quinta-feira, 16 de julho de 2020

.: #ResenhaRápida: Guilherme Schwab, um músico nos "Tempos dos Sonhos"


Por 
Helder Moraes Miranda e Mary Ellen Farias dos Santos, editores do Resenhando.

Cantor e multi-instrumentista, Guilherme Schwab ficou conhecido nacionalmente em 2014, quando se apresentou na TV Globo como integrante do Suricato. Em 2015, com a banda, tocou no Rock in Rio, fez ainda mais sucesso com a canção “Trem” nas rádios, conquistou um Grammy Latino de Melhor Álbum de Rock Brasileiro com “Sol-te” e emplacou canções em trilhas sonoras de novelas. A experiência o levou a acompanhar, como instrumentista, grandes nomes da cena musical brasileira e internacional em palcos, estúdios, programas de TV e trilhas sonoras. 

Agora, em carreira solo, lança o álbum "Tempo dos Sonhos". Com arranjos solares e refrões marcantes, o álbum evidencia mais uma vez o talento de Guilherme Schwab como autor e intérprete e demonstra a capacidade dele em traduzir sons para o universo pop. Dono de um estilo único, ele se apresenta com instrumentos de várias partes do mundo, como o weissenborn (violão havaiano) e o hang drum (percussão original da Suíça). Nesta entrevista exclusiva, ele responde a questões que até então nunca foram feitas para ele.

#ResenhaRápida Guilherme Schwab

Nome completo: Guilherme Schwab Ramos. 
Apelidos: Gui, Chu, Guiga, Chubs, Chuchu.
Data de nascimento: 3 de maio de 1983.
Altura: 1,76m.
Qualidade: persistente. 
Defeito: teimoso. 
Signo: touro. 
Ascendente: escorpião. 
Uma mania: só uma (risos)?
Religião: respeito.
Time: Fluminense. 
Amor: necessário. 
Sexo: muito bom. 
Mulher bonita: minha esposa, meu amor. 
Homem bonito: meu filho. 
Família é: TUDO. 
Ídolo: Ayrton Senna. 
Inspiração: música. 
Arte é: necessária, transformadora.
Brasil: complexo. 
Fé: tem poder de curar.
Deus é: mistério. 
Política é: deveria ser limpa. 
Hobby: cavalgar. 
Lugar: perto da família. 
O que não pode faltar na geladeira: um doce!!
Prato predileto: bife com batata frita. 
Sobremesa: chocolate. 
Fruta: manga. 
Bebida favorita: vinho. 
Cor favorita: azul. 
Medo de: não poder tocar. 
Uma peça de teatro: ano passado vi o musical 70. Década do Divino Maravilhoso e o nome traduz. 
Um show: Rolling Stones no Maracanã 1995, eu tinha 11 anos! Meu primeiro show grande. 
Um ator: Charlie Chaplin. 
Uma atriz: Fernanda Montenegro. 
Um cantor: Paul McCartney. 
Uma cantora: Janis Joplin.
Um escritor: Paulo Leminski. 
Uma escritora: Clarice Lispector.
Um filme:  "Apenas Uma Vez" ("Once"). Trailer neste link.
Um livro: "Vida", a autobiografia do Keith Richards. Compre neste link
Uma música: meu single "Hora e Lugar". Sou suspeito (risos). Ouça neste link
Um disco: "Exile on Main St." - The Rolling Stones. Ouça neste linkCompre neste link  
Um personagem: Wolverine. 
Uma novela: "Pantanal", de Benedito Ruy Barbosa. Foi incrível, era criança e via todo dia. 
Uma série: "La Casa de Papel". 
Um programa de TV: vejo pouca TV, mas adoro aqueles programas sobre o espaço e grandes mistérios do universo. 
Uma saudade: meus avôs e avós. 
Algo que me irrita: mentira. 
Algo que me deixa feliz é: viajar, conhecer lugares novos.
Uma lembrança querida: viajar com a família pro interior, andar descalço na roça e andar à cavalo o dia todo.
Um arrependimento: não ter estudado piano quando criança.
Quem levaria para uma ilha deserta? Minha família. Preciso estar perto dela pra ser feliz. 
Se pudesse ressuscitar qualquer pessoa do mundo... Meus avós. Pra aproveitar mais tempo com eles. Minha avó materna faleceu antes de eu nascer e gostaria de ter tido mais tempo com os outros. 
Uma pergunta a qualquer pessoa do mundo... Perguntaria a um feto como é se desenvolver dentro do ventre. Por mais que todos tenham passado por isso, ninguém lembra. 
Não abro mão de: tocar, fazer música. 
Do que abro mão: algumas horas de sono, sou da noite (risos).
Um sonho: no momento, que possamos voltar a vida normal. 
Palavra favorita: paz. 
Música em uma palavra: conexão.
Você tem fome de quê? De vida. 
Você tem nojo de quê? De rato. 
Se tivesse que ser um bicho, eu seria: um cavalo selvagem. 
O que seria se não fosse músico: sou jornalista de formação, poderia trabalhar com isso também. 
Ser músico é: viver na corda bamba e ser feliz.
Ser homem, hoje, é: ser sensível, ter olhar aguçado para o outro. Se enxergar apenas como parte do todo. 
Guilherme Schwab por Guilherme Schwab: um cara que que ama a família, a música  e tenta melhorar todo dia. 


"Hora e Lugar" - Guilherme Schwab

"Tocando em Frente" - Guilherme Schwab 

"Vem" - Guilherme Schwab 

"Seu Pra Sempre" - Guilherme Schwab 

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.