sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

.: MPB-4 comemora 50 anos com um álbum de inéditas

Por Luiz Gomes Otero, em fevereiro de 2017.

Com quase um ano de atraso (imperdoável, por sinal), ouvi o disco do grupo vocal MPB-4, que completou 50 anos de carreira com um ousado álbum de canções inéditas. Ousado, pelo fato de ser de canções que fogem do padrão que se vê e ouve por aí. É música de qualidade, feita para ser apreciada sem pressa e com calma.

O grupo conta com Aquiles e Miltinho da formação original, e mais Dalmo Medeiros e Paulo Malaguti Pauleira. Ruy Faria saiu em 2004 e Antonio Waghabi, o Magro, faleceu em 2012. Se houve mudança na formação, não houve qualquer alteração no padrão de qualidade. Miltinho e Paulo Malaguti assumiram os arranjos vocais, que ficavam antes a cargo de Magro Waghabi. E fizeram a lição de casa com louvor, por sinal.


Há de se ressaltar a produção musical do experiente e competente Gilson Peranzetta, que já trabalhou com vários outros artistas, incluindo Ivan Lins. Impecável.

Escolhidas a dedo pelos integrantes, as canções confirmam a genialidade do grupo. Formam uma colcha de retalhos sonoros muito bem construídos. Navegam pelo samba de "Harmonia" (parceria de Miltinho com Sirlan e Paulo Cesar Pinheiro) e redescobrem a obra dos gaúchos Kleiton e Kledir Ramil (na maravilhosa composição A Ilha) e do mestre Guinga (a irreverente "Brasileia", composta em parceria com Thiago Amud).


O samba envolvente de João Bosco e Francisco Bosco, chamado "Desossado", traz na memória do ouvinte as lembranças dos grandes momentos do grupo dos anos 70. O mesmo vale para a igualmente ótima "Valsa do Baque Virado", de Mario Adnet e João Cavalcanti.

A composição de Dalmo Medeiros e Cacau Castro, "A Pipa e o Tempo", é de uma delicadeza ímpar. E nos vocais do MPB4, rende ainda mais, com certeza. A composição de Paulo Malaguti Pauleira, "A Voz na Distância", encerra a audição de forma brilhante. Foi dos versos dela que tiraram o título do disco, com muita justiça.


O CD "O Sonho, a Vida, a Roda Viva" pode ser adquirido em qualquer unidade do Sesc. Em Santos, eu comprei-o por R$ 20. Creio que vale a pena adquiri-lo e ouvir o que o MPB-4 tem para cantar. Hoje e sempre.





"A Ilha"


"Vira Virou" 

"A Lua"


Sobre o autor
Luiz Gomes Otero é jornalista formado em 1987 pela UniSantos - Universidade Católica de Santos. Trabalhou no jornal A Tribuna de 1996 a 2011 e atualmente é assessor de imprensa e colaborador dos sites Juicy Santos, Lérias e Lixos e Resenhando.com. Criou a página "Musicalidades", que agrega os textos escritos por ele.



← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.