quinta-feira, 7 de setembro de 2017

.: Resenha de "It: A Coisa", longa de terror essencialmente perturbador

Por: Mary Ellen Farias dos Santos*
Em setembro de 2017



Sentir medo é próprio do ser humano, mas certos acontecimentos podem potencializá-lo ao extremo. Assim, em pleno 2017, fica certo como dois mais dois são quatro, que colocar jovenzinhos curiosos -no estilo do clássico "Os Goonies" (1985)- para estrelar um longa ambientado nos anos 80 pode ser uma boa saída, mas acrescentar a isso terror, comédia e drama é excelente. "It - A Coisa", reboot de um clássico de Stephen King apresenta essa receita com maestria em uma trama com ritmo eletrizante.

Muita calma! A nova produção tem semelhanças e respeita a de 1990 -"It - Uma obra-prima do medo", feita para televisão-, mas alcança um resultado de excelência. Toda a ambientação passa veracidade e agarra o público, seja com bicicletas, vestimentas, cortes de cabelos ou as referências aos sucessos dos anos 80. Que a verdade seja dita, caso ocorram gritinhos do público nos primeiros minutos de filme, toda a tensão do enredo faz qualquer engraçadinho manter-se em total silêncio até o fim das mais de 2 horas. Ninguém se atreve, de fato!

"It - A Coisa" bebe da fonte, mas a aperfeiçoa e a apresentação final convence. Afinal, quem nunca ouviu histórias de terror protagonizadas por farsantes, não é? Principalmente, as crianças dos anos 80 e 90. "Cuidado com a Kombi dos palhaços!!" Logo, por mais que se desconheça o enredo -que não é novo e é até lenda urbana-, há facilidade em se identificar com alguns dos personagens aventureiros que curtem as férias escolares. Não só pelo elemento principal, o palhaço -ser amado ou odiado-, mas por enfrentarem seus medos por conta e risco. E os sustos? São bons e surpreendem.

Qual é a história de "It - A Coisa"? Na cidade de Derry, no Maine, o número de desaparecimentos é alarmante, embora todos ali lidem com os fatos com naturalidade. Entretanto, num dia chuvoso, o irmão mais novo de Bill, George sai para brincar com um barquinho de papel e desaparece. Embora os pais dele, aceitem a morte do pequeno, o filho mais velho mantém o pensamento de que George está apenas sumido. Sendo assim, por que não procurá-lo durante as férias? 

Bill, junto aos amigos e aos novatos, Beverly, Ben e Mike -que ingressam posteriormente no Grupo dos Otários- tentam lidar com o valentão Henry -que lembra muito o ator Kevin Bacon, quando jovem-, mas esbarram em algo ainda pior e maior, ou seja, a materialização de seus medos: Pennywise, um palhaço assassino com histórico de violência que remonta há séculos. Inicialmente, assume diferentes formas, até dar um show medonho, alimentar-se das vítimas e fazer seus petiscos flutuarem. Eis que tudo isso tem endereço para acontecer: Numa casa abandonada, estilo semelhante ao da animação "A Casa Monstro". O que há lá? Um poço! Sim! Por mais que a história do palhaço seja bem mais antiga do que da garota "Seven Days", não há como deixar de embarcar no #SamaraFeelings, o qual até Annabelle, recentemente desfrutou. 

Contudo, até "It - A Coisa" chegar na luta entre os amigos e a personificação do mal, há um drama forte em algumas das relações pais e filhos, enquanto que em uma delas insinua exageros, noutra transparece o abuso exercido pela parte adulta. Por outro lado, todo esse tratamento confuso e complexo dos pais deixa marca nos filhos, o que é bem representado nas aparições sinistras de Pennywise. É bom destacar que o longa estabelece uma ligação mínima com "Strangers Things". Entretanto, a trama do filme é extremamente bem elaborada e trilha o próprio caminho, embora lembre a série da Netflix, ainda com Finn Wolfhard (Mike) no elenco.




Embora a trilha sonora seja de bom gosto. Tem até New Kids On The Block! Em uma cena de suspense, perto do fim, surge uma música instrumental de "Homem-Aranha", o primeiro com Tobey Maguire -particularmente, a tensão foi completamente quebrada-. Como ficar tenso diante de uma canção de super herói? Ainda mais dessa versão cinematográfica do Aranha que é tão marcante!

As mais de 2 horas de filme são perceptíveis, pois toda a agilidade e cenas perturbadoras amenizam, já perto do fim, assim, o ritmo acaba perdido até que o embate final, com o palhaço dançante, torna a mexer com os nervos. Desqualifica a produção? Nem um pouco! A atuação do elenco é harmoniosa e de qualidade, seja Bill Skarsgård, na pele de It, todos os integrantes do Grupo dos Otários ou os pais deles. Não há dúvida de que "It - A Coisa" é o tipo de filme para ver e rever. O que é melhor nisso? Esse grupo de pré-adolescentes promete uma grande sequência para 2018. Vamos aguardar para flutuar novamente!!


Filme: It: A Coisa (It, EUA)
Data de lançamento 7 de setembro de 2017
Duração: 2h 15min
Direção: Andy Muschietti
Elenco: Bill Skarsgård, Jaeden Lieberher, Finn Wolfhard mais
Gêneros: Terror, Drama, Suspense


* Mary Ellen é editora do site cultural www.resenhando.com, jornalista, professora e roteirista, além de criadora do www.photonovelas.com.br. Twitter: @maryellenfsm 





Sobre o Cine Roxy: Em oito décadas, o Roxy é caso raro de cinema que acompanhou a transformação da maneira de se exibir um filme: dos primeiros e grandes rolos de película ao sistema digital. A rica trajetória se deve à perseverança e o senso empreendedor da família Campos: de pai para filho, chegou ao atual diretor do Roxy, Antônio Campos Neto, o Toninho Campos. A modernização, aliada à tradição, transformou o Roxy no principal cinema do litoral paulista, fato que rendeu a Toninho o Prêmio ED 2013 na categoria Exibição -Destaque Profissional de Programação, considerado o principal do país nos segmentos de exibição e distribuição. E o convite para ser diretor cultural do Santos & Região Convention Visitors Bureau.


Trailer



← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.