terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

.: Crítica do espetáculo "Chopin ou o Tormento do Ideal"


Por Helder Moraes Miranda, em fevereiro de 2018.

"Chopin ou o Tormento do Ideal" é daquelas peças que você sabe que só vai assistir uma vez na vida e, por esse motivo, quer saborear até o fim. Um luxo ter Nathália Timberg, com aquela voz límpida (e linda), recitando um texto (traduzido por ela própria) como se estivesse sussurando em seu ouvido. 

Ela é Chopin e, também, outros alguéns que falam sobre o próprio compositor em um cenário que projeta imagens que não param de se modificar e de refletir belas ilustrações em movimento, um movimento que nunca cessa durante 70 minutos de espetáculo. Como a voz de Nathalia Timberg e o piano de Clara Sverner. Ambas, cada uma à sua maneira, são as protagonistas do espetáculo.

Nathália impressiona pela memória. Como decorar todas aquelas falas e ainda continuar com a voz inabalada? Clara, pela musicalidade ao toque de seus dedilhados. Ela não se cansa de tocar. Sabe-se que ambas são extremamente talentosas, mas vê-las pessoalmente no exercício de suas funções é mágico. O que mais causa impacto é que, em diferentes áreas, elas impressionam pela música que emanam no palco, em uma peça sobre... música, guiadas pelo hábil diretor José Possi Neto. 

A montagem original estreou nos primeiros meses de 1987, no Théâtre de la Gaîté-Montparnasse, em Paris. O pianista Erik Berchot, vencedor do prêmio Frédéric Chopin de Varsóvia (1980), uniu seu talento ao do ator e autor Philippe Etesse para compor o espetáculo, que mistura lembranças da vida de Chopin, cartas de George Sand, declarações e poemas de Musset, Liszt, Baudelaire, Gérard de Nerval e Saint-Pol-Roux, dando um panorama sobre a vida e a obra de Chopin. Seria ele um gênio ou essa genialidade era justamente o que lhe atormentava?

"Chopin ou o Tormento do Ideal" é, no mínimo, uma oportunidade de ver, juntas e no mesmo palco, a maior estrela viva da teledramaturgia e do teatro, e a maior pianista brasileira. E, de quebra, conhecer detalhes sobre a vida e obra desse grande compositor. Daqueles espetáculos em que você sai melhor do que entrou depois de tanta imersão de cultura, talento e musicalidade

Concerto da palavra
Para a pianista Clara Sverner, indicada em 2011 ao Grammy Latino pelo disco "Chopin por Clara Sverner" na categoria de melhor álbum de música clássica, "Chopin Ou o Tormento do Ideal" é, na verdade, um recital camerístico, de força e delicadeza que reúne teatro e música. “Tecemos no palco, entre textos e música uma união de rara sensibilidade", conta ela.

“Trata-se de um concerto da palavra”, define Nathalia, que volta a experimentar o prazer de unir teatro e música clássica – no ano passado, ela encenou "33 Variações", peça do venezuelano Moisés Kaufman, com direção de Wolf Maya, que gira em torno das 33 variações criadas por Beethoven, no século 19, para a valsa do compositor austríaco Anton Diabelli.

“Se lá o enredo traçava o paralelo entre a história de uma musicóloga que luta contra a esclerose e o genial autor que enfrenta a surdez, aqui são iluminados 20 anos da vida e obra de Chopin a partir de cartas e declarações de seu grande amor”, conta Nathalia que, pela primeira vez em sua carreira, interpreta um personagem masculino.

Ficha técnica:
Concepção Original – Philippe Etesse. Tradução – Nathalia Timberg. Direção e Adaptação – José Possi Neto. Elenco – Nathalia Timberg. Piano ao Vivo – Clara Sverner. Assistente de Direção – Renato Forner.  Cenografia – Chris Aizner. Desenho de Luz – Wagner Freire. Figurinos – Miko Hashimoto. Videografismo e Projeções – Alexandre Gonzales. Direção de Produção – Danielle Cabral e Ricardo Grasson. Produção Executiva – Jessica Rodrigues e Victória Martinez. Coordenação de Projetos – Contorno Produções e DCARTE. Realização –  DCARTE e Gelatina Cultural. Assistente de Figurinos – Ana Key Kapaz. Projeto Gráfico – Lucas Sancho. Iluminador – Marcel Rodrigues. Administração e Contratos – EXEDRA Consultoria.


Até 18 de fevereiro- Sexta-feira às 21h. Sábados e domingo às 19h.
Ingressos: R$ 80 plateia / R$ 50 balcão/frisas.
Classificação: 14 anos.
Duração: 70 minutos.
Gênero: espetáculo teatral.

Teatro Porto Seguro
Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos – São Paulo
Telefone: (11) 3226-7300
Bilheteria: de terça a sábado, das 13h às 21h e domingos, das 12h às 19h.
Capacidade: 496 lugares
Formas de pagamento: todos os cartões de crédito e débito (exceto Cabal, Sorocred e Goodcard)
Acessibilidade: dez lugares para cadeirantes e cinco cadeiras para obesos.
Estacionamento no local: Estapar R$ 20,00 (self parking) - Clientes Porto Seguro têm 50% de desconto.
Serviço de vans: Transporte Gratuito Estação Luz – Teatro Porto Seguro – Estação Luz. O Teatro Porto Seguro oferece vans gratuitas da Estação Luz até as dependências do Teatro. Como pegar: na Estação Luz, na saída Rua José Paulino/Praça da Luz/Pinacoteca, vans personalizadas passam em frente ao local indicado para pegar os espectadores. Para mais informações, contate a equipe do Teatro Porto Seguro. Bicicletário – grátis
Gemma Restaurante: terças a sextas-feiras das 11h às 17h; sábados das 11h às 18h e domingos das 11h às 16h. Happy hour quartas, quintas e sextas-feiras das 17h às 21h.


*Helder Moraes Miranda escreve desde os seis anos e publicou um livro de poemas, "Fuga", aos 17. É bacharel em jornalismo e licenciado em Letras pela UniSantos - Universidade Católica de Santos, pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura, pela USP - Universidade de São Paulo, e graduando em Pedagogia, pela Univesp - Universidade Virtual do Estado de São Paulo. Participou de várias antologias nacionais e internacionais, escreve contos, poemas e romances ainda não publicados. É editor do portal de cultura e entretenimento Resenhando.


Compartilhar no WhatsApp
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.