domingo, 14 de junho de 2020

.: Cassio Scapin encena monólogo sobre Myrian Muniz em live teatral


Cassio Scapin encena monólogo cômico dramático a partir da biografia da atriz e diretora paulista Myrian Muniz. Foto: João Caldas

Dentro de apresentações teatrais das lives #EmCasaComSesc, nesta segunda-feira, dia 15 de junho, o ator Cassio Scapin encena "Eu Não Dava Praquilo", um monólogo cômico dramático a partir da biografia da atriz e diretora paulista Myrian Muniz (1931-2004). A apresentação, que traz passagens da vida pessoal e profissional da homenageada, pretende ser uma ode ao ofício teatral e a sua importância como agente de transformação tanto individual quanto social. 

O roteiro é do próprio Scapin e do poeta Cássio Junqueira, e a direção leva assinatura de Elias Andreato. Classificação indicativa 16 anos. A peça pode ser assistida no YouTube do Sesc São Paulo youtube.com/sescsp -  e no Instagram do Sesc Ao Vivo - @sescaovivo - às 21h30.  

Na quarta-feira, dia 17, tem a atriz carioca Clara Carvalho em "A Mais Forte", com texto do dramaturgo sueco August Strindberg. A obra foi escrita em 1889 e até hoje é um desafio para as atrizes. Traz a história de uma senhora que, ao ver em outra mesa sua rival na carreira artística e suposta amante do seu marido, vomita cobras e lagartos. Um monólogo de diálogo ácido e que exige sutileza na interpretação. 

Muito adaptada para a televisão, no Brasil ela já foi encenada por Nathália Timberg no grande Teatro Tupi. Clara Carvalho iniciou sua trajetória artística no balé, com passagem pelo Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A partir da década de 1980, vem para São Paulo com o Grupo Tapa apresentando o espetáculo "O Tempo e os Conways", de J.B. Priestley. A partir daí, passou a se dedicar definitivamente ao teatro como atriz, diretora, tradutora e professora, com seu trabalho. "A Mais Forte" tem classificação livre.

Abrindo o fim de semana, na sexta-feira, 19, é a vez de conferir o espetáculo documentário "Contos Negreiros do Brasil", com o ator, diretor e articulador cultural Rodrigo França. Um monólogo sobre a condição real e atual da negra e do negro no Brasil, seja o jovem estudante, o gay negro, a negra hipersexualizada pela sociedade, o menor infrator, a prostituta e a idosa. 

Sob direção de Fernando Philbert, o espetáculo é uma espécie de peça-aula que leva o público a presentificar índices estatísticos, contextualizados com cenas que reproduzem dores, paixões, medos, alegrias e angústias. O texto é de Marcelino Freire. Rodrigo França iniciou sua carreira no teatro e no cinema em 1992 e no ano passado ganhou o Prêmio Shell, na categoria Inovação pelo Coletivo Segunda Black. Cientista social e filósofo, é ativista pelos direitos civis, sociais e políticos da população negra no Brasil. Classificação indicativa 14 anos.

Promovidas pelo Sesc São Paulo, as apresentações - sempre às segundas, quartas, sextas e domingos às 21h30 - trazem monólogos interpretativos transmitidos diretamente da casa dos artistas. Já passaram pela série #EmCasaComSesc na categoria teatro os artistas Celso Frateschi, Georgette Fadel, Sérgio Mamberti, Ester Laccava, Jé Oliveira, Gustavo Gasparani, Lavínia Pannunzio, Grace Passô, Denise Weinberg, Cacá Carvalho, Bete Coelho, Gero Camilo, Eduardo Mossri, Cláudia Missura e Matheus Nachtergaele.

Para conferir a programação de teatro, basta acessar as páginas youtube.com/sescsp ou o novo endereço do Sesc São Paulo no Instagram criado especialmente para a série Sesc Ao Vivo instagram.com/sescaovivo, às segundas, quartas, sextas e domingos, sempre às 21h30.

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.