Ninguém Entra, Ninguém Sai: João Côrtes está pronto para 1ª vez

Inspirado em crônica de Luis Fernando Veríssimo

Resenha de "A Bela e a Fera", com Emma Watson

Texto de Mary Ellen Farias dos Santos

"Outro" - A despedida musical de Jerry Adriani

Análise do jornalista Luiz Gomes Otero

"Os Smurfs e a Vila Perdida": A animação é um achado

Texto de Mary Ellen Farias dos Santos

sábado, 27 de maio de 2017

.: Vamos curtir A Bolha?, por Luiz Gomes Otero

Por Luiz Gomes Otero*, em maio de 2017.

Falar da Bolha é citar um momento importante para a consolidação do Rock no Brasil. Isso porque o grupo surgiu em meados dos anos 60, em uma época em que roqueiro brasileiro era tachado de bandido (como bem definiu Rita Lee nos anos 80, na hoje clássica "Orra Meu"). Tocar rock naquela época era somente para os fortes.

O núcleo central do grupo era os irmãos Cesar e Renato Ladeira, filhos da atriz Renata Fronzi e do radialista Cesar Ladeira. Essa ligação com o meio artístico contribuiu para abrir as portas dos então jovens irmãos para a música. E o rock foi a primeira paixão, é claro.


Inicialmente a banda foi batizada como The Bubbles. Mas logo depois se tornaria A Bolha. E depois de algumas alterações, a banda consolidou a sua formação apontada como clássica – Renato Ladeira (vocais, teclados e guitarra), Gustavo Schroeter (bateria), Arnaldo Brandão (baixo e vocais) e Pedro Lima (guitarra solo e vocais). Lulu Santos sempre disse que A Bolha foi uma importante fonte de inspiração para ele nesta época.

A banda lançaria alguns discos e serviria de base de apoio musical para Gal Costa, Erasmo Carlos, Raul Seixas e até mesmo Marcio Greyck, um dos ídolos da Jovem Guarda. Passaria por várias alterações na formação durante os anos 70. Renato integraria o Bixo da Seda e fundaria o Herva Doce nos anos 80. Arnaldo tocaria na banda de Caetano Veloso e fundaria o Hanoi Hanoi nos anos 80. Gustavo integraria A Cor do Som.


Em 2006 a Bolha voltou com essa mesma formação clássica para gravar um disco antológico. E a volta se deu por intermédio de um convite do diretor José Emílio Rondeau. Ele convidou Renato Ladeira para ser diretor artístico do filme "1972". Renato mostrou algumas músicas da Bolha que haviam sido censuradas no início dos anos 70 e o diretor se interessou. Foi então que Renato decidiu chamar seus velhos companheiros de banda para gravarem aquelas músicas para o filme.


Dessa reunião, surgiu a vontade de gravar um novo disco com aquele material e mais alguns covers, que acabou se tornando o álbum "É Só Curtir". Chamo propositalmente de álbum porque tem mesmo esse tipo de status. É um baita disco de rock, uma verdadeira aula de como se produzir um álbum de pop rock nacional.

O disco abre com a faixa que dá nome ao disco ("É Só Curtir"), um rock bem cadenciado e precedido de "Não Sei", ambas de Arnaldo Brandão. Aí vem a cover de "Cinema Olímpia", de Caetano Veloso, com vocal inspiradíssimo de Renato.


O que se ouve depois é uma sucessão de músicas que não te deixam com vontade de desligar o CD player em nenhum momento. Destaco as ótimas "Subentendido" (mais uma de Arnaldo), "Matermatéria" (de Pedro Lima e Antônio Cláudio Carvalho) e "Desligaram Os Meus Controles" (outra do Arnaldo, com um clima de rock progressivo).

Há ainda espaço para as covers de "Não Pare na Pista"(de Raul Seixas e Paulo Coelho) e "Você Me Acende", com participação especialíssima do amigo Tremendão Erasmo Carlos. Essa, por sinal, virou uma espécie de jam session em estúdio, tamanha a descontração de Erasmo e Renato nos vocais.


O falecimento de Renato Ladeira em 2015 tornou inviável uma nova reunião da Bolha, apesar dos demais integrantes estarem por aí na ativa e tocando como nunca. Mas é fato que Renato era o coração, o fundador, o cara que com seu vocal de timbre original e característico ajudou a dar vida para a Bolha.

Tive a grata satisfação de entrevistar Renato em 2006, na ocasião do lançamento desse disco. Ele era mesmo um boa praça. Um cara muito legal e humilde, em que pese o fato de, além de músico, ter sido produtor musical da Rede Globo por vários anos.

Ao voltarem com a Bolha em 2006, esses quatro músicos escreveram mais um capítulo na história do rock nacional. Um capitulo recheado de rock´n roll e talento. Então deixemos de conversa e vamos curtir A Bolha. Som na caixa, Renato!!


"Cinema Olímpia"

"É Só Curtir"

"Você Me Acende"

"Não Pare na Pista"


*Luiz Gomes Otero
 é jornalista formado em 1987 pela UniSantos - Universidade Católica de Santos. Trabalhou no jornal A Tribuna de 1996 a 2011 e atualmente é assessor de imprensa e colaborador dos sites Juicy Santos, Lérias e Lixos e Resenhando.com. Criou a página "Musicalidades", que agrega os textos escritos por ele.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

.: Surf: "Juacas" estreia no Disney Channel em julho

"Juacas" é a segunda série original brasileira para o Disney Channel produzida pela Cinefilm e pela Chatrone, que estreia em 2017 no canal, com direção geral de Juliana Vonlanten, criada por Carina Schulze que também é showrunner da série. Gravada em Itacaré, na Bahia, Juacas retrata o universo do surfe tendo como ponto central a temporada do CAOSS (Campeonatos Anuais Ondas Super Surfe) na Praia de Itacaré e a competição entre equipes principais de surfistas: os Juacas, os Red Sharks e as Sirenas.  

Todo ano, no auge das férias, acontece o CAOSS, que atrai milhares de turistas, surfistas e centenas de jovens em busca de um sonho: se tornarem surfistas profissionais. O CAOSS é um campeonato de equipes de surf que acontece há décadas e que já revelou diversos talentos, dentre eles a lendária equipe JUACAS. O evento é super Importante para os atletas se classificarem para os campeonatos internacionais. Todos os anos, várias equipes de surf viajam para Itacaré e ficam lá durante os meses das férias para participarem destes campeonatos. A equipe que ganhar o CAOSS tem o passaporte garantido para continuar competindo como profissional nos circuitos oficiais – e este é o sonho de todo surfista iniciante!  

Este ano vai ser diferente! O antigo time Juacas, desaparecido há 10 anos devido ao sumiço do seu líder – o Professor Juaca (Nuno Leal Maia)– reaparece para disputar o CAOSS e voltar ao circuito. Sem muitos recursos e nem patrocínio, os Juacas enfrentarão o time favorito e bem patrocinado, os Red Sharks, e o primeiro time composto só de meninas, as Sirenas, além de várias outras equipes sedentas pelo título. É muita expectativa e tensão no ar!  

Os Juacas já foram o melhor time de surf de todos os tempos. O Professor Juaca formou a equipe em 1982 e rapidamente virou o melhor. Em 1985, o time ganhou pela primeira vez o CAOSS e seguiu invicto até 1991. Em 1989, a equipe estava no auge, e era formada por três surfistas: Marcondes Kameha, filho de Juaca, Cezinha e Xorxinho. Porém, um dia, houve uma tragédia: no ano 2000, o grande Marcondes Kameha, o Pelé dos surfistas, morreu durante um campeonato de ondas gigantes durante uma tempestade. Ele deixou pra trás uma filhinha recém nascida. O time entrou em luto. Cezinha virou radialista em Itacaré, Xorxinho virou shaper em Búzios e o grande Juaca sumiu sem deixar rastros...  

Mas agora tudo está prestes a mudar! Rafa Smor, um garoto cheio de garra e vontade aparece para montar uma equipe para competir no CAOSS em Itacaré. Ele encontra Cezinha, o ex-Juaca que hoje é o narrador do campeonato e radialista da cidade. Rafa explica que é fã dos Juacas e, inspirado por eles, resolveu vir pro CAOSS montar a sua própria equipe. Além disso, ele revela que aprendeu a surfar com o Professor Juaca. Cezinha estranha, afinal, Juaca sumiu há muitos anos, mas Rafa garante que é verdade.

Rafa está determinado a formar sua equipe de surf no CAOSS mas logo percebe que será mais difícil do que ele imaginou – todas as equipes já estão formadas e não há praticamente nenhum bom surfista disponível. Mas ele não desiste e, com um pouco de intuição, monta uma equipe que acaba surpreendendo! Junto de Billy, um geniozinho com uma capacidade incrível de ler o mar e Jojó, um mineiro peixe fora d’água, Rafa remonta o time dos Juacas.

É claro que essa jornada não será fácil. Os meninos precisarão passar por diversas dificuldades – como a falta de patrocínio, que faz com que eles sejam a equipe mais mal equipada do CAOSS; as diferenças de personalidades entre os três; a competição com os outros times; os treinos e, claro, toda a pressão do campeonato! No início, os Juacas ainda precisam lidar com a falta de um técnico – já que o Juaca está completamente desaparecido. Eles descobrem o esconderijo do professor, mas ele se mostra um “rabugento” e manda os garotos embora. Com o tempo, Juaca acaba saindo da toca e volta a treinar os meninos, construindo uma relação de confiança e ensinando para eles a filosofia dos Juacas – o surf em harmonia com si mesmo e a natureza.

A maior ameaça para os Juacas são os Red Sharks. Dentro e fora do campeonato, essa equipe super high-tech faz de tudo para dificultar a vida dos nossos heróis. Marcelo Mahla, Seba e Minhoca são o trio que não mede esforços para ficarem em primeiro lugar – custe o que custar.  
Pelo menos, os Juacas podem contar com a amizade das Sirenas, formadas pelas lindas e destemidas Leilane, Vivi e Brida. As meninas têm que provar o tempo inteiro que elas são mais do que um rostinho bonito e as três de fato—surfam muito!  

Todos os competidores do CAOSS ficam hospedados na VILLA ECOPORAN e ali treinam para as baterias da competição. Em diferentes alojamentos e condições, todos batalham pelas melhores posições. Com muita aventura, comédia e emoção, veremos os Juacas lidando com as dificuldades do campeonato e da adolescência. Mas, no final, todos amadurecem com o surf e terminarão o campeonato muito diferentes de quando começaram.

.: Protagonismo feminino no “Cinema Expresso” do Roxy Premium Lounge

Debate "Protagonismo feminino no cinema" dá início ao projeto “Cinema Expresso” no Roxy Premium Lounge


Encontro acontece no dia da pré-estreia de “Mulher-Maravilha”. Bate-papo acontece entre 19h e 20h no novo espaço do Cine Roxy. Próximo encontro será sobre a banda Sepultura. 

O Roxy Lounge Premium, mix de café colonial, choperia e bistrô, começa a funcionar na terça-feira, 30 de maio, a partir das 14h. O mais novo espaço do Cine Roxy, idealizado pelo empresário Toninho Campos e com menu assinado pela cozinheira Cris Guimarães, da Cozinha Zero Treze, promete também ser um movimentado espaço de agitação cultural.

Tanto que, já no dia seguinte, começa o projeto “Cinema Expresso” (“expresso” do café), pensado pelo jornalista, produtor cultural e assessor de imprensa do Roxy, André Azenha, produtor do Santos Film Fest. Inspirada nos cafés filosóficos, mas com um viés mais “pop”, a programação contará com debates, rodas de conversa e palestras, preferencialmente ligadas à sétima arte, visando promover filmes que estejam chegando às salas de projeção, mas também eventualmente abordando outras áreas.

“Protagonismo Feminino no Cinema: Mulher-Maravilha” é o tema do primeiro debate, que ocorre na quarta-feira, 31 de maio, entre 19h e 20h. Participam Paula Orsatti (coordenadora do curso de cinema da Unimonte), Raquel Pellegrini (cineasta e secretária adjunta de cultura de Santos), Iasmin Alvarez (produtora da Mostra das Minas). A mediação será da jornalista Sarah Campos, editora do blog Sahssaricando (www.sahssaricando.com).   

Durante o horário do encontro, o Roxy Premium Lounge fará uma promoção de double chopp (compre um, ganhe outro): Burgman Lager (R$ 9), Schornstein Weiss (R$ 10), Everipa (R$ 13), e Mucha Breja 1 ano (R$ 11). Essa promoção ocorrerá diariamente sempre nesse período entre 19h e 20h.

Quem preferir poderá experimentar desde café expresso até os petiscos, lanches, doces e sobremesas preparados pela equipe de cinco profissionais, entre os cozinheiros e garçons.

A programação do projeto “Cinema Expresso” seguirá dia 14 de junho, com debate sobre a banda Sepultura, cujo documentário “Sepultura Endurance” terá sessão de pré-estreia na ocasião. Os convidados para esse encontro serão confirmados em breve.

Mulher-Maravilha: Mais que ser o primeiro longa solo da super-heroína de 76 anos, a produção é vista pelos estúdios como possível divisor de águas na indústria hollywoodiana. Será ele a mostrar que uma superprodução baseada em quadrinhos pode e deve ser estrelado por uma personagem feminina e render bastante dinheiro? Mais que tudo isso, Mulher-Maravilha é um ícone do feminismo. Sua existência influencia e inspira mulheres há décadas.

No filme, que estreia dia 1º de junho e já tem sessões de pré-estreia no dia 31, a princesa das Amazonas Diana (Gal Gadot) foi treinada para ser uma guerreira. Ela vive numa ilha remota e ao conhecer o piloto Steve Trevor (Chris Pine) descobre que o mundo está em guerra. Inconformada em se manter isolada na ilha, ela decide usar seu poder para acabar com o conflito.

Um dos produtores é Zack Snyder, que trabalhou com a atriz Gal Gadot em Batman vs Superman: A Origem da Justiça (2016) e no vindouro Liga da Justiça, com lançamento previsto para novembro.

Trailer


Ingressos à venda: http://cineroxy.com.br/filme/pre-estreia-mulher-maravilha


Serviço:
1º Cinema Expresso
Tema: Protagonismo Feminino no Cinema: Mulher Maravilha
Paula Orsatti (coordenadora do curso de cinema da Unimonte), Raquel Pellegrini (cineasta e secretária adjunta de cultura de Santos), Iasmin Alvarez (produtora da Mostra das Minas). 
Mediação: Sarah Campos, editora do blog Sahssaricando (www.sahssaricando.com).   
Quarta-feira, 31 de maio, 19h às 20h
Roxy Premium Lounge – Avenida Dona Ana Costa, 465, Gonzaga, 1º piso, ao lado da sala 1 do Roxy. 

quarta-feira, 24 de maio de 2017

.: De Annie Darling: Corações solitários na livraria Bookends

"A pequena livraria dos corações solitários": Uma pequena livraria onde o amor acontece

  
A Bookends é assim: um consolo para muitos leitores sozinhos e a segunda casa para os funcionários de lá. Mas a verdade é que a livraria não anda bem e a morte de sua excêntrica proprietária é apenas mais uma barreira para que este negócio volte a fazer sucesso. Posy mora no apartamento em cima da Bookends desde que seus pais morreram. A antiga dona, Lavínia, não só deixou que ela ficasse no local, como lhe ofereceu um emprego. Tamanha dedicação fez com que Posy fosse declarada a herdeira da livraria. Mas há apenas uma condição: ela tem dois anos para fazer com que a livraria saia do buraco, caso contrário o negócio passará para Sebastian, o neto grosseiro de Lavínia.

Mas Posy tem um plano audacioso que pode fazer com que a Bookends reencontre o caminho para ser a livraria dos sonhos de qualquer leitor. A proposta é segmentar o local e transformá-lo na primeira loja focada apenas na venda de romances. De Jane Austen a Elizabeth Hoyt, dos engraçadinhos aos mais picantes, Posy acredita que a Bookends pode se transformar em uma livraria tão encantadora e calorosa quanto as obras das divas do romance.

Mas, enquanto os funcionários da loja unem forças para colocar o projeto em prática, Posy se envolve em uma batalha com Sebastian, que está determinado a fechar a livraria e transformá-la em um hotel boutique. Por ironia do destino, tantos encontros e discussões exaltadas acabam despertando nos dois um ardente interesse.

Este é o primeiro livro de Annie Darling e os seus direitos foram vendidos para 10 países. A obra chega às livrarias em maio pela Verus.


Livro: A pequena livraria dos corações solitários
Autora: Annie Darling
Páginas: 308
Tradução: Cecília Camargo Bartalotti
Editora: Verus 
Grupo Editorial Record

terça-feira, 23 de maio de 2017

.: Faltam 9 dias para o fim das inscrições no Prêmio Petrobras de Jornalismo

Jornalistas de todo o país têm até o dia 31 de maio para se inscrever na quarta edição do Prêmio Petrobras de Jornalismo. Reformulada, a premiação tem agora 13 categorias, entre temáticas e regionais.

Uma das grandes novidades deste ano é o lançamento da categoria especial de Inovação, que premiará o trabalho que se destacar pelo ineditismo do formato, da abordagem, do meio ou da linguagem. Outra novidade é o prêmio de Telejornalismo, exclusivo para as emissoras de televisão. Como nas edições anteriores, o Grande Prêmio Petrobras de Jornalismo será concedido à melhor reportagem entre todas as inscritas. Podem concorrer os trabalhos veiculados entre 10 de julho de 2015 e 10 de janeiro de 2017 e as inscrições devem ser feitas pelo site www.premiopetrobras.com.br.

Os trabalhos serão avaliados em duas etapas. Na primeira, uma Comissão de Pré-seleção, composta por oito jornalistas com experiência comprovada, selecionará 10 finalistas de cada categoria e tema. Na segunda etapa, os trabalhos finalistas serão avaliados pela Comissão Julgadora, composta por seis profissionais renomados da imprensa, com vasta experiência jornalística.

Os vencedores de cada categoria serão conhecidos na cerimônia de entrega dos troféus no segundo semestre de 2017, no Rio de Janeiro. No ano passado, o Prêmio Petrobras de Jornalismo recebeu 1.255 inscrições, recorde entre as três edições realizadas.

PRÊMIOS:

- GRANDE PRÊMIO PETROBRAS DE JORNALISMO: para a melhor reportagem, entre todas as inscritas – R$ 40 mil*.

- CATEGORIA ESPECIAL – INOVAÇÃO: para o trabalho que se destacar pelo ineditismo de formato, pela técnica empregada, pela abordagem, pelo meio ou pela linguagem. Todas as matérias inscritas concorrem nesta categoria – R$ 25 mil*.

- ECONOMIA: reportagens de jornal/revista, emissoras de rádio e portais de notícias da internet que falem sobre a conjuntura econômica do Brasil – R$ 20 mil*.

- CIÊNCIA E TECNOLOGIA: reportagens de jornal/revista, emissoras de rádio e portais de notícias da internet que falem sobre ciência, tecnologia e inovação – R$ 20 mil*.

- SUSTENTABILIDADE: reportagens de jornal/revista, emissoras de rádio e portais de notícias da internet que falem sobre meio ambiente e temas sociais – R$ 20 mil*.

- CULTURA: reportagens de jornal/revista, emissoras de rádio e portais de notícias da internet que abordem manifestações culturais e artísticas do país – R$ 20 mil*.

- ESPORTE: reportagens de jornal/revista, emissoras de rádio e portais de notícias da internet que falem sobre atividades esportivas profissionais ou amadoras, individuais ou coletivas – R$ 20 mil*.

- TELEJORNALISMO: reportagens de emissoras de televisão sobre qualquer um dos temas acima relacionados – R$ 20 mil*.

- FOTOJORNALISMO: coberturas fotográficas sobre qualquer um dos temas acima relacionados que, sozinhas ou como parte integrante das reportagens, foram capazes de transmitir o impacto de cenas do dia a dia ou de acontecimentos marcantes, cumprindo o papel disseminador da informação – R$ 20 mil*.

- REGIONAL NORTE/ CENTRO-OESTE: matérias de veículos com sede em Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Amapá, Pará, Tocantins, e Distrito Federal – R$ 10 mil*.

- REGIONAL NORDESTE: matérias de veículos com sede na Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí e Maranhão – R$ 10 mil*.

- REGIONAL RJ-MG-ES: matérias de veículos com sede no Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo – R$ 10 mil*.

- REGIONAL SP-SUL: matérias de veículos com sede em São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul – R$ 10 mil*.

*Valores brutos

segunda-feira, 22 de maio de 2017

.: Agenda: Vem aí a 3ª edição da Feira de Discos da Zona Norte de SP

As feiras de discos conquistaram os paulistanos. E pensando nisso a CHOKE DISCOS, realiza a terceira edição da SANTANA ROCKS, na zona norte de SP, com um formato único e unindo em um só local a venda, troca e compra de vinis, cassetes, compactos, toca-discos e cerveja artesanal e passa a fazer parte do calendário mensal da cidade. A SANTANA ROCKS já tem data marcada: 03 de junho, na Galeria Santana Center (Rua Dr. César, 40 – Santana – SP), das 10 horas às 18 horas.

O evento reúne 15 expositores de LPS, Compactos e Cassetes da capital, região metropolitana e do interior de São Paulo, e terá, ainda, a venda de toca discos ingleses de alta qualidade e acessórios para vinis, além de cervejas artesanais da Cervejaria Suméria de Santo André.

Tudo embalado por muita música boa (DJ Set). A entrada é gratuita e o fácil acesso (200 metros do Metrô Santana), o que torna este programa uma boa alternativa para os paulistanos que frequentam a zona norte de São Paulo e os amantes de discos novos, usados, raridades, promoções e muitas surpresas.
A grande novidade e diferencial da SANTANA ROCKS é o sorteio de vários lps, que serão fornecidos pelos expositores para todos que comparecerem a feira e preencherem o cadastro. Os vencedores dos sorteios também poderão escolher os LPs!

Serviço: Santana Rocks 
Data: 03/06/2017
Horário: das 10h às 18h
Local: Galeria Santana Center – Rua Dr. César, 40 – Santana 
Informações: www.facebook.com/chokediscos - Rodrigo Alves 97484.1518
Participe, preencha o cadastro e concorra ao sorteio de uma caixa com 30 vinis, selecionados pelos expositores.

Sobre a Santana Rocks: Foi criada por Rodrigo Alves,diretor da Choke Discos, após uma bem sucedida experiência com a realização de duas edições da Feira de Discos de Vinil da Zona Norte e da feira do Beco 203 SP. Graças a parceria com a Galeria Santana Center, onde foi realizada a primeira feira em 04 de março de 2017, a Santana Rocks passa a ser mensal, neste mesmo local, trazendo sempre uma seleção especial de discos usados, novos, raridades, promoções, o sorteio de vários lps (única feira do Brasil, a fazer isso). A cada evento, muitas surpresas e troca de expositores.
INFORMAÇÕES: www.facebook.com/events/708676666005762

.: Como construir um plano de voo profissional

Está começando na carreira ou pretende dar uma guinada profissional? Tarsia Gonzalez ajuda a equilibrar talento e processos para conseguir subir na vida. 


Estamos vivendo momentos de intensa transformação. De um lado, os propósitos e talentos que queremos empreender. De outro, as necessidades do mercado e os obstáculos que surgem no dia a dia. Como equilibrar ambos e construir uma carreira saudável e próspera? Tarsia Gonzalez dá algumas dicas. Confira:

Quem não sabe onde quer ir, não chega a lugar nenhum. Autoconhecimento é o primeiro passo e somos obrigados a fazer escolhas sérias, muitas vezes, cedo demais. Então, sempre é tempo de buscar dentro de si as respostas: o que eu quero fazer da vida? Qual meu propósito? O que me faz feliz? Entender quais são seus talentos e sua pré-disposição ajuda e muito a tomar as melhores decisões.

Para saber onde ir, é preciso entender o que existe de oportunidades: quais profissões, que mercados são mais promissores dentro da gama de opções que cabem nos seus talentos? Dados ajudam a escolher com mais precisão;
Com conhecimento das possibilidades, dos talentos e dos destinos possíveis, o próximo passo é traçar a rota: que caminho preciso percorrer para chegar onde quero? Quais os melhores meios? Que cursos, profissionalização, com que tipo de ajuda vou poder contar para criar esse planejamento? Quais processos podem ser úteis a esse empreendimento? Fazer e refazer questionamentos é sempre uma forma mais assertiva de construir um plano de voo.

A cada passo, sempre é possível mudar: “nenhum planejamento é 100% fixo, tudo está em constante mudança”, enfatiza Tarsia, “ nesse momento mesmo, estamos vivenciando momentos de dúvida, tensão e apreensão, e é preciso sempre observar as transformações para se adequar da melhor forma a novas realidades”, enfatiza a gestora.

Sobre Tarsia Gonzalez: Gestora, psicóloga, especialista em finanças, presidente do conselho de uma das maiores companhias do país, consultora e palestrante, Tarsia Gonzalez construiu uma carreira de sucesso observando as pessoas, angariando conhecimento e expertise para gerenciar com propriedade e criar times fortes e coesos. Seu esforço para equilibrar governança corporativa e profissionalização com a felicidade das pessoas que formam a empresa levou a Transpes, companhia fundada por seu pai, a receber por três anos consecutivos o prêmio da Revista Você S/A como Melhor Empresa para se Trabalhar do Brasil.

Saiba mais:
http://tarsiagonzalez.com.br/
https://www.facebook.com/tarsiagonzalez
https://www.instagram.com/tarsiagonzalez/

.: Caixa Misteriosa com ouriço é o desafio do próximo “MasterChef”

Na próxima terça-feira, dia 23 de maio, os competidores do MasterChef enfrentam mais um desafio da Caixa Misteriosa. Desta vez, eles terão de preparar um prato com um ingrediente muito especial: um ouriço do mar vivo. Depois da surpresa, eles poderão escolher o acompanhamento para fazer uma receita em que o ouriço brilhe.

Os piores cozinheiros vão direto para a prova de eliminação, mas um deles terá a oportunidade de se salvar. Em uma prova de pressão, eles terão de empratar, em 10 minutos, ingredientes já preparados, disponíveis em suas bancadas. Os chefs avaliam qual é o prato com melhor visual e este competidor se livrará da prova eliminatória.

No desafio final, os participantes terão de transformar três drinks clássicos (Bloody Mary, CMT e caipirinha de limão) em verdadeiros pratos MasterChef. A prova contará com a participação do mixologista Spencer Amareno.

O MasterChef Brasil, formato da Endemol Shine Group, é uma co-produção da Band com o Discovery Home & Health. O programa vai ao ar todas as terças-feiras, às 22h30, na tela da Band (com transmissão simultânea no aplicativo da emissora para smartphones). A atração também é exibida às sextas-feiras, às 19h20, no Discovery Home & Health, com reapresentação aos domingos às 21h45. Saiba mais sobre o programa em www.band.com.br/MasterChef e curta nossa página no Facebook https://www.facebook.com/bandtv. Siga também nosso Twitter (@bandtv) e Instagram (@band).

sábado, 20 de maio de 2017

.: Willie Nelson conserva a classe em seu novo disco, por Luiz Gomes Otero

Por Luiz Gomes Otero*, em maio de 2017.

Certas coisas na música parecem nunca ter fim. Uma delas é a musicalidade de Willie Nelson, uma verdadeira instituição da autêntica música country ou folk music, como alguns costumam rotular. Em seu mais recente disco, "God´s Problem Child", ele conserva a velha classe na interpretação em arranjos impecáveis e muito bem produzidos.

O disco abre com a animada "Little House on the Hill", passando obrigatoriamente pelo solo em seu velho violão acústico.  E depois entra em uma balada chamada "Old Timer", que traz um certo clima saudosista para quem curte o estilo folk. Um primor de abertura.

"True Love" não se trata da canção famosa utilizada no cinema. É uma bela composição em ritmo de balada folk, que Willie Nelson consegue transmitir a emoção na dose certa. E a receita se repete na faixa "Delete and Fast Forward", com um ritmo um pouco mais acelerado, mas sempre com o selo de classe de Willie Nelson, acompanhado por uma gaita harmônica providencial.

"It´s Get Easier" é outra canção bem característica do estilo de Willie Nelson como intérprete. Uma bela canção folk adornada por uma interpretação que soa bem clean na voz do cantor. Há espaço ainda para uma bonita homenagem para o músico e amigo Merle Haggard, que faleceu no início de abril deste ano, na faixa "He Won't Ever Be Gone". É possível notar o tom emocional na voz de Willie Nelson ao cantar essa canção.

E o que dizer da animada "Still Not Dead"? A faixa parece mesmo provar que Willie está ainda aqui, no jogo da música, lançando do dados e mostrando o norte para a música folk.

No final das contas, "God´s Problem Child" só confirma que, apesar da idade um pouco avançada, Willie Nelson continua o mesmo intérprete de sempre. Esse disco não só vai agradar os fãs de carteirinha do cantor, como também quem curte a autêntica música folk norteamericana, bem longe dos estereótipos comerciais que predominam nos discos lançados nos últimos anos. Uma verdadeira aula de como se deve produzir um disco desse estilo musical.

*Luiz Gomes Otero é jornalista formado em 1987 pela UniSantos - Universidade Católica de Santos. Trabalhou no jornal A Tribuna de 1996 a 2011 e atualmente é assessor de imprensa e colaborador dos sites Juicy Santos, Lérias e Lixos e Resenhando.com. Criou a página "Musicalidades", que agrega os textos escritos por ele.

"He won´t Ever Be Gone"


"Old Timer"


"It Gets Easier"


"Still Not Dead"








sexta-feira, 19 de maio de 2017

.: Reconstrução: CCBB SP lança 2.000 poemas de seu prédio

CCBB SP lança 2.000 poemas de seu prédio em reconstrução de atuação de Cícero Dias na II Guerra


Numa reconstrução poética da atuação heroica de Cícero Dias durante a II Guerra em 1942 em Paris, o CCBB SP lançará do alto da fachada de seu prédio, 2.000 folhas de papel reciclado com a poesia “Liberté”, de Paul Éluard, em diálogo com a exposição em cartaz “Cícero Dias – Um Percurso Poético”.

Durante a ocupação da França pelos nazistas, Cícero Dias levou o manuscrito de “Liberté” para Lisboa, de onde o poema foi levado à Inglaterra, impresso pelos Aliados e jogado de avião sobre Paris, para dar ânimo à resistência. A ação acontece no próximo sábado, dia 20, às 16h, e faz parte da programação paralela à Virada Cultural.

Algumas das folhas lançadas estarão sinalizadas e darão direito, a quem recolhê-las, a um catálogo da exposição. Todos os papéis serão recolhidos do local após a ação.

Postagens mais antigas → Página inicial
Tecnologia do Blogger.