domingo, 5 de janeiro de 2020

.: Ausência de futuro em “La Familia” reflete violência e desesperança



Por Oscar D’Ambrosiojornalista e crítico de arte.

O mundo globalizado nos traz reflexões das mais variadas. Uma delas é como os países latino-americanos vem se aproximando uns dos outros, infelizmente em seus aspectos mais negativos, como a violência, a miséria e a falta de esperança. A jornada existencial parece se direcionar para uma viela apenas de dor e sofrimento.

É o que ocorre no filme venezuelano “La Familia”, dirigido por Gustavo Rondon Cordova. A violência se faz presente desde a primeira cena em que crianças estão brincando num clima em que predomina a agressão verbal e física gratuita. Fica evidente que elas apenas reproduzem o ambiente que veem, tanto na competitividade masculina como na relação com as garotas.

Quando um dos meninos mata outro, começa uma jornada de fuga. O assassino que enfrentar a situação na favela, mas o pai o retira para uma busca de escapatória sem muitas alternativas. O menino começa a aprender o ofício dele como pedreiro, mas fica evidente que eles são desconhecidos um do outro.


Não há alternativas nesse cenário, que poderia perfeitamente ser no Brasil, na Colômbia, no Peru, no Chile, na Argentina ou na Bolívia. O pai busca abrir novas veredas de salvação para o filho e para ele. O menino deseja retornar na ingênua confiança que seus parceiros o protegerão. Nada fecha, a não ser a permanência na marginalidade e a ausência de futuro.


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.