segunda-feira, 13 de julho de 2020

.: Matheus Nachtergaele: "'Cine Holliúdy' é para o Brasil fazer as pazes consigo"



Série está de volta à Globo com muito humor e poesia. Foto: Globo / Estevam Avellar

No segundo episódio da série, que vai ao ar na próxima terça, dia 15, Francis resiste à chegada da TV e decide produzir seus próprios filmes
O ator Matheus Nachtergaele não esconde a alegria de ver "Cine Holliúdy" no ar novamente. Na série, Matheus interpreta a autoridade máxima de Pitombas, o prefeito Olegário, a quem define como um vilão cômico. "Temos muitos motivos para rever a série com olhos muito críticos para além da diversão pura e simples. Como sou um ator principalmente de cinema, adorei essa coisa da série passar pelos gêneros todos", diz. Na entrevista abaixo, o ator comenta sobre a volta da série à TV. 

Como foi receber a notícia da volta da série?  
Matheus Nachtergaele - Recebi a notícia com alegria! Essa reexibição indica duas coisas: que a série entrou no coração das pessoas e que a série conseguiu fazer o que eu imaginei que ela faria: homenagear o Brasil que a gente gosta e ama. É uma série carinhosa para toda família e de ensinamento para gente gostar da gente mesmo.

Qual a importância do Olegário na sua carreira? Tem alguma característica ou algo que tenha aprendido com o personagem que possa ser destacado? 
Matheus Nachtergaele - Eu me senti extremamente honrado em estar com o elenco cearense, em ser chamado a participar, em dividir a cena com a Heloísa Perissé, que eu admiro muito como artista popular brasileira, como comediante e como mulher. Olegário é um vilão cômico, um típico político da pior espécie brasileira, extremamente ignorante e autoritário, vaidoso e se tiver alguma virtude é saber amar a Maria do Socorro, personagem da Heloísa. Acho que todos os personagens nos ensinam muito. O Olégario traz para mim a possibilidade de construir um personagem que homenageia o Odorico Paraguaçu e Diaz Gomes. Também é um personagem para, de forma brincante, se fazer uma crítica à política brasileira. Eu aprendi muito fazendo o Olégario e estou muito feliz em poder rever o trabalho.

Que cenas te marcaram? Quais você mais gostou de fazer? 
Matheus Nachtergaele - Eu tive muito prazer em todas as cenas. Adoro a Heloísa (Perissé) e a gente conseguiu uma química muito bonita. Foi muito prazeroso trabalhar com ela. Ressalto também as cenas com o Gustavo Falcão, que interpreta o Seu Jujuba, assessor do Olegário. As cenas são todas muito saborosas e é muito difícil de destacar alguma, mas eu amo as cenas de palanque do Olegário. Para me relacionar com Odorico do Dias Gomes, que inventa palavras difíceis justamente para não ser entendido pela população - como é comum nos políticos brasileiros - eu inventei um tipo de português absolutamente errado.  No palanque, ele começa o discurso dizendo: - "Meus povo e minhas pova". É hilário, a gente sempre ria muito depois das cenas de palanque. 

A série homenageia os gêneros do cinema. Mais do que nunca, as famílias estão vendo muitos filmes, séries e programas de entretenimento de maneira geral. Como você avalia a importância da arte nesta fase de quarentena? 
Matheus Nachtergaele - O argumento de "Cine Holliúdy" é lindo! Uma televisão é instalada pela primeira vez em uma cidade interiorana do Brasil e ela começa a ameaçar o sonho de fazer um cinema brasileiro criativo, que é o sonho do Francis. Essa discussão me interessa muito. Temos muitos motivos para rever a série com olhos muito críticos para além da diversão pura e simples. Como sou um ator principalmente de cinema, adorei essa coisa de passar pelos gêneros todos. Fizemos filme de vampiro, de terror, de ficção cientifica; tudo de uma jeito tupiniquim, divertido e com uma produção que imita com muita beleza a falta de recursos do cinema brasileiro. 


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.