quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

.: Crítica: "Uma Pergunta por Dia - 365 Perguntas - 5 Anos - 1.825 Respostas"


Por Helder Moraes Miranda, em janeiro de 2019.

Outro dia, transitando pelos canais abertos de televisão, assisti a uma cena em que uma participante eliminada de um reality-show de confinamento disse que participar do programa era um exercício de autoconhecimento. Isso ficou na minha cabeça por vários dias, quando chegou em minhas mãos o livro "Uma Pergunta Por Dia - 365 Perguntas - 5 Anos - 1.825 Respostas - Diário Para 5 Anos". 

Lançado pela editora Intrínseca, "Uma Pergunta por Dia" propõe uma reflexão rumo ao autoconhecimento. Se o leitor da obra tiver disciplina e estiver disposto a se conhecer de verdade, com certeza terá um panorama dos últimos cinco anos, o que torna tudo uma mistura de encantador e aterrorizante ao mesmo tempo.

Em formato de diário em tamanho de bolso, o livro em capa dura e com ares de vintage é lindo e propõe perguntas daquelas que levam à mais pura reflexão - como "Qual é a sua missão?", em primeiro de janeiro, ou "As pessoas podem mudar?", no dia seguinte - até os assuntos mais corriqueiros, como "Hoje foi um dia de timidez ou extroversão?", em 31 de julho, ou "Liste o que você comeu na última semana.", em 30 de dezembro.

A mágica do livro, uma espécie de cápsula do tempo personalizada que pode ser uma amostra de quem você foi para as próximas gerações em um recorte de cinco anos, é justamente saber que nenhuma pergunta é tão inocente. O simples fato de listar o que você comeu em determinada semana irá fazer com que você perceba se está se alimentando direito, ou não. Outras perguntas, como por exemplo "o que incomodou mais você durante este dia?" também levam com que o leitor acesse áreas que talvez não esteja habituado a se relacionar, por medo ou pura distração.

"Uma Pergunta por Dia" deveria ser obrigatório para todos, porque propõe uma viagem guiada ao autoconhecimento e faz com que as pessoas que realmente estiverem abertas a aceitar o desafio saiam melhores e mais empáticas - consigo mesmas e com os outros - após essa jornada linda de autodescoberta. Um lançamento necessário em tempos de intolerância e do desaprendizado em ouvir o outro mas, sobretudo, de ciclos de recomeços.    



*Helder Moraes Miranda escreve desde os seis anos e publicou um livro de poemas, "Fuga", aos 17. É bacharel em jornalismo e licenciado em Letras pela UniSantos - Universidade Católica de Santos, pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura, pela USP - Universidade de São Paulo, e graduando em Pedagogia, pela Univesp - Universidade Virtual do Estado de São Paulo. Participou de várias antologias nacionais e internacionais, escreve contos, poemas e romances ainda não publicados. É editor do portal de cultura e entretenimento Resenhando.

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.