domingo, 29 de julho de 2018

.: #DOM15: Kaique Theodoro, o 1º cantor transexual masculino a se apresentar em boates, desabafa


Por Helder Moraes Miranda, em julho de 2018.

Em 2017, o Brasil viu despontar nomes importantes e impactantes no cenário musical nacional. Pabllo Vittar, uma drag queen, tornou-se um dos maiores fenômenos pop da atualidade. Testemunhou o surgimento de uma cantora trans, Liniker, na cena da MPB e uma travesti, Mulher Pepita, fazer barulho na cena do funk. Também viu um homem transexual ganhar a cena como o primeiro cantor trans, aumentando ainda mais a representatividade da diversidade no país. Seu nome: Kaique Theodoro.

Kaique de Oliveira Theodoro é músico, ator e modelo nas horas vagas. Com 24 anos, ele já carrega grandes experiências. Transexual, ele não se intimida e é o primeiro homem transexual a se apresentar musicalmente pelas noites cariocas. Kaique se apresentou na festa de encerramento da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, tomando conta de um palco com milhares de pessoas que ouviram pela primeira vez os singles "Experimenta" e "Dom", distribuídos em todas as plataformas digitais. 

Theodoro tem como maior referência na cena pop a cantora Pabllo Vittar, que conheceu na gravação de uma edição do programa "Amor e Sexo" sobre identidade de gênero. Posteriormente, ele fotografou a diva para a capa de uma publicação LGBT.  "Ela é, sem sombra de dúvida, a minha maior inspiração".  

Já com as suas músicas hoje em dia o artista tenta levar alegria. Vê a música como algo muito além de entretenimento, a música tem o poder de transformar pessoas. "Poder cantar para gente que nunca nem ouviu falar de corpos transmasculinos é incrível, pois isso é mostrar pra toda uma sociedade que nós somos capazes de ocupar os palcos também, de que nós existimos"

Recentemente o cantor Nego do Borel, lançou seu novo clipe "Me Larga" vestido de mulher e beijando um homem. Para Kaique Theodoro, o clipe é tão violento quanto a homofobia e transfobia em si, além do personagem ser carregado por uma misoginia nada pouco velada. “Não precisa nem entrar na relação do apoio dele a políticos que se declaram extremamente preconceituosos, em resumo, foi uma chacota. A vida de pessoas LGBTI+ não é uma piada. Uma coisa é você, como artista, dar de fato visibilidade a pessoas LGBTI+ colocando-as como protagonistas de si mesmas. Outra coisa é se apropriar disso para tentar se promover ridicularizando essas mesmas pessoas", afirma o cantor. 

Quando o assunto é falar sobre a comunidade LGBTI+, o cantor diz que é muito complicado quando você vive uma vida inteira a base de lutas pelos seus direitos e de repente aparece alguém que se sente no poder de usar isso praticamente contra você. 

Kaique diz não ser apenas sobre Nego do Borel, mas diversos artistas já vêm fazendo isso de uma maneira muito sínica, constroem toda uma carreira a base do público LGBT+ e disparam seus preconceitos em redes sociais e afins. "Infelizmente nós temos a péssima mania de endeusar artista e nos esquecemos das nossas próprias histórias, sabe? Tem que saber separar as coisas e nunca deixar de falar e expor esses fatos, só assim os artistas e formadores de opinião vão perceber seus erros e só assim teremos visibilidade de verdade. No fim, é nós por nós", conclui o cantor. 

O artista tem a consciência e sabe a importância que é ser um representante trans na cena musical. "Eu quero mostrar que os trans existem, resistem e fazem arte", finaliza.

"Dom", de Kaique Theodoro

***


“Eu acho a maior safadeza", diz Jojo Todynho sobre o pink money
Em entrevista para o "MTV News" – transmitido ao longo da programação da MTV e também uma versão estendida (e mais detalhada), com exclusividade,  no MTV Play –  Jojo Maronttinni, a Todynho, falou sobre o novo single, "Arrasou Viado" – escrito por Anitta e DJ Batata – e deu declarações sobre a polêmica do pink money.

Além de revelar mais detalhes sobre a gravação do clipe, Jojo também explica como foi convidar celebridades e talentos da comunidade LGBTQ+ para fazer parte do projeto e sobre sua relação com o movimento: “Era o meu momento de ajudar com mais afinco a causa LGBT”, disparou.

Quando questionada sobre a polêmica do pink money, a cantora não mediu palavras para criticar quem se aproveita da causa para alcançar o sucesso. “Eu acho a maior safadeza, é querer se aproveitar de algo que vai muito além. O que mais me revolta é que ninguém faz nada pra abraçar a causa. Todo mundo quer ganhar ‘pink money’, amor. Aprendi essa semana”, declara Jojo.

***



“Sou única”, diz Sophia Loren a Amaury Jr.
Amaury Jr. entrevistou Sophia Loren, um dos ícones do cinema mundial. Aos 83 anos, a atriz italiana falou sobre estar na terceira idade, o casamento com Carlo Ponti, único marido, e até sobre a Barbie inspirada nela: "não gostei", disse ao ver a imagem da boneca. 

Ainda, ao ser questionada se existiria alguma atriz que poderia ser a nova Sophia Loren, a musa respondeu: “Não sei, sou única”. Sophia finaliza a conversa dizendo aos fãs brasileiros, com todo seu charme e elegância, que pretende voltar ao Brasil para “ouvir lindas músicas e dançar”

O programa foi todo focado na Itália. Amaury Jr. fez um passeio pelo país a bordo de um transatlântico e passou por diversas comunas italianas, entre elas Genova e Nápoles. O programa dele vai ao ar todo sábado, às 23h30, na tela da Band.

***




Ricardo Vilas lança ábum "Canto de Liberdade"
Gravado no Rio de Janeiro entre março de 2017 e maio de 2018, o 27º álbum da carreira traz 14 músicas no repertório; por um lado, seis canções de protesto, de resistência e de amor que se fizeram ouvir, mesmo durante os anos de chumbo da repressão e da censura da ditadura militar, e que cantam ainda hoje a liberdade.

Aquele tempo, de repressão e de censura, foi também um momento rico em canções significativas, que até hoje se configuram como clássicos da Música Popular Brasileira. Ricardo Vilas, celebrando 50 anos de carreira musical, regrava alguns clássicos da MPB, selecionando entre os mais marcantes.

Por outro lado, completam o repertório oito composições autorais de Ricardo Vilas, duas regravações e seis inéditas. Entre as inéditas, surgem quatro novas parcerias: Marquinhos de Oswaldo Cruz, Paulo Sergio Valle, o poeta angolano Filipe Zau, e a parceria póstuma com Mario Lago.

"Minha carreira musical começou há... 50 anos. O Brasil vivia uma ditadura militar, com tudo o que vem junto: repressão, censura, torturas, prisões, ódio... e aqueles governantes, ilegítimos, antidemocráticos, truculentos. A luta foi dura, nós resistentes sofremos muitos revezes, muitas derrotas, mas finalmente a ditadura caiu, e nosso país pôde começar a construir um regime democrático, que incluísse e distribuísse riquezas", explica.

"Hoje nossa democracia sofre; vivemos em nosso país um momento de exceção, nada bonito ou favorável, triste, de desesperança. Um 'Canto De Liberdade' me parece hoje necessário, como o foi durante a ditadura militar, há 50 anos, quando iniciei minha trajetória musical”, explica.

***


Rachel Barton Pine pela primeira vez no palco do Theatro Municipal
Com o maestro titular Roberto Minczuk à frente da Orquestra Sinfônica Municipal, a violinista conhecida por sua excelência na música erudita faz duas apresentações em São Paulo em  agosto, no Theatro Municipal de São Paulo. Os concertos acontecem nos dias 3, às 20h e 4, às 16h30, com a Orquestra Sinfônica Municipal. No programa, estão a abertura de “As Bodas de Fígaro”, de  Wolfgang Amadeus Mozart, “Serenata para Violino e Orquestra”, de Leonard Bernstein e, após o intervalo, “Sinfonia nº 10 em Mi Menor op. 93”, de Dmitri Shostakovich.

Neste ano, em que Leonard Bernstein completaria seu centésimo aniversário, a violinista norte-americana Rachel Barton Pine se une à OSM para a execução da “Serenata para violino e orquestra”, composta por Bernstein em 1954. Esta é uma das obras consideradas mais líricas do músico norte-americano, inspirada por “O Banquete”, diálogo de Platão constituído por discursos sobre a natureza e o propósito do amor, na figura de Eros.

Barton Pine, que começou sua carreira aos dez anos de idade na Chicago Symphony, é uma das maiores violinistas desta geração. Minczuk, que já se apresentou com a musicista em várias partes do mundo, revela que esta será a estreia dela no Theatro Municipal de São Paulo. “Ela já se apresentou comigo nos Estados Unidos, no Canadá, na Europa, na Nova Zelândia e no Brasil - no Rio de Janeiro e na Sala São Paulo com a OSB - mas agora, será a primeira vez dela no nosso Municipal”, diz.

Antes da homenagem à Bernstein, será executada a abertura de “As Bodas de Fígaro”, da obra-prima de Mozart. E, para encerrar o concerto,  a  “Sinfonia nº 10 em mi menor op. 93”, composta por Shostakovich. “O músico foi perseguido abertamente por Stalin, e esta sinfonia, apresentada pela primeira vez, meses depois da morte do ditador russo, descreve esse drama, essa relação de medo, como era para Shostakovich viver essa situação ameaçadora”, explica Minczuk. Os ingressos para os concertos variam de R$ 12 a R$ 40 e podem ser adquiridos pelo site www.eventim.com.br  ou na bilheteria do Theatro Municipal de São Paulo.

***


Gringo cria perfil de Sugar Daddy com fotos de Marcelo Rezende
No dia a dia na internet é difícil perceber, mas existem muitos perfis falsos pelo mundo nas redes sociais e nem mesmo os mortos escapam da criação dessas contas.

Um perfil falso no Instagram com fotos do jornalista e apresentador Marcelo Rezende, morto em setembro do ano passado, foram usadas em nome de Don_richie e don_richie_classic, supostamente um sugar daddy — homens mais velhos e bem-sucedidos que bancam o estilo de vida de jovens mulheres.

Em um destes perfis, Marcelo Rezende aparece ao lado de um carro de luxo com a seguinte legenda: “With my German machine love riding #Canada #Colegelife #sugardaddy”, diz o falso perfil na legenda. 

“Este foi um jornalista brasileiro, que morreu de câncer no início deste ano. Por favor respeite sua família”, comentou um fã. “Isso dá um processo. Se passar por gente morta ainda por cima. Falta de noção”, falou outro. Após denúncias dos fãs uma das contas foi removida, porém, o perfil em nome de don_richie_classic permanece ativa com fotos de Marcelo Rezende.

Tudo indica que se trata de um sugar daddy do Canadá querendo ostentar com fotos do jornalista morto. Os sites de sugar daddies são comuns nos Estados Unidos, Canadá e Europa, porém, no Brasil o Universo Sugar é um dos sites que ganhou mercado com este estilo de relacionamento. 

***
Projeto criado por um dos arquitetos mais incensados do país inspira pela inovação tornando-se um marco na
história da arquitetura comercial brasileira. Foto: Marco Antonio.
Containers empilhados criam clima artsy no showroom em São Paulo 
Seis containers de transporte marítimo e uma estrutura metálica. Elementos chave para a criação do projeto low tech desenvolvido por um dos arquitetos mais incensados do país, Marcio Kogan, para o showroom da Decameron, na Gabriel Monteiro da Silva, em São Paulo, que acaba de completar oito anos.

A escolha dos materiais foi fundamental para viabilizar uma construção rápida e econômica. Feitos em aço e revestidos internamente em MDF, os containers (sendo quatro de 12m x 3m x 3m e dois de 3m x 3m x 3m), foram alinhadas e empilhadas para a constituição do pavimento superior. Soldados um ao outro formam um grande túnel com a porta de entrada original dos containers

Por meio de uma abertura ligada a um grande galpão de forma quadrada, com pé direito duplo, que acomoda os produtos numa configuração original. Com aproximadamente 8m x 8m, sua parede foi revestida com massa de obra desempenada de cor cinza natural e o piso, cimentado. No fundo, há ainda uma edícula com o escritório da loja e um imenso e convidativo jardim.

***


Colóquio Brasil - Estudos Sobre Cultura, Comunicação e Território
O Celacc organizou em 20 de outubro de 2017 o "Colóquio Brasil - Colômbia de Metodologias Participativas em Estudos sobre Cultura, Comunicação e Território".

Este evento foi construído durante a estada em Bogotá da equipe do projeto de pesquisa “Movimentos Sociais, Cultura, Comunicação e Território na América Latina” financiado pela FAPESP em junho e julho de 2017.

Com este evento e esta edição especial da Extraprensa, o Celacc reafirma o compromisso com o seu lema, criado pela sua fundadora, professora Maria Nazareth Ferreira: "América Latina, conhecer para transformar". Link da revista: www.revistas.usp.br/extraprensa.

***


Exposição “Orixás - Sincretismo do Nosso Brasil” na Estação Cultura
A Estação Cultura, espaço expositivo da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo localizado na sede do órgão (Rua Mauá, 51 – Luz), inaugura no 30 de julho, segunda-feira, às 20h00, a exposição “Orixás - Sincretismo do Nosso Brasil”. 

A mostra traz 16 esculturas do artista plástico Miguel Angelo, e fica em cartaz até o dia 31 de agosto. A entrada é gratuita. De origem iorubá, o termo ‘orixás’ significa divindades. E essas divindades são representadas de forma lúdica nas criações do artista. 

“Meu objetivo com essa mostra é a preservação e difusão da arte, história e memória cultural brasileira, tendo como referência a presença dos Orixás e o sincretismo no Brasil”, explica Miguel Angelo, que é fluminense de nascimento. De 30 de julho a 31 de agosto, de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h. Gratuito.

***


Selfies motivam brasileiro a cuidar mais da saúde bucal
O brasileiro é um dos povos que mais preza pela saúde bucal, segundo levantamento realizado em 23 países pela empresa alemã Gfk, uma das maiores em pesquisas de mercado no mundo. A rotina regular de cuidados com a boca é adotada por 68% da população, sendo que as mulheres se preocupam mais que os homens - são 73% contra 62%, respectivamente. A disseminação de um estilo de vida mais saudável e a influência do universo digital são os principais incentivos para a ida ao dentista com maior frequência.

Ficou no passado as consultas com valor exorbitante, o temido momento de sentar na cadeira do dentista ou as poucas fotos da família com rostos sisudos. Em tempos de selfies e fotos compartilhadas, os consultórios passaram a ser menos intimidadores e mais movimentados. “A estética tem se tornado cada vez mais evidente com a popularização das redes sociais, que faz com que muitos procurem por tratamento odontológico com o objetivo de conquistar dentes mais bonitos ou iguais aos das celebridades. As pessoas estão mais preocupadas em causar boa impressão tanto no trabalho quanto em um encontro com os amigos, um novo relacionamento ou simplesmente para guardar boas recordações estampando sorrisos largos e brancos”, avalia Fernando Rocha, fundador da Odontocot.

A mudança de hábitos e preocupação com a saúde em geral tem feito o brasileiro substituir produtos industrializados, com excesso de açúcares, gorduras e corantes, por alimentos ricos em nutrientes e minerais, como vegetais, frutas e proteínas magras. “A maçã, por exemplo, que é uma das frutas mais consumidas no Brasil, ajuda a limpar os dentes e remover microrganismos provenientes da placa bacteriana”, explica o especialista. Ele lista, ainda, cenoura, castanhas, cereais, frango e pepino, cujo consumo está popularizado e também têm função de proteção.


***


*Helder Moraes Miranda escreve desde os seis anos e publicou um livro de poemas, "Fuga", aos 17. É bacharel em jornalismo e licenciado em Letras pela UniSantos - Universidade Católica de Santos, pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura, pela USP - Universidade de São Paulo, e graduando em Pedagogia, pela Univesp - Universidade Virtual do Estado de São Paulo. Participou de várias antologias nacionais e internacionais, escreve contos, poemas e romances ainda não publicados. É editor do portal de cultura e entretenimento Resenhando.


Compartilhar no WhatsApp
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.