Mostrando postagens classificadas por data para a consulta "Escola do Rock". Ordenar por relevância Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por data para a consulta "Escola do Rock". Ordenar por relevância Mostrar todas as postagens

domingo, 18 de setembro de 2022

.: "Macacos" faz curta temporada na Oficina Cultural Oswald de Andrade

Monólogo criado e interpretado por Clayton Nascimento, da Cia do Sal, tem dramaturgia criada a partir do caso do goleiro Aranha, do Grêmio, ofendido pela torcida tricolor gaúcha em 2014. "Macacos" é uma denúncia do racismo estrutural existente na sociedade


Cena de Macacos. Foto: Bob Sousa


"Macacos", da Cia. do Sal faz curta temporada na Oficina Cultural Oswald de Andrade de 22 de setembro a 1º de outubro, com entrada gratuita. A obra foi criada por Clayton Nascimento, que também está em cena. O nome do espetáculo faz referência a uma das formas de xingamento mais usada para ofender os negros no mundo todo. O preconceito contra os povos pretos é abordado em cena a partir do relato de um homem-negro que busca respostas para o racismo que rodeia seu cotidiano e a história de sua comunidade. 

Uma das preocupações centrais da obra é recontar a História do Brasil, com um novo olhar, e a partir de fatos históricos, uma vez que ela sempre foi contada pela camada social que pode estudar e estruturar leis. Segundo Clayton Nascimento, a dramaturgia está amparada por uma pesquisa séria, que envolveu o projeto "História da Disputa: Disputa da História" idealizado pela historiadora Carol Oliveira, assim como pedagogos, intelectuais, entrevistas com mães vítimas do genocídio negro no Brasil, artigos e autores pretos para estruturar os fatos muitas vezes desconhecidos pelo grande público. A riqueza da obra fez, inclusive, com que ela fosse comprada e adicionada a um lote de 10 mil exemplares de livros didáticos para ser distribuído entre os alunos do ensino público de São Paulo a partir de 2023.

"Macacos" se desenrola num fluxo de pensamentos, desabafos e elucidações que surgem em cena, pautados pela História do Brasil e situações vividas por grandes artistas negros - de Elza Soares a Machado de Assis - até alcançar relatos e estatísticas do Brasil de 2022. De um modo desprevenido, o ator conduz o público a uma navegação de sonhos, reflexões, poesia e rock'n'roll. O espetáculo conta ainda com provocação cênica de Aílton Graça e preparação corporal de Ana Maria Miranda, Professora da Escola de Arte Dramática da USP. "Criei essa peça na moradia da Universidade, e como não conseguia vencer editais públicos, resolvi escrever, dirigir e interpretá-la; ao longo do tempo vieram os parceiros que tanto agregaram ao espetáculo, e seis anos depois, ver que a peça respira, viajou o Brasil, ganhou prêmios, poder publicar a dramaturgia em livro pela Cobogó, entrar nos livros didáticos da cidade de São Paulo e realizar o sonho de se apresentar nos palcos do centro cultural de São Paulo, me dão cada vez mais desejo de viver e de mostrar que o racismo, mesmo articulado e entranhado, nunca vence a profundidade da cultura popular brasileira, do mesmo modo que não existe raça, gênero, classe econômica ou credo que definam as potências de um alguém", conta Nascimento.

O projeto foi contemplado pela 13a Edição do Prêmio Zé Renato - Secretaria Municipal de Cultura.


"A mescla em dosagem certa de fatos históricos com fatos atuais ou imaginados é uma das preciosidades da dramaturgia que começou a ser escrita em 2015 a partir de profunda pesquisa realizada pelo autor. Como encenador, Clayton teve o cuidado de contar com as importantes colaborações de Ailton Graça como provocador cênico e de Aninha Maria Miranda que assina a criativa direção de movimento. E finalmente, como ator, Clayton Nascimento nos oferece um dos trabalhos mais ricos e pungentes vistos nos palcos paulistanos nos últimos tempos."

 - José Cetra no site Palco Paulistano.


O dever do artista

"Macacos" começou a ser escrita em 2015 e fez sua estreia em 2016. Desde então, a peça já participou de festivais em Fortaleza, Curitiba, Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo, Fortaleza, Pernambuco e Amazonas. E acumula mais de uma dezena de premiações, entre eles “Prêmio Especial do Júri por Relevância Temática e Proposição Cênica” , "Melhor Ator", "Dramaturgia ou Narrativas Urgentes" pelo Festival Niterói em Cena, Festival de Teatro do Rio de Janeiro, Festival de Teatro do Amazonas, entre outros.

Para essa estreia, o monólogo absorve questões atuais e que se tornam mais urgentes. O Brasil é um território com altos índices de homicídios causados pela Polícia Militar e Sociedade Civil à comunidade negra e indígena, o mais assustador é que a idade das vítimas ao longo dos anos vem diminuindo cada vez mais.

“Como disse Nina Simone, o dever do artista é refletir seus tempos”, diz Clayton Nascimento. “'Macacos' faz um jogo entre arte cênica, as palavras, os fatos e o discurso para debater com o público a violência do racismo que sempre esteve presente na sociedade brasileira. Walter Benjamin diz que “Nunca houve um monumento da cultura que não fosse também um monumento da barbárie. E, assim, (...) considera sua tarefa escovar a história a contrapelo”; por isso o texto reforça o compromisso de se comunicar com o povo negro, mas agora, com o nosso olhar”, completa o dramaturgo. Todas os profissionais envolvidos na produção são negros.

O texto da peça traz à luz fatos que não estão escritos nos livros didáticos, fazendo a  relação entre números das estatísticas como as coletadas pelo Atlas da Violência do IPEA, e estatísticas coletadas pelo IBGE, livros Históricos, entrevistas com mães que perderam filhos para o genocídio negro no Brasil e experiências cênicas. 

A dramaturgia foi criada a partir do caso do goleiro Aranha, do Grêmio, ofendido pela torcida tricolor gaúcha em 2014. “Já que o xingamento é infelizmente inevitável, transformamos então, em uma expressão artística para provocar a reflexão sobre essa origem e a nossa própria História. A peça é um convite a pensar sobre isso”, completa o artista.

A montagem traz somente Clayton Nascimento no palco, a iluminação e um batom para falar sobre a urgência da vida negra no Brasil. Para amplificar esse debate, o artista receberá, ao final de cada apresentação, convidados para desdobrar temas pertinentes aos assuntos, fatos e estatísticas abordados na peça. A lista dos artistas convidados/as e as datas serão divulgadas nas redes sociais da Cia do Sal e do artista.

"Macacos" é uma criação da Cia do Sal, fundada por Clayton Nascimento para fomentar a arte e educação nos palcos do país, e de sugerir o empoderamento político-social aproximando a História da nação a quem ela realmente pertence: ao povo brasileiro.


 


Ficha Técnica

Clayton Nascimento - Diretor, Ator e Dramaturgo

Ailton Graça – Provocador cênico

Aninha Maria Miranda - Diretora de Movimento

Daniele Meirelles - Diretora técnica e Iluminação

Murilo Thaveira - Arte

Vinicius Bogas - Iluminação

Bará Produções – Produção

Corpo Rastreado - Produção



Serviço

Macacos, com Cia do Sal

Temporada: de 22 de setembro a 01 de outubro de 2022

Quintas e sextas, às 19h e sábados, às 18h

Oficina Cultural Oswald de Andrade

Rua Três Rios, 363 - Bom Retiro, São Paulo - SP

Duração: 90 min | Recomendação: 14 anos | Capacidade: 60 lugares

Grátis | Retirada de ingressos com 1h de antecedência

sexta-feira, 19 de agosto de 2022

.: Crítica: musical "A Família Addams", requintado e sensual, é contagiante


Por: Mary Ellen Farias dos Santos

Em agosto de 2022


O clássico musical "A Família Addams" volta aos palcos paulistanos com uma história original e poderosa o suficiente para enlouquecer os que zelam por seus rebentos a ponto de não se darem conta de que já cresceram. Até mesmo Mortícia (Marisa Orth, de "Sunset Boulevard") e Gomez Addams (Daniel Boaventura, de "Peter Pan - O Musical da Broadway") fazem parte desse grupo de pais. 

Na montagem de 2022, da Time For Fun, a jovem princesinha das Trevas, Wandinha Addams (Pamela Rossini, de "Isso Que é Amor"), está apaixonada por um rapaz de boa família. Contudo, a relação da adolescente com Lucas (Dante Paccola, de "Chaves - Um Tributo Musical") precisa dar um passo importante, o que leva os pais do jovem a um jantar na mansão dos Addams.

Assim, entram em cena Alice Beineke (Kiara Sasso, de "A Noviça Rebelde" e "Um Sonho de Natal") e Mal Beineke (Fred Silveira, de "Forever Young" e "O Fantasma da Ópera"), os pais de Lucas. Contudo, Gomez e Morticia mantém o pacto de não guardarem segredos, mas por amor a filha, o senhor Addams tenta levar o jantar de uma forma que Mortícia não suspeite o real envolvimento da filhinha amada nesse evento familiar. Contudo, Feioso (Raphael Souza, de "Castelo Rá-Tim-Bum, o Musical"), sabendo que perderá a irmãzinha que o tortura, também resolve dar um jeitinho e complica ainda mais a situação.

No palco, o cenário impecável que é modificado por vezes, gira ou até se abre tal qual uma caixa partida ao meio, faz a produção requintada deixar qualquer um boquiaberto com as muitas cenas que fascinam, incluindo números de dança, com direito a tango. Como não se encantar com a introdução feita pelo "mãozinha" que, no caso, é a do maestro - com direito a efeitos luminosos? Ou ainda quando numa "explosão", voam serpentinas da cor das trevas em direção a plateia ou até, antes do intervalo, com a história cheia de provocações lançadas sobre o que pode acontecer na segunda parte da montagem, simplesmente invoca a chuva que cai no palco. 

A montagem que está na quarta edição é riquíssima, pois une grandes nomes do teatro musical para brilhar no palco ao lado dos queridos Marisa Orth e Daniel Boaventura. Nós do Resenhando.com assistimos uma apresentação com Jana Amorim (de "A Escola do Rock - O Musical") substituindo a mamãe Addams e foi perfeita. Belíssima no figurino de encher os olhos, a atriz ainda é capaz de fazer peripécias quando desce a escada da mansão, pela primeira vez, e, até, garante uma cena que a Samara de "O Chamado" não colocaria defeito, durante um passeio noturno. A atriz assume a responsabilidade de alternar a protagonista, entregando muita atuação e uma linda voz para o canto.

Outra voz poderosa e marcante em "A Família Addams" é a de Pamela Rossini que interpreta Wandinha. Dona de solos no musical esbanja talento, o que rapidamente convida o público para acompanhar todo o seu drama -que acaba envolvendo todos os personagens da história. O dueto dela com Daniel Boaventura, o Gomez, é lindo, daqueles que fazem escapar algumas lágrimas. Ali, os dois entregam uma completa cumplicidade de pai e filha. Emoção garantida! 

Há ainda outro personagem que lida diretamente com Wandinha: o irmãozinho Feioso, intepretado por Raphael Souza. Com um vocal jovial e na medida certa, dá vida ao mais novo membro da família e, ainda que que goste de sofrer nas mãos da irmã, o que o leva a fazer coisas erradas, desperta uma vontade de convencê-lo a não ser tão macabro, muito mais com Wandinha. No entanto, ele é um Addams e ser "normal" não é agradável. Assim, o cíume de irmão tempera o espetáculo com revelações bombásticas.

Na mansão dos Addams, estão ainda a sagaz Vovó, intepretada por Liane Maya, o falante e divertido Tio Fester, vivido por Bernardo Berro (de "A Escola do Rock - O Musical") e o mordomo que fala por murmúrios, Tropeço, que por Tiago Kaltenbacher protagoniza uma tremenda surpresa ao final. Como se já não bastassem os moradores da mansão serem incríveis, são acrescidos outros três personagens para a trama: Alice Beineke (Kiara Sasso), Mal Beineke (Fred Silveira) e Lucas Beineke (Dante Paccola). Não há como deixar de mencionar o vocal dos pais do garoto que gera o caos para os Addams. Kiara Sasso, em sua cena revelação durante o jantar brilha demais, além de fazer um dueto perfeito com Fred Silveira. Vozes que arrepiam!

"A Família Addams", na versão 2022, é contagiante e emociona desde o início, quando a mãozinha, ao som da famosa trilha sonora dos Addams, apresenta ao público, com deboche, a essência do lendário cartunista americano Charles Addams. Deixando, assim, o palco ser tomado por personagens ácidos, macabros e bizarros, mas que transbordam muito bom humor, com umas boas pitadas sensuais. O espetáculo fica em cartaz no Teatro Renault, em São Paulo, até o dia 28 de agosto. Imperdível!

* Mary Ellen é editora do portal cultural www.resenhando.com, jornalista, professora e roteirista, além de criadora do www.photonovelas.com.br. Twitter:@maryellenfsm

Elenco principal
Morticia Addams – Marisa Orth
Gomez Addams – Daniel Boaventura
Alice Beineke – Kiara Sasso
Mal Beineke – Fred Silveira
Vovó – Liane Maya
Wandinha – Pamela Rossini
Lucas Beineke – Dante Paccola
Fester – Bernardo Berro
Feioso – Raphael Souza
Feioso – Rodrigo Spinosa
Tropeço – Tiago Kaltenbacher

Ensemble femininoJana Amorim
Anna Preto
Lara Suleiman
Vania Canto

Ensemble masculinoDaniel Cabral
Wagner Lima
Marcelo Ferrari
Felipe Carvalhido

Swing
Swing feminino - Marília Nunes
Swing feminino - Keila Bueno
Swing masculino - Matheus Paiva
Swing masculino - Vicente Oliveira
"A Família Addams"
Apresentado por BrasilprevPatrocínio: Farmacêutica EMS/ Abastece-Aí
Fornecedor oficial: Família Salton
Apoio: Premier Pet
Produção: Time For Fun

Local: 
Teatro Renault - Av. Brigadeiro Luís Antônio, 411 – Bela Vista, São Paulo
Sessões: quintas e sextas, às 21h. Sábados, às 17h e 21h, e Domingos, às 16h e 20h.
Capacidade: 1.570 lugares.
Assentos: o teatro conta com 53 assentos para pessoas com deficiência. São 37 lugares para pessoas com deficiência e 16 para pessoas obesas.
Classificação etária indicativa: livre. Menores de 12 anos: permitida a entrada acompanhados dos pais ou responsáveis legais.
Estacionamento: o teatro não possui estacionamento próprio.
Ingressos: a partir de R$ 25 (meia-entrada)

Sextas, às 21h. Sábados, às 17h e 21h, e domingos, às 16h.
Meia-entrada: obrigatória a apresentação do documento previsto em lei que comprove a condição de beneficiário.
Bilheteria oficial - Sem taxa de conveniênciaTeatro Renault - Segundas-feiras: fechada / Terça a domingo, das 12h às 20h (Av. Brigadeiro Luís Antônio, 411 – Bela Vista)
•     Ingressos a preços populares estarão disponíveis na bilheteria oficial, limitados à disponibilidade da casa.
•     Preços populares: R$ 50 (inteira)/ R$ 25 (meia)
Locais de venda - Com taxa de conveniência
Pela internet: www.ticketsforfun.com.br
Retirada na bilheteria e E-ticket - taxas de conveniência e de entrega.
Formas de Pagamento: dinheiro, cartões de crédito American Express®, Visa, MasterCard, MasterCard débito, Diners e cartões de débito Visa Electron.
Venda a grupos: grupos@t4f.com.br

domingo, 14 de agosto de 2022

.: Musical "Ney Matogrosso - Homem com H" estreia em setembro

Espetáculo homenageia a trajetória de um dos artistas mais autênticos da cultura brasileira. A segunda produção teatral da Paris Cultural estreia no 033 Rooftop, do Teatro Santander, localizado no Complexo JK Iguatemi. Foto: Tiago Moraes (@606produtora)


Depois do enorme sucesso do musical "Silvio Santos Vem Aí", a produtora Paris Cultural escolheu homenagear o camaleônico cantor Ney Matogrosso, uma das figuras mais singulares da música e da cultura brasileiras. Trata-se do musical "Ney Matogrosso - Homem com H", que estreia no dia 9 de setembro (sexta-feira) no 033 Rooftop, do Teatro Santander, localizado no Complexo JK Iguatemi, em São Paulo. O espetáculo tem texto de Emilio Boechat e Marilia Toledo, que assina também a direção ao lado de Fernanda Chamma, e direção musical de Daniel Rocha. 

Após um intenso processo de audições, o ator escolhido para viver o homenageado é Renan Mattos. Ao lado dele, estão também confirmados Vinícius Loyola (no papel de Cazuza) e Hellen de Castro (Rita Lee). A ideia de montar essa produção, de acordo com a diretora e autora Marília Toledo, surgiu depois que ela soube que seus sócios Marcio Fraccaroli e Sandi Adamiu tinham adquirido os direitos para realizar um longa-metragem sobre a vida de Ney Matogrosso. “Eu logo pedi para que eles também adquirissem os direitos para levar a história para o teatro. Tivemos um almoço com o Ney, quando pudemos compartilhar com ele nossa visão sobre esse espetáculo musical”, revela.

“Ney é um artista único, com uma visão cênica impressionante. Ele cuida de todas as etapas de sua performance. Além da escolha de repertório e banda, pensa no figurino, na iluminação, na direção geral.  E, quando está em cena, transforma-se em diferentes personagens. Ele nunca estudou dança e, quando o vemos em cena, parece que nasceu sabendo dançar. Mas ele jamais se coreografa. É sempre um movimento livre”, admira-se a encenadora. 

Já para Renan Mattos é extremamente desafiador interpretar uma figura tão importante para a nossa cultura. “O Ney é um ser camaleônico, tem um lado íntimo reservado, mas ao mesmo tempo é catártico no palco e apresenta um leque de personas a cada música. Cada uma dessas personas tem algo de místico, de misterioso, de selvagem, um ser ‘híbrido’ como definido por muitos, indecifrável. Então eu não me sinto interpretando o Ney e sim pedindo licença e pegando emprestado tudo aquilo que ele transformou na música e na vida das pessoas, todos os caminhos que ele abriu para pessoas e artistas como eu e isso é muito significativo”.

O musical chega para apresentar ao público essa figura tão importante para a nossa cultura, “algo obrigatório para qualquer brasileiro”, como considera Toledo. “A discografia de Ney Matogrosso passeia pelos compositores mais importantes do nosso país, o que reflete a nossa história. E sua história de vida é extremamente interessante. Ele sempre foi um homem absolutamente autêntico. Experimentou e ousou como nenhum outro artista, enfrentando os militares de peito aberto e nu, literalmente”.


A montagem
"Ney Matogrosso - Homem com H" explora momentos e canções marcantes na trajetória do cantor sem seguir necessariamente uma ordem cronológica. A história começa em um show do Secos & Molhados, em plena ditadura militar, quando uma pessoa da plateia o xinga de “viado”. Essa cena se funde com momentos da infância e adolescência do artista. E, dessa forma, outros episódios vão se encadeando na cena.

Para contar essa história, Marilia Toledo e Emilio Boechat mergulharam nas três biografias já publicadas sobre Ney Matogrosso, além de matérias jornalísticas, vídeos e o próprio artista. “Com a ajuda do próprio Ney, tentamos ser fiéis aos fatos mais importantes de sua vida privada e profissional, mas com a liberdade lúdica que o teatro pede”, revela a diretora.

Em relação às canções do homenageado, o musical também não segue uma cronologia - exceto naqueles momentos em que a dramaturgia precisa ser mais fiel à realidade. As músicas vão sendo encaixadas no contexto de cada cena e as letras acabam estabelecendo um diálogo interessante com a vida de Ney Matogrosso

Quanto à encenação, as diretoras apostam em um ensemble potente, que irá apoiar o protagonista do começo ao fim - e praticamente sem sair de cena. As trocas de figurinos e até maquiagens, inclusive, serão feitas na frente do público, brincando com as ideias de oculto e o explícito o todo o tempo. 

Além da própria trajetória do homenageado, o musical discute um tema cada vez mais relevante para a realidade brasileira: a liberdade. “Principalmente, a liberdade de ser quem se é, a qualquer custo. Ney combateu a ditadura não com palavras, mas com sua atitude cênica, entrando maquiado e praticamente nu no palco e na televisão, na época de maior censura que o país já viveu. As ambiguidades que ele sempre trouxe para o público foram pauta na década de 70 e permanecem em pauta até os dias de hoje. Ele também sempre foi adepto do amor livre e deixou clara a sua bisexualidade desde o início”, destaca Toledo.

Outro aspecto que tem bastante importância na montagem são os icônicos e provocantes figurinos de Ney Matogrosso. A diretora conta que a figurinista Michelly X está mergulhada em uma intensa pesquisa dos trajes originais usados pelo artista-camaleão para poder reproduzi-los com bastante fidelidade. “Para a direção musical, demos total liberdade a Daniel Rocha na concepção musical e sonora. Ele tem uma inteligência profunda na arte de contar histórias por meio de seus arranjos e escolhas de instrumentos e vozes para cada momento da trama"


Sobre a Paris Cultural
Criada pelos sócios Marcio Fraccaroli, Sandi Adamiu e Marilia Toledo, a Paris Cultural é uma empresa 100 por cento brasileira dedicada ao desenvolvimento e produção de espetáculos teatrais, musicais e exposições originais focadas em personalidades e temas nacionais. Com a intenção de valorizar dramaturgos, diretores, compositores e outros artistas brasileiros, a primeira estreia foi o musical "Silvio Santos Vem Aí", em março de 2019. Acreditando no potencial dos nossos talentos, a Paris Cultural afirma seu compromisso na criação de um legado para a cultura nacional. 


Sobre o 033 Rooftop:
Inaugurado em 2018 e localizado no topo do Teatro Santander, apontado como um dos melhores espaços de eventos da capital, o 033 Rooftop oferece uma excelente infraestrutura para eventos de qualquer natureza, com modernidade e flexibilidade. Já passaram pelo palco do local os espetáculos "Natasha, Pierre e o Grande Cometa de 1812", "Zorro - Nasce Uma Lenda", "Silvio Santos Vem Aí" e "Sweeney Todd".

Com o número 033, identificação do Santander em seu nome, o 033 Rooftop tem 1000m² de área total. O empreendimento possui pé direito alto e amplas janelas que exploram o conceito de industrial chic, mesclando obras de arte com um design em linhas retas e tons neutros. O local conta com lounge, terraço, salão principal, bar, varanda privada, sala de reunião VIP, camarim, cozinha industrial e salas técnicas e de apoio.


Sobre o Teatro Santander
O Teatro Santander abriu as cortinas em 2016, com a proposta de ser um espaço multifuncional, moderno, sofisticado e inovador. É o único espaço no Brasil que possui o sistema de recolhimento automático das poltronas e de varas cênicas automatizadas, que permitem a mudança de configuração do espaço em questão de minutos.

Pelo palco do Teatro Santander já passaram musicais como: “We Will Rock You”, “My Fair Lady”, “Alegria, Alegria”, “Cantando na Chuva”, “Se Meu Apartamento Falasse”, “A Pequena Sereia”, “Annie: o Musical”, “Sunset Boulevard”, “Escola do Rock”, “Turma da Mônica”, “O Som e a Sílaba”, “Donna Summer” e “Chicago”.

O Teatro Santander também já recebeu diversos eventos corporativos importantes, além de desfiles, jantares, premiações para empresas, seminários e workshops. Graças a sua versatilidade e tecnologia, o espaço está preparado para receber qualquer tipo de evento sem necessidades de mudanças na configuração. O Teatro Santander também dispõe de acessibilidade para comodidade e locomoção necessária.


Sobre o JK Iguatemi
Projetado sob novo conceito de shopping center, desde 2012, o Shopping JK Iguatemi reúne arte, moda, entretenimento, lazer, tecnologia, cultura, design, gastronomia e excelentes serviços em um único lugar. Faz parte do seu DNA os pilares de inovação e experiência, fazendo com que cada visita seja única e proporcionando oportunidades diferentes e inéditas para todos os públicos. Com a expertise e o diferencial em oferecer o mais completo e diversificado mix, o JK Iguatemi inova com qualidade e antecipa tendências para continuar sendo referência no setor.

Sobre Santander Seguros e Previdência e Zurich Santander
Santander Seguros e Previdência é a marca comercial dos produtos comercializados pela joint venture dos Grupos Zurich e Santander, dois dos maiores conglomerados do mundo nos setores segurador e financeiro. Criada em 2011, a partir de um acordo global em que a Zurich adquiriu 51% das operações de seguros, opera como Zurich Santander no Brasil, México, Chile, Argentina e Uruguai. Atualmente, ocupa a 3ª posição em seguros de pessoas e 5ª maior empresa de previdência do país.

Ficha técnica
"Ney Matogrosso - Homem com H"
Texto:
Marilia Toledo e Emílio Boechat
Direção: Fernanda Chamma e Marilia Toledo
Direção musical: Daniel Rocha 
Coreografia: Fernanda Chamma
Cenografia: Carmem Guerra
Figurinos: Michelly X
Visagismo: Edgar Cardoso
Desenho de som: Eduardo Pinheiro
Preparação vocal: Andréia Vitfer
Realização: Paris Cultural
Apresentado por: Santander Seguros e Previdência
Patrocínio: Santander e EMS 
Apoio: Trousseau
Produção geral: Paris Cultural
Elenco por ordem alfabética: Adriano Tunes (Gérson Conrad), Arthur Berges (Vicente Pereira), Bruno Boer (Cover Ney Matogrosso), Dante Paccola (Ney jovem), Fábio Lima (Ensemble), Giselle Lima (Beíta), Hellen de Castro (Rita Lee), Laura Carolinah (Regina Chaves), Marcos Lanza (Moracy do Val), Maria Clara Manesco (Luli), Maurício Reducino (ensemble), Natália Antunes (Dance Captain), Renan Mattos (Ney Matogrosso), Rhener Freitas (João Ricardo), Tatiana Toyota (Elvira), Vinícius Loyola (Cazuza), Vitor Vieira (Matto Grosso) e Yudchi Taniguti (Frejat).


Serviço:
"Ney Matogrosso - Homem com H"
Temporada:
9 de setembro 30 de outubro de 2022
Sessões: sextas-feiras às 20h30, sábados às 15h30 e às 20h30, Domingo 15h30 e 20h.
Duração do espetáculo: 2 h (com 15 minutos de intervalo)
Local: 033 Rooftop (cobertura do Teatro Santander)
Capacidade: 313 lugares
Setores e preços:  Setor VIP R$ 250 e Setor 2 R$ 75
** Clientes Santander possuem 15% de desconto nas compras no bar do 033 Rooftop

Canais de vendas oficiais
Sem taxa de serviço
Bilheteria do Teatro Santander -
Todos os dias, das 12h às 18h. Em dias de espetáculos, a bilheteria permanece aberta até o início da apresentação
Autoatendimento: a bilheteria do Teatro Santander possui um toten de auto-atendimento para compras de ingressos sem taxa de conveniência 24h por dia.

Com taxa de serviço
https://site.bileto.sympla.com.br/teatrosantander/
Formas de pagamento:
dinheiro, cartão de débito e cartão de crédito


Leia +:
A biografia de Ney Matogrosso neste link.

Os livros de Emílio Boechat, autor do musical sobre Ney Matogrosso, neste link.

quinta-feira, 4 de agosto de 2022

.: Crítica: "Assassinato para Dois" é musical hilário surpreendente

Foto do Instagram: instagram.com/assassinatoparadoismusical

Era para ser uma festa surpresa, mas a morte misteriosa do aniversariante gera uma busca pelo assassino, algo no estilo Agatha Christie. Sem o detetive Hercule Poirot, a comédia musical de suspense “Assassinato para Dois” surpreende com o show de atuação de Marcel Octavio ("Annie, o Musical" e "Beatles Num Céu de Diamantes") e Thiago Perticarrari ("Natasha, Pierre e o Grande Cometa de 1812" e "Escola do Rock") no palco do Teatro Raul Cortez, em São Paulo.

O espetáculo de texto ágil, envolvente, com referências da cultura pop e brasileiras, é ritmado de modo sombrio ou cômico, seguindo as notas dadas no piano, tanto por Marcel Octavio quanto por Thiago Perticarrari. Em meio a cada revelação musicada surgem canções que ajudam a chegar no criminoso, tendo ainda a interação de muitos e distintos personagens que Marcel Octavio encena surpreendentemente no palco. Sem troca de figurino ou uso de perucas, é o ator e cantor quem esbanja talento tornando cada personalidade marcante. Como não amar a sobrinha Sthe?


Enquanto o detetive está a caminho da cena do crime, o ainda policial que aspira ser detetive, Marcus, interpretado com muita comicidade por Thiago Perticarrari, chega com o parceiro de trabalho -invisível, mas muito presente na trama- e começa -por conta própria- a investigar o caso policial. Na apuração de como tudo aconteceu, ele lida com a viúva, uma mulher fatal, um médico, um casal de vizinhos, a sobrinha do morto e até crianças serelepes. 

Com tamanha variedade de personalidades, as gargalhadas surgem com muito mais frequência. Até o sumiço de um sorvete entra na acareação dos fatos. Embora o ponta-pé na trama seja um crime, a leveza da montagem se faz pelo texto engraçado e a atuação impecável da dupla que transparece por meio da sintonia perfeita de Octavio e Perticarrari no palco. Outro ponto alto do espetáculo é o cenário com muitos detalhes que contribui com a temática de suspense deixando para a atuação da dupla a dose certa de bom humor.

“Assassinato para Dois”, de Kellen Blair e Joe Kinosian, em montagem brasileira da Morente Forte Produções tem direção de Zé Henrique de Paula ("1984" e "Dogville") e direção musical de Fernanda Maia ("Cabaret dos Bichos"), faz terceira temporada no Teatro Raul Cortez, em São Paulo, aos sábados, às 18h e domingos, às 19h. Descubra que um monte de bananas ou pinã colada podem ser importantes para a solução de um assassinato. Imperdível!

Foto do Instagram: instagram.com/assassinatoparadoismusical

Serviço:
Espetáculo: "Assassinato para Dois"
Teatro Raul Cortez (513 lugares) - 
Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - São Paulo
Outras informações: (11) 3254-1631
Bilheteria: terça a quinta das 14h às 20h; sexta, sabado e domingo das 14h até o início do espetáculo.
Aceita todos os cartões de débito e crédito. Não aceita cheque.
Ar-condicionado e acesso para cadeirantes.
Temporada até dia 28 de agosto.Sábados, às 18h. Domingos, às 19h.
Ingressos: R$ 80. Estacionamento no local: R$ 30.
Vendas: https://bileto.sympla.com.br/event/74541/d/145518/s/950420

Ficha Técnica:
Espetáculo: 
"Assassinato para Dois"
Dramaturgia: Kellen Blair e Joe Kinosian
Direção: Zé Henrique de Paula
Direção musical: Fernanda Maia
Versão brasileira: Anna Toledo
Música original: Joe Kinosian
Letras: Kellen Blair
Elenco: Marcel Octavio e Thiago Perticarrari 
Cenário e figurino: Zé Henrique de Paula
Desenho de luz: Fran Barros
Desenho de som: Marcelo Claret
Preparação de atores: Inês Aranha
Assistente de direção: Rodrigo Caetano
Assistente de cenografia: Cesar Costa
Cenotécnico: Pelé
Pintura de arte: Fabin Cenografia
Acervo de objetos de cena: Teatro Núcleo Experimental
Operador de som: Cecília Lüzs
Microfonista: Laura Videira
Operador de luz: Rafael Boese
Contrarregra: Roquildes Junior
Camareira Rhaysa: Silva Chaves
Coordenação de comunicação: Beth Gallo
Assessoria de imprensa: Thaís Peres - Morente Forte Comunicações
Programação visual: Laerte Késsimos
Fotografia: Caio Gallucci
Filmagens e edições para webJady Forte
Coordenação administrativa: Dani Angelotti
Assistência administrativa: Alcení Braz
Administrador da temporada: Leonardo Leal
Produção executiva: Martha Lozano
Produtores Associados: Selma Morente, Célia Forte, Eloisa Canton, Bruno Pedemonti e Juan Iacoponi

Leia +:
.: Você pode ler "Murder for Two", o original de "Assassinato para Dois", neste link.


segunda-feira, 13 de junho de 2022

.: Música no Teatro Liberdade: no show "ceLEEbration", Beto Lee toca Rita Lee

Músico passeia por sucessos da Rainha do Rock com novo show, todo dedicado a Rita, no qual chega com o repertório contagiante da big mamma roqueira. Foto: Mila Maluhy

Desde que nasceu, Beto Lee foi embalado pela mente criativa da mãe, Rita Lee, e do pai, Roberto de Carvalho. Ele foi testemunha da criação de hits que moldaram - e mudaram - o pop/ rock brasileiro. Beto cresceu, apareceu e acabou se tornando parte da banda de Rita. E, agora, passeia por sucessos da Rainha do Rock com seu novo show, todo dedicado a Rita, no qual chega com o repertório contagiante da big mamma roqueira.

“Saúde”, “Lança Perfume”, “Ovelha Negra”, “Ando Meio Desligado”, “Agora Só Falta Você”, “On The Rocks”, “Mania de Você” e “Banho de Espuma” estão no set list do show, que conta com outros hits da enorme lista de sucessos de Rita Lee. A banda conta com a seguinte formação: Beto Lee (voz e guitarra), Lee Marcucci (baixo), Debora Reis (vocais), Danilo Santana (teclado), Edu Salvitti (bateria) e Rogerio Salmeron (guitarra).

Todos esses artistas já passaram pela escola Rita Lee e participaram durante anos de shows da Rainha. Lee Marcucci, ex-Tutti-Frutti, acompanhou Rita Lee e Roberto de Carvalho em diversos espetáculos.


Serviço
Show "ceLEEbration: Beto Toca Rita"
Data:
15, 22 e 29 de junho de 2022
Horário: 21h
Classificação indicativa: 12 anos
Endereço: rua São Joaquim nº129 - Liberdade – São Paulo
Local: Teatro Liberdade
Link para vendas: https://bileto.sympla.com.br/event/73481/d/139809


domingo, 29 de maio de 2022

.: Exposição mostra o teatro a partir das fotos de Jairo Goldflus e João Caldas

Marília Pera em foto de Jairo Goldflus, por ocasião da peça "Mademoiselle Chanel" (2004). Mostra reúne mais de cem imagens de artistas nos palcos como Francisco Cuoco, Miguel Falabella, Fábio Assunção, Ingrid Guimarães, Reynaldo Gianecchini e Eva Wilma, a partir de 1º de junho, com entrada gratuita


O Instituto Artium, em São Paulo, exibe, a partir da próxima quarta-feira, dia 1º de junho, a exposição "Jairo e João: O Teatro na Fotografia de Jairo Goldflus e João Caldas" sobre a cena teatral, reunindo fotografias da trajetória artística de dois baluartes da fotografia na dramaturgia.

Com curadoria de Rafael Gomes, a mostra segue em cartaz até o dia 11 de setembro. Entre os vários atores e atrizes fotografados figuram Marília Pêra, Eva Wilma, Wagner Moura, Francisco Cuoco, Miguel Falabella, Claudia Abreu, Leandra Leal, Vladimir Brichta, Juliana Paes, Marília Gabriela, Fábio Assunção, Cleto Baccic, Ingrid Guimarães, Celso Frateschi, Maria Fernanda Cândido, Reynaldo Gianecchini, Gabriela Duarte e Arthur Berges.    

Ao longo de suas carreiras, Jairo e João têm prestado contribuições decisivas ao teatro paulistano. As fotografias de ambos figuram em inúmeros programas de peça, cartazes promocionais, publicações jornalísticas, livros  e acervos culturais do país. Para além da função de divulgação e documentação, as fotografias para teatro de João e Jairo carregam traços singulares e apresentam poéticas próprias.

Convidado pelo Instituto Artium para que a exposição fosse concebida como um recorte da narrativa teatral, Rafael Gomes, que assina a curadoria da exposição, comenta: "Ao reunirmos as fotografias para teatro de Jairo e João, evidenciamos as escolhas estéticas e o olhar único de cada um deles. Os retratos de Jairo – em geral, realizados em estúdio – são marcados pela beleza, precisão e rigor formal. Já a extensa e sólida produção fotográfica de João tende a privilegiar a cena propriamente dita. São fotografias de palco, instantâneos dos espetáculos, que conjugam a pulsação e a intensidade das apresentações teatrais com raro senso de composição e domínio técnico"

A ideia em trazer o diretor de teatro para curar a mostra teve o intuito de que a exposição ultrapassasse o valor artístico das fotos e incorporasse uma reflexão sobre a experiência do teatro em seu diálogo com o público.

“Além disso, Jairo costuma fotografar o elenco antes da estreia, instante mágico em que atrizes e atores, já ensaiando a personagem, vestem o figurino e incorporam o visagismo. A primeira visão de público é o fotógrafo. O ator está o oposto de nu, e sim tomado pela personagem. Ao passo que João, na maior parte das vezes, aborda o instante mesmo em que as personagens ganham vida diante do público, ao longo da temporada das peças. São diferentes modos de criar imagens fotográficas a partir do teatro, produzidas em momentos distintos da vida de um espetáculo. Ambas, no entanto, buscando o belo paradoxo de capturar o incapturável, já que o teatro só existe mesmo enquanto acontece”, complementa o curador. 

A exposição reúne 86 fotos impressas e 128 fotos em vídeos de espetáculos diversos, desde Mademoseille Chanel, protagonizado por Marília Pêra, em 2004, até recentes produções do teatro musical, como "Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate", de 2021. Entre os espetáculos captados pelas lentes de Jairo e João que podem ser conferidos na exposição estão, "O Homem de La Mancha" e "Annie", dirigidos por Miguel Falabella; "My Fair Lady", "West Side Story" e "Evita", dirigidos por Jorge Takla; "O Rei Leão", dirigido por Julie Taymor; "Escola do Rock", dirigido por Mariano Detry; "Billy Elliot", dirigido por John Stefaniuk; "Adultérios" e "Uma Vida no Teatro", dirigidos por Alexandre Reinecke; "Panor Mica Insana", dirigido por Bia Lessa; "Let’s Kiss and Say Goodbye", dirigido por Elisa Ohtake; "Através de um Espelho", dirigido por Ulisses Cruz, entre outros. 

Os artistas retratados na mostra são: Miguel Falabella, Juliana Paes, Wladimir Brichta, Negra Li, Wagner Moura, Christiane Torloni, Fábio Assunção, Marília Pera, Francisco Cuoco, Gabriela Duarte, Angelo Antonio, Débora Falabella, Cleto Baccic, Leandra Leal, Ingrid Guimarães, Artur Berges, Eva Wilma, Maria Luisa Mendonça, Rodrigo Pandolpho, Claudia Abreu, Carol Costa, Paula Capovilla, Maria Fernando Candido, Reinaldo Gianechini, Tuca Andrada, Igor Rickli, Claudia Neto, Tiago Barbosa, Amanda Acosta, Jonathas Faro, Celso Frateschi, Mel Lisboa, Marilia Gabriela, Lígia Cortez, Norival Rizzo, André Garolli, Lavínia Pannunzio, Renato Caldas, Ester Laccava, Flavio Tolezani, Eduardo Okamoto, Antonio Salvador e Carol Badra. A exposição faz parte do calendário de comemoração dos 150 anos da Comgás.

Como suporte para as fotografias, o curador optou por estruturas cenográficas que evocam a experiência teatral. O renomado cenógrafo André Cortez, que assina a expografia da mostra, criou diferentes dispositivos, que irão ocupar tanto o espaço interno quanto o jardim do Instituto Artium de Cultura. “Por se tratar de uma exposição de fotografias de teatro, concebemos modos de visualização destas imagens que resgatam alguns aspectos do jogo cênico e que convidam os espectadores a uma fruição espacial e narrativa das imagens”, conclui Rafael Gomes.


Jairo Goldflus
Jairo Goldflus
tem 54 anos, é formado em Comunicação Social e trabalha profissionalmente com a imagem desde 1986. Depois de um período inicial documentando shows (1987-1989), passou a trabalhar no mercado editorial, tendo passado para todos os grandes veículos impressos do Brasil. Tendo trabalhado para todos os grandes veículos impressos do Brasil, tem o seu trabalho reconhecido e solicitado para grandes campanhas de Publicidade. Ao longo dos anos, se especializou em direção de pessoas em fotografia, sejam elas atores, músicos, modelos ou pessoas comuns. Talvez este seja um dos diferenciais do seu trabalho: a busca pela excelência na direção de pessoas.

Em 2012, lançou o livro de retratos "Público", e em 2015 o livro de nus, "Privado". Após o lançamento de "Privado", partiu para Nova York para um período de estudos e busca de novas linguagens. Em 2017, lançou “You Arte Not Here”, livro/documento que retrata o cotidiano dos usuários do metrô da cidade de Nova York. De volta ao Brasil e com a exposição “São Paulo Fora do Tempo”, em janeiro de 2019, no Itaú Cultural, fechou o ciclo comercial e hoje se dedica a processos com conteúdo multidisciplinar, mesclando imagens e textos para uma comunicação integrada e documental.


João Caldas
João Caldas
tem 64 anos, é formado em Engenharia pela Faculdade Armando Álvares Penteado, e em Cinema pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. A partir de 1981, começou a fotografar espetáculos descobrindo, então, sua verdadeira vocação. O encanto que sente pelo mistério teatral e pela dança fez dele um dos mais conceituados fotógrafos das artes cênicas.

Suas fotos de espetáculos são regularmente publicadas nos programas dos espetáculos, nos jornais, revistas paulistanas, livros e principalmente nas mídias sociais. Em 1980/81 foi o fotógrafo residente na produção do espetáculo "Clara Crocodilo", que cumpriu a primeira temporada no Teatro Maria Della Costa em São Paulo. Entre 1985 e 1987 passou pelo jornal Folha de S.Paulo como repórter fotográfico e logo após montou seu estúdio (Formato Estúdio) e iniciou seus trabalhos comerciais, com produção de fotos de produtos para catálogos, folhetos, anúncios e assessoria de imprensa na área empresarial.

Em 2012, teve sua primeira exposição individual de fotos de teatro no Espaço Cultural Porto Seguro e em janeiro de 2013 lançou seu primeiro livro de fotos: “Teatros”,  pela Editora Terceiro Nome e produção de Giuliano Ricca. Em 2021, seguiu fotografando espetáculos teatrais e iniciou trabalhos em gravações e transmissões ao vivo/online de teatro no seu estúdio e em locações externas. Em 2021, completou 40 anos de trabalho regular em documentação de Artes Cênicas, especialmente no Teatro e, atualmente, segue fotografando para inúmeros grupos, atores, escolas de teatro, produtores e diretores de teatro. 


Rafael Gomes
Nascido em 1982 e graduado em Cinema, atua como autor e diretor de teatro e audiovisual. Nos palcos, estreou na autoria e direção com o espetáculo “Música Para Cortar os Pulsos” (2010), vencedor do prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) de Melhor Peça Jovem. Como dramaturgo, assinou os espetáculos “Edukators” (2013), versão do filme de Hans Weingartner, com direção de João Fonseca; “Talvez Uma História de Amor” (2013), adaptação do romance homônimo de Martin Page, com direção de Vinicius Arneiro; e os musicais infantis “Mas Por Quê - A História de Elvis” (2015 – Prêmio APCA de Melhor Musical Infantil), a partir da obra do alemão Peter Schössow, e “Lá Dentro Tem Coisa”, em parceria com Adriana Falcão e Vinicius Calderoni, ambos com direção de Renato Linhares.

Recentemente, trabalhou na dramaturgia do solo “Eu de Você”, de Denise Fraga, com direção de Luiz Villaça.  Em sua própria companhia, Empório de Teatro Sortido, assinou a direção e adaptação de “O Convidado Surpresa” (2014), a partir do romance homônimo de Grégoire Bouillier; dirigiu “Gotas D’Água Sobre Pedras Escaldantes” (2014), de Rainer W. Fassbinder, entre outros.

No audiovisual, Rafael escreveu e dirigiu três longas-metragens de ficção (“45 Dias Sem Você”, “Música para Morrer de Amor” e “Meu Álbum de Amores”), roteirizou mais de 90 episódios de séries em diferentes formatos. No projeto Música de Bolso, filmou mais de 300 vídeos com performances ao vivo de artistas como Pato Fu, Marcelo Camelo, Zelia Duncan e Vanessa da Mata, entre centenas de outros. Dirigiu também videoclipes (Arnaldo Antunes) e DVDs (“5 a Seco ao vivo no Auditório Ibirapuera” e “Gal Costa - A Pele do Futuro”).


Sobre o Instituto Artium
Um palacete centenário na Rua Piauí, no bairro Higienópolis, tombado pelo Conpresp (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo) e reconhecido como patrimônio histórico; 1700m² de arquitetura eclética, construída no estilo Luís XVI modernizado: esse é o Instituto Artium, espaço cultural da cidade de São Paulo aberto para visitação desde agosto de 2021.

O imóvel foi construído para ser a residência do primeiro cônsul da Suécia em São Paulo, em 1921, passou por duas das grandes famílias paulistas de barões do café e foi propriedade do Império do Japão por 67 anos (de 1940 a 2007). A residência foi fechada durante a Segunda Guerra Mundial e, em 1970, como testemunho da história do Brasil de então, o cônsul-geral do Japão foi sequestrado quando chegava ao local.

Degradado desde 1980, o espaço foi assumido pelo Instituto Artium em 2019, que uma das missões foi executar um minucioso trabalho de restauro visando a manutenção e recuperação do patrimônio histórico do Palacete Stahl, revitalizando jardins, fortemente marcados pela cultura japonesa, sua fachada, em estilo francês, e recuperando elementos ornamentais e decorativos da arquitetura da época de sua construção. A entidade cultural sem fins lucrativos cumpre ainda um plano de atividade que reúne projetos nas áreas da preservação de patrimônio imaterial, preservação de patrimônio material, artes visuais e artes cênicas.


Sobre a Comgás
A Comgás possui mais de 19 mil quilômetros de rede de distribuição de gás natural encanado em 92 municípios, abastecendo os segmentos industrial, comercial, residencial e automotivo, além de viabilizar projetos de cogeração e disponibilizar gás para usinas de termogeração. Com fornecimento ininterrupto e atendimento 24h, a companhia atende mais de 2,1 milhões de clientes em sua área de concessão no Estado de São Paulo: a Região Metropolitana de São Paulo, a Região Administrativa de Campinas, a Baixada Santista e o Vale do Paraíba.


Exposição "Jairo e João: O Teatro na Fotografia de Jairo Goldflus e João Caldas"
Apresentado por:
Ministério do Turismo e Comgás
Realização: Instituto Artium de Cultura, Secretaria Especial de Cultura, Governo Federal.

Ficha técnica da exposição
Artistas: Jairo Goldflus e João Caldas
Curadoria: Rafael Gomes 


Ficha técnica Instituto Artium
Presidente:
Carlos A. Cavalcanti
Diretor geral: Vinícius Munhoz
Diretoras de artes visuais: Graziela Martine e Patrícia Amorim de Souza
Diretor Técnico: Caio Malfatti
Coordenação de projetos: Victor Delboni

Serviço
Instituto Artium
Endereço:
Rua Piauí, 874 - Higienópolis, São Paulo - SP - Brasil - 01241-000
Período expositivo: de 1º de junho a 4 de setembro de 2022
Horário de funcionamento: quarta a sexta, das 12h às 18h; sábado e domingo, das 10h às 18h.
Entrada gratuita
Agendamento on-line pelo site https://artium.byinti.com 

quarta-feira, 25 de maio de 2022

.: Lorenzo Tarantelli, ator e cantor, lança cover com Clarah Passos

Foto: Helena Mello 


O cantor, dublador e ator Lorenzo Tarantelli, finalista do reality show musical da Record Tv, “Canta Comigo Teen”, acaba de lançar novo cover, ao lado da amiga, também cantora, atriz e dubladora, Clarah Passos. O cover já está disponível no YouTube.

A música escolhida pelos amigos foi “Rewrite the Stars”, interpretada por Zac Afron e Zendaya no filme norte-americano “The Greatest Showman”. O “Rei do Show” estreou em 2017 nos cinemas e foi um grande sucesso. Para o cover a produção musical ficou por conta de Rique Azevedo e a produção audiovisual por Helena Mello.

Lorenzo Tarantelli se destaca na dublagem e entre seus principais trabalhos de estão "Young Sheldon", série da Warner; Puppy Dog Palls, da Disney; Mogli entre dois mundos, da Netflix; Go dog,Go da Netflix, "Spidey and His Amazing Friends", e no cinema, dublou "Pantera Negra" (Marvel), "Uma Dobra no Tempo" (Disney), "Pinocchio" (cinema italiano), "Raya e o Último Dragão", (Disney), "Clifford o Gigante Cão Vermelho", da Paramount. Em 2017, estreou no Teatro Musical em "Les Misérables", da Broadway. com o personagem Gavroche; em 2018, fez "Chaplin, o Musical", com os personagens Jovem Charlie e Jackie (O Garoto). Participou do programa da TV Cultura "Cultura, o Musical", um reality de Teatro Musical, em 2019. "Escola do Rock", em 2019, foi seu terceiro musical profissional, com o personagem Billy. Foi finalista do Programa "Canta Comigo Teen 2", da Tv Record, no final de 2021.

Clarah Passos vem marcando presença em diversos trabalhos artísticos desde o início da sua carreira. Participou de cinco webséries e dois curtas-metragens dirigidos por Cynthia Falabella, Charles Davis e Adriano Antunes. Protagonizou o espetáculo “Achados & Perdidos”, dirigido por Cininha de Paula, com a personagem Menina do Casarão. A jovem também atuou em espetáculos em São Paulo e no Rio de Janeiro, dirigidos por Fernanda Chamma, Cininha de Paula, Bernardo Berro, Cyinthia Falabella, Gustavo Klein e Maiza Tempesta. Em 2021, Clarah integrou o elenco da 6ª temporada do The Voice Kids onde todos os técnicos viraram as cadeiras. No mesmo ano Clarah Passos gravou o áudio livro “O Diário de uma Garota Como Você”, da autora Maria Inês Almeida e editora Telos em uma coleção composta por seis volumes de uma divertida história infanto-juvenil. Além dos palcos Clarah Passos também demonstra seu talento em diversos segmentos artísticos e tem se destacado também na dublagem, locução e campanhas publicitárias.

Assista:




quarta-feira, 11 de maio de 2022

.: "Surrender", a biografia de Bono Vox, vocalista do U2 e "mulher do ano"

Em seu livro de memórias, vocalista do U2 relembra a infância, detalha a sua incrível trajetória como músico e os vinte anos dedicados ao ativismo.

Poucos lembram, mas em 2016, Bono Vox, foi o primeiro homem a ser agraciado com o prêmio “Mulheres do Ano” da revista britânica Glamour. A honraria se deu pelo ativismo humanitário em prol das mulheres. Não se sabe se este episódio da vida do artista estará no aguardado livro de memórias de Bono Vox-− artista, ativista e vocalista da banda irlandesa de rock U2 - que chegará às lojas pela Intrínseca. "Surrender: 40 Músicas, Uma História" será lançado em 1º de novembro de 2022 simultaneamente em diversos países, inclusive no Brasil.

Um dos artistas mais icônicos da música de todos os tempos, Bono Vox teve sua carreira amplamente documentada. Mas em Surrender, o músico escreve pela primeira vez sobre sua vida notável e sobre aqueles com quem ele a compartilha. Com sua narrativa envolvente, Bono nos transporta para sua infância em Dublin, e fala da morte repentina da mãe, quando ele tinha 14 anos. O autor também detalha a jornada improvável do U2 até se tornar uma das mais influentes bandas de rock do mundo, além dos seus 20 anos de ativismo dedicado à luta contra a aids e a pobreza extrema.

O subtítulo "40 Músicas, Uma História" faz referência aos 40 capítulos do livro, cada um com o nome de uma música do U2. Bono também criou 40 desenhos originais para a obra e ainda uma animação em vídeo, narrada por ele e baseada em alguns desses desenhos, disponível nas plataformas digitais do U2. O vídeo ilustra um trecho do capítulo "Out of Control", no qual Bono conta a história da composição da primeira música do U2 em 10 maio de 1978, seu 18º aniversário, há exatos 44 anos.

Bono levou sete anos para escrever seu livro de memórias. Com uma profunda autorreflexão e senso de humor, ele analisa sua vida até agora, assim como a fé, família e amigos que o sustentaram, desafiaram e moldaram. Sobre a publicação, Bono diz: “Quando comecei a escrever este livro, minha ideia era desenvolver em detalhes coisas que eu havia apenas esboçado nas músicas. As pessoas, lugares e possibilidades em minha vida. Para mim, 'surrender' (do inglês, “entrega”) é uma palavra repleta de significados. Crescer na Irlanda nos anos 1970, de punho para cima (musicalmente falando), não era um conceito natural. 'Entrega' era uma palavra que, até começar a reunir material para este livro, eu só havia contemplado e, até hoje, ainda luto para compreender um comando que requer tamanha humildade. Na banda, no casamento, na fé, em minha vida como ativista. 'Surrender' é a história de um peregrino com dificuldade de progredir... Com uma boa dose de diversão ao longo do caminho.

“Toda essa paixão que Bono traz para sua música e para sua vida ele também coloca no livro”, diz Reagan Arthur, Publisher da Knopf, a editora americana do original em inglês. “Há sete anos o lendário editor da Knopf, o falecido Sonny Mehta, comprou o livro porque Bono é parte da tradição de grandes contadores de histórias irlandeses e porque sabia que Bono tinha uma história pessoal dramática para contar. Ele é um escritor verdadeiramente talentoso que dedicou os últimos sete anos a documentar sua notável jornada de vida e o resultado é uma história fascinante, ricamente detalhada da família, da fé e da vida de um artista, músico e ativista. Surrender será um dos livros mais empolgantes publicados este ano”. Bono é representado por Jonny Geller na Curtis Brown, Ltd.

Vocalista do U2, Bono já recebeu inúmeros prêmios pela música e ativismo. Foto: John Hewson

Vocalista do U2, Bono Vox nasceu Paul David Hewson em Dublin. Ele conheceu The Edge, Larry Mullen e Adam Clayton na escola e juntos, em 1978, eles formaram o U2. A banda lançou seu primeiro álbum, "Boy", pela Island Records em 1980 e até hoje o grupo lançou um total de 14 álbuns gravados em estúdio, que venderam 157 milhões de cópias no mundo todo. Eleita pela Rolling Stone como "uma apresentação ao vivo simplesmente sem igual", a turnê recordista 360° Tour (2009-2011) continua sendo a de maior bilheteria de todos os tempos de uma banda.

O U2 ganhou inúmeros prêmios, incluindo 22 Grammys, bem como uma indicação ao Oscar, o Prêmio Embaixador da Consciência da Anistia Internacional e um BRIT Award por “Excelente Contribuição à Música Britânica”, a primeira vez que o prêmio foi dado a um não britânico. Em 2005, o U2 entrou para o Rock n' Roll Hall of Fame.

Ao lado de seu papel no U2, Bono é um ativista inovador. Líder da campanha Drop the Debt do Jubileu 2000, ele assumiu a luta contra o HIV/aids e a pobreza extrema, cofundando as organizações irmãs ONE e (RED). ONE é um movimento de milhões de pessoas dedicadas à luta contra a pobreza extrema e doenças evitáveis. Com o ONE, Bono influenciou chefes de Estado e legislaturas em todo o mundo, ajudando a garantir a aprovação de programas, como o programa de aids dos EUA, o PEPFAR, que ajudou a salvar dezenas de milhões de vidas nos últimos 20 anos. (RED) – que faz parceria com empresas para aumentar a conscientização pública e contribuições corporativas para a crise da aids - já gerou mais de US$ 700 milhões para o Fundo Global para tratar e prevenir a AIDS na África. Desde 2020, ONE e (RED) também lutam contra a covid-19 e seu impacto no mundo em desenvolvimento.

Em 2016, Bono cofundou The Rise Fund, um fundo de impacto global que investe em empresas empreendedoras que impulsionam mudanças sociais e ambientais positivas em alinhamento com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Bono já recebeu inúmeros prêmios por sua música e ativismo, incluindo o Liberdade da Cidade de Dublin (com o U2), a Medalha de Honra Pablo Neruda, do Chile, a Legião de Honra do governo francês, um título honorário de cavaleiro britânico, o Fulbright Association Prize for International Understanding e a Pessoa do Ano da revista TIME (junto com Bill e Melinda Gates). Ele mora em Dublin com sua esposa Ali Hewson.


terça-feira, 22 de março de 2022

.: Luisa Bresser estreia em “Poliana Moça” do SBT

Luisa Bresser em "Poliana Moça". Foto: Lourival Ribeiro/SBT


Um dos principais nomes da nova geração do teatro musical brasileiro, a atriz Luisa Bresser, de 15 anos, faz sua estreia na teledramaturgia ao interpretar um dos principais papéis dos núcleos centrais da nova novela do SBT, “Poliana Moça” (continuação do folhetim “As Aventuras de Poliana”),  transmitido a partir do dia 21 de março, às 20h30. Na trama escrita por Iris Abravanel, Luisa interpreta Helena.

“Essa é uma experiência nova e que me traz muitos sentimentos diferentes. Minha primeira novela é uma vilã, mas que não faz só maldades, é uma personagem de muitas camadas. Está sendo um misto de alegria, ansiedade e um frio na barriga! As gravações tem sido incríveis também e toda essa experiência está sendo maravilhosa, ainda mais por ser uma novela tão contemporânea e no SBT, que é um canal que sempre admirei muito. Gratidão!”, diz Luisa.

Sobre a personagem: Helena é a filha mais velha do casal Davi e Eugênia. Inteligente e bonita, mas um pouco arredia e rebelde. Gosta de ficar mais na dela. Tem capacidade de tirar notas boas, mas faz corpo mole para chamar a atenção dos pais. Sente que seu pai está mais preocupado em salvar o mundo do que ficar com ela e acaba mais afastada dele por conta disso, mas no fundo o admira e o ama. Tem dificuldade em lidar com a “perfeição” da família. Acha que Eugênia não gosta tanto dela por não atingir suas expectativas e não ser tão boa como gostaria que ela fosse. Até tenta ser próxima de Poliana, mas é com Song que vai se juntar e aprontar muito. Também se identifica com João, por quem desenvolve certo interesse e causando ciúmes em Poliana.

Sobre Luisa Bresser: Luisa tem 15 anos e, desde pequena, sempre se interessou por música e atuação. Sua preparação conta com ballet clássico na escola Lucianne Murta, atuação no Teatro Escola Célia Helena, coach com Lígia Cortez, preparação de voz com a fonoaudióloga Silvia Pinho, orientação de carreira vocal com a coach Andreia Vitfer, sapateado com Chris Matallo e diversas aulas no Studio Broadway.

A sua primeira experiência profissional foi a participação em “Billy Elliot”, onde interpretou Debbie Wilkison no espetáculo que tinha no elenco nomes como Carmo Dalla Vecchia, Sara Sarres, Vanessa Costa, dentre outros.

Depois do Billy e seguindo com os estudos, foco e força de vontade, Luisa conquistou mais uma oportunidade: foi selecionada para interpretar Summer Hathaway, uma das personagens de destaque no “Escola do Rock – O Musical”. O espetáculo foi um marco para a carreira da jovem atriz.

A temporada de “Escola do Rock – O Musical” encerrou em dezembro de 2019 e, em janeiro de 2020, Luisa já estava se preparando para seu terceiro espetáculo “Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate”. Paralelamente à peça, Luisa foi confirmada no elenco da nova fase da novela “As Aventuras de Poliana”, do SBT. Esta será a estreia da artista na televisão.

Em janeiro de 2021, mais uma conquista: Luisa foi confirmada para interpretar Veronica Sawyer na temporada de “Heathers - O Musical”. Dirigido por Fernanda Chamma, o espetáculo foi mais um grande sucesso e aprendizado em sua carreira, já que a peça, realizada em meio a pandemia, contou com diversos desafios para manter a segurança dos atores e do público. Quando a arte praticamente sumiu da nossa realidade, Luisa provou mais uma vez o seu talento e amor pelos palcos.

Filha de Jeniffer Bresser (designer de presentes personalizados e exclusivos) e Daniel Bresser (diretor da Escola Móbile), irmã de Sofia Bresser (influencer digital) e Artur Bresser, Luisa é apaixonada pelo que faz e não mede esforços para se aprimorar cada vez mais. 


quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

.: "Sing 2" e "King's Man": destaques da semana no Cineflix Cinemas


"Sing 2", “King’s Man: A Origem”, “O Festival do Amor”, “Turma da Mônica - Lições”,  "Homem Aranha: Sem Volta para Casa" e “Matrix - Resurrections” em cartaz na Rede Cineflix Cinemas.


Música e diversão esperam os espectadores da Rede Cineflix com a estreia de “Sing 2”, sequência da animação de sucesso lançada em 2016. Dessa vez, o coala Buster Moon e seu elenco de estrelas encaram um novo desafio: estrear um show na glamurosa Redshore City, a capital mundial do entretenimento. Mas, antes, precisam convencer um leão astro do rock que está afastado dos palcos há 15 anos a se juntar a eles.

O personagem é interpretado na versão original pelo líder da banda U2, Bono. No Brasil, a dublagem conta com a voz de estrelas como Any Gabrielly, Fábio Jr., Lexa, Paulo Ricardo, Sandy e Wanessa Camargo. A trilha sonora traz versões de músicas dos cantores Shawn Mendes, The Weeknd, Ariana Grande e Aretha Franklin, além de uma faixa composta especialmente para o filme interpretada pelo U2.

Outra estreia da semana é “King’s Man: A Origem”, que retrata o início da organização de espionagem Kingsman. O terceiro filme da franquia se passa na Primeira Guerra Mundial, quando o Duque de Oxford pretende afastar o filho da batalha, mas o garoto deseja se alistar a todo custo. Dotado de influência entre os líderes da Inglaterra, Alemanha e Rússia, o nobre tenta impedir que o conflito continue, até perceber a existência de uma força maligna capaz de provocar milhares de mortes. Surge a ideia de criar uma agência secreta, agindo nas sombras em nome da paz. A trama conta com aparições de figuras históricas como Czar Nicolau II, Rasputin e Francisco Ferdinando. 


A comédia romântica “O Festival do Amor”, com direção e roteiro de Woody Allen, é o novo filme do aclamado diretor nas telonas. Na trama, Mort Rifkin (Wallace Shawn) é um crítico de cinema que viaja para Espanha com a esposa Sue (Gina Gershon), para acompanhar o festival de San Sebastian. Rifkin sente ciúmes da relação de sua esposa com um diretor francês e desconfia que os dois têm um caso. Porém, ele mesmo se vê interessado em uma jovem espanhola. Esses relacionamentos extraconjugais acabam influenciando consideravelmente o casamento dos dois. Crítica do filme neste link.


“Turma da Mônica - Lições” estreou na quinta-feira passada, dia 30 de dezembro, e é a maior abertura nacional desde março de 2020, acumulando mais de R$ 14 milhões de renda. O ponto de partida da trama é a fuga frustrada de Mônica (Giulia Benite), Magali (Laura Rauseo), Cebolinha (Kevin Vechiatto) e Cascão (Gabriel Moreira) da escola, que acaba com a líder da turminha quebrando o braço. Por conta do acidente, os pais de Mônica decidem mudá-la de colégio e a proíbem de encontrar os amigos, enquanto os outros pais decidem colocar seus filhos em atividades extracurriculares para que ocupem seus tempos longe uns dos outros. 

Em cartaz há três semanas, o filme "Homem Aranha: Sem Volta para Casa" registra recordes históricos ao redor do mundo e continua sendo a principal escolha dos brasileiros para assistir no cinema. Estrelado por Tom Holland, Tobey Maguire e Andrew Garfield, o longa-metragem da Marvel continua em primeiro lugar nas bilheterias nacionais. As cenas da superprodução ficam ainda mais eletrizantes no conforto da rede Cineflix Cinemas. Crítica do filme neste link.


“Matrix - Resurrections”, quarta sequência da franquia estrelada por Keanu Reeves, também pode ser assistido nos cinemas da Rede Cineflix e, mais uma vez, embarcar nas aventuras de Neo. No filme, ele vive uma vida comum sob sua identidade original como Thomas Anderson, mas é atormentado por memórias estranhas. Quando uma nova versão de Morpheus oferece a ele a pílula vermelha e reabre sua mente para o mundo da Matrix, o personagem volta a lutar contra um novo e mais perigoso inimigo para livrar todos da Matrix. Crítica do filme neste link 

Mais informações sobre a compra de ingressos, valores e programação, acesse o site oficial da rede: https://www.cineflix.com.br/Em parceria com o Cineflix Cinemas, o Resenhando.com assiste aos filmes em Santos, no primeiro andar do Miramar Shopping. O Cineclube do Cineflix traz uma série de vantagens para quem ama cinema. Redes sociais do Cineflix: FacebookInstagramTwitter.

Os clientes da rede Cineflix Cinemas podem contar com o Cartão VIP, em que as pessoas podem ir ao cinema com acompanhante o ano inteiro a um valor bem competitivo - mais informações neste link. Além disso, a rede traz uma série de projetos voltados para quem adora assistir filmes, que você pode conferir aqui - um deles pode se encaixar no que você procura. 

 

Próximas postagens → Página inicial
Tecnologia do Blogger.