segunda-feira, 7 de maio de 2018

.: MIS expõe José Oiticica Filho até 17 de julho

O Museu da Imagem e do Som de São Paulo, MIS-SP apresenta a obra pioneira de José Oiticica Filho (1906 - 1964), marco na fotografia moderna brasileira. Dentre sua produção se destacam as microfotografias científicas feitas durante seu trabalho como entomologista, a forte atuação nos movimentos cineclubistas, a quebra com o pictorialismo, os experimentos com a abstração, as composições geométricas e as recriações fotográficas a partir de manipulação de negativos.

José Oiticica Filho (1906-1964) contribuiu para a inovação da fotografia brasileira entre os anos 1940 e início dos 1960 do século XX.  Ao lado de Geraldo de Barros e outros expoentes da fotografia modernista brasileira, na década de 1950, tirou a fotografia do pictorialismo que ainda reinava entre os trabalhos fotográficos brasileiros.

A vasta produção do fotográfo pode ser vista nesta exposição, que apresenta uma seleção de 167 fotografias feitas entre 1942 e 1964. A exposição tem curadoria Carlo Cirenza e César Oiticica Filho.

Fotógrafo e cientista: José Oiticica Filho (1906 - 1964) não foi apenas um dos melhores e mais revolucionários fotógrafos brasileiros a unir arte e fotografia. Ele criou uma linguagem que o coloca na vanguarda da fotografia mundial. É um dos mais importantes e desconhecidos fotógrafos brasileiros, pioneiro na arte fotográfica.

José Oiticica Filho – JOC era também um cientista de renome, especializado em insetos: em 1947, ganhou uma bolsa da Fundação Guggenheim para continuidade de seus estudos como entomólogo nos Estados Unidos da América e trabalhou no Museu Nacional de Washington até 1950.

Contudo, manteve suas atividades como fotógrafo e foi eleito por unanimidade "Associate” da “National Photographic Society", de Washington, D.C. em 1949.  E esteve sempre presente na lista dos melhores fotógrafos do mundo.

José Oiticica Filho é um marco na história da fotografia no Brasil. Participou ativamente do movimento fotoclubístico brasileiro, foi membro do Foto Clube Brasileiro e da Associação Brasileira de Arte Fotográfica, no Rio de Janeiro, e do Foto Cine Clube Bandeirante, em São Paulo. Foi reconhecido internacionalmente, fazendo exposições e recebendo prêmios. Em 1956 constou como sétimo expositor mundial na lista da Féderation Internationale d"Art Photographique - FIAP, com 178 fotos em 84 salões internacionais.
A arte fotográfica de JOF figura entre as que mais se valorizaram nos últimos dez anos. Estão expostos 167 trabalhos desde fotógrafo que, entre 1942 e 1964, levou a fotografia brasileira ao cenário internacional.

Reconhecidas pelos críticos em função de seu alto valor estético, as fotos de José Oiticica Filho estão avaliadas entre US$10.000 e US$30.000. Mais informações sobre este criativo e inovador personagem da arte fotográfica brasileira podem ser obtidas nestes endereços:

Alguns prêmios: 
A qualidade estética e inovadora do trabalho de JOF tem reconhecimento internacional. Estes são alguns dos prêmios que recebeu.

1946 - Mención Honrosa, por suas fotos O Kiosque e Anoitecer no Rio
Xº Salão do Clube Fotografico de Chile - Chile;

1947 - Melhor Obra Estrangeira e 5º Prêmio com a foto O Kiosque –
Concurso Fotográfico da Bilioteca Pública Sarmiento -Tres
Arroyos, Argentina.

1948 - Diplôme D'Honneur, pour la haute qualité de sua produção
fotográfica apresentada no IIIème Salon International d'Art Photographique de Luxembourg; Honorable Mention com as fotos Remamber, Em Repouso e
Chuva de Prata - Northwest Photographic Salon - Washington, DC; Honor Award - Fine Arts Camera Club - Evansville, Indiana.

1949 - 3º Prêmio, com a foto Painel Decorative - The Camera
Monthly Contest - Estados Unidos; Honra ao Mérito com a foto Painel Decorativo - First Washington, D.C. International Salon; Honorable Mention - Third Annual International Salon
Photography In Science, Smithsonian Institution –
Washington, D.C; Diplome D'Honneur - Salon International d"Art
Photographique - Bruxelas.

Uma família que se destacou 
O pai de José Oiticica Filho era um reconhecido pensador anarquista e filólogo, que viveu entre 1882 e 1957, e teve entre os frequentadores de sua casa personagens como Coelho Neto, Viriato Correia e Monteiro Lobato. Foi professor de língua e literatura de figuras ilustres, como Antônio Houaiss, Antônio de Pádua e Manuel Bandeira. E, por sua ferrenha oposição política, era comum encontrá-lo na cadeia.

Ele foi pai do artista Hélio Oiticica, uma referência na vanguarda da arte contemporânea mundial nas décadas de 50 e 60. O carioca Hélio Oiticica(1937-1979) viveu em Londres e Nova York e pôde sintetizar em seu trabalho um espírito popular e os mais puros conceitos das vanguardas artísticas internacionais de sua época.

Seu neto, César Oiticica Filho, arquiteto, pintor, cineasta e curados de exposições de fotos eartes plásticas, nasceu em 1968, e foi apontado pela revista francesa Photo como um dos novos talentos artísticos brasileiros em 2005. Ele criou uma técnica entre pintura e fotografia apresentada na exposição A Dança da Luz (2004). Realizou o filme Cosmocápsula (2003) e o curta Invenção da Cor (2010). Sobrinho de Hélio Oiticica, e curador do seu acervo há 15 anos, lançou inúmeras e premiadas exposições e livros sobre o artista.

Exposição do fotógrafo José Oiticica Filho
De 21 de abril a 17 de junho de 2018
Terça a sábado das 12h até 21h
Domingos e feriados das 11h até 20h
A bilheteria fecha uma hora antes do horário final
INGRESSOS
R$10 (INTEIRA) E R$5 (MEIA)
GRATUITO ÀS TERÇAS
Museu da Imagem e do Som de São Paulo/ MIS-SP
Endereço: Avendia Europa, nº 158
Espaço expositivo: 1º andar 

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.