minha imaginação voar. A pintura certamente magnetizou o olhar de alguém (um oficial nazista?), que por ela se encantou a ponto de, contra as ordens oficiais, escondê-la e poupá-la da fogueira — um delito grave naquele momento de extremos".

Depois de algumas tratativas, Kuczynski conseguiu trazer a tela para o Brasil e apresentou-a ao Museu Lasar Segall, centro de referência para o estudo da obra do artista, onde foi analisada e autenticada pelo então diretor, Marcelo Monzani, e sua equipe técnica. Os ex-diretores do museu Marcelo Araújo, Jorge Schwartz e Giancarlo Hannud também foram convidados para ver a pintura pessoalmente, que até então só conheciam por fotos em preto e branco de antigos catálogos e livros. "Pude perceber, ao observar esses apaixonados por Segall, o frisson provocado pela fatura, pelo colorido e por toda a carga histórica da obra milagrosamente intacta", concluiu.

“'Viúva' é uma testemunha da história, uma obra sobrevivente, profunda e intrigante que, reencontrada tantos anos após seu desaparecimento, mereceria voltar para casa, para o museu de onde foi confiscada [Folkwang Museum, em Essen], avalia Pierina Camargo, museóloga e pesquisadora do Museu Lasar Segall há mais de 40 anos. Após análise dos especialistas e autenticidade confirmada, o público terá chance de encontrar a tela sobrevivente no museu dedicado ao artista, fundado dez anos após sua morte, em 1967, no lugar viveu com a família, na Vila Mariana.


A história do quadro
"Viúva" ("Witwe"), de Lasar Segall, foi pintada em 1920, em Dresden, durante o auge da produção expressionista do artista. No mesmo ano, Segall inaugurou sua primeira grande exposição individual na Europa, no Folkwang Museum, em Essen, o principal museu de arte moderna da Alemanha na época. Além de "Viúva", a mostra incluiu 30 desenhos, 35 gravuras e 15 pinturas.

No catálogo da exposição, o crítico e historiador de arte alemão Will Grohmann destacou Segall como um dos grandes artistas inovadores que migraram da Rússia para o país, juntamente com Wassily Kandinsky e Marc Chagall. Sobre a pintura "Viúva", Grohmann escreveu: "O conceito em forma de afresco, uma premonição daquilo que poderia vir a ser um novo templo. 'Viúva', nobre majestade, é apenas uma proteção para os filhos que certamente vão se impor como a vida futura" . O quadro foi adquirido para integrar a coleção do museu alemão, porém, infelizmente, não permaneceu no acervo por muito tempo.

Em 1937, o governo de Adolf Hitler lançou uma campanha oficial contra o que considerava "arte degenerada", rotulando assim todas as obras que não se encaixavam nos padrões clássicos de beleza e representação naturalista, que valorizavam a perfeição, harmonia e equilíbrio das figuras. Todas as obras desenvolvidas dentro das vanguardas modernas, como cubismo, expressionismo e fauvismo, eram consideradas "degeneradas" pelos nazistas. O governo confiscou cerca de 16 mil obras de arte, incluindo aproximadamente cinquenta de autoria de Lasar Segall.

Naquele mesmo ano, em julho, 650 dessas obras, confiscadas de 32 museus, incluindo duas pinturas de Segall, foram apresentadas na mostra "Entartete Kunst" ["Arte Degenerada"] em Munique. Apesar da desaprovação, infâmia e escárnio do povo alemão, a exposição foi um sucesso de público, recebendo mais de 2 milhões de visitantes e causando grande repercussão. Após a mostra, essas obras seriam destruídas pelo governo. Sabendo das cifras que alguns artistas alcançavam no mercado internacional, entretanto, os nazistas venderam trabalhos assinados por nomes como Picasso, Kandinsky, Chagall e Van Gogh, o que evitou sua destruição. A partir de 19 de maio, as pessoas também terão a oportunidade de encontrar no Museu Lasar Segall uma dessas raridades salvas da destruição nazista.


Sobre Lasar Segall 
De origem judaica, Lasar Segall (1889-1957) nasceu na Lituânia e migrou para a Alemanha em 1906 para estudar na Escola de Artes Aplicadas e na Academia Imperial de Belas Artes em Berlim. Sua produção foi, inicialmente, marcada por referências impressionistas e pós-impressionistas. Traços mais ligados ao expressionismo, tendência à qual o artista é relacionado, começam aparecer em seu trabalho a partir de 1914.

Após o impacto da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), Segall reflete em suas obras preocupações com injustiças sociais e sofrimento humano. Embora tenha visitado o Brasil em 1912, foi somente 10 anos depois que se mudou para o país, fixando residência em São Paulo em 1923. Segall tornou-se uma referência na cena artística da arte moderna brasileira, também dialogando com a produção de artistas nacionais como Tarsila do Amaral. Suas primeiras obras pintadas no Brasil mostram interesse pela luz e pelas cores tropicais. 


Sobre o Museu Lasar Segall
Idealizado por Jenny Klabin Segall, viúva do artista, o museu foi criado pelos filhos Mauricio Segall e Oscar Klabin Segall em 1967. O acervo foi doado pela família à Associação Museu Lasar Segall que, em dezembro de 1984, se transformou no Museu Lasar Segall, hoje uma unidade do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), autarquia vinculada ao Ministério da Cultura.


Serviço
"Witwe, Uma Pintura Reencontrada" | Até 18 de agosto | Museu Lasar Segall | Rua Berta, 111 - Vila Mariana / São Paulo | De quarta a segunda das 11h00 às 19h00 | Entrada gratuita.

.: Uma ode ao teatro e à liberdade na comédia "O Retrato de Janete"


Espetáculo com música ao vivo para todos as idades comemora os 12 anos da Cia Bendita no Sesc Pinheiros. Foto: Ronaldo Gutierrez


Uma atriz melodramática com mais de 200 anos vive esquecida num teatro abandonado. Sua única companhia são as divertidas lembranças de sua carreira e uma vespa de estimação que sonha em fugir. Este é o mote do espetáculo infantil "O Retrato de Janete", que estreia dia 2 de junho no auditório do Sesc Pinheiros, em São Paulo e faz temporada todos os domingos, com sessões às 15h00 e 17h00, até dia 30 de junho.

Escrito e dirigido por Marcelo Romagnoli, a história exalta a importância de laços familiares saudáveis, a liberdade e a memória como força de vida. Em cena, Jackie Obrigon interpreta Maristela, uma grande atriz cheia de histórias para contar, que divide o camarim com uma vespa atormentada e rebelde. As músicas são executadas ao vivo por Bruno Garcia. Escrita em 2002, O Retrato de Janete foi o primeiro texto para crianças escrito pelo dramaturgo Marcelo Romagnoli, que até hoje já assinou 32 espetáculos encenados.

A montagem brinca com diversas formas de atuação e traz, além de uma homenagem ao poder da imaginação e da arte, uma alegoria sobre as relações entre adultos e a infância, apostando que o verdadeiro cuidado vem acompanhado de desapego e confiança. Com "O Retrato de Janete", a Cia Bendita ressalta mais uma vez seu compromisso com a formação emocional da criança, na esperança de uma sociedade mais compreensiva e amorosa.

O Grupo
A Cia Bendita é um premiado grupo de São Paulo com sólida trajetória na produção teatral para a infância e juventude. Seu repertório inclui os espetáculos Terremota (2012), Gagá (2017), Elagalinha (2019) e Fábula (2021). Com O Retrato de Janete o grupo aproveita para comemorar também os 30 anos de carreira de sua co-fundadora, Jackie Obrigon.

Sinopse
Comédia para todos os públicos que comemora os 12 anos da Cia Bendita. Na peça, uma atriz melodramática com mais de 200 anos relembra sua carreira. Esquecida num camarim cheio de truques, sua única companhia é uma vespa de estimação que sonha em fugir. As músicas, efeitos sonoros e sonoplastia são executadas ao vivo. A história exalta a importância de laços familiares e emocionais saudáveis, a liberdade e a memória como força de vida.


Ficha técnica
Espetáculo "O Retrato de Janete" | Texto e Direção: Marcelo Romagnoli | Com: Jackie Obrigon e Bruno Garcia | Assistente de direção: Fausto Franco | Desenho de luz: Marisa Bentivegna | Figurinos: Chris Aizner | Cenário: Marcelo Andrade | Músicas: Morris e Bruno Garcia | Adereços: Ivaldo de Melo | Estudo de texto: Cris Lozano | Operação e montagem: Nicolas Sadoyama | Diretor de palco: Mauro Felles | Costureira: Judite de Lima | Visagismo: Simone Batata | Fotos: Ronaldo Gutierrez | Identidade visual: Andrea Pedro | Produção: Corpo Rastreado/Nathália Christine | Direção de produção: Jackie Obrigon | Idealização: Cia Bendita


Serviço
Cia Bendita em “O Retrato de Janete”
Estreia dia 2 de junho, domingo, às 15h00, no Auditório do Sesc Pinheiros
Temporada: de 2 a 30 de junho de 2024 - Domingos, duas sessões às 15h00 e 17h00
Duração: 50 minutos
Classificação: livre
Sesc Pinheiros - Auditório, 3º andar
Rua Paes Leme, 195 Tel: (11) 3095-9400
Ingressos: R$ 30,00 (inteira), R$ 15,00 (meia entrada), R$ 10,00 (credencial plena). Gratuito para crianças até 12 anos
Link de vendas: https://www.sescsp.org.br/programacao/o-retrato-de-janete/

quinta-feira, 23 de maio de 2024

.: "A Estrela Cadente", mescla de drama e comédia, estreia na Cineflix Cinemas

Comédia "A Estrela Cadente", que estreia na Cineflix Cinemas dia 23 de maio, quinta-feira, apresenta a história de Boris (Dominique Abel), um ex-ativista que há 35 anos vive na clandestinidade, trabalhando como bartender em Bruxelas. Sua vida pacífica é subitamente interrompida quando um estranho misterioso irrompe no bar, armado e determinado a acertar as contas do passado. 

Boris se vê forçado a confrontar os fantasmas de sua vida anterior, especialmente quando se depara com uma vítima buscando vingança pelo seu envolvimento em um ataque mal sucedido. No entanto, surge uma reviravolta inesperada quando Dom (Dominique Abel), um homem deprimido e surpreendentemente parecido com Boris, entra em cena, oferecendo uma oportunidade de fuga do perigo iminente. 

Enquanto Boris e sua companheira Kayoko (Kaori Ito), apoiados pelo porteiro Tim (Philippe Martz), tentam manipular a situação em torno de Dom para sua vantagem, eles se veem em uma teia complexa de segredos e mentiras. Porém, o que eles não sabem é que a ex-mulher de Boris, Fiona (Fiona Gordon), uma detetive particular, está observando de perto, pronta para desvendar os mistérios que cercam a vida de Boris e Dom. Garanta os ingressos para "A Estrela Cadente" aqui: Ingressos on-line neste link

"A Estrela Cadente" ("L'Étoile filante"). Ingressos on-line neste linkGênero: comédiaClassificação: 16 anos. Duração: 1h38. Ano: 2023. Idioma original: inglês. Distribuidora: Pandora Filmes. Direção: Dominique Abel, Fiona Gordon. Roteiro: Dominique Abel, Fiona Gordon. Elenco: Fiona Gordon, Dominique Abel, Kaori ItoSinopse: Boris (Dominique Abel) é um ex-ativista que há 35 anos vive na clandestinidade, trabalhando como bartender em Bruxelas. Sua vida pacífica é subitamente interrompida quando um estranho misterioso irrompe no bar, armado e determinado a acertar as contas do passado. Boris se vê forçado a confrontar os fantasmas de sua vida anterior, especialmente quando se depara com uma vítima buscando vingança pelo seu envolvimento em um ataque mal sucedido. No entanto, surge uma reviravolta inesperada quando Dom (Dominique Abel), um homem deprimido e surpreendentemente parecido com Boris, entra em cena, oferecendo uma oportunidade de fuga do perigo iminente. Enquanto Boris e sua companheira Kayoko (Kaori Ito), apoiados pelo porteiro Tim (Philippe Martz), tentam manipular a situação em torno de Dom para sua vantagem, eles se veem em uma teia complexa de segredos e mentiras. Porém, o que eles não sabem é que a ex-mulher de Boris, Fiona (Fiona Gordon), uma detetive particular, está observando de perto, pronta para desvendar os mistérios que cercam a vida de Boris e Dom.

O Resenhando.com é parceiro da rede Cineflix Cinemas desde 2021. Para acompanhar as novidades da Cineflix mais perto de você, acesse a programação completa da sua cidade no app ou site a partir deste link. No litoral de São Paulo, as estreias dos filmes acontecem no Cineflix Santos, que fica no Miramar Shopping, à rua Euclides da Cunha, 21, no Gonzaga. Consulta de programação e compra de ingressos neste link: https://vendaonline.cineflix.com.br/cinema/SAN.

Sala 1 (legendado) - De 23 a 29 de maio: 18h30



.: Vencedor do Nobel, Orhan Pamuk lança o romance "Noites da Peste"


Em "Noites da Peste", romance ambicioso com ecos de Tolstói lançado pela Companhia das Letras, o vencedor do Nobel Orhan Pamuk utiliza ampla pesquisa histórica para dar vivacidade de detalhes ao universo da ilha fictícia de Mingheira, que enfrenta uma pandemia avassaladora no começo do século XX. A tradução é de Débora Landsberg.

No livro, uma nova doença começa a fazer vítimas em uma ilha do Império Otomano. O Químico Real do Sultão é enviado de Istambul para controlar a situação, mas é assassinado. A princesa Pakize e seu marido epidemiologista logo são despachados para o local para investigar, e assim se inicia uma saga sem igual na literatura contemporânea. Enquanto os cadáveres se empilham devido a esta enfermidade avassaladora, as questões culturais, como antagonismos religiosos e suas consequências políticas, interferem diretamente na maneira como os moradores lidam com a ameaça de saúde pública.

Partindo dessa premissa tempestuosa, o vencedor do Nobel Orhan Pamuk esboça os principais traços de seu romance de grande escopo: uma mescla de ficção histórica, com muitos paralelos com a nossa realidade recente, e uma trama eletrizante, com acontecimentos inesperados, movidos por um assassinato misterioso, como num bom policial. Compre o livro "Noites da Peste", de Orhan Pamuk, neste link.


Sobre o autor
Orhan Pamuk
 nasceu em 1952, em Istambul, e é considerado o principal romancista turco da atualidade, traduzido para mais de quarenta idiomas. Em 2006, recebeu o Prêmio Nobel de Literatura. Foi um dos primeiros turcos a falar abertamente sobre o massacre de armênios promovido pela Turquia no início do século XX. Do autor, a Companhia das Letras publicou diversos títulos, como "Neve", "Meu Nome É Vermelho" e "O Museu da Inocência". Garanta o seu exemplar de "Noites da Peste", escrito por Orhan Pamuk, neste link.

.: Entrevista com Manuel de Oliveira: entre a música flamenca e o jazz


Por
 Luiz Gomes Otero, jornalista e crítico cultural. 

O renomado violonista ibérico Manuel de Oliveira veio ao Brasil para se apresentar na capital paulista e em Illhabela. Natural de Guimarães, Portugal, o guitarrista contemporâneo tem sido presença destacada nos principais festivais de jazz europeus. Com mais de 20 anos de carreira, Manuel de Oliveira consolidou-se como um dos mais proeminentes violonistas contemporâneos. Autodidata, ele absorveu influências de diversas culturas musicais, incluindo flamenco, música sul-americana e fado, criando uma identidade sonora reconhecível em constante evolução. 

Seus concertos e documentários foram lançados pela Qwest TV, canal do icônico Quincy Jones, ao lado de músicos como Brad Meldhau e Chick Corea, ele se estabeleceu como um dos pioneiros do estilo flamenco-jazz. Em entrevista para o Resenhando.com, ele conta como a nossa música brasileira imapctou em su formação e explica como preparou o seu "Looping Solo". “A música instrumental etno contemporânea, que dialoga entre várias culturas, é uma tendência global e de uma riqueza enorme”.


Resenhando.com - O Brasil tem uma relação muito próxima de Portugal com a música. Como a música brasileira impactou em sua formação musical?
Manuel de Oliveira -
A música do Brasil é de uma riqueza infinita e depois tem uma natural identificação com a cultura portuguesa, mesmo para além da língua - artistas da área instrumental como Egberto Gismonti, Rafael Rabelo, Hermeto Pascoal, os grandes da MPB também, como Chico Buarque, Tom Jobim, Caetano Veloso, enfim, é ao mesmo tempo um espanto pela qualidade e um vislumbramento do potencial criativo de um diálogo cultural que não tem barreiras.


Resenhando.com - No Brasil há uma queixa recorrente dos músicos para ganhar mais espaço na mídia para a música instrumental. Como está o espaço em Portugal para esse estilo?
Manuel de Oliveira -
É de fato um problema. Ainda bem que aqui há queixa. Em Portugal, acho que ainda nem sequer chegou a isso. A música instrumental no Brasil vai tendo alguns contatos importantes, como festivais e o próprio Sesc, apesar de ser muito pouco. Não só há poucos contextos no geral para a música instrumental, como os que existem são muitas vezes fechados a géneros como o jazz ou a clássica. A música instrumental etno contemporânea, que dialoga entre várias culturas, é uma tendência global e de uma riqueza enorme. É realmente necessário criar mais contatos e canais de comunicação para esta vertente.


Resenhando.com - O que é o “Looping Solo”?
Manuel de Oliveira -
O "Looping Solo" é o nome que dei ao meu show a solo, com o uso uma tecnologia que me permite em tempo real gravar uma série de partes. Assim eu estabeleço no fundo um diálogo comigo mesmo.


Resenhando.com - O estilo flamenco ainda tem influência no jazz contemporâneo? Cite alguns exemplos.
Manuel de Oliveira  -
Muito. O flamenco e o jazz abriram um caminho sem retorno nos anos 80 com artistas como Paco de Lucia, Jorge Pardo, Carles Benavent, tem cada vez mais artistas a explorar esses caminhos - sendo uma música urbana por si, é um diálogo muito natural de estabelecer, como o fado com o flamenco, o tango com o fado, o blues com a bossa, enfim. Entre os exemplos de artistas do Flamenco Jazz, citaria Nino Josele, Josemi Carmona, Jorge Pardo, Ano Dominguez, entre muitos outros.


Resenhando.com - Quais os músicos que influênciaram na sua formação musical?
Manuel de Oliveira -
Paco de Lucia, José Afonso e Egberto Gismonti, acho que assim como uma matriz, entre várias outras influências.

.: "É difícil voltar a escrever'", afirma Ana Maria Gonçalves no "Provoca"


“É difícil voltar a escrever depois de 'Um Defeito de Cor'", afirma a escritora Ana Maria Gonçalves, em entrevista a Marcelo Tas. Foto: Anna Coutinho


Nesta terça-feira, dia 28 de maio, Marcelo Tas entrevista, no "Provoca", a escritora Ana Maria Gonçalves, autora do livro "Um Defeito de Cor", que virou samba-enredo da Portela. Na edição, ela fala sobre como foi o processo de escrita do romance, publicado em 2006, revela que esta é a última entrevista que vai dar sobre o livro, dá um spoiler sobre o próximo projeto que irá lançar e muito mais. Vai ao ar na TV Cultura, no app Cultura Play, além do YouTube, Facebook e X, a partir das 22h.

“Um livro virar samba quer dizer o que neste país?”, pergunta Tas. “É a gente pensar no quão a literatura é elitista, o quanto o livro é caro, pouca gente tem acesso a esse tipo de informação através desse veículo que é o livro. E ver ele transformado em enredo de uma maneira muito bonita (...) o que foi para a avenida não foi uma adaptação, foi uma conversa com o livro (...) e o livro furou a bolha, esgotou nos sites de venda durante o desfile, e isso porque uma semana antes a editora já tinha rodado uma edição, e depois do desfile esgotaram mais três edições”, conta.

Em outro momento do "Provoca", a escritora dá um spoiler sobre seu novo projeto. “É difícil voltar a escrever depois de 'Um Defeito de Cor'. Eu não esperava essa recepção que ele teve. E o livro que eu consegui terminar e que está na gaveta já há alguns anos, esperando um tempo para eu poder reescrever (...) é uma ficção científica afrofuturista que se passa aqui em São Paulo (...) como é um infantojuvenil, ele tem umas 500, 600 páginas”, diz Ana Maria.

“E o coração tá querendo abrir a gaveta já?”, pergunta Tas. “Uma das coisas que eu acho que demanda muito - a gente não consegue viver de livro, não dá nem pra pensar em começar a viver de literatura -, é fazer palestra, curso, por exemplo. Eu preciso dos cinco anos do 'Um Defeito de Cor', eu acho que nem tanto mais porque eu já estou mais carimbada em escrever, mas eu preciso de um tempo parada me dedicando só a aquilo, sem ter que viajar. Então, eu estou tirando esse ano de 2024 para fazer isso. Essa é a última entrevista que eu estou dando esse ano, aí eu preciso tirar o ano para mergulhar na escrita”, revela a autora. Compre a edição especial de "Um Defeito de Cor", de Ana Maria Gonçalves, neste link.

.: À la Guimarães Rosa: 12 contos para mergulhar no realismo fantástico


O autor Thiago Arantes se inspirou no conto "A Terceira Margem do Rio", de Guimarães Rosa, para escrever "A Terceira Margem da Folha", lançamento da Artêra Editorial, que mistura elementos mágicos ao cotidiano. Gênero literário próprio da América Latina, o realismo fantástico ganha este novo recorte nas 12 histórias da obra, que atravessam temas como vida, morte, destino, arrependimento e desilusão.

Quando era apenas uma criança, durante uma aula de redação particular, Thiago Arantes segurou uma página em branco e fez uma promessa a si mesmo enquanto todos os colegas reclamavam das tarefas de língua portuguesa: “não sei o que farei no futuro, mas serei escritor!”. Há quatro anos, ele lembrou da cena adormecida na memória e voltou a encontrar na literatura e na escrita uma salvação pessoal diária. Assim deu vida ao livro de contos fantásticos "A Terceira Margem da Folha"

O mineiro divide o tempo entre escrever, lecionar e advogar. Mas o que sempre buscou para o dia a dia é o oposto da lógica acelerada que o mundo impõe hoje. Inspirado pela criação de infância voltada para o lúdico e para a espiritualidade, ele ainda acredita que a realidade tem um quê de magia. “Quantas vezes nos surpreendemos com a existência? Quero estar no limbo entre as leis da física e os super-heróis”, reflete. 

Thiago lançou mão do realismo fantástico, gênero literário que reúne grandes expoentes na América Latina, como uma forma de viver essa utopia. Dividida em 12 contos, a obra mistura elementos sobrenaturais e mágicos com situações do cotidiano, gerando certa estranheza e mistério. Ele cria esta leitura provocadora com o uso de figuras de estilo, de linguagem e da expressividade por meio da sonoridade poética. Compre o livro A Terceira Margem da Folha", de Thiago Arantes, neste link. 


Uma ode a Guimarães Rosa
O título da coletânea é uma referência direta ao conto de Guimarães Rosa, A terceira margem do rio, que também utiliza características do realismo mágico. No prefácio, Jô Drumond - escritora, tradutora, PhD em Literatura Comparada e pesquisadora do autor de "Grande Sertão: Veredas" - destaca que Thiago homenageia o texto com uma releitura “na qual ele imita o maneirismo rosiano sem intenção de fazer plágio, sátira, ironia ou caricatura”

Os contos são atravessados por questões filosóficas e metafísicas naturais aos seres humanos, como vida, morte, destino, arrependimento e desilusão. Os personagens não são nomeados, nem os locais onde se passam as histórias. Dessa forma, leitores podem explorar o imaginário para se identificar com as experiências fantásticas que ressoam às próprias lembranças. 


Trecho do livro
"Casa é onde estamos à vontade. Eu construí a minha ali, entre o real e mágico, o cômico e o trágico, entre a força de saber frágil gente e um super-herói com poderes impensáveis para os catedráticos da lógica, os desprovidos de sonho. Como um sol poente que sempre volta para nascer de novo, eu retorno às teclas, hoje sem o barulho charmoso das pesadas máquinas de outrora, de onde brotaram tantos impossíveis, para construir a minha casa, que outros visitarão." ("A Terceira Margem da Folha", pág. 16) 


Sobre o autor
Thiago Arantes nasceu em Patos de Minas, Minas Gerais. Escreveu poesias, contos e crônicas para diversos jornais e sites da região. Além de autor e compositor, é professor universitário, advogado e celebrante de casamentos. Pai do Bernardo e do Gabriel, tem na literatura e na música suas maiores paixões. Publicou o livro de poesias Lágrimas Latinas, Lacívias Linguísticas e teve um poema incluído na Antologia Sarau Brasil 2021. A terceira margem da folha é sua estreia no gênero da ficção e contos. Garanta o seu exemplar de "A Terceira Margem da Folha", escrito por Thiago Arantes, neste link. 

.: "Angu" combate estereótipos ao contar histórias de pessoas pretas e gays


Após duas temporadas no Rio de Janeiro, peça com Alexandre Paz, João Mabial e Orlando Caldeira chega a São Paulo, no Sesc Ipiranga. Foto: Rai do Vale


Buscando subverter o olhar social fetichista que objetifica, coisifica, criminaliza e hiperssexualiza as “bixas pretas”, o espetáculo "Angu", idealizado por Alexandre Paz e Nina da Costa Reis, faz sua primeira temporada em São Paulo. Com direção e dramaturgia de Rodrigo FrançaRodrigo França, a peça fica em cartaz no Sesc Ipiranga entre os dias 25 de maio e 23 de junho, com sessões às sextas e aos sábados, às 20h00, e, aos domingos, às 18h00. No feriado do dia 30 de maio, quinta-feira, haverá sessão às 18h00.

Na trama, histórias de “bixas pretas” se entrelaçam, mostrando ao público que as vidas dessas pessoas não se resumem apenas às situações de violência. “Nos meus trabalhos, gosto de mostrar que existem outras realidades possíveis. Ficção e documental se misturam no trabalho, gerando empatia dos espectadores”, afirma França. O texto concorreu ao Prêmio Shell de 2024 pelo Rio de Janeiro.

Além de evocar narrativas passíveis e possíveis envolvendo negros gays, a montagem celebra e agradece ícones como Madame Satã, Gilberto França; o bailarino Reinaldo Pepe; Rolando Faria e Luiz Antônio (Queer Les Étoiles) e Jorge Laffond. Em cena estão Alexandre Paz, João Mabial e Orlando Caldeira.


Sobre a encenação
“'Angu' é um grito. Não necessariamente de socorro, porque acima de tudo existe potência, amor, desejo e intensidade na vida. O espetáculo é um Ebó. Que saiamos do teatro limpos e reequilibrados daquilo que nos oprime, nos aliena, nos engessa de sonhar”, acrescenta o diretor.

A peça tem a missão de enaltecer esses corpos que estão lutando por sua felicidade e existência. Os espectadores acompanham um sargento da Polícia Militar que honra a sua farda, mas tem a sua sexualidade como alvo de piadas para seus colegas; um jovem estudante de enfermagem que se deslumbra com a classe média branca e deseja ser por ela incluído, porém, é somente hiperssexualizado; um sonhador que fica diariamente sentado no banco da rodoviária e se envolve numa tarde de amor em um banheiro público; um menino encantando com o que dizem do seu tio Gilberto, um homem negro gay que desapareceu no mundo para fazer a sua arte longe da família homofóbica; Madame Satã – transformista que teve que largar a arte para viver à margem como malandro da Lapa; e uma homenagem ao Les Étoiles, icônica dupla queer negra brasileira que abriu as portas da Europa para a MPB.

Todos os personagens subvertem o esperado: não haverá um homem negro performando a sua masculinidade ultra, mega viril e heteronormativa. “Muito do que vivemos no nosso cotidiano foi incorporado aos personagens, o que enriquece a montagem”, diz Alexandre. Ao retomar as referências artísticas da negritude, o espetáculo configura-se como um resgate à ancestralidade preta e gay. “Estamos homenageando pessoas que morreram apenas por ser quem são. Gente que foi pioneira e acabou embranquecida, abandonada ou esquecida, principalmente quando se fala na luta LGBTQIAPN+, que costuma ter como protagonista o homem gay e branco”, comenta Rodrigo.

O cenário de Clebson Prates, que concorreu ao Prêmio Shell de 2024, é uma grande metáfora para tudo isso. “Em cena está um grande armário, mas a provocação que fazemos é: quem realmente pode ficar ‘dentro do armário’? Usamos essa ideia para discutir o que é o patriarcado no aspecto cultural, econômico e filosófico. É esse pensamento que mata tudo o que foge dessa estrutura de poder”, defende França.

Já a trilha sonora assinada por Dani Nega contribui na criação de uma ambiência ritualística para o espetáculo. “Queremos que o público seja transformado pelo nosso Angu. E que celebre as bixas pretas, já que ser bixa preta tem consternado muita gente”, defende Orlando.


Sinopse
A trama conta seis histórias paralelas vivenciadas por pessoas negras gays, ou bixas pretas, buscando subverter o olhar social fetichista que as objetifica, criminaliza e hiperssexualiza.

"Masculinidades Negras": ciclo de bate-papos
Dialogando com o espetáculo Angu, e fazendo parte da programação do Festival Sesc Culturas Negras, o Sesc Ipiranga realiza um ciclo de bate-papos sobre Masculinidades Negras. Organizado em quatro encontros, pessoas convidadas especialistas desenvolvem, a cada dia, discussão de um tema específico sobre Masculinidades Negras, expandindo a compreensão sobre as diversas relações étnicas/raciais, de gênero e orientação sexual, que constituem a humanidade dos homens negros em relação à sociedade.


Masculinidades Negras: ciclo de bate-papos
Dialogando com o espetáculo Angu, e fazendo parte da programação do Festival Sesc Culturas Negras, o Sesc Ipiranga realiza um ciclo de bate-papos sobre Masculinidades Negras. Organizado em quatro encontros, pessoas convidadas especialistas desenvolvem, a cada dia, discussão de um tema específico sobre Masculinidades Negras, expandindo a compreensão sobre as diversas relações étnicas/raciais, de gênero e orientação sexual, que constituem a humanidade dos homens negros em relação à sociedade.

Ficha técnica
Espetáculo "Angu"
Idealização: Alexandre Paz e Nina da Costa Reis
Dramaturgia e direção: Rodrigo França
Diretor assistente: Kennedy Lima
Elenco: Alexandre Paz, João Mabial e Orlando Caldeira
Direção de movimento e preparação corporal: Tainara Cerqueira
Direção de imagens: Carol Godinho
Cenário: Clebson Prates
Figurino: Tiago Ribeiro
Visagismo: Diego Nardes
Trilha sonora: Dani Nega
Iluminação: Pedro Carneiro
Operação de som e vídeo: Igor Borges
Contrarregragem: Wil Thadeu
Fotos e vídeos: Charlinhus
Programação visual e mídias sociais: Júlia Tavares
Produção: MS Arte e Cultura
Assistentes de produção: Igor Borges e Wil Thadeu
Produção executiva: Anne Mohamad
Assessoria de imprensa: Canal Aberto - Márcia Marques e Daniele Valério
Coordenação de produção: Alexandre Paz e Orlando Caldeira
Direção de produção: Aline Mohamad


Serviço
Espetáculo "Angu"
Data: 25 de maio a 23 de junho, às sextas e aos sábados, às 20h, e, aos domingos, às 18h | No feriado do dia 30 de maio, quinta-feira, tem sessão às 18h
Local: Sesc Ipiranga – Rua Bom Pastor, 822 – Ipiranga - São Paulo - SP
Ingresso: R$50 (inteira), R$25 (meia-entrada) e R$15 (credencial plena)
Compre aqui: https://www.sescsp.org.br/programacao/angu/
Classificação indicativa: 14 anos
Duração: 90 minutos

"Masculinidades Negras": ciclo de bate-papos
Data: 23 de maio a 20 de junho, às quintas, às 20h, exceto dia 30 de maio. Grátis. Não é preciso retirada de ingressos. Classificação indicativa: livre. Duração: 90 minutos.

Dia 23 de maio - "Homens Pretos, Masculinidades e Relações Raciais", com Henrique Restier e Vinicius Zacarias.
Dia 6 de junho - "Masculinidades Negras: uma Questão de Saúde", com Thiago A. S. Soares, Daniel de Souza Campos e Leonardo Peçanha.
Dia 13 de junho - "Masculinidades Negras, Educação e Gênero", com Douglas Araújo e Mônica da Silva Francisco.
Dia 20 de junho - "Masculinidades Negras, Cultura e Arte", com Douglas Iesus e Nego Lipão.

quarta-feira, 22 de maio de 2024

.: "Bridgerton": Nicola Coughlan e Luke Newton em Baile Funk carioca

Com Mc Carol como rainha oficial da festa, Baile Funk Bridgerton celebrou a estreia da terceira temporada da série - e os fãs brasileiros - com atrações como passinho, boteco Bridgerton e carruagem paredão


Nicola Coughlan e Luke Newton , os protagonistas da terceira temporada de Bridgerton, com a rainha do Baile Funk Bridgerton, Mc Carol 


Querido leitor, a alta sociedade londrina de "Bridgerton" ganhou ares cariocas nesta segunda-feira. Os protagonistas da terceira temporada do fenômeno global da Netflix, Nicola Coughlan e Luke Newton, que interpretam o casal Penelope e Colin (ou #Polin, como são shipados na internet) caíram no funk na parada brasileira da turnê mundial de lançamento da série. Os atores receberam fãs, influenciadores e jornalistas do Brasil inteiro em um dos locais mais tradicionais e icônicos da cidade, o Theatro Municipal. Com surpresas como pocket show de Mc Carol - a rainha oficial do baile - e apresentação de passinho, o Baile Funk Bridgerton marcou a celebração da nova temporada da série e de todos os fãs brasileiros. Teve até carruagem paredão, tunada com caixas de som dos tradicionais paredões de funk.

Logo na chegada, antes do baile começar, os atores posaram para fotos no tapete vermelho e, ao som de muitos aplausos e gritos apaixonados, receberam fãs que a Netflix trouxe de todo o país para um bate-papo especial.  Celebridades como Camila Queiroz e Klebber Toledo, casal de apresentadores de Casamento às Cegas Brasil, e a atriz Carla Diaz, além de influenciadoras como Camila Pudim, Blogueirinha, Xan Ravelli e Lara Santana, que vieram vestidas a caráter, também tiveram seu momento cheio de emoção. Estiveram presentes no baile, ainda, outros nomes como a cantora Tati Quebra Barraco e os influenciadores Jeniffer Dias e Raphael Vicente.

Para o delírio dos convidados, que capricharam nos looks com inspiração Bridgerton, a Funk Orquestra abriu o baile com uma versão inédita da música-tema da série, que ganhou arranjo clássico com pitada de funk. Em seguida, no melhor estilo Rainha Charlotte, a funkeira Mc Carol deu as boas-vindas à corte carioca e recebeu Nicola e Luke no palco, onde os intérpretes de Polin declararam seu amor ao Brasil. Logo após, a rainha Mc Carol, os dançarinos de passinho André Oliveira, Pablinho Fantástico, Ygão, Celly Idd, May Idd, além do DJ Totonete soltaram o batidão e colocaram todo mundo pra dançar. Lady Whistledown certamente aprovaria esse baile. 

A Parte 2 da terceira temporada de "Bridgerton" estreia no dia 13 de junho, só na Netflix.


Leia+

.: Netflix: TUDUM traz Chris Hemsworth, Gal Gadot, Henry Cavill e mais

.: Balanço do TUDUM 2023: labo bom e outro nem tanto

.: TUDUM: confira tudo que rolou no primeiro dia do evento Netflix

.: "Bridgerton": segunda temporada, que estreia dia 25 de março, ganha trailer

.: Grátis: ingressos para Tudum em São Paulo começam a ser distribuídos

.: "Fúria Primitiva" de Dev Patel, sucesso no Festival SXSW, estreia na Cineflix


Em "Fúria Primitiva", Dev Patel faz sua estreia como diretor. O ator ganhou reconhecimento ao interpretar Jamal Malik em “Quem Quer Ser um Milionário”, vencedor de oito Oscars em 2009. Sobre essa nova experiência, o artista diz que “o filme é uma carta de amor para minha família. É sobre unir a mitologia que meu pai e meu avô me contaram e honrar o poder da mulher mais incrível da minha vida, a minha mãe. E também é sobre o quão longe alguém pode ir para vingar alguém que ama tão profundamente.”

O filme foi gravado em Batam, na Indonésia e, tanto a produção, quanto o elenco, enxergaram como um lugar incrível e inspirador, a localização ideal para o que Patel queria em seu longa. O vencedor do Oscar, Jordan Peele, foi produtor da obra. Para ele, é uma obra que explora a jornada de um vingador-defensor, trazendo temas emocionais profundos que cativam o público desde o primeiro momento.

"Fúria Primitiva" foi um grande sucesso no Festival SXSW e recebeu o selo “fresh” no Rotten Tomatoes. A história original é do ator e diretor, que também assina o roteiro ao lado de Paul Angunawela e John Collee. A história do filme apresenta Kid (Patel), um jovem que ganha a vida em um clube de luta clandestino, onde é espancado todas as noites usando uma máscara de gorila. Até que, depois de anos ele encontra um jeito de se infiltrar na elite da cidade e, ao mesmo tempo, tem que lidar com traumas de infâncias e uma sede de fazer vingança.

Além de Dev Patel, o elenco principal do filme também conta com Sharlto Copley, Pitobash, Vipin Sharma, Sikandar Kher, Adithi Kalkunte, Sobhita Dhulipala, Ashwini Kalsekar e Makarand Deshpande.

Sinopse: Estrelado e dirigido por Dev Patel, "Fúria Primitiva" acompanha a jornada violenta de um homem em busca de vingança. Patel é Kid, um jovem que ganha a vida em um clube de luta clandestino, onde, usando uma máscara de gorila, é brutalmente espancado todas as noites por lutadores mais populares. Após anos de raiva contida e uma vida muito dura, Kid encontra uma maneira de se infiltrar na elite da cidade. À medida que seu trauma de infância ressurge, ele não mede esforços para acertar as contas com os homens da alta sociedade que tiraram o pouco que ele tinha.


Leia+

.: Resenha crítica de "Quem quer ser um Milionário?"

.: Crítica: "A Fera" é suspense que Idris Elba leva bem até o final

.: Resenha crítica: "Back To Black" é suave, romântico e também poderoso

.: Resenha: "Amigos Imaginários" faz reencontrar o "eu" usando a imaginação

.: Resenha de "Planeta dos Macacos: O Reinado", longa cheio de camadas

.: Resenha crítica de "Garfield: Fora de Casa", animação solar sobre pai e filho

.: Livro "Modern Love: Histórias Reais de Amor" inspirou a série da Amazon

.: Sesc Santo André: Reflexão sobre o envelhecimento em filmes

Postagens mais antigas → Página inicial
Tecnologia do Blogger.