segunda-feira, 29 de junho de 2020

.: Cristovão Tezza volta com fábula contemporânea sobre público e privado


"A Tensão Superficial do Tempo" é o novo e urgente romance de Cristovão Tezza, um dos maiores escritores contemporâneos brasileiros. 

O escritor Cristovão Tezza retorna aos livros com "A Tensão Superficial do Tempo", mais uma magistral demonstração de suas imensas qualidades como ficcionista. A história do químico e “pirateiro” de filmes na internet é uma espécie de fábula contemporânea (e muito brasileira) sobre público e privado, política e intimidade, desejo e solidão. 

No livro, Cândido, um especialista em piratear filmes na internet, conhece os formatos dos arquivos, os fóruns onde encontrá-los e os grupos amadores que os legendam. Só de bater o olho, já sabe se é uma cópia mal gravada num cinema ou um tesouro em alta resolução. Sua coleção de milhares de filmes é meticulosamente organizada, num sistema infalível de pastas e HDs e nomes. 

A ocupação de pirateiro, no entanto, é quase acidental, e os filmes servem para alimentar sua mãe, com quem o químico de quase 40 anos mora desde que se separou. É para a mãe que ele entrega os pen drives com dramas asiáticos, comédias francesas, mistérios, romances. E é com ele que a mãe comenta cada um dos filmes no apartamento que dividem em Curitiba.

A atividade oficial de Cândido é dar aulas de química em um cursinho, onde ele tem uma participação societária. Curitiba ainda vive sob os efeitos das operações policiais e do judiciário que colocaram a cidade no centro da crise política que assola o país, efeitos que Cândido sente no seu dia a dia. É a professora bolsonarista com quem toma café em um intervalo entre as aulas, são as constantes discussões que dividem amigos, famílias e colegas de trabalho. É o procurador federal, enfiado até o pescoço nas investigações, e a mulher dele, Antônia, com quem Cândido tem um caso.

Sentado em um banco de parque, sem dar notícias há dias, Cândido vê todas essas pontas se encontrarem e se desenrolarem: o fim amargo do antigo casamento, as pretensões profissionais esmagadas, o novo afeto negado, a vida que se dissolve num caldo de guerra política e social. Em "A Tensão Superficial do Tempo", Cristovão Tezza — no auge de sua forma como ficcionista — usa o momento recente do país para investigar os pontos de contato entre público e privado, entre política e intimidade, entre desejo e solidão. 

Sobre o autor
Cristovão Tezza nasceu em Lages, Santa Catarina, em 1952. Um dos mais celebrados autores brasileiros contemporâneos, traduzido para mais de 15 países, é autor de vários romances, entre eles "O Filho Eterno", que recebeu os prêmios Jabuti e Portugal Telecom. Dele, a Todavia publicou "A Tirania do Amor" (2018), finalista dos prêmios São Paulo, Jabuti e Oceanos.



← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.