domingo, 29 de abril de 2018

.: #DOM02 - “De Xuxa à Kardashian, todas foram subcelebridades um dia”


Por Helder Moraes Miranda, em abril de 2018.

Cacau Oliver é um assessor de imprensa cobiçado por quem sonha em ficar famoso. Criador do concurso "Miss Bumbum", mundialmente conhecido, já produziu 116 capas de revistas e colocou nos holofotes mulheres despudoradas e polêmicas. A mais célebre delas foi a vice do concurso, Andressa Urach, antes de se converter evangélica.

O jornalista será a estrela do reality show “O Criador de Celebridades", no Canal E! Entertainment. Antes da estreia, o Brasil conheceu os bastidores das notícias que já renderam milhões de cliques. Como essas notícias foram feitas? O que está por trás?  

Para responder essas e outras questões, ele lançou, na última terça, na Livraria da Vila, em São Paulo, o livro "Make Celebrities", que conta a história de pessoas comuns que fizeram de tudo e foram ao extremo para atingir o estrelato. “A fama é uma droga. Cada notícia equivale a uma dose”, conta Cacau Oliver. “É perigoso quando as pessoas não sabem os limites”...

***


Gente que faz
O trabalhador brasileiro merece ser capa de revista, ter seu retrato ligado ao orgulho de sua profissão, seja como trabalhador rural ou engravatado da Avenida Paulista. É esse o conceito da exposição “Lá & Cá”, do reconhecido fotógrafo Paulo Fridman, em cartaz no Sesc Parque Dom Pedro II, no Brás, em São Paulo.

São 108 fotografias impressas, todas na vertical, identificando o trabalhador ao seu oficio, expondo o meio de ganhar a vida e a realidade em todo o país. “O resultado de um ensaio fotográfico sobre os trabalhadores brasileiros começou nas viagens pelo Brasil, observando como o trabalho dava felicidade ao cidadão. De 2014 a 2018, destaquei personagens como se fosse uma capa de revista”, explica Fridman, paulistano, nascido em 1955, com fotos publicadas internacionalmente em mais de 500 capas como a “Time”, “The New York Times Magazine”, “Newsweek” e “Forbes”.



***


"Dia do Talento"
O maestro João Carlos Martins acaba de criar o "Dia do Talento", que terá sua primeira comemoração no dia 1º de maio, às 18h, na Vila Madelena. A experiência musical terá música de Tim Maia interpretada de uma forma bem diferente, com a junção de vários estilos sonoros: do funk/soul ao erudito. 

O tenor Jean William cantará acompanhado pelo maestro ao piano. Também haverá apresentações da 
cantora Claudia Noemi, do Madrigal da Emesp e da banda de funk/groove Big Pacha
Tudo 
na rua onde o maestro criou o projeto "Concerto na Garagem", a
 Medeiros de Albuquerque, que fica no Parque da Vila Madalena, em torno do Beco do Batman, onde foi criado um polo de economia criativa  e 
regulamente existem shows de jazz e música clássica. 
O evento é gratuito.

***

Crédito: Denise Cruz

Raul Seixas para crianças
No feriado do dia 1º de maio, o Sesc Ipiranga recebe o grupo Rauzitos, às 18h. A banda vem impressionando diferentes gerações com seu show voltado ao público infantil em homenagem ao Raul Seixas. O trio formado por Daniel Xingu (violão voz), Marcelo Dworecki (baixo e vocais) e Ângelo Kanaan (bateria e efeitos) explora o universo cheio de referências míticas e metafóricas criado pelo rei do rock brasileiro. 

Para montar o repertório, a banda reuniu as canções preferidas das crianças. Clássicos como "Eu Nasci Há 10 Mil Anos Atrás", "Mosca na Sopa" e "Maluco Beleza" são alguns dos sucessos presentes no show. O figurino adotado pela banda faz referência aos personagens Durango Kid, Sábio Chinês e Carimbador Maluco, que integram algumas das canções de Raulzito. A banda, criada em janeiro do ano passado, já fez mais de 30 apresentações reunindo cerca de 10 mil pessoas. Grátis para crianças até 12 anos. Ingresso: R$ 17 (inteira) | R$ 8,50 (meia) | R$ 5 (credencial plena).

***

*Crédito/Fotos: Divulgação/RedeTV!
“Pensei em morrer muitas vezes”, diz padre Fábio de Melo
Diagnosticado com síndrome do pânico em 2017, o padre Fábio de Melo classificou a síndrome do pânico como o momento mais difícil de sua história. “Eu pensei em morrer muitas vezes, em deixar de fazer tudo que faço, em acabar com tudo o que eu tinha iniciado. É impressionante como o pânico retira o chão da gente”

Ainda sobre o tema, o sacerdote faz um alerta em relação à importância da medicação e do acompanhamento terapêutico para doenças psicológicas e compartilha: “Quando comecei a sentir os primeiros medos, eu não soube identificá-los. Achei que era cansaço, desgaste natural do dia a dia e fico muito assustado que nos dias de hoje a gente tenha se acostumado com algumas patologias mentais que são produzidas por nós mesmos, pelo nosso estilo de vida. A gente não sabe o momento de pedir ajuda”


Após decidir falar abertamente sobre a síndrome, ele associa problemas psicológicos à patologias físicas e fala da oração como um meio de auxílio. “É impressionante como as doenças físicas têm uma ligação com esse desassossego espirutal, emocional. Toda vez que começamos a ficar infelizes e não damos uma atenção àquilo, é natural que daqui a um tempo tenhamos doenças físicas que são justamente o que entornou daquilo que não cuidamos emocionalmente”, explica. O bate-papo foi ao ar no programa "Mariana Godoy Entrevista", na última sexta-feira, na RedeTV!.


***


"Baseado em Fatos"
É um documentário da Vice Brasil em parceria com a Bem Bolado. Conversas em São Paulo e Rio de Janeiro com ativistas, empresários, traficantes, growers legais e ilegais sobre os recentes avanços e as perspectivas de futuro do uso da cannabis medicinal e social no Brasil. Disponível no YouTube.

***

Maconha com Willie Nelson
O cantor Jack Johnson acaba de divulgar uma faixa um tanto inusitada. “Willie Got Me Stoned” conta sobre fumar maconha com a lenda do country Willie Nelson, jogar poker e perder tudo e ter que voltar para casa andando. “Esta canção é sobre uma noite após tocarmos uma vez num festival na cidade de Englewood, nos EUA. Estávamos curtindo com Willie Nelson e foi uma grande honra, nós voltamos para sua casa e esta é uma história verdadeira sobre aquela noite”, declarou Jack.  O sétimo álbum de estúdio do cantor, “All the Light Above It Too”, de setembro de 2017, está disponível em todas as plataformas digitais.

***

Plantas & noir
A Livraria da Vila recebe o lançamento do livro "Minhas Plantas: Jardinagem Para Todos (Até Quem Mata Cactos)", de Carol Costa. O evento acontece no dia 2 de maio, quarta-feira, das 19h às 21h30, na loja da Fradique e conta com um bate-papo com a autora. Carol Costa é jornalista especializada em jardinagem e paisagista formada pelo Instituto Brasileiro de Paisagismo. com colunas na BandNews FM e na revista Natureza. 

Na quinta, dia 3 de maio, às 18h30, na loja de Higienópolis, é a vez de Edgar Telles Ribeiro lançar o livro "Uma Mulher Transparente" (editora Todavia). O livro conta a história de um jovem repórter que vive nos anos 1960 e vê seu chefe com uma arma escondida na cintura. Antes mesmo de entender a cena, vê também o corpo de uma mulher estirado na calçada. O episódio continua a assombrá-lo mesmo após duas décadas de ditadura e a morte do chefe acende novamente o mistério sobre o fato de ter ocultado a arma. 


***




Recebidos

Os livros “Onde está a banda The Beatles?”, que coloca os meninos de Liverpool escondidos no meio de uma multidão em locais como o Cavern Club, bar londrino em que grupo tocou pela primeira vez em 1961, e “Onde está o Elvis?”, que esconde o rei do rock em Graceland, sua mansão, que hoje é alvo da visitação de milhares de pessoas de todo o mundo. Para os adultos, a coleção é uma forma de relembrar a infância, e para os jovens leitores, um modo de promover o contato com os livros, com a cultura musical, além de estimular a concentração. Ambos da editora Ciranda Cultural. 

A edição bilíngue de "O Médico e o Monstro" ("The Strange Case of. Dr. Jekyl and Mr. Hide"), de Robert Louis Stevenson. Lançamento da Editora do Brasil, com adaptação de Telma Guimarães e ilustrações de Pablo De Bella. Um clássico que merece ser lido. Crítica de ambos em breve.

Sobre o colunista:

*Helder Moraes Miranda escreve desde os seis anos e publicou um livro de poemas, "Fuga", aos 17. É bacharel em jornalismo e licenciado em Letras pela UniSantos - Universidade Católica de Santos, pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura, pela USP - Universidade de São Paulo, e graduando em Pedagogia, pela Univesp - Universidade Virtual do Estado de São Paulo. Participou de várias antologias nacionais e internacionais, escreve contos, poemas e romances ainda não publicados. É editor do portal de cultura e entretenimento Resenhando.

Compartilhar no WhatsApp
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

Um comentário:

  1. O que aconteceu com o Padre Fábio foi muito sério. Quantas pessoas sofrem igual e nem sabem o que aconteceu?

    ResponderExcluir

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.