sexta-feira, 25 de setembro de 2015

.: "Scream Queens": Rainhas do grito no estilo "Todo mundo em pânico"

Por: Mary Ellen Farias dos Santos
Em setembro de 2015


Tudo começa em 1995. Mãos com sangue no estilo Carrie -personagem criada por Stephen King que surpreendentemente é citada de forma didática, embora a cena, nitidamente, fizesse referência; sem contar que até o final do episódio, surge no texto o nome da atriz Sissy Spacek. Quem é a dona daquele líquido vermelho?

Uma candidata à irmandade Kappa Kappa Tau. Como ela perdeu tal visco? Ao, simplesmente, ganhar um bebê na banheira da casa da fraternidade que está em festa. Chocante! Sim! Em tempo, o início lembra bem o estilo do seriado "American Horror Story" que, normalmente, traz um belo flashback antes de chegar aos dias atuais. 

No entanto, o destaque do episódio de estreia do seriado "Scream Queens", exibido na FOX, escrito para Emma Roberts brilhar, é todo voltado ao mergulho profundo na cultura pop. Em meio a tantas referências pipocando diante dos olhos, os ouvidos logo são provocados por referências a "Crepúsculo" e "Game of Thrones", mas o ponto alto começa com Bat for lashes, interpretando "What´s a girl to do?" e TLC com "Waterfalls". Confesso que foi neste momento, com a música do trio pop dos anos 90, em que fui fisgada pela criação de Ryan Murphy, Brad Falchuk, Ian Brennan.

Sim! A verdade é que o titio Ryan Murphy sabe envolver o público com canções cheinhas de recordações. Ao longo do episódio piloto  escutamos "A Thousand Years" (Christina Perri), "Heart and Soul" (T´Pau), I Know There´s Something Going On (Frida), Hold me Now (Eden), Shake it Off (Taylor Swift) e Synthesonata (Psilogod). Que lista, hein! E assim, também diante de Lea Michele, a saudade de "Glee" só aumenta e, para a minha tristeza e de muitos, nada mais pode ser feito.



Contudo, para entender todo o emaranhado da trama 
é preciso voltar ao ano de 1995, com a mamãe da irmandade, que só pensou estar engordando enquanto esperava um bebê. Por quê? Porque é dela a primeira morte. A partir deste fatídico acontecimento, todo o mistério surgiu no campus, logo a história começa a se desenrolar. Finalmente, avançamos 20 anos e chegamos em 2015. Quem é a rainha que manda e desmanda no Kappa Kappa Tau? Chanel Oberlin (Emma Roberts)! E mais uma vez vemos Emma sendo a patricinha prepotente, mas com um toque leve de humor. Muitas vezes, um humor negro.

Problema com racismo? Talvez. Afinal, há quem interprete como ofensa grave o fato de a empregada da irmandade ser chamada de m
ucama branca -repetidas vezes- por Chanel, que tem suas seguidoras fieis nomeadas de: Chanel nº 2, Chanel nº 3, Chanel nº 4 (sumida da trama) e Chanel nº 5. 100% soberba, a líder usa e abusa do poder e até comenta: "A vida é um sistema de classes". Infelizmente, a afirmação não passa de uma grande verdade! Para suavizar, a mucama branca segue a ordem de limpar o chão da irmandade com uma mínima escova da boneca Barbie. Hilário! Contudo, o fim da empregada não é dos melhores, mas também há a chance de que não tenha sido um fim, de fato.

Ao estar com o posto de "abelha-rainha" do Kappa Kappa Tau em perigo, por ordens da diretora 
Cathy Munsch (Jamie Lee Curtis), o comportamento ostensivo de Chanel é explicado por flashbakc: Antes de humilhar, ela foi humilhada. Sim! A líder anterior da irmandade fez e aconteceu com a pobrezinha. Chanel, que preparava tudo, deixou uma surpresinha: numa sessão de bronzeamento artificial, a "rainha" levou ácido hidroclórico e acabou queimada.

Neste episódio, é evidente que o demônio vermelho vive à espreita de Grace Gardener (Skyler Samuels), por hora, a mocinha da trama. Quem assistiu American Horror Story: Freakshow (4ª temporada) vai lembrar muito bem deste lindo e angelical rostinho. Assim, a apresentação dos personagens vai acontecendo diante da informação da reitora Munsch de que a Kappa deverá aceitar qualquer um, logo, todos têm o direito a se candidatar à irmandade. 


Que pesadelo! Para Chanel este é o fim. Em situação desesperadora, a pobre corre até o popular Chad (Glen Powell) para deixá-lo a par da tragédia, mas o personagem interessante e engraçado só consegue pensar em filmes adequando a vida dele. Ponto positivo! Paralelamente, conhecemos Boone (Nick Jonas) que é um gay engraçadinho. Depois, na cafeteria, Pete (Diego Boneta) é apresentado por Chanel como o "Bobo do café" (Diego). O que ele tem a dizer de Chanel? "Acha que o cocô dela cheira bem". Entre achismos de personalidades, a citação de "True Tori" pode servir de pista para interpretar a história do seriado. Vamos acompanhar!

De fato, o primeiro episódio de "Scream Queens" ressalta o poder do dinheiro, portanto quem o tem -de sobra- faz o que quer com todos os outros. Além de satirizar a necessidade doentia de postar tudo o que acontece nas redes sociais. O melhor exemplo -e mais engraçado- é de quando Chanel nº 3 (Ariana Grande) obsessivamente preocupada em digitar que foi esfaqueada para divulgar na internet, não consegue chegar ao fim. Com mais uma morte, a fala de Chanel explica o que acontece na sequência, entre as "meninas": "Segredos unem as irmandades".


Não há dúvida de que Kappa Kappa Tau é o antro das cobras, tanto quanto quem o rege: Munsch, que após se divertir com Chad, fuma um cigarro. Em contrapartida, a mocinha Grace é convidada para ser Chanel nº 6, devido a "saída" de Chanel nº 2. Por outro lado fica ecoando a pergunta: Grace é realmente boazinha? Desviando a atenção da loirinha, é um desafio que traz o demônio vermelho para fazer uma nova vítima. Como se trata de uma série de Ryan Murphy, a cena tem direito a música e nada mais animado do que "Shake it Off", de Taylor Swift.

Pode ainda não ser um super seriado, mas tem todos os ingredientes para dar um bom caldo e agradar a gregos e troianos, sim!



Seriado: Scream Queens
Episódio: 1x1 - Pilot
Criado por: Ryan Murphy, Brad Falchuk, Ian Brennan
Elenco: Emma Roberts (Chanel Oberlin), Skyler Samuels (Grace Gardener), Lea Michele (Hester), Glen Powell (Chad), Ariana Grande (Chanel nº 2), Jamie Lee Curtis (Cathy Munsch),Diego Boneta (Pete Diller), Nick Jonas (Boone), Niecy Nash (Denise), Nasim Pedrad (Gigi), Oliver Hudson (Wes Gardener), 
Billie Catherine Lourd (Chanel nº 3), 
Abigail Breslin (Chanel nº 5), Keke Palmer (Zayday), Jennifer (Breezy Eslin), Sam (Jeanna Han) e Tiffany (Whitney Meyer)
Gênero: Terror comédia
Duração: 42 minutos
Exibido em: 22/09/2015



* Mary Ellen é editora do site cultural www.resenhando.com, jornalista, professora e roteirista, além de criadora do www.photonovelas.com.br. Twitter:@maryellenfsm 



Abertura

Trailer oficial



← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

Um comentário:

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.