terça-feira, 30 de junho de 2020

.: Entrevista exclusiva: Mathew Ajjarapu, vocalista da banda The Devonns


Por Luiz Gomes Otero, jornalista e crítico musical.

“A música brasileira tem sido extremamente 
influente nos últimos 70 anos”

Originário de Chicago, nos Estados Unidos, o grupo The Devonns, uma das revelações recentes da música soul, acaba de lançar o seu álbum de estreia. E já vem obtendo boa repercussão junto a crítica especializada com canções que tem como forte inspiração a produção da música negra norteamericana dos anos 60 e 70. 

O vocalista e principal compositor da banda, Mathew Ajjarapu, concedeu uma entrevista para o Resenhando para falar como se deu o início da banda. Ele comenta o atual panorama da música e ainda disse que aprecia a nossa música. “A música brasileira tem sido extremamente influente nos últimos 70 anos”.

Como foi o início da banda Devonns?
Mathew Ajjarapu - Bem, é uma resposta um pouco complicada. Antes de começar o Devonns, eu tinha estudado um pouco na faculdade de Medicina (para fazer meus pais felizes). Mas eu não era um bom aluno e desisti rapidamente. Depois disso, eu não consegui um emprego por um longo tempo, então fiquei apenas ouvindo música ou lendo enquanto esperava alguém me dar uma entrevista de emprego. Meus irmãos haviam me mostrado alguns álbuns antigos que eu tinha perdido... "Jim", de Jamie Lidell, e "The Way I See It", de Raphael Saadiq. Mesmo que fazer a coisa retrô em um contexto moderno não seja novo de forma alguma (a soul passa por um reavivamento de tempos em tempos)... o que realmente ressoou comigo nesses dois álbuns foi que Jamie Lidell e Raphael Saadiq fizeram a maior parte da escrita e produção por conta própria. Os dois álbuns eram uma exibição monumental do virtuosismo individual em várias áreas muito difíceis (letras, músicas, etc.). Muitas pessoas não percebem que grande parte da música que você ouve no rádio é realmente escrita por compositores profissionais. A pessoa que a canta é apenas um cantor. Essa pessoa geralmente não faz muita escrita ou produção e pode nem tocar um instrumento. Então, para fazer da maneira que Raphael ou Jamie fizeram, leva muito mais tempo e é realmente um trabalho árduo e lento. Eu também me deparei com o álbum de estréia de Remy Shand, "The Way I Feel", e ele se aproximou ainda mais do ideal de Prince ( que escreveu todas as músicas e letras e basicamente tocava a maioria dos instrumentos). Voltando à história... nessa época, eu havia passado por dois rompimentos muito dolorosos, um após o outro... e estava muito deprimido. Aqui estava eu... eu havia abandonado a escola, não conseguia emprego, não tinha namorada ... e, com toda essa emoção, escrevi algumas músicas que achei muito boas. Gravei algumas demos por conta própria e depois as toquei para alguns amigos, e outras pessoas pensaram que havia definitivamente algo lá. Isso me fez pensar que eu poderia querer tocar ao vivo. Eventualmente, eu conheci um ótimo baixista através do Soundcloud, e então seu colega de quarto tocou bateria, o que foi ainda melhor. Foi assim que tudo começou. Nós éramos originalmente chamados de "The Signatures", quando eu estava cantando originalmente para um som dos anos 50/60 ... eu queria que começássemos com o estilo doo-wop ("I Only Have Eyes For You ", do The Flamingos, é minha música favorita de todos os tempos). Mas então, quando reunimos todos para o primeiro ensaio (incluindo um guitarrista que conheci no Craigslist) ... em cinco minutos, ficou claro que ninguém conseguia cantar. Eu também gostava muito de soul dos anos 60, grupo feminino, soul do norte e funk dos anos 70 (em particular), então imaginei que focássemos mais no soul / funk, talvez aprenderia a cantar bem o suficiente para, eventualmente, adicionar alguns vocais doo-wop no repertório mais tarde.

Quais foram as suas principais influências?
Mathew Ajjarapu - Essa é outra pergunta muito difícil de responder. Por muitos anos, quando comecei a fazer / tocar música, eu queria tocar um instrumento "legal". Por causa disso, mesmo tendo estudado piano por muitos anos desde que eu era criança ... tive o trabalho de me ensinar a tocar primeiro o baixo e depois a guitarra durante o ensino médio. Então, durante esse período, minhas primeiras influências musicais foram realmente mais "tocadores" do que escritores. No baixo, eu realmente idolatrei Stuart Zender (de Jamiroquai), Bootsy Collins (outro artista que meu irmão me mostrou) e, claro, James Jamerson. E na guitarra, eu realmente idolatrava a maneira como Jimmy Page tocava, porque ele era capaz de fazer blues, slide e folk, e muitas de suas músicas tinham uma qualidade mística ou triste (para meus ouvidos). Eu também gostei muito do Nick Zinner (do grupo Yeah Yeah Yeahs) porque em muitas músicas, ele basicamente faz seu violão tocar o ritmo e as partes principais do instrumento, bem como o baixo, e ainda o mantém cativante e cinético. Menciono todos esses instrumentistas, porque sempre que escrevo músicas para o The Devonns, costumo escrever muitas no baixo ou na guitarra primeiro, mesmo que eu toque teclas no The Devonns. Eu acho que faço isso porque passei muitos anos tocando guitarra e baixo para outras pessoas, e é realmente fácil abordar esses instrumentos como instrumentos melódicos e de percussão ao mesmo tempo ... você pode simplesmente definir um ritmo com as duas mãos literalmente. Mais tarde (depois que eu me cansei de tocar para outras pessoas e comecei a tentar escrever), eu realmente comecei a gravitar em torno dos escritores, especialmente as pessoas que faziam a maioria de suas próprias composições. Os heróis realmente importantes para mim foram Burt Bacharach, Carole King, Lamont Dozier + Brian e Eddie Holland, Smokey Robinson, Nickolas Ashford + Valerie Simpson, Curtis Mayfield, Leroy Hutson, Leon Ware ... pessoas assim. Todas essas pessoas são músicas, mas eu realmente penso nelas como escritores PRIMEIRO, uma vez que criariam música e letra, o que é significativamente mais difícil do que fazer por si só. E todas essas pessoas tinham tantos ganchos incríveis... ganchos musicais, líricos... se você os trancasse em uma sala com nada além de piano ou violão, provavelmente devolveriam ouro musical sólido. Eu também devo mencionar a profunda influência que Prince teve em mim, porque ele meio que incorporou todas as possibilidades: ele escreveu tantas músicas que estava dando hits para outras pessoas... ele podia superar e cantar a maioria das pessoas ... e ele era o artista consumado no palco. Você assiste a vídeos dele, e seu magnetismo e confiança são completamente de outro mundo. Eu ouvi praticamente todo o seu catálogo disponível (incluindo coisas de seus pseudônimos, atos para os quais ele escreveu, demos)... e sua proporção de suspense por filme é chocantemente boa para a quantidade de material que ele escreveu. Acho que se você quisesse uma resposta mais curta (em nenhuma ordem específica): Prince, The Isley Brothers; Terra, Vento e Fogo; Leroy Hutson; Curtis Mayfield; Os Bar-Kays; Willie Hutch; O sistema; Rufus e Chaka Khan; Aretha Franklin; Stevie Wonder; Remy Shand; Jamie Lidell; Raphael Saadiq; Norman Connors; Leon Ware; Phyllis Hyman; Rick James; Jimmy Jam e Terry Lewis; Bryce Wilson (da teoria de Groove). Além dos compositores que eu mencionei antes (Burt Bacharach, Carole King, Holanda-Dozier-Holland, Smokey Robinson, Ashford & Simpson, etc). Provavelmente estou deixando alguém de fora, mas esses são todos os escritores cujas músicas eu realmente ouvi bastante nos últimos cinco anos e procurei aprender.

Como funciona o processo de criação musical da banda?
Mathew Ajjarapu - Eu faço toda a composição sozinho. Eu sei que algumas bandas gostam de tocar ou escrever juntas, mas eu pessoalmente sempre odeio tentar fazer isso. Simplesmente não funciona para mim. Em vez disso, escrevo a música, as letras, tudo e, em seguida, geralmente gravo uma demo e trago essa faixa demo básica para a banda, para descobrir exatamente como a faremos ao vivo. Meu processo exato quando escrevo músicas é espontâneo. Normalmente, o que vai acontecer é que vou fazer alguma coisa (como tomar banho ou dirigir)... e ouvirei um gancho na minha cabeça. Pode ser um gancho lírico, pode ser uma linha de baixo... apenas algo que serve como um ponto de partida. Vou anotá-la ou cantarolá-la no meu telefone para não esquecer... e mais tarde, quando estiver em casa, basicamente transformarei em uma ideia musical. Normalmente, quando ouço um gancho na minha cabeça, ouço as partes da música juntas (por exemplo, eu nunca ouço apenas uma linha de baixo por si só ... geralmente é uma linha de baixo mais um riff de guitarra ou talvez um de guitarra linha sobre como a bateria seria tocada). Vou usar meu computador e um microfone e basicamente acompanhar cada parte uma de cada vez para criar uma faixa demo básica (como tocarei a parte das teclas... depois tocarei um riff básico de guitarra sobre isso... então eu tocarei a linha do baixo... etc, uma de cada vez, manualmente). E é daí que a música vem, de qualquer maneira. Essa é a parte mais fácil. Quanto às letras, isso é muito mais difícil. Eu realmente não tento forçar as letras, pois isso não funciona para mim. Em vez disso, se eu gostar de uma ideia musical, apenas participarei dessa demonstração até que a letra chegue até mim. Às vezes, leva muito tempo (como mais de um ano). Outras vezes, é muito rápido. “Come Back” eu escrevi em dez ou quinze minutos (então eu provavelmente estava muito deprimido quando a idéia veio à minha mente, já que a letra veio para mim totalmente completa, com quase nenhuma revisão necessária). Mais tarde, quando conheci minha namorada atual, escrevi "Tell Me" e "Think I'm Falling In Love" sobre ela, e isso também veio muito rápido liricamente (provavelmente porque me senti muito forte com nossas emoções um pelo outro). Ou uma vez, ela e eu brigamos, e isso se tornou a música "More" porque eu estava extremamente bravo com ela.

Como tem sido a divulgação do álbum em meio a pandemia da Covid 19
Mathew Ajjarapu - Infelizmente, a pandemia do Covid-19 acabou com uma série de atividades típicas do músico. Eu não sei como é em outras partes do mundo, mas aqui em Chicago, nenhuma banda está tocando em nenhum lugar, ninguém está em turnê... nada. Suponho que os Devonns tenham sorte por termos assinado um pequeno contrato de gravação; na verdade, terminamos nosso álbum e o submetemos antes que a pandemia se tornasse um grande problema mundial. Nossa gravadora (Record Kicks) realmente teve o trabalho difícil de promover um álbum sem shows ou turnê. Caramba, é difícil até ir a algum lugar de Chicago para tirar fotos promocionais neste momento. Por causa disso, a gravadora nos organizou com várias entrevistas como esta, bem como algumas na BBC Radio London (agradeço a Robert Elms, Karen Gabay e Anne Frankenstein no Reino Unido!). Admito... não poder sair em turnê foi um pouco de alívio para mim. Atualmente, estou de volta à escola e trabalho meio que horas loucas (8 a 12 horas por dia), por isso teria sido muito difícil adiar meus outros compromissos de vida.

Qual a sua opinião sobre o streaming?
Mathew Ajjarapu - Eu meio que tenho sentimentos mistos sobre streaming. É uma plataforma tremenda e oferece a muitos artistas uma voz e uma voz que talvez não tenham recursos ou meios para seguir a rota tradicional (digamos, por meio de uma gravadora). O streaming tem sido um processo muito democratizante para os músicos; você pode se tornar tão famoso por meio de reproduções de streaming quanto conseguir uma grande gravadora como a Capitol (e muitos músicos fizeram exatamente isso). Não só isso… o streaming tem sido absolutamente ótimo para ouvintes de música. Agora, os ouvintes têm inúmeras opções e escolhas na ponta dos dedos, e acho que isso levou muito mais ouvintes a encontrar o que gostam ou explorar músicas que possam interessar. Heck, eu uso principalmente os serviços de streaming do Google Play e do Youtube Red, e foi apenas por causa desses serviços que consegui encontrar muitos raros ringtones de soul e funk que realmente me ajudaram a me desenvolver como escritor e músico. Portanto, direi que o streaming é bom por esses motivos e não estaria onde estou hoje sem ele. Talvez o lado ruim seja que isso contribuiu para a morte lenta das estações de rádio tradicionais e das listas de reprodução criadas por DJs. Algumas empresas gigantes possuem muitas estações de rádio em todo o mundo, e elas têm playlists corporativas razoáveis que alguns executivos ou grupos focais criaram (provavelmente girando na maioria das vezes entre os Top 40 atuais ou o mesmo rock clássico antigo). A outra coisa ruim sobre o streaming é que ... do ponto de vista dos músicos, simplesmente não paga muito bem. Eu acho que essa última crítica se aplica a todas as etapas da indústria da música ... em todos os níveis, de cima para baixo, as pessoas geralmente se ferram mais são músicos. Para dar um exemplo… o primeiro cheque de royalties que recebi (no ano passado) foi de US $ 6 (cerca de R $ 30,00). Resumindo ... acho que o streaming geralmente é bom, mas, caramba, eu gostaria que pagasse melhor.

Como você viu o movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam)?
Mathew Ajjarapu - Eu acho que o movimento Black Lives Matter é uma coisa ótima e chegou muito atrasada. Na América, os negros foram marginalizados, vitimados, maltratados, difamados, ignorados, abusados, encarcerados e assassinados pelas mãos de autoridades que remontam a centenas de anos. A América sempre foi assim... nas décadas de 1700, 1800, 1900 e continuando no século XXI. Especificamente em relação à brutalidade policial, esse não foi um fenômeno novo. O que há de novo, no entanto, é a capacidade dos telefones celulares de registrar evidências indiscutíveis de brutalidade policial. É lamentável que, durante décadas e décadas, pessoas de cor tenham reclamado de tratamento desproporcionalmente injusto nas mãos das autoridades e sido completamente ignorado pelo público americano. Mas também é lamentável que, mesmo com todas essas evidências em vídeo aparecendo constantemente, muitos americanos ainda não querem admitir a possibilidade de que o racismo ainda esteja vivo nos Estados Unidos. Se não é totalmente óbvio pelo que estou dizendo... acho que o movimento Black Lives Matter é ótimo, e apoio completamente eles. Lembro-me de como fiquei triste quando o assassino de Trayvon Martin não foi enviado para a prisão; como fiquei triste por o assassino de Aiyana Jones ter saído completamente de graça; como fiquei triste quando Ahmaud Arbery foi caçado e executado; Sandra Bland; Botham Jean; Philando Castile; Amadou Diallo; e incontáveis, incontáveis outros. Foi essa tristeza e frustração que me levou a escrever uma música sobre ela (Blood Red Blues), que aborda a disparidade racial e econômica, bem como a violência armada. Eu acho que a agitação social e os protestos que estamos testemunhando nos Estados Unidos são uma coisa boa, pois está forçando muitas pessoas a pelo menos admitir que talvez haja algo errado com os EUA. Eu gostaria de dizer que as reformas policiais ou as mudanças sociais virão de tudo isso, mas sempre fui um pessimista e temo que muitas pessoas no poder (assim como cidadãos comuns) fechem seus ouvidos e olhos.

Você conhece a música brasileira?
Mathew Ajjarapu - Eu absolutamente amo música brasileira. Sou um ouvinte de longa data da música brasileira e até toquei teclas em uma banda de jazz brasileira até recentemente. A música brasileira tem sido tão rica e extremamente influente nos últimos 70 anos. Você ouve sua influência em todos os lugares, mesmo em músicas que não são explicitamente jazz, samba ou bossa nova. É claro que é impossível não expressar um profundo amor e apreciação de algumas figuras muito grandes na música brasileira como Antonio Carlos Jobim, Ivan Lins, Os Cariocas e, especialmente, Sergio Mendes. No entanto, meus músicos brasileiros favoritos são na verdade Walter Wanderley (organista e pianista), Marcos Valle e Sylvia Telles. Como tocador de órgão, tentei adaptar meu estilo de tocar para arrancar a técnica e o tom de Walter. Como escritor, eu amo a escrita de Marcos, particularmente o período entre os anos 60 e 80. E há algo na voz de Sylvia que realmente me emociona. Existem tantas cantoras brasileiras fantásticas... mas eu realmente acho que Sylvia Telles tinha uma voz com uma qualidade muito atemporal. Pode ser divertida, triste, bem-humorada e paqueradora, tudo ao mesmo tempo. Ela é uma das minhas cantoras favoritas.




← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.