sexta-feira, 8 de maio de 2020

.: #ResenhaRápida: Fortuna, cantora mítica e revolucionária das artes


Por Helder Moraes Miranda e Mary Ellen Farias dos Santos, editores do Resenhando
Fotos: Gal Oppido 


Uma figura revolucionária, uma mulher à frente do seu tempo, mítica e revolucionária das artes. Ousamos dizer que tudo o que ela toca vira ouro. Esta é a cantora Fortuna, uma artista reconhecida na cena musical brasileira por se dedicar a investigar e resgatar sonoridades, melodias e tradições musicais judaicas. 

Por conta da pandemia de coronavírus, o show que marcaria o lançamento do novo álbum, que ocorreria no Auditório Ibirapuera no fim de março, não pôde ser realizado. Porém, os fãs e o público em geral a acompanham pela internet em diversas lives pelo Instagram da artista, que começou na década de 1980. Desde então, criou-se um legado repleto de misticismo e uma legião de fãs. Enquanto encenava as primeiras peças, compôs um repertório de canções em parceria com o poeta curitibano Paulo Leminski (1944 – 1989), figura marcante da literatura brasileira. 

Entretanto, o capítulo decisivo na carreira dessa afortunada e brilhante artista começaria a ser escrito a partir de uma viagem a Israel, em 1991. Foi neste país que a arte de Fortuna ganhou uma orientação inovadora: ao ouvir uma obra do cancioneiro ladino, percebeu ter encontrado a matéria-prima para uma proposta estética única, em que música, a dança e a dramaturgia convergem na recriação de um riquíssimo legado cultural. Hoje são oitos álbuns gravados de forma independente. 

Aclamada pelo público, premiada pela crítica, ela levou espetáculos para várias capitais brasileiras, além das turnês internacionais. Foi diretora artística do Festival "Todos os Cantos do Mundo", o que permitiu a descoberta de incontáveis artistas que não tocavam nas rádios e dificilmente se apresentariam em outros palcos no Brasil. Apresentadora há mais de uma década do programa "Todos os Cantos", garimpado preciosidades sonoras do planeta. Veiculado pela Rádio UOL, durante 12 anos, o programa foi um verdadeiro marco na história do rádio pela internet. Atualmente "Todos os Cantos" é transmitido pela Rádio Cultura FM, também está acessível online, em formato podcast. 

Como atriz, participou do musical "José e seu Manto Technicolor", de Andrew Lloyd Weber, dirigido pelo premiado Iacov Hilel. O sucesso do espetáculo, que é também voltado para crianças e adolescentes, despertou na artista o desejo de orientar seu foco para o público infantil. Fortuna é assim: pensa e realiza, canta e faz apaixonar. Nesta entrevista exclusiva, perguntamos tudo o que ninguém jamais teve a ousadia de perguntar a ela.


#ResenhaRápida com Fortuna:

Nome completo: Fortuna Safdié
Apelido: Fortu
Data de nascimento: 22 de outubro 1957
Qualidade: obstinação
Defeito: obstinação
Signo: libra
Ascendente: peixes
Uma mania: meditar
Religião: espiritualmente judaica 
Time: dos amigos verdadeiros 
Amor: pela música
Sexo: feminino
Mulher bonita: Patrícia Poeta
Homem bonito: Avishai Cohen, músico israelense
Família é: a base de tudo
Ídolo: Danilo Santos de Miranda (Diretor Regional do Sesc no Estado de São Paulo)
Inspiração: a natureza
Arte é: sobrevivência
Brasil: esperança
Fé: o que me conecta com deus
Deus é: o invisível sempre presente
Política é: um horror
Hobby: criar
Lugar: Jerusalém
O que não pode faltar na geladeira: queijo sem lactose
Prato predileto: sushi
Sobremesa: chocolate amargo
Fruta: manga e Lima da Pérsia
Cor favorita: vermelho
Medo de: dependência
Uma peça de teatro: “A Alma Imoral” - Adaptação de Clarice Niskier do livro homônimo de Nilton Bonder
Um show: “Tô Tatiando”, com Zélia Duncan
Um ator: Marcello Airoldi
Uma atriz: Vivianne Pasmanter
Um cantor: Leonard Cohen
Uma cantora: Loreena Mckennitt
Um escritor: Amos Oz
Uma escritora: Tatiana Belinky
Um filme: “Milagre na Cela 7”. Trailer neste link
Um livro: “O Tempo entre Costuras”, de María Dueñas
Uma música: “Imagine”, de John Lennon. Videoclipe neste link.
Um disco: “Beatles” com André Mehmari (MCD)
Um personagem: Mary Poppins
Uma novela: “Velho Chico”, de Benedito Ruy Barbosa
Uma série: “Nada Ortodoxa” (Netflix)
Um programa de TV: “Roda Viva” (TV Cultura)
Indique um site: https://sesc.digital/home
Indique um podcast: "Todos os Cantos"
Indique um Twitter: não uso
Indique um canal no YouTube: Ian Mecler, neste link.
Uma saudade: meu pai
Algo que me irrita: pobreza de espírito
Algo que me deixa feliz é: cantar
Não abro mão de: criar
Do que abro mão: brigar
Digo sim: à democracia
Digo não: à intolerância
Sonho: mais contato com a natureza
Futuro: mais harmonia
Morte é: passagem
Vida é: consciência
Uma palavra: agradecer
Ser cantora é: minha existência
Ser mulher hoje é: desafiador



← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.