sábado, 13 de janeiro de 2018

.: Crítica de "Os Guardas do Taj", com Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi

Após turnê em Portugal, iniciada em novembro de 2017, Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi, em São Paulo, estreiam o emocionante e premiado texto do americano Rajiv Joseph


Por: Mary Ellen Farias dos Santos
Em janeiro de 2017


Os altos e baixos da convivência entre grandes amigos pautam a trama do espetáculo "Os Guardas do Taj", estrelado por Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi, em cartaz no Teatro Raul Cortez. Tal qual um imã, a relação de Babur (Ricardo Tozzi) e Humayun (Reynaldo Gianecchini) se completa justamente pelo fato de cada um deles ser o oposto do outro. Enquanto Babur é sonhador, assumindo o papel do que age por emoção, Humayun é fiel a tudo o que lhe foi ensinado, seguindo sempre a razão com o intuito de manter a ordem.

Em contrapartida, essa pura amizade é manchada pela beleza concreta de um novo edifício: o imponente Taj Mahal. Sem poder olhar diretamente para a construção, o bate-papo dos dois, inicialmente, é cheio de suposições entusiastas de Babur, o que dá leveza ao texto encenado. Entretanto, o rumo da narrativa que acontece em 1648 muda surpreendentemente, fazendo o público refletir a pergunta estampada no cartaz do espetáculo: O que realmente importa?

No recorte da história desses dois homens comuns, com a amizade em xeque, Babur e Humayun levam o público a mergulhar numa conturbada crise existencial. É após serem obrigados a cortar as 40 mil mãos dos artistas que construíram o Taj Mahal, que os dois trocam de postos. Quando Humayun age com emoção, é Babur quem assume o papel da razão -mesmo que por breves momentos. 

Nessa conflituosa troca de papeis, a amizade se mostra forte, mas não inabalável, pois a fé no Império coloca tudo a perder. Logo, a cena do "e se...", quando Humayun, já como soldado imperial vivencia -em um belo devaneio- a magia que ambos chegaram a sonhar juntos, impacta. E está aí exposto o motivo de toda a trama, para ser esmiuçado e debatido -com amigos e familiares- após o espetáculo"Os Guardas do Taj" é das raras histórias que nos acompanham pela vida, em nossas lembranças, justamente por despertar os questionamentos internos que, por vezes, optamos por ignorá-los em nome de seguir o fluxo do habitual.




Dirigida por Rafael Primot e João Fonseca, a produção traduzida do texto original do americano Rajiv Joseph é uma provocação clara a respeito da falta de questionamento diante das diversas imposições dos poderosos. Todavia, insistimos em repassá-las, com grande naturalidade. Não há escolha a ser feita ou só há a escolha de seguir cegamente o que nos é ordenado? Qual é o real sentido das relações construídas ao longo da vida? Vale mais manter uma amizade desde a infância ou ser subserviente a seu comandante? Como definir o belo? 

Diversas dúvidas. No palco, os conflitos são ainda mais enfatizados por meio da sonoplastia e o uso certo das cores que iluminam as cenas e seus pontos específicos. "Os Guardas do Taj", da Morente Forte Produções Teatrais, é uma aula de análise do comportamento humano, ressaltando que, embora as épocas sejam distintas, as histórias são sempre cíclicas. No entanto, as escolhas é que mudam o rumo de cada personagem.

"Os Guardas do Taj" estreia hoje, dia 13 de janeiro e fica em cartaz até 25 de março. No Teatro Raul Cortez, em São Paulo.

"Os Guardas do Taj"
Teatro Raul Cortez (513 lugares)
Rua Dr. Plínio Barreto 285 – Bela Vista
Sexta e sábado, às 21h
Domingo, às 18h
Ingressos:
Sexta R$ 60, sábado R$ 80 e domingo R$ 70
Duração: 75 minutos
Recomendação: 12 anos
Gênero: drama
Estreia dia 13 de janeiro de 2018
Temporada: até 25 de Março
Informações: (11) 3254.1631
Bilheteria: terça a quinta das 15h às 20h; sexta a domingo a partir das 15h. Aceita todos os cartões de débito e crédito. Não aceita cheque. Ar-condicionado e acesso para deficientes. Estacionamento do teatro: R$ 23
Vendas: (11) 2626-5282 – www.compreingressos.com

Ficha Técnica:
Texto: Rajiv Joseph
Tradução e Adaptação: Rafael Primot
Direção: Rafael Primot e João Fonseca
Elenco: Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi
Música Original: Marcelo Pellegrini
Figurino: Fabio Namatame
Cenógrafo: Marco Lima
Vídeo Projeção: Estúdio Bijari
Iluminação: Dani Sanchez
Cenotécnico: Fernando Brettas. Ono-Zone Estúdio
Cenógrafo Assistente: Cesar Bento
Produção Musical: Surdina
Assisstente de Produção: (ensaios) Bruno Fagotti
Assessoria de Imprensa: Daniela Bustos, Beth Gallo e Thaís Peres – Morente Forte Comunicações
Programação Visual: Vicka Suarez
Adaptação Projeto Gráfico: Erik Almeida
Fotos Programação Visual: Fernando Torquatto
Fotos de Cena: Portugal Rogério Martins
Fotos de Cena: Brasil João Caldas Fº
Assistente de Fotografia: Andréia Machado
Mídias Sociais: Dani Angelotti e Luciano Angelotti – Cuboweb
Filmagens e Edições Para Web: Jady Forte - Desteatrando
Coordenação de Produção: Egberto Simões
Produção Executiva: Martha Lozano
Assistente de Produção: Bárbara Santos
Assistente Administrativa: Alcení Braz
Administração: Danilo Bustos
Idealização: Rafael Primot e Enkapothado Artes
Produtoras: Selma Morente e Célia Forte
Realização: Morente Forte Produções Teatrais
Patrocínio: Seguros Unimed


*Editora do site cultural www.resenhando.com. É jornalista, professora e roteirista. Twitter: @maryellenfsm



Compartilhar no WhatsApp
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

9 comentários:

  1. Ana Maria Margini Cassiano22 de janeiro de 2018 09:45

    Assisti ontem ao espetáculo. É forte, na medida que mexe com a nossa maneira de ser e de ver o mundo...
    Parabenizo os atores! Mas ainda assim, acredito que falta força maior força em alguns momentos dramáticos aos personagens!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ana Maria! Muito obrigada por comentar. Nós também gostamos da forma que o espetáculo mexe com a visão de mundo que temos. Mais uma vez... Obrigada!

      Excluir
  2. Peça para refletir sobre diversas formas de pensar e a vida. É para ver e podendo, rever. Eu recomendo. Gustavo Antunes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Peça para refletir sobre diversas formas de pensar a vida.*

      Excluir
    2. Nós também recomendamos, Gustavo! Peça muito reflexiva! Muito obrigada por comentar. Até!

      Excluir
  3. Um espetáculo teatral, o texto é leve mas também profundo. Misto de rápidas risadas com muito de surpresa e até lágrimas.

    ResponderExcluir
  4. Uma história de amizade que choca, emociona e até faz rir, pois o personagem do Ricardo é engraçado por ser muito sonhador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente comentário. Muito obrigada por opinar.
      Um grande abraço, Mary Ellen.

      Excluir

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.