quinta-feira, 3 de outubro de 2019

.: "Visceral" faz sessão em libras no domingo

Foto: João Caldas

A montagem da peça Visceral, texto da mineira Nanna de Castro (Bala na Agulha, 2014; Eu te darei o céu- Kikito, 2005), ganha uma versão em formato de instalação a cargo da produtora cultural Inmersivus, com direção cênica de Dan Rosseto, direção imersiva de Paulo Gabriel, pesquisa e iniciativa teatral de Chica Portugal e produção de Edinho Rodrigues. O espetáculo ganhador da 8a edição do Prêmio Zé Renato faz temporada nos meses de setembro e outubro, no Estação Satyros, no centro da Cidade de São Paulo. O elenco é composto por Chica Portugal, Iara Jamra, Joca Andreazza, Paulo Gabriel e Alê Menezes.

Na trama, João Gabriel, faz uma exposição de lançamento de suas obras e lança um livro autobiográfico. Avesso ao contato social, vive recluso em um casarão na Cracolândia. Sua marca registrada são as cores que trafegam entre o vermelho, laranja e marrom e roxo, além de uma estranha textura presente em suas telas. Suas obras são fortes e primitivistas, que retratam normalmente rostos mundanos e pedaços de corpos humanos. O renomado Jordão, crítico de arte, de difícil trato é escalado para busca uma entrevista com o tal artista do momento. 

João Gabriel acaba por apresentar seu processo criativo ao famoso crítico de forma visceral e o induz o famoso jornalista a vivenciar seu processo criativo. Seu lado psicológico conturbado é controlado pela solícita e segunda mãe, Alice que o mantém em constante estado de vigília. Entre seu processo criativo, João titubeia ao conhecer Angélica uma usuária de crack que move os instintos mais profundos do artista, e que luta contra sua fúria para poupar a jovem do seu lado mais desumano e cruel. 

“Visceral é um texto voltado a temas atuais e ambientado na Cracolândia em São Paulo. Traz uma crítica social e um questionamento do lugar da arte no mundo contemporâneo, mas num formato ágil, como um triller de suspense com pitadas de humor. Os personagens carregam dramas humanos profundos e dançam na borda do abismo. Foram inspirados em figuras reais da nossa sociedade como o inesquecível jornalista Paulo Francis e o Canibal de Garanhuns”, comenta a autora Nanna de Castro.

Sobre a instalação: Visceral trata-se de um thriller psicológico com boas pitadas de humor. Com ares de suspense e realismo fantástico, a obra teatral trafega por caminhos como a barbárie; as doenças mentais e físicas; a Cracolândia; e a dependência química. A montagem se apoia em 2 eixos narrativos: o eixo imersivo, com exposição de obras de arte com partes interativas e um happening; e o eixo teatral, com o espetáculo dramatúrgico em si. 

A montagem dialoga com um confronto que habita o cenário artístico: resultado artístico x processo criativo. '' O que é mais válido: o resultado ou o processo? Para trazer o público para dentro deste questionamento, as pessoas entram primeiro em contato com o resultado, no caso, as obras em si e depois com a peça teatral”, diz o diretor da área imersiva, Paulo Gabriel. Dan Rosseto, diretor cênico do espetáculo completa: “Quando li Visceral pela primeira vez fiquei encantando com a trama sombria que se desenrola através da fixação de João Gabriel e sua loucura artística. No término eu pensei: Esta é uma história a qual eu gostaria de contar. Esta encenação também caminha para um suspense não óbvio, com traços e cores fortes. Posso afirmar que se trata de uma obra que caminha com louvor para uma ficção teatral totalmente contemporânea, colocando o espectador no limite entre palco e plateia e, por vezes, subvertendo esse espaço”. 

Paulo acrescenta '' a intenção da instalação como um todo é tirar o espectador do seu ponto de conforto. Quebrar a lógica das pessoas que consomem um produto cultural. Para isso, apresentaremos primeiramente o ateliê do artista condutor desta história, as obras do pintor ou quem sabe ainda as deliciosas iguarias gastronômicas da Alice, sua assistente. E tudo isso dentro de uma elipse de tempo, e na sequência, imbuídas das sensações provocadas pela instalação, entregaremos a audiência para o Dan, nosso Diretor Cênico, para que elas possam conhecer o outro lado, o processo criativo desse pintor e se entregar ao deleite da obra dramatúrgica teatral Visceral”.

Para dar vida a esta vivência, um time de criadores de ponta foi selecionado. Beto França (Prêmio Avon Color de maquiagem 1997-teatro, 2003-teatro e 2004-cinema) assina a caracterização cênica; Ricardo Severo (Prêmio Shell 2014- trilha sonora) compõe a trilha sonora, Wagner Pinto (Prêmios Shell/2015) assina o desenho de luz; no figurino Mila Reily; Kleber Montanheiro na cenografia; obras de arte de Anderson Monteiro; na preparação corporal Fernando Vieira e na preparação vocal Madalena Bernardes. 

Sinopse: João Gabriel (Paulo Gabriel) é um artista plástico da nova e atual safra de criativos. Fará uma individual de suas novas obras e ainda lançará um livro sobre sua breve história de vida e carreira meteórica. Em seu ateliê, recebe o ácido crítico Jordão (Joca Andreazza) para uma entrevista reveladora e assustadora. Durante a entrevista João Gabriel revela seu bizarro processo criativo, realizado com o auxílio diário da doce Alice (Iara Jamra), sua guardiã e segunda mãe. Dentre tantas obras, João titubeia ao conhecer Angélica (Chica Portugal), uma usuária de drogas, que move os instintos mais profundos do artista, travando uma luta interna para poupar a jovem do seu lado mais desumano e cruel.    

SOBRE AUTORA: NANNA DE CASTRO
Nanna de Castro é publicitária, roteirista, escritora e autora teatral premiada em suas diversas áreas de trabalho. Desde 1990 atua criando campanhas, eventos e vídeos para grandes empresas e marcas. Formou- se em Psicologia e Artes Cênicas na UFM G no Palácio das Artes, em Belo Horizonte. Escreveu mais de 10 obras e continua criando uma média de duas obras por ano, trafegando do drama à comédia e entre linguagens artísticas diferentes. Tem uma narrativa ágil, profunda, humana o que potencializa as relações das personagens e traz ao espectador um texto poderoso, um verdadeiro deleite para nossos ouvidos e mentes inquietantes. Cinema: Com o filme "Eu Te Darei o Céu" ganhou Kikito de melhor roteiro em Gramado. Com o filme "A História Real", recebeu o prêmio de melhor roteiro na Jornada Internacional de Cinema da Bahia(1999) e também no Festival de Curtas de Santos. TV: roteirista em projetos para a TVGlobo, TVCultura, TVs Educativas e RTP de Portugal. Publicidade: Como roteirista de filmes publicitários, recebeu os seguintes prêmios: medalha de prata no Festival Internacional do México, medalha de bronze da Revista About e Prêmio Colunistas. Teatro: É autora dos textos "Vô Doidim e os Velhos Batutas" (indicado em nove categorias do prêmio Coca-Cola, entre elas, melhor texto), "O Menino que virou História" (Prêmio Usiminas de Melhor texto e indicado ao prêmio Coca-Cola de melhor texto), além de peças adultas que foram sucesso de crítica em São Paulo como "Mundus Immundus", "O Jardim das Delícias", "Eu Te Darei o Céu", “Novelo" e “A Bala Na Agulha”.  Literatura: Tem dois livros de poemas publicados, "Perverso"e"Curto-Circuito", e um livro de crônicas, “Só as Magras e Jovens São Felizes”. Em 2016 publica seu novo livro “O Céu Não é Um Lugar” pela editora Chiado. Na montagem inédita de Visceral, Nanna propõe uma visita ao lado sombrio dos seres humanos, associado às críticas sociais, um reflexo da sociedade contemporânea. 

SOBRE DIREÇÃO CÊNICA: DAN ROSSETO
Dan Rosseto é autor, diretor, ator e produtor cultural. Tem em seu currículo mais de 10 textos escritos, entre os destaques já encenados estão: “Diga que você já me esqueceu”, “Enquanto as Crianças dormem” indicado na categoria dramaturgia no prêmio Aplauso Brasil, “Antes de Tudo”, “Manual Para dias Chuvosos” indicado como melhor drama em 2014 entre outros. Como diretor esteve em espetáculos como “Eles não Usam Black tie”, “Maldito Coração”, “Dois Irmãos”, “O Falcão Vingador”, “Valsa n 6”, “Quando as Máquinas Param”, “Entre! A Porta está aberta”, “Tadzio”, “O Colecionador”, os musicais “Hoje é dia de Maria”, “Lisbela e o Prisioneiro” e “O Primo Basílio”, entre outros. Como ator já trabalhou com profissionais como Fátima Toledo, Caco Ciocler, Sônia Guedes, Silvio Zylver, Glória Rabelo, Cesar Baptista, Sergio Ferrara, Jarbas Capusso Filho, entre outros.

SOBRE DIREÇÃO IMERSIVA: PAULO GABRIEL
Paulo Gabriel no segmento de linguagem cênica atua como diretor imersivo, adaptador e pesquisador cênico em como abarcar as novas gerações para dentro dos espetáculos, e como formatar (convergência de linguagens e diferentes formas de narrativa) para que a obra dialogue com os dias atuais. Atua ainda como ator, gestor cultural e diretor de conteúdo em audiovisual. Formado em Publicidade pela FAAP, Gestor Cultural pela PUC e com mais de 15 anos de trajetória no segmento levou mais de 300.000 pessoas para vivenciarem arte, cultura e entretenimento em diversas linguagens e manifestações artísticas. Seus últimos e atuais trabalhos no segmento de direção, pesquisa, versão e contexto são: Teatro: Iakov Bomogolov (co-diretor, adaptação e contextualização); Prostituta Respeitosa (adaptação, versão e contextualização); Pacote (direção e contextualização); Noite de Reis, Unidos do Carnaval (Versão e Contextualização) / Cinema: Caso Leonardo - INV.RUB.92 (co-direção e contextualização) - Cinema:Minha Potira ( Roteiro e co-direção).

SOBRE PESQUISA: CHICA PORTUGAL
CHICA PORTUGAL é atriz, bailarina, produtora cultural, formada em 2000 pela escola de Teatro Ewerton de Castro, e licenciatura plena em Dança pela Faculdade Paulista de Artes em 2005.   Tem atuado no campo de Pesquisa nas áreas de teatro, dança e audiovisual. Além do projeto Visceral, em pesquisa assinou o espetáculo Quasi inspirado no relacionamento de Mario de Andrade e Anitta Malfatti originando a dramaturgia de Albano Martins Ribeiro; Pesquisou e roteirizou o espetáculo de dança “Renoir – a dor passa, a beleza fica”;  atualmente em processo com o projeto À Meia Luz dentro da técnica Verbatim, a partir de depoimentos reais sobre Relacionamentos Abusivos sofrido por mulheres no Brasil.

FICHA TÉCNICA
Texto: Nanna de Castro
Instalação Cênica: Inmersivus
Direção Cênica/Espetáculo: Dan Rossetto
Direção Imersiva/ Instalação: Paulo Gabriel
Elenco: Chica Portugal, Iara Jamra, Joca Andreazza, Paulo Gabriel e Alê Menezes 
Coro: Caran Guimaraes, Giovanna Marqueli, José Paulo, Rocha Raffah Beletti
Diretor de Fotografia: Wagner Pinto
Cenário e Objetos: Kleber Montanheiro
Caracterização: Beto França
Figurinos: Emilia Reily 
Música Original: Ricardo Severo
Desenho de Som: Ricardo Severo e Fábio Martinelli
Obras de Arte: Anderson Monteiro
Assessoria de imprensa: Pombo Correio
Pesquisa e iniciativa: Chica Portugal
Produção Executiva: Fabrício Síndice
Produção: Brancalyone Produções e Inmersivus
Produtores Associados: Edinho Rodrigues e Paulo Gabriel 
Realização: E!Motion Cultural e Secretaria Municipal de Cultura / Prêmio Zé Renato

SERVIÇO
Visceral, de Nanna de Castro
Estação Satyros – Praça Franklin Roosevelt, 134 – Centro, São Paulo (Prox. Metrô República ou Metrô Mackenzie)
Temporada: 7 de setembro a 28 de outubro
Aos sábados e domingos, 18h e segundas às 21h
Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada) – temporada popular
Classificação: 16 anos
Gênero: Suspense – Realismo Fantástico
Duração: 105 minutos (35 minutos de imersão + 70 minutos de espetáculo)
Capacidade: 65 lugares
Informações: (11) 3258-6345 - espetaculovisceral@gmail.com
Importante: A casa abre com 40 minutos de antecedência em relação ao horário da peça; Não é permitida a entrada após 10 minutos do início da instalação; aconselhamos chegar com 30 minutos de antecedência; Ar condicionado; assentos não marcados; 

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.
 
google.com, pub-3645003449125371, DIRECT, f08c47fec0942fa0