quarta-feira, 9 de junho de 2021

.: "Heathers – Musical": Beca Guerra integra elenco da nova temporada

De volta aos palcos em 2021, o sucesso ‘Heathers – Musical’ tem novo elenco e desta vez a atriz Beca Guerra integra o elenco do espetáculo


Heathers é um musical emocionante que pulsa a energia dos corações adolescentes. Baseado no filme homônimo de Daniel Waters, o musical de Laurence O'Keefe e Kevin Murphy, versionado para o português por Rafael Oliveira, se passa em 1989 e conta a história da jovem Veronica Sawyer em seu último ano no colégio. Em busca de um mundo melhor, Verônica, juntamente com seu namorado JD vivem a adolescência tentando se auto-descobrir. Será ela uma Heather capaz de tudo para ser popular? Qual o valor de uma real amizade? Entre canções que falam sobre amor, vida, morte, perdão e reconciliação, o universo jovem é apresentado de uma forma alegre e positiva, apesar de mostrar as crueldades do mundo real.

Trazendo aspectos de suspense e terror que marcam os clássicos da década de 80, Heathers é uma obra rock que tem uma legião de fãs pelo mundo e promete conquistar vários corações. Com direção geral de Fernanda Chamma em parceria com a também diretora Daniela Stirbulov, coreografias de Tutu Morasi e direção musical de Renan Achar, o formato do show segue a linha americana da montagem com a participação e 35 jovens talentos e nomes consagrados do gênero.

A temporada de Heather, licenciada para o Brasil, terá todos os protocolos de segurança exigidos pela OMS.

Com 14 anos de idade, Beca Guerra estuda canto desde seu 1 ano e 6 meses com a coach Amanda Bamonte. Em seus projetos mais atuais estão os musicais “João e Maria” e “Matilda in Concert”, ambos com direção de Fernanda Chamma. Beca integrou também o elenco de “A Christmas Carol”, apresentado no Teatro Renault e “Banquete de Natal”, musical com direção geral de Fernanda Chamma. Montagem musical de “Matilda”, atuando como personagem Lavender, do Espaço 4 Fun. Participação na websérie “Academia de Super Heróis”, dirigida por Rica Montoanelli e websérie “Histórias Aterrorizantes que a Minha Vó Contava”. Beca participou do preparatório para o musical “School of Rock” e hoje estuda Teatro Musical no Estúdio Broadway, além das aulas de jazz, sapateado, canto e interpretação. Estuda Teatro e TV com a preparadora de atores Fátima do Valle.


Serviço:

Heathers – Musical

Estreia 12 de junho

Teatro Cassiano Gabus Mendes

Duração: 120 minutos

Gênero: Musical

Classificação etária: Livre

Ingressos: sigaartista.eadplataforma.com


 Ficha técnica:

Músicas, letras e libreto: Laurence O'Keefe e Kevin Murphy,

Versionista: Rafael Oliveira

Direção Geral: Fernanda Chamma

Direção: Daniela Stirbulov

Direção Musical: Renan Achar

Coreografias: Tutu Morasi

Direção Residente e Assistência de Direção: Roberto Justino

Direção de Produção: Renata Alvim

Realização: Estúdio Broadway


terça-feira, 8 de junho de 2021

.: "Manual Para Super-Heróis" empodera crianças para revolução sustentável

Atriz e ativista ambiental Laila Zaid estreia como autora pela Editora Melhoramentos

Quando o vilão é muito forte, não tem como salvar o mundo sozinho. É preciso reunir todos os super-heróis para que cada um colabore da sua maneira, com suas melhores habilidades. Hoje, o planeta está enfrentando uma batalha terrível pela sustentabilidade e cada um de nós pode ajudar a salvá-lo. Se você quer ganhar superpoderes e fazer a diferença nesta causa, precisa conhecer o "Manual Para Super-Heróis - O Início da Revolução Sustentável", lançamento da Editora Melhoramentos, escrito por Laila Zaid, conhecida por seus trabalhos como atriz e ativista ambiental.

"Foi na infância que aprendi o quanto algumas atitudes são nocivas ao planeta e tive o senso de urgência da mudança. Para mim, não foi tão difícil porque cresci cultivando hábitos sustentáveis, mas eu sei que mudar não é fácil. O segredo é ensinar as crianças, dar ferramentas, para que elas saibam o que fazer e como ensinar outras pessoas a fazer também, para serem multiplicadores", explica Laila, que inicia na literatura convidando a todos para uma revolução sustentável.

A linguagem é o ponto chave do livro, que transmite informações importantes de maneira leve e interativa em meio a ilustrações, curiosidades, divertimentos e uma jornada do herói com 12 missões que têm diferentes níveis de dificuldade. Mais do que ensinar como fazer, o manual explica o porquê de cada assunto abordado e de cada vilão a ser combatido.

As dicas não envolvem apenas as consequências relacionadas ao meio ambiente, mas a nossa natureza como ser humano. Ao indicar o plantio do próprio alimento, por exemplo, aprendemos que é a oportunidade de ter um contato mais próximo com a terra e de acompanhar todo o ciclo de vida desse ser vivo, que irá se desenvolver graças ao cuidado de quem o cultivou. Tem ainda a missão da meditação, uma prática para aumentar o poder do super-herói. Com um passo a passo simples e muito eficiente, a criança aprende a prestar atenção ao que está acontecendo em seu corpo, na sua mente e ao seu redor.

Para garantir que a publicação de seu livro acontecesse de maneira sustentável, Laila fez questão de que fosse produzido sem a embalagem em shrink, um plástico resistente que costuma envolver os livros novos. Além disso, toda a impressão foi feita em folhas de madeira de eucalipto, um plantio de árvores próprio para a produção de papel, respeitando os limites dos ecossistemas. "A mudança começa dentro de nós, mas precisa evoluir para nossas ações do dia a dia. Por isso, empoderar as crianças é a maneira mais eficiente de expandir essa revolução", afirma.

Com lançamento para 5 de junho, no Dia Mundial do Meio Ambiente, o livro conta com a participação de outros dois super-heróis: Mateus Solano, ator e ativista que fez o texto de apresentação, e a engenheira ambiental Aline Matulja, amiga pessoal de Laila e responsável pela revisão técnica da obra.

Sobre a autora: Estudou Publicidade na PUC-RJ, mas encontrou seu caminho há mais de 15 anos nas artes cênicas, com inúmeras novelas, filmes e peças de teatro na bagagem. Ligada às causas ambientais desde pequena, aprendeu a usar suas redes sociais para ecoar seu ativismo. Mas, essas não são suas únicas paixões. Entre um trabalho e outro dedica- se à educação infanto-juvenil, atuando com crianças e jovens em escolas da rede pública e em instituições não governamentais. A ideia do Manual Para Super-Heróis - O Início da Revolução Sustentável nasceu no projeto Eu, Coletivo, onde Laila junta seu conhecimento artístico com conscientização social e ambiental.


Ficha técnica

Livro: Manual Para Super-Heróis

Autora: Laila Zaid

Ilustradoras: Clara Candelot e Fernanda Fricke

Número de páginas: 112

Altura: 23cm

Largura: 16cm

ISBN: 978-65-5539-298-2

Preço sugerido: R﹩ 40,00

.: "Missão Cupido" estreia dia 10 com Ágatha Moreira e Isabella Santoni

“Missão Cupido”, filme com Ágatha Moreira, Isabella Santoni e Lucas Salles, estreia nos cinemas na quinta, dia 10. A irreverente comédia romântica tem direção de Rodrigo Bittencourt e traz ainda no elenco Victor Lamoglia, Thais Belchior, Rafael Infante, Guta Stresser e Kiko Mascarenhas


“Missão Cupido”, comédia protagonizada por Isabella Santoni, Ágatha Moreira e Lucas Salles, chega aos cinemas na próxima quinta, dia 10, às vésperas do Dia dos Namorados. Com direção de Rodrigo Bittencourt (“Totalmente Inocentes” e “Real - O Plano por Trás da História”), o filme traz ainda no elenco nomes como Victor Lamoglia, Thais Belchior, Rafael Infante e participações de Guta Stresser e Kiko Mascarenhas. O roteiro e a trilha sonora também são assinados por Rodrigo. As 16 músicas já estão disponíveis em uma playlist no Spotify. Ouça aqui.

Com narrativa pop e estética surrealista, o longa conta a história do rebelde anjo da guarda Miguel (Lucas Salles), que profetiza que sua protegida Rita (Isabella Santoni) jamais encontrará um amor. Ela passa a vida querendo se divertir, focando no prazer, sem jamais pensar em um relacionamento duradouro. Miguel, então, recebe uma ordem expressa do Presidente (Rafael Infante), o dono da Miracle (Rafael Infante), uma agência de seguros de vida da qual os assegurados são os seres humanos e os funcionários são anjos contratados pela empresa: ele precisa voltar à Terra para resolver o problema que causou.

O tempo de Miguel é curto, já que Rita cai nos encantos da sedutora Morte (Agatha Moreira), que assume a forma de uma mulher sensual e trava um duelo emocionante com o anjo da guarda pelo coração da moça. Com a ajuda do anjo Rafael (Victor Lamoglia), ele precisa encontrar um amor para Rita, enquanto Morte não pensa em desistir até levar a jovem com ela. 

Produzida por Clélia Bessa, da Raccord, a comédia romântica foi rodada em locações em Nova Friburgo e arredores e no Rio de Janeiro. “Missão Cupido” tem coprodução da Paramount Pictures e distribuição da H2O Films.

Sinopse: Miguel é um anjo da guarda hilário e rebelde que é designado a cuidar de Rita, que acabou de nascer. Sem ligar pro poder das palavras dos anjos, acaba profetizando um monte de loucuras para a vida da menina. Tempos depois, o anjo recebe uma ordem vinda diretamente d’Ele, o todo-poderoso presidente da agência de seguros de vida Miracle: Miguel deve descer à Terra e resolver os problemas que causou na vida de sua assegurada. Além de detestar voltar à Terra, Miguel terá que aprender a lidar com emoções tipicamente humanas que surgirão durante sua missão. E salvar Rita das mãos da Morte, uma linda cantora de rock que atrai as vítimas para seu bar e as seduz com sua voz. Comédia romântica. Duração: 94 minutos.

Elenco - personagens

LUCAS SALLES - Miguel

ISABELLA SANTONI - Rita

AGATHA MOREIRA - Morte

RAFAEL INFANTE - Presidente

VICTOR LAMOGLIA - Rafael

THAIS BELCHIOR - Carol

DANIEL CURI - Querubim

GUTA STRESSER - Dona Marlene

KIKO MASCARENHAS - Pai do Miguel


FICHA TÉCNICA

Direção - Rodrigo Bittencourt

Produção - Raccord Produções

Produzido por Clélia Bessa

Roteiro - Rodrigo Bittencourt

Produção Associada - Marcos Pieri; Rosane Svartman

Coprodução - Paramount Pictures

Produção Executiva - Fernanda Kalume

Direção de Fotografia - Fábio Burtin

Direção de Arte - Chico de Andrade

Montagem - Guilherme Bechara

Direção de Animação - Pedro Poscidônio

Finalização - Juca Diaz

Trilha Sonora Original - Rodrigo Bittencourt; Daniel Lopes

Som Direto - Alvaro Correia

Desenho de Som - Ariel Henrique; Ricardo Zollner

Mixagem - Ariel Henrique

Figurino - Fúlvia Costalonga; Thalita Savordelli

Caracterização - Cacá Zech

Distribuição - H2O Films


Trailer


Cenas de "Missão Cupido"

.: Peaky Blinders da Netflix: O que é a inteligência DWRI?

Essa habilidade é recém-descoberta pelo PhD, neurocientista Fabiano de Abreu; ele analisa a personalidade do personagem


A produção “Peaky Blinders” chegou às telinhas do Brasil no ano passado e foi sucesso absoluto de audiência. A boa repercussão nacional não se deve apenas ao bom elenco e à estética do plano de fundo, mas também ao roteiro carregado de referências históricas.

Thomas Shelby, personagem principal da trama, é líder de uma gangue – chamada Peaky Blinders – que controla a cidade de Birmingham. Autoritário, destemido e super inteligente, ele briga com gangues rivais, enfrenta as autoridades e não mede esforços para ter sucesso nos negócios.

Tais ações, feitas com o que pensamos ser uma leve frieza, chamou a atenção do PhD, neurocientista e neuropsicólogo Fabiano de Abreu Rodrigues, diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito (CPAH), que avalia suas características. "É interessante analisar a personalidade de Thomas Shelby. Ele não é exatamente uma pessoa fria, pelo contrário, ele é até bastante emotivo e extremamente racional, pois tem o poder de manipular seu próprio sistema límbico através do seu córtex pré-frontal", disse o especialista, que também acrescenta. "Todos esses âmbitos lhe confere uma inteligência DWRI", completa.

"DWRI" é a sigla para "Development of wide regions of intellectual interference" ou em português, "Amplas regiões relacionadas à inteligência desenvolvidas", e trata-se de um novo tipo de inteligência recém-descoberta pelo neurocientista onde a pessoa DWRI tem que ter alto QI, que é a lógica, mas também precisa ter a cognição desenvolvida sem nuances que causam déficit em qualquer região do cérebro correlacionada à inteligência. O conceito atribuído, de acordo com o neurocientista, "é o domínio da inteligência emocional, o qual a razão se sobressai à emoção. É conseguir utilizar e ter domínio de seu córtex pré-frontal, tendo uma maior capacidade na plasticidade cerebral".

Análise da personalidade de Thomas Shelby

Quem viu a série, sabe o quanto os planos de Thomas Shelby são muito bem calculados e certeiros, o que o faz ser bem sucedido em tudo que faz. Em relação a como o personagem se sobressai em suas ações, de acordo com o especialista, é o fato dele não se desesperar em situações difíceis, já que consegue controlar suas emoções.

"Repare que, mesmo que a situação seja caótica, ele sempre busca na calma a melhor reflexão, isso é um ato extremamente inteligente e difícil, mas pessoas DWRI não encontram dificuldade nisso, soa natural mesmo que pese mentalmente", diz o neurocientista, que também acrescenta o perfeccionismo como uma de suas personalidades.

"A maneira como ele cuida da empresa, da família, das roupas que veste, tudo nos mínimos detalhes, é um bom mecanismo de precipitação, antecipando e evitando que os problemas sejam agravados. É típico de pessoas com superdotação que premeditam possibilidades futuras", completa.

A expressão corporal, segundo Fabiano de Abreu, também faz parte das características de pessoas com inteligência DWRI, como é o caso de Thomas. O especialista explica que sua postura sempre demonstra não estar preocupado com o que acontece em sua volta e essa leveza o leva a posição de líder, já que é calmo e obtém o domínio da situação.

"Em pessoas DWRI, ser líder sem parecer ser 'chefe' e assim conquistar as pessoas, criando um vínculo de dependência, aprovação, admiração, entre outros, para conquistar as pessoas e ter menos inimigos", finalizou.

.: Carpinejar para crianças. Conheça "Médico das Roupas"!


Juliano não gosta de futebol, não gosta de redes sociais, não gosta de videogame, não gosta do que todo mundo de sua idade gosta. Mas ele se encantou com a arte da linha e costura. O que ele mais deseja na vida é fazer as próprias roupas e não depender mais do irmão para se vestir. Esta é a história de um menino solitário e peculiar que descobre a sua vocação e passa a ser reconhecido pela família e pelos amigos. Ele torna-se médico das roupas, salvando peças mortas e descartadas com o seu desenho e com a sua imaginação.

Você pode comprar "Médico das Roupas", de Carpinejar, aqui: amzn.to/3gl1K4b

Livro: Médico das Roupas

Autor: Carpinejar

.: Museu Casa de Portinari reabre hoje, dia 8 de junho

Museu Casa de Portinari. Foto: Leandro Lé


O Museu Casa de Portinari, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, do Governo do Estado de São Paulo, gerida pela ACAM Portinari, comunica que abrirá ao público a partir desta terça-feira (8).

De terça a domingo, o espaço cultural estará aberto das 11h às 16h, seguindo todos os protocolos de segurança sanitária para seus funcionários e visitantes. Às segundas-feiras, o Museu é fechado para manutenção e limpeza.

As atividades educativas e culturais e o tour virtual, também estão disponíveis de forma on-line pelas redes sociais e site (museucasadeportinari.org.br/culturaemcasa).

segunda-feira, 7 de junho de 2021

.: "As Winsherburgs" em "A cidadezinha de São Franciso de Assis"


Por: Mary Ellen Farias dos Santos

A Cidade de São Francisco de Assis era o lugar ideal para se viver, ao menos era o que todos os turistas pensavam ao aproveitar um final de semana no lugar que mais parecia uma pintura realista pronta para ganhar pinceladas impressionistas de Claude Monet. Parecido com “O Campo de Papoulas perto de Giverny”, “Ilha das Flores” ou “Paisagem de Vétheuil”.

As grandes montanhas arborizadas e floridas, com caminhos de terra, mesmo quando se afinavam, indicavam o caminho exato para chegar até o topo.

Era de lá do alto dessas montanhas que se via muito da vida alheia, cada um representado por uma formiguinha trabalhadeira. Saindo de suas casas ainda antes de o Sol nascer, de fato, para retornar quando a Lua já brilhava enquanto subia. No entanto, era lá no bairro de Santa Terezinha em que estava a família Winsherburg.

- Vamos, Mary! Levante-se o café da manhã já está na mesa e você ainda precisa colocar o uniforme! -gritou Ellen na cozinha. Eu não posso me atrasar, filhinha! Venha! –Insistiu mais uma vez, mas com a voz amorosa e sem sair do lugar.

Ao longe, o som misto de resmungos indecifráveis e chinelos de quarto arrastados ecoavam por todo o corredor da casa. Isso já era um bom sinal, pois o fim do corredor dava exatamente na cozinha.

Naquele finalzinho do corredor, Mary parou de olhos fechados, decidindo brincar de estátua descabelada.

Ao ver a cena, Ellen simplesmente soltou a respiração mais forte pelo nariz e virou os olhos como que procurando por paciência, o que ela já estava prestes a perder. Contudo, segurou-se.

- Aãããããn!, mãe eu madruguei ontem. A senhora sabe! Por que eu não posso ficar? Preciso descansar a minha mente, meu corpo. O que acha?, propôs mary.

Ellen também fechou os olhos e disse:

- Você vive debaixo do meu teto, mocinha! Eu não permiti que ficasse até a madrugada brincando no celular. Agora, estamos perto da hora de ir para a escola, eu vou dar aula e você estudar. Está pensando que é fácil...

Mary completou a fala da mãe: “ser professora?”

- Eu sei, mãe! Mas a live ficou tão boa. Todos! Eu disse que TODOS os meus amigos da escola estavam e eu fui ficando... ficando! Os meus olhos cada vez mais abertos... perdi o sono!

Enquanto falava, Mary escorregava pela cadeira da mesa que servia um farto café da manhã com suco de laranja puro, donuts, pães e seus acompanhamentos prediletos: requeijão, manteiga, queijo e peito de frango fatiados. Tudo colocado com capricho numa linda toalha de mesa com bordas azuis e flores arroxeadas no centro.

Mary, sabe o que eu vou fazer?, perguntou a mãe.

Não! Nãããão! Por favor! Por favorzinho!, suplicou a filha, mas Ellen a impediu que dissesse mais qualquer outra coisa.

- Eu declaro aberta a semana de confisco ao celular. Todo dia, quando voltarmos juntas da escola, o seu aparelho ultramoderno ficará sob meus cuidados. Seja solene ao avisar aos seus amiguinhos da live! Agora, encerro o meu pronunciamento a respeito do assunto. –concluiu Ellen enquanto enchia um copo d´água diante do filtro branquinho.

Mary sabia que não deveria abrir mais o bico, pois a mãe dela era a lei em casa. Benjamin, era dono do posto de amado papai Winsherburg, mas também sabia que, no final das contas, quem sacudia as rédeas com as meninas, era Ellen. Nunca ninguém ousava contestar.

Mamãe é chata, mas sabe o que é melhor. Ao menos é o que vivem dizendo Lolita e Samantha, pensou Mary enquanto degustava seu pão com muito requeijão, uma fatia de queijo e duas de peito de frango.

* * * 

Lola gargalha e aponta com uma das mãos para Sam, embora segure a barriga com a outra mão, enquanto se curva, mesmo estando sentada na cadeira do escritório que as duas dividiam.

- Não! Você não tem moral para me repreender por ter chorado com a cena de Ferris Buller no desfile de “Curtindo a Vida Adoidado”, Sam! Tu não tem mesmo!, sentenciou Lola.

Lola, que reclama sentir dor nas bochechas de tanto rir, completa:

- Maninha, tu chora sempre quando assiste o final de “Guardiões da Galáxia Vol. 2”. Gosta tanto assim do Yondu, é? Ou fica derretida pelo baby Groot quando ouve “Father and Son” no colinho de Peter Quill?

Lola era do tipo impaciente e séria, mas com Samantha ela agia diferente. Ela se soltava, era mais livre como se pudesse ser como gostaria, mas tinha medo. Afinal, desde criança na escola, para todos, Lola era a irmã estudiosa e centrada, enquanto que Sam era sonhadora até. Ah, Petra que o diga! As tristes histórias escolares das gêmeas foram marcadas por essa garota com coração de pedra.

Com cara emburrada, mas querendo rir, Sam rebate:

- Tá! Tá! Aguarde a sua hora vai chegar! Nada como um dia após o outro, Lolinha querida.

De repente, um vento forte invade a agência, enquanto um barulho ensurdecedor vem junto com um clarão.


Assista também:






.: "Era Uma Vez em... Hollywood", a estreia de Tarantino na literatura

O aclamado diretor Quentin Tarantino estreia na literatura com o livro "Era Uma Vez em… Hollywood", lançado no Brasil pela editora Intrínseca. Após uma década de trabalho mediana, Rick Dalton acha difícil engolir a ideia de que a indústria cinematográfica passa muito bem sem ele, obrigado. 

Sentindo que sua carreira de ator está cada vez mais próxima do fim e mergulhado em uma crise existencial, Rick está disposto a se submeter ao lobby cruel de Hollywood para tentar adiar sua ruína. 

Cliff Booth, seu dublê e melhor amigo, também começa a perder oportunidades, mas não necessariamente por causa do declínio do chefe. Booth, que pode ter matado a própria esposa e escapado da cadeia, é visto como assassino em quase todos os sets de filmagem. 

Mas o condecorado veterano da Segunda Guerra Mundial, mais bonito do que a maioria dos galãs, segue manobrando seu destino pelas curvas de Hollywood Hills, em meio às hordas de hippies… que em 1969 estão por toda parte e nem sempre pregando a paz e o amor. 

Um grupo de adolescentes liderado por um aspirante fracassado a astro do rock, por exemplo, vem espalhando destruição e ódio. "Era Uma Vez em… Hollywood" é uma leitura de fôlego, com ritmo de humor e recheada de pérolas sobre a era de ouro do cinema. 


Sobre o autor
Quentin Tarantino
faz sua aguardada estreia na literatura com "Era Uma Vez em… Hollywood". Dono de uma imaginação vibrante, ele é um dos maiores  expoentes do cinema de sua geração. Estreou como diretor em 1992 com "Cães de Aluguel" e em seguida escreveu, dirigiu e estrelou um de seus filmes mais adorados, "Pulp Fiction", com o qual ganhou seu primeiro Oscar de Melhor Roteiro.

Depois dos aclamados "Jackie Brown", "Kill Bill Volumes 1 e 2" e "À Prova de Morte"Tarantino lançou seu épico sobre a Segunda Guerra Mundial, "Bastardos Inglórios", e "Django Livre" — com o qual ganhou seu segundo Oscar de Melhor Roteiro. Seu trabalho mais recente, "Era Uma Vez em… Hollywood", foi indicado a cinco Globos de Ouro, dez Baftas e dez categorias do Oscar.

.: "Escola de Contos Eróticos para Viúvas" chega às livrarias


Com história picante e empoderada, "Escola de Contos Eróticos para Viúvas" chega às livrarias pelo selo Essência. Obra da autora Balli Kaur Jaswal foi escolhida para o clube de leitura da atriz Reese Witherspoon e pelo clube TAG Inéditos.

Lançamento pelo selo Essência, "Escola de Contos Eróticos para Viúvas", da autora Balli Kaur Jaswal, conta a história de Nikki, filha de imigrantes indianos que passou a maior parte de seus vinte e tantos anos distanciando-se da tradicional comunidade sikh em que nasceu, preferindo uma vida mais independente e, em outras palavras, ocidental.

No entanto, após a morte repentina de seu pai, sua família acaba ficando com problemas financeiros. Nikk largou a faculdade de direito e mesmo sem ter encontrado seu propósito na vida, se sente na obrigação de ajudar a mãe e a irmã. Ela encontra então uma oportunidade perfeita de um trabalho extra: dar aulas de escrita criativa em um centro comunitário no coração da comunidade punjabi, em Londres.

Quando chega lá, percebe que as viúvas sikh que serão suas alunas precisam primeiro aprender inglês para escrever pequenas cartas e ler placas... e não contos literários. Frustrada, Nikki duvida que seja apta a essa tarefa. Porém, ao notar uma das mulheres compartilhando um livro de contos eróticos com a turma, Nikki percebe que, por baixo de suas vestimentas brancas, suas alunas escondem uma enorme riqueza de fantasias e memórias. Logo, Nikki e as viúvas embarcam em uma jornada juntas, contando e escrevendo essas histórias que estavam guardadas dentro delas.

Sobre o autor
Balli Kaur Jaswal já participou de diversos festivais literários internacionais, além de realizar diversos workshops e palestras. Ex-aluna da Universidade de East Anglia, Jaswal ensinou Escrita Criativa no Yale-NUS College e na Nanyang Technological University, onde atualmente cursa doutorado. "Escola de Contos Eróticos para Viúvas" é seu terceiro romance e foi escolhido para o clube do livro de Reese Witherspoon em 2018, além de ter sido publicado pelo clube brasileiro TAG Inéditos. Os direitos de tradução foram vendidos para mais de dez países e no cinema foram adquiridos pela produtora de Ridley Scott.


O que Reese Witherspoon disse sobre o livro
"Essa é uma história sobre a libertação de mulheres de todas as idades, e sobre o empoderamento necessário para que possam expressar seus desejos, seus sonhos e o que faz com que elas se sintam bem. Acima de tudo, é um livro sobre como mulheres de diferentes gerações podem se unir para mudar suas comunidades." Reese Witherspoon, atriz de "Big Little Lies", "Pequenos Incêndios por Toda Parte" e "Legalmente Loira".


Ficha técnica:
Título: "Escola de Contos Eróticos para Viúvas"
Autor: 
Balli Kaur Jaswal
Editora:
Planeta
Selo: Essência
Páginas: 304
Link na Amazon: https://amzn.to/3ghSr4O

.: Em novo livro, Don DeLillo reflete sobre dependência tecnológica

“Um romance apocalíptico para os nossos tempos”, assim definiu o jornal The Guardian sobre o romance "O Silêncio", de Don DeLillo. Em um livro que radicaliza o caráter especulativo de sua ficção, o premiado escritor americano traz notícias de um mundo perplexo diante da velocidade das mudanças que nos fazem questionar certezas sobre cultura, tecnologia e identidade.

Em um dia de 2022, ao sofrer as consequências de um evento misterioso que causou pane em aviões, apagou telas de celulares e tornou inviável a civilização como a conhecemos, os personagens de "O Silêncio" — um casal que escapou de um desastre aéreo, um jovem professor de física, a ex-professora dele e seu marido fã de apostas — refletem sobre morte e sobrevivência, verdade e representação, tempo e segurança.

No passo lento e vertiginoso de sua prosa, um realismo tão acurado quanto distorcido no qual os ambientes não são bem ambientes, os diálogos não são bem diálogos, os sentidos da história parecem às vezes tão claros e às vezes tão distantes, impalpáveis, Don DeLillo dá ao romance o poder de dizer o indizível — e assim, quem sabe, reverter a impressão de que “o mundo é tudo, o indivíduo, nada”.

Sobre o autor
Don DeLillo nasceu em Nova York, em 1936. Sua obra inclui romances, contos e peças de teatro. Em 1985, recebeu o prestigioso National Book Award por Ruído branco. Também foi agraciado com o PEN/Faulkner Award e o Library of Congress Prize for American Fiction. Entre seus trabalhos mais conhecidos estão "Os Nomes" (1982), "Submundo" (1997) e "Zero K" (2016), todos publicados pela Companhia das Letras.

Ficha técnica
Livro: 
"O Silêncio"
Autor: 
Don DeLillo
Tradução: Paulo Henriques Britto
Número de páginas:
112
Editora: Companhia das Letras
Link na Amazon: https://amzn.to/2TBf4JR

Conversa com Don DeLillo


← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.