quarta-feira, 1 de julho de 2020

.: #ResenhaRápida: Patrick Aguiar e a ousadia no teatro em tempos de crise


Por 
Helder Moraes Miranda e Mary Ellen Farias dos Santos, editores do Resenhando.

Só os mais corajosos enfrentam as incertezas com bom humor. Afinal, quem ousaria estrear uma peça teatral em tempos de pandemia? O nome dele é Patrick Aguiar, um ator apaixonado pelo que faz e um operário da arte. Em época de covid-19, ele estreou a peça teatral online "Descasamento", baseado em textos de Luis Fernando Verissimo sobre relacionamentos amorosos. Ao lado dele, na peça que tem transmissão ao vivo pelo Zoom, está a atriz Amanda Carvalho. 

Ator de vários outros espetáculos, como a infantil “O Pequeno Príncipe”, baseado na obra de Antoine de Saint-Exupéry, com dramaturgia e direção de Ian Soffredini, Patrick é a síntese do talento, da sensibilidade e da leveza que os personagens impõem: a dramaturgia pode fazer com que as pessoas enxerguem tudo com mais otimismo. Teatro é a arte do efêmero, um momento de grandes encontros. Em época de isolamento, esse encontro pode ser consigo mesmo. Mas se você tiver a sorte de se deparar com um ator deste calibre, nos teatros da vida, é certeza de que você sairá bem mais feliz. 

"Descasamento" fica em cartaz até dia 17, nas noites de sexta-feira, sempre às 20hPara assistir basta entrar em contato pelo Instagram (@eupatrickaguiar ou @amandas_carvalho) ou pelo Whatsapp (11) 98227-6586. O valor do ingresso é R$ 35 ou contribuição consciente.


#ResenhaRápida com Patrick Aguiar

Nome completo: Charles Patrick de Aguiar.
Apelido: Pa. 
Data de nascimento: 13 de março de 1980.
Altura: 1,77 m.
Qualidade: generosidade.
Defeito: gostar das coisas do meu jeito.
Signo: peixes.
Ascendente: câncer.
Uma mania: arrumar o cabelo.
Religião: nenhuma. 
Time: nenhum.
Amor: transforma.
Sexo: revigora. 
Mulher bonita: Iza. 
Homem bonito: Ricky Martin.
Família é: o começo
Ídolo: nossa, eu não tenho!
Inspiração: bom humor me inspira.
Arte é: a base de um povo.
Brasil: uma grande vítima dos brasileiros.
Fé: necessária.
Deus é: a grande força que sabe o que faz.
Política é: o oposto do que os nossos políticos fazem.
Hobby: cozinhar.
Lugar: o palco.
O que não pode faltar na geladeira: cerveja.
Prato predileto: empadão de Frango.
Sobremesa: quindim.
Fruta: banana.
Bebida favorita: cerveja.
Cor favorita: preto.
Medo de: grilo (sim, acreditem!).
Uma peça de teatro: "Os Boêmios de Adoniran", da Cia. de Teatro Interiorando.
Um show: não costumo ir. 
Um ator: Marco Nanini.
Uma atriz: Andrea Beltrão.
Um cantor: Lenine.
Uma cantora: Marisa Monte.
Um escritor: Luis Fernando Verissimo. 
Uma escritora: Clarice Lispector.
Um filme: "Dançando no Escuro".
Um livro: o primeiro que li na minha vida, “Na Mira do Vampiro”, de Lopes dos Santos, da coleção Vagalume.
Uma música: "O Bêbado e a Equilibrista" - Elis Regina.
Um disco: "Verde, Anil, Amarelo, Cor de Rosa e Carvão" - Marisa Monte.  
Um personagem: Romeu, de "Romeu e Julieta", de William Shakespeare.
Uma novela: "Vale Tudo", de Gilberto Braga.
Uma série: "Friends".
Um programa de TV: "Lady Night". 
Um site: Google. 
Um blog: Põe na Roda.
Um podcast: não tenho o habito de ouvir.
Um Twitter: não uso.
Um Instagram: @razoesparaacreditar.
Um canal no YouTube: Canal 90
Uma saudade: de alguém muito especial que perdi recentemente.
Algo que me irrita: orgulho.
Algo que me deixa feliz é: estar com meus amigos. 
Quem levaria para uma ilha deserta: um dos meus amigos, pra tomarmos sol e falarmos da vida!
Se pudesse ressuscitar qualquer pessoa do mundo...: não faria.
Uma pergunta a qualquer pessoa do mundo: "Você não acha que está na hora de começar a ter vergonha na cara?". Para o Bolsonaro.   
Não abro mão de: trabalhar.
Do que abro mão: de qualquer coisa pelos meu cães e gatos.
Um sonho: comprar minha casa com quintal bem grande para os meus cachorros.
Se tivesse que ser um bicho, eu seria: um elefante.
O que seria se não fosse ator: quando criança queria ser dentista.
Televisão em uma palavra: fama.
Teatro em uma palavra: plenitude.
Novela em uma palavra: vitrine.
Democracia em uma palavra: justiça. 
Ser ator é: minha missão.
Ser homem, hoje, é: ter um injusto privilégio.
Patrick Aguiar por Patrick Aguiar: um cara que tem bom coração, sonhador, chorão, trabalhador e que busca seu espaço.



← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.