sábado, 4 de julho de 2020

.: Elza Soares e Flávio Renegado se apresentam em live neste sábado


Elza Soares e Flávio Renegado prometem muita música e bate-papo neste sábado. Foto: Pedro Loureiro

Dentro da programação de junho do #EmCasaComSesc, neste sábado, dia 4, às 19h, é a vez da irreverência da cantora Elza Soares em sarau intimista com participação do rapper Flávio Renegado. O Sesc São Paulo vem promovendo uma série de shows diários com transmissões pelo Instagram @sescaovivo e YouTube do Sesc São Paulo - youtube.com/sescsp 

Elza Soares e Flávio Renegado prometem muita música e bate-papo. A artista, que se reinventou aos 90 anos de idade com novos trabalhos, e o cantor mineiro que despontou em 2008 com o disco de estreia, "Do Oiapoque a Nova York", e agora apadrinhado por uma das grandes personalidades da história da música popular brasileira. 

No show vanguardista #OndaNegra, Elza (voz) e Renegado (voz, violão, guitarras, synths e programações eletrônicas), acompanhados por JP. Silva (voz de apoio, violão e bandolim), revisitam clássicos como, "Malandro", "Meu Guri", "Mulher do Fim do Mundo", "Espumas ao Vento", entre outros sucessos, além de músicas recém lançadas, como "Carinhoso" e seu último single, "Juízo Final", divulgado na semana passada e disponível nas plataformas de streaming

Completam o repertório versões clássicas como "A Carne", com intervenção de rap em eletroacústico que mistura samba ao rock, e sucessos da discografia de Flávio Renegado, como "Minha Tribo é o Mundo" e "Rotina". Bases, synths, violão acústico, pandeiro e guitarra embalam esse encontro inédito da música brasileira, que terá desdobramentos ainda neste mês de julho, quando lançam um hino samba-trap que traz na letra o orgulho das origens negras e interpretado por Elza Soares.

Domingo, dia 5, o mestre alagoano Sapopemba apresenta as tradições afro-brasileiras com os orixás e as entidades sagradas do álbum Gbó, que na lígua iorubá significa ouça. O repertório mescla composições autorais de Sapopemba e cantigas de candomblé, mais especificamente das nações Ketu, Ijexá, Angola e Jêje, que carregam a diversidade musical das muitas Áfricas que aportaram no Brasil. Um convite ao público para se deixar levar pela riqueza sonora do candomblé, somada à inventividade harmônica da canção popular. Em Gbó, Sapopemba celebra 30 anos de carreira musical e os mais de 50 como ogã.

No dia dedicado à música instrumental, assim como a programação do Instrumental Sesc Brasil, segunda-feira, dia 6, o duo formado por Roberta Valente (pandeiro) e Alexandre Ribeiro (clarinete) toca chorinho e samba. O repertório reúne obras de Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Paulo Moura, João Donato, entre outros grandes compositores, e canções autorais do próprio Alexandre Ribeiro. Clássicos do cancioneiro brasileiro como "Rosa", "Cheguei", "Pelo Avesso" e "Ao Velho Pedro" são algumas das músicas do repertório.

Produtora e pesquisadora de música popular brasileira, Roberta integra importantes grupos paulistanos, como Chorando as Pitangas, Ó do Borogodó e o projeto Panorama do Choro, que acaba de lançar um registro audiovisual pelo Selo Sesc disponível gratuitamente na plataforma Sesc Digital. Herdeiro de grandes nomes do clarinete como Severino Araújo, K-Ximbinho, Luiz Americano, Abel Ferreira, Nailor Azevedo e Paulo Moura, Alexandre Ribeiro se destaca pela técnica e interpretação primorosa ao instrumento.

Na terça-feira, dia 7, o cantor e compositor Danilo Caymmi realiza sua primeira transmissão solo pela internet. O show, que conta com a participação do maestro João Egashira, intercala músicas que marcaram sua carreira e histórias e curiosidades desta trajetória de sucesso, iniciada ainda na juventude. Os parceiros de trabalho, os tempos áureos de composição com o pai, Dorival Caymmi, os anos com Tom Jobim e a época dos festivais serão lembrados na apresentação. No repertório estão "Nada a Perder", "Andança", "O Bem e o Mal", "Vatapá", entre outras canções. E, claro, "O que É que a Baiana Tem?", que não poderia ficar de fora.

Na quarta, dia 8, é dia de curtir o som de Fabiana Cozza, que irá antecipar algumas canções de seu novo disco, previsto para setembro e cujo espetáculo, ainda em processo de produção, terá direção musical e participação de Fi Maróstica. Canções do universo do sagrado na cultura afro-ameríndia brasileira completam o repertório. A paulistana, tida pela crítica e público com uma das importantes intérpretes da música brasileira contemporânea, vencedora de duas edições do Prêmio da Música Brasileira, como melhor cantora de samba e melhor álbum de língua estrangeira, já soma oito discos e três DVDs lançados.

No dia seguinte, quinta-feira, dia 9, tem a peculiaridade artística do músico, ator e apresentador Arrigo Barnabé em show com peças de "Clara Crocodilo", LP que marcou o início da Vanguarda Paulistana e que em 2020 completa 40 anos de lançamento. Para este repertório, Arrigo também selecionou algumas canções com letra de Luiz Tatit e Roberto Riberti; as valsas, como o próprio músico define, "Cidade Oculta", parceria com Eduardo Gudin e Roberto Riberti; "Londrina", de Tetê Espíndola, e "Sinhazinha em Chamas", de sua autoria. O público também terá a oportunidade de ouvir uma seleção de Tubarões Voadores, o seu segundo LP, e ainda "Canção dos Vagalumes" e "Canção do Astronauta Perdido".


E na sexta-feira, dia 10, tem a voz e o violão de Roberta Campos apresentando seus grandes sucessos autorais, como "De Janeiro a Janeiro", "Minha Felicidade" e "Abrigo", bem como releituras já consagradas em sua voz, destaque para "Casinha Branca" (Gilson e Joran) e "Quem Sabe Isso quer Dizer Amor" (Lô Borges e Márcio Borges). Seus últimos lançamentos também estão no repertório, como a releitura de "Último Romance" (Rodrigo Amarante), "Fique na Minha Vida", música de sua autoria gravada com Vitor Kley e "Vem me Buscar", outra autoral que, na gravação original, ganhou contornos dos tambores do Olodum.

A série Música #EmCasacomSesc também tem sido uma oportunidade para promover o Mesa Brasil, programa que conecta empresas doadoras e instituições sociais para o complemento de refeições de pessoas em situação de vulnerabilidade social. 

Criado há 25 anos pelo Sesc São Paulo e hoje em operação em diversos estados do país, a iniciativa está com uma campanha para expandir sua rede de parceiros doadores e ampliar a distribuição de alimentos, produtos de higiene e limpeza em meio à crise causada pelo novo coronavírus. Também engajados pela causa, os artistas têm aproveitado as transmissões online para convocar as pessoas, principalmente empresários e gestores, a integrarem a rede de solidariedade. Para saber como ser um doador, basta acessar o site mesabrasil.sescsp.org.br.


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

Um comentário:

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.