sábado, 24 de outubro de 2020

.: Grátis: montagem teatral de "Dogville" terá sessões online em novembro


Espetáculo com Mel Lisboa e grande elenco volta para duas apresentações gratuitas em novembro. Foto: Ale Catan.

A primeira adaptação teatral brasileira para "Dogville", obra-prima do cineasta dinamarquês Lars von Trier celebra 2 anos de sua estreia com apresentação online gratuita, nos dias 2 e 3 de novembro, às 19h, pelo canal da peça no YouTube e pela página do espetáculo no Facebook. Antes de assistir ao espetáculo, você pode conferir as críticas do Resenhando: "'Dogville', a peça: 10 motivos para não perder o espetáculo em SP"  e "'Dogville': espetáculo conduz público a uma catarse coletiva".

A adaptação para o formato digital de "Dogville" mescla leitura, gravações, comentários e um bate papo ao vivo com o elenco, direção e produção do espetáculo. Na trama, Mel Lisboa interpreta Grace, personagem vivida por Nicole Kidman no cinema. A direção fica por conta de Zé Henrique de Paula. O espetáculo estreou no dia 2 de novembro de 2018, no Teatro Clara Nunes, no Rio de Janeiro. Desde então, colecionou números marcantes, 31.323 espectadores conferiram a peça somando o público das cinco cidades que tiveram apresentações (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Curitiba). 

Em comemoração, a produção ganha uma imersão virtual que mescla leitura cênica, projeções, trechos de gravações, comentários, e bate-papo ao vivo. As transmissões são gratuitas pelo Youtube e Facebook da peça. Na trama, Mel Lisboa interpreta Grace, personagem vivida por Nicole Kidman no cinema. A direção fica por conta de Zé Henrique de Paula A primeira adaptação teatral brasileira para o filme "Dogville", obra-prima do cineasta dinamarquês Lars von Trier, trilou um caminho de sucesso em apresentações no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Belo Horizonte e Curitiba. 

Em "Dogville", foram 31.323 de espectadores, em 88 apresentações, 26 atores passaram pelo elenco, e a montagem, dirigida por Zé Henrique de Paula, ainda foi indicada ao Prêmio Shell (Melhor Figurino), ao Prêmio Cesgranrio de Teatro (Melhor Espetáculo, Melhor Atriz para Mel Lisboa e Melhor Figurino), e ao Prêmio Botequim Cultural de Teatro (Melhor Espetáculo, Melhor Direção, Melhor Atriz em Papel Coadjuvante (Selma Egrei), Melhor Figurino e Melhor Iluminação). No Prêmio Bibi Ferreira, Fábio Assunção ganhou na categoria de Melhor Ator Coadjuvante, e João Pimenta venceu em Melhor Figurino.

Para celebrar essa trajetória e o aniversário de dois anos da estreia, a peça ganha uma imersão virtual com transmissões gratuitas nos dias 2 e 3 de novembro, segunda e terça-feira, às 19h, pelo YouTube e Facebook do espetáculo. Essa adaptação para o formato digital mescla leitura, gravações, comentários, e na sequência, será aberto um bate papo ao vivo com todo o elenco, direção e produção. A iniciativa possibilita que pessoas de outros estados e até outros países acompanhem a história da pacata cidade de Dogville, e como foi a adaptação para o teatro.

“A proposta é exaltar esse percurso da peça que conseguiu um feedback bem positivo do público e da crítica. A adaptação de "Dogville" para o online vai ser de forma bem híbrida com leitura dramatizada, o elenco estará de figurino e, mesmo em casa, conseguimos trazer uma uniformização dos atores. É uma verdadeira imersão na história do espetáculo que vai surpreender tanto quem já viu presencialmente como quem assistirá pela primeira vez”, conta Zé Henrique de Paula.

O elenco atual é formado por Alexia Dechamps, Ana Andreatta, Blota Filho, Eric Lenate, Fernanda Couto, Fernanda Thurann, Gustavo Trestini, Lucas Romano, Marcelo Villas Boas, Marcia Oliveira, Mel Lisboa, Munir Pedrosa, Otto Jr., Rodrigo Caetano, Rosana Penna e Thiago Furlan. Outros nomes também passaram pela coxia de "Dogville" como Fábio Assunção, Bianca Byington, Anna Toledo, Thalles Cabral, Chris Couto, Selma Egrei, Dudu Ejchel, Larissa Maciel, André Garolli e Andre Satuf. 

A trama se passa na fictícia cidade de Dogville, um pequeno e obscuro vilarejo situado no topo de uma cadeia montanhosa, ao fim de uma estrada sem saída, onde residem poucas famílias formadas por pessoas aparentemente bondosas e acolhedoras, embora vivam em precárias condições de vida. A pacata rotina dos moradores é abalada pela chegada inesperada de Grace (Mel Lisboa), uma forasteira misteriosa que procura abrigo para se esconder de um bando de gangsteres.

Recebida por Tom Edison Jr. (Rodrigo Caetano), que, comovido pela sua situação, convence os outros moradores a acolhe-la na cidade, Grace, apesar de afirmar nunca ter trabalhado na vida, oferece seus serviços para as famílias de Dogville em agradecimento pela sua generosidade. Porém, no decorrer da trama, um jogo perverso se instaura entre os moradores da cidade e a bela forasteira: quanto mais ela se doa e expõe a sua fragilidade e a sua bondade, mais os cidadãos de bem exigem e abusam dela, levando a situação a extremos inimagináveis.

“A ideia de apresentar 'Dogville' no formato online surgiu tanto para movimentar todos os profissionais envolvidos no projeto quanto para celebrar dois anos em cartaz desse projeto que trouxe tantas alegrias e conquistas para todos nós. Passamos por várias cidades com sessões esgotadas. No momento atual com a pandemia, achamos no formato online uma boa equação entre preservar o distanciamento social para proteger tanto e todos os envolvidos na montagem e utilizar os recursos digitais para ampliar a experiência artística e realizar uma nova leitura do projeto. Existem planos para uma temporada presencial no ano de 2021”, revela o produtor e idealizador do projeto Felipe Heráclito Lima.

O diretor enfatizou os detalhes que fizeram com que a adaptação teatral brasileira de "Dogville" fosse um sucesso. “A montagem funcionou como um espelho para todos nós, pois mostra as falhas de nossa sociedade que já estava no roteiro original e, consequentemente, resultou em muitas reflexões em quem assistiu. Todos os atores que passaram pelo elenco tiveram um engajamento, uma adesão, uma verdade de passar esse conteúdo por meio de suas interpretações. Foi uma conjunção de fatores que gerou essa identificação com o que estava ocorrendo no palco”.

Mel Lisboa ressalta o benefício de manter o projeto vivo. “É importante essa comemoração em virtude do momento difícil que os trabalhadores do setor cultural estão passando. E relembrar de Dogville e todo o seu sucesso faz bem para nós, os profissionais da área, e para quem for assistir. É primordial manter ativa a arte, a cultura, a memória, nossos afetos. Os recursos para essa versão digital vão homenagear todas as temporadas e atores que passaram pelo elenco”.

O filme "Dogville"
Considerado pela BBC um dos melhores filmes do século 21, "Dogville", longa-metragem de Lars von Trier, foi lançado em 2003, foi estrelado por Nicole Kidman, Paul Bettany, Patricia Clarkson, Udo Kier, James Caan, Philip Baker Hall, John Hurt, entre outros. O título ganhou o Prêmio do Cinema Europeu e o Robert Award e foi indicado à Palma de Ouro no Festival de Cannes.

Ficha técnica:
Título original: "Dogville"
Autor: Lars Von Trier
Direção: Zé Henrique de Paula
Idealização: Felipe Lima
Elenco: Alexia Dechamps, Ana Andreatta, Blota Filho, Eric Lenate, Fernanda Couto, Fernanda Thurann, Gustavo Trestini, Lucas Romano, Marcelo Villas Boas, Marcia Oliveira, Mel Lisboa, Munir Pedrosa, Otto Jr., Rodrigo Caetano, Rosana Penna, Thiago Furlan.
Música: Fernanda Maia
Direção audiovisual: Laerte Késimos
Vídeos de divulgação: Murilo Alvesso
Assistente de direção: Lucas Romano
Produção executiva: Dani D’Agostino
Direção de produção: Ana Paula Abreu e Renata Blasi
Produção: Diálogo da Arte Produções Culturais
Realização: Sevenx Produções Artísticas e Brisa Filmes

Serviço:
"Dogville"
Dias 2 e 3 de novembro, segunda e terça-feira, às 19h
Facebook: https://www.facebook.com/dogvilleapeca
Youtube: http://www.youtube.com/c/DogvilleAPeça
Instagram do espetáculo: @dogville_a_peca

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.