quarta-feira, 7 de outubro de 2020

.: Atriz e cantora, Marianna Alexandre lança single e clipe com reflexões


Conhecida por trabalhos no teatro musical e no cinema, a jovem atriz compôs a canção "Cor de Mel", que traduz pensamentos e sentimentos descobertos na quarentena. Foto: Pino Gomes

Se tem uma coisa que é permissiva ao artista é ser plural, e disso Marianna Alexandre entende bem. Apesar da pouca idade, a jovem atriz de 19 anos que pensava em ser diplomata, se deparou com a arte pelo caminho ainda na adolescência e vem se dedicando a ela desde então, aprimorando estudos e colecionando trabalhos no cinema, na TV, nos palcos e agora também na música, onde lança seu primeiro single autoral, ‘Cor de Mel’, que chega às plataformas digitais nesta sexta, dia 9, às 13h.

Foi da vontade antiga de escrever uma música e das reflexões proporcionadas pela pandemia que nasceu a canção de nome poético e fluído, como define Marianna, e que traz na letra um olhar mais leve e generoso sobre a vida e seus bons momentos. A cantora reuniu algumas de suas inquietudes emocionais, textos e reflexões atuais, para tirar do papel sua primeira composição, que adentra ao universo pop no estilo "voz e violão", inspirada por nomes como Anavitória e Melim, em parceria com Davi Pithon e sob a produção de Erik Sterenfeld.

“A música esteve sempre muito presente na minha vida, sempre estou cantando ou tocando no meu piano, e apesar dessa relação, acho que meu maior desafio foi ‘externalizar’ esses sentimentos e sensações para que virassem música, criando algo que fosse gostoso de escutar, que acalmasse os ouvintes. A letra nos faz lembrar que o tempo passa, que crescemos e as lembranças ficam para trás, e que por isso devemos aproveitar ao máximo cada segundo da vida com aqueles que amamos - carpe diem!”, explica Marianna.

Com lançamento marcado para esta semana, a canção vai ganhar também um clipe, gravado com todos os cuidados e recomendações de segurança na praia de Grumari, no Rio de Janeiro, cenário de calmaria que se conecta ao resultado final da música, um trabalho feito em conjunto com a direção de Beatriz Passeti e o olhar do filmmaker Fábio Coxta. Marianna também contou com o apoio da família para produzir o material que poderá ser visto no YouTube, e que reflete todo o amor e parceria que um projeto independente necessita para acontecer.

Para conferir o clipe nesta sexta, acesse: https://youtu.be/nXJ76_MIOXA!

Pluralidade artística
Foi ainda criança, aos sete anos, que Marianna descobriu a música, em todas as suas formas. A carioca, que na época morava em Brasília, fez musicalização, participou de coral e aprendeu teclado, o que foi um curto passo para o contato com o piano erudito, que estudou por quatro anos na Escola de Música de Brasília (EMB), onde se formou no curso básico e onde também teve o primeiro contato com o lado atriz, ao ser selecionada para seu primeiro teste profissional e que lhe rendeu uma participação no filme ‘O Outro Lado do Paraíso’, de André Ristum, lançado em 2016 - uma porta de entrada para novas oportunidades na TV, no cinema, na dublagem, e também nos palcos.

“Depois do filme, eu sabia que queria seguir a arte como profissão, então comecei com os cursos de teatro. Na época, morava em Brasília e minha professora foi a Luciana Martuchelli. Logo depois, me mudei para o Rio de Janeiro, e desde então, não parei mais de estudar. Cursei o Tablado por dois anos com o Cico Caseira, fiz cursos livres na CAL e entrei no Aprofundamento em Teatro Musical do Ceftem - sendo a aluna mais nova nele. Sempre sonhei em estudar no exterior, e em 2018 consegui concretizar ao ganhar uma bolsa de estudos para estudar Teatro Musical durante um mês no New York Conservatory for Dramatic Arts”, conta ela sobre seus passos acadêmicos.

Mantendo-se em constante aprendizado, e sem abrir mão das aulas de canto com o Maestro Marcelo Castro, foi a disciplina da artista e sua volta para o Rio de Janeiro, após morar em diferentes estados, que fez com que Marianna iniciasse sua história com os palcos. Estudante de Teatro Musical desde 2015, sonhava atuar em grandes musicais, e teve a oportunidade de participar de produções como "Se Meu Apartamento Falass"’ e da segunda montagem de "A Noviça Rebelde", ambas dirigidas por Möeller e Botelho - neste último alternando a personagem Liesl com Larissa Manoela.

Antes da pandemia, se preparava para estrear em ‘Heathers’, de Fernanda Chamma, como McNamara e cover de Veronica Sawyer, e também protagonizar a montagem de "Até o Fim do Mundo", da Dagnus Produções, tudo isso sem deixar de lado um projeto pessoal antigo, planejado há quatro anos, de realizar um monólogo de "Valsa Nº6", de Nelson Rodrigues, e que deve acontecer em 2021, celebrando seu septuagenário. Em paralelo aos palcos, Marianna estava escalada para o elenco da novela "Gênesis", da Record TV, e chegou a participar de oficinas com a equipe antes do novo Coronavírus suspender o processo e iniciar as gravações, que marcariam sua estreia na TV.

Outro trabalho de Marianna que ficará para 2021 é o lançamento de seu novo filme, "Um Broto Legal", de Luiz Alberto Pereira, onde interpreta Celly Campello, nome forte da Jovem Guarda e que terá sua própria cinebiografia musical. Marianna solta a voz e representa - em todas as fases - a responsável por eternizar sucessos como "Estúpido Cupido" e "Banho de Lua", explorando desde sua infância, as relações com a família e a cidade de Taubaté, passando pela sua ascensão meteórica no rock nacional, até a decisão de encerrar a carreira para se casar, no auge dos anos 60.

A relação da artista com o cinema se estreita ainda mais através do universo da dublagem, onde há cinco anos transita por diferentes gêneros como suspense e terror, ao emprestar voz para personagens como Margareth em "Invocação do Mal 2", Carol em "Annabelle 2", Amélia em "Bizaardvark" e Nicole Gordon na série "Pretty Little Liars", em filmes de ação como "Homem Aranha de Volta ao Lar" dando voz à Cindy, e em produções infantis e adolescentes como "Gabby Duran - Babá de Alliens", onde dubla a protagonista, e na animação "A Guarda do Leão", como Rani, ambas exibidas pelo Disney Channel.

Entre tantos projetos já realizados e ainda à realizar, Marianna consegue olhar para a própria carreira com disposição e disponibilidade, se mostra versátil e acessível para arte, e se vê impulsionada pela paralisação que assola sua classe atualmente, jogando para frente tantos planos e lhe propondo um reencontro com sua primeira memória cultural: a música – uma espécie de sobrevida enquanto espera a retomada geral, que a fará brilhar em um futuro próximo nas mais diferentes frentes.

“Com certeza a pandemia despertou um lado novo em mim, e acredito que em muita gente também. Ser artista é estar em constante mudança, estar aberto para novas possibilidades sempre. Estou muito orgulhosa com tudo que já conquistei até aqui e por ter um apoio incondicional da minha família, que sempre me ajudou a enfrentar os desafios que apareceram pela frente. Acho que agora é a hora de lançar essa música, esse clipe, e ver esse projeto lindo ser colocado no mundo, torcendo para que quem o escute seja tocado de alguma forma”, finaliza.

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.