quarta-feira, 28 de novembro de 2018

.: Crítica: "1984", de George Orwell, adaptado pelo Núcleo Experimental

Crédito da foto: Ronaldo Gutierrez

Por: Mary Ellen Farias dos Santos
Em novembro de 2018


A adaptação teatral da obra clássica escrita em 1949 por George Orwell, "1984"pelo Núcleo Experimental, é um poderoso soco no estômago. Inquietante, permite que o público não somente se identifique com um ou outro personagem, mas vá além ao ser provocado a pensar e repensar a respeito de tudo e de todos. Em cartaz no Teatro Porto Seguro, em São Paulo, toda quarta e quinta-feira, até 6 de dezembro, tem no elenco Carmo Dalla Vecchia, Rodrigo Caetano, Gabriela Fontana, Eric Lenate, Rogerio Brito, Inês Aranha, Laerte Késsimos, Fabio Redkowicz e Chiara Scallet.

A trama que é uma crítica comportamental, retrata a fictícia sociedade do Estado de Oceânia, região dominada pelo Grande Irmão, que instala um sistema de censura e vigilância no território. No entanto, Winston Smith (Rodrigo Caetano), funcionário do governo do Grande Irmão, atuante no Ministério da Verdade, é encarregado de falsificar registros históricos, para moldar o passado segundo os interesses do líder.

Embora anote num diário a visão diferenciada que tem a respeito do autoritarismo, Winston apenas exterioriza esse modo de agifora de padrão, virando alvo do monitoramento devido a rebeldia ao sistema, após se relacionar com a colega de trabalho Julia (Gabriela Fontana). Paralelamente a trama de Winston, pertencente a 1984, está a de seis estudiosos da obra, no ano de 2084, que apontam a atemporalidade do texto de Orwell.


Crédito da foto: Ronaldo Gutierrez

Dirigida por Zé Henrique de Paula, a montagem é a concretização dos mais impactantes espetáculos que passaram pelos palcos paulistas recentemente. Em "1984" nada fica subentendido, por mais forte que seja a consequência. Desde a tentativa de Winston em viver fora da caixinha e não seguir, fielmente, o Grande Irmão ao resultado dessas escolhas que gera punições de tirar o fôlego.

A constante e incomodante ação dos opressores em deixar claro "quem pode mais", brinca diretamente com o jogo entre o real e o imaginário do Grande Irmão, tema tão atual quanto a ação impensada da massa ao disseminar de modo desenfreado as "fakes news" nas redes sociais. Em "1984", tudo vai além das medidas, mas sem exageros, funcionando sempre a favor da provocante história, inclusive o cenário que ganha maiores proporções no decorrer da narrativa. De uma sala, transforma-se em um refeitório, no quarto dos amantes e uma floresta que passa a sensação de liberdade -e tem até aroma.

Nesse mesmo cenário, a exibição de vídeos permite que o público "dê uma espiadinha" na particularidade de Winston. Com primor, toda a riqueza de detalhes visuais, a sonoplastia e o jogo de luzes propiciam total imersão na trama. Como ignorar a intrigante e silenciosa passagem de O'Brien (Carmo Dalla Vecchia/Zé Henrique de Paula) atrás das janelas? 

Estar diante de uma montagem que se apoia em um texto magistral -de diálogo direto e extremamente atual- aliada a uma interpretação precisa de um elenco em perfeita sintonia, é uma experiência marcante para quem tem a chance de fazer parte do público de "1984", pois ali, já se tem a consciência de que, mesmo após algumas horas, dias, meses e até anos, tal espetáculo servirá como base influenciadora para a reflexão do que fomos, o que somos e o que seremos.


FICHA TÉCNICA
Direção: Zé Henrique de Paula
Assistente de direção: Felipe Ramos
Direção musical: Fernanda Maia
Elenco: Carmo Dalla Vecchia (O'Brien)
Rodrigo Caetano (Winston)
Gabriela Fontana (Julia)
Eric Lenate (Charrington)
Rogerio Brito (Parsons)
Inês Aranha (Sra. Parsons)
Laerte Késsimos (Martin)
Fabio Redkowicz (Syme)
Chiara Scallet (criança)
Adriana Alencar (Stand in Sra. Parsons)
Zé Henrique de Paula (Stand in O'Brien)

Preparador corporal: Gabriel Malo
Cenografia: Bruno Anselmo
Figurinos: Zé Henrique de Paula
Iluminação: Fran Barros
Designer de som: João Baracho
Videomapping: Laerte Késsimos
Assessoria de imprensa: Pombo Correio
Produção: Claudia Miranda
Realização: Núcleo Experimental


1984, de George Orwell
De 17 de outubro a 6 de dezembro - Quartas e quintas, às 21h.
Ingressos: R$ 60,00 – plateia / balcão R$ 50,00 / frisas - R$ 40,00.
Classificação: 14 anos.
Duração: 90 minutos.
Gênero: Drama.

TEATRO PORTO SEGURO
Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos – São Paulo.
Telefone (11) 3226.7300.
Bilheteria: De terça a sábado, das 13h às 21h e domingos, das 12h às 19h.
Capacidade: 496 lugares.
Formas de pagamento: Cartão de crédito e débito (Visa, Mastercard, Elo e Diners).
Acessibilidade: 10 lugares para cadeirantes e 5 cadeiras para obesos.
Estacionamento no local: Estapar R$ 20,00 (self parking) - Clientes Porto Seguro têm 50% de desconto.
Serviço de Vans: TRANSPORTE GRATUITO ESTAÇÃO LUZ – TEATRO PORTO SEGURO – ESTAÇÃO LUZ. O Teatro Porto Seguro oferece vans gratuitas da Estação Luz até as dependências do Teatro. COMO PEGAR: Na Estação Luz, na saída Rua José Paulino/Praça da Luz/Pinacoteca, vans personalizadas passam em frente ao local indicado para pegar os espectadores. Para mais informações, contate a equipe do Teatro Porto Seguro.
Bicicletário – grátis.
Gemma Restaurante: Terças a sextas-feiras das 11h às 17h; sábados das 11h às 18h e domingos das 11h às 16h. Happy hour quartas, quintas e sextas-feiras das 17h às 21h.
Vendas: http://www.tudus.com.br
Facebook: facebook.com/teatroporto
Instagram: @teatroporto

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.