quinta-feira, 26 de novembro de 2020

.: O que são direita e esquerda na política? Helder Bentes explica


Por Helder Bentes*, professor de Língua Portuguesa e Literatura.

No filme "Adeus, Lenin", de Wolfgang Becker (2002), uma idosa doente, comunista, não sabe que derrubaram o muro de Berlim. Seus filhos poupam-na de saber disso, porque acham que ela pode morrer, se souber do fim da Berlim Oriental, a parte comunista da Alemanha dividida pelo muro, e o consequente avanço do Capitalismo. Essa personagem é emblemática de um fanatismo político-ideológico extremamente pernicioso para os regimes democráticos. 

Esse extremismo não é privilégio de um lado. Ele acontece tanto do lado do capitalista que detém os meios de produção e se acha "o rei da cocada preta", porque gera emprego e renda e, mesmo sonegando impostos, é contra a corrupção; quanto do lado do comunista que defende a força do Estado, e quer porque quer que o Capitalismo e seus ideais de livre mercado, livre concorrência e de ascensão social meritocrática, sejam banidos do planeta. 

Pude perceber isso ontem, nos fóruns abertos no Facebook, sobre o resultado das eleições em Belém. É um raciocínio dicotômico extremamente temerário que ameaça nossa democracia, porque transfere, para a política, a lógica do futebol. E os marketeiros políticos sabem disso como o povo não sabe. Daí inventam rivalidades, e vale tudo para provar a suposta superioridade de um dos lados, desde fake news, até evocação de projetos indefensáveis de lei, porquanto se choquem com os interesses de uma frente parlamentar cristã que nem deveria existir, porque o Estado, mesmo o não comunista, é laico. 

Esses polos são denominados, ao modelo da estratificação político-partidária francesa de 1759, direita e esquerda. Mas a maioria sequer sabe o que eles representam, e os tratam como se fossem remoçada e terror bicolor, sem a menor consciência de classe, sem conhecimento sócio-político e econômico, escrevendo merda em português errado, e pagando mico nas redes sociais.

A mitificação do Comunismo é usada para a implementação de um sistema de opressão às avessas. Não à toa Bolsonaro foi canonizado como “mito”. O raciocínio mítico nega a ciência, os fatos, e a demonstração da verdade. Em seu lugar, cria-se uma retórica falaciosa que faz uma mentira repetida ganhar foro de verdade. Eis tudo! 

Ao inculcar o medo de um regime político autoritário, ditatorial, que proíbe quaisquer tipos de oposição ao Estado - seja este Estado neoliberal (o que Bolsonaro diz ser o dele, mas que na verdade não é) ou socialista (o defendido por partidos “de esquerda”, como PSOL, PCdoB, PSTU, UP, PCO, PCB, etc..), numa democracia sem educação - eu privo o povo da verdade que liberta, vendando-o com o mito do Comunismo (ou do Capitalismo), e gerando reações antitotalitárias que se refletem nas urnas. 

Mas Totalitarismo não tem nada a ver com Socialismo, Comunismo ou Capitalismo, que são IDEOLOGIAS de ECONOMIA POLÍTICA diferentes uma da outra. Não REGIMES políticos, nem POSIÇÕES políticas, tampouco PARTIDOS políticos. 

Ontem, quando eu disse que não existe esquerda no Brasil, um desses extremistas que votaram no Egum, retrucou dizendo que “rapidinho eu sumi com os partidos de esquerda”. E não adiantou tentar lhe explicar que esquerda e direita são posicionamentos políticos, não partidos, com elevado grau de variabilidade na dinâmica política de uma república democrática. Dei como exemplo a aliança firmada entre PT e PMDB em nome “da democracia”, para a conquista do poder executivo pelo PT, o que não significou necessariamente uma conquista da esquerda. Mencionei as consequências desastrosas disso para a esquerda, mas não adiantou. Na cabeça do cara, PT é de esquerda e PSOL é o PT disfarçado! kkkkkkk... Dá até pena! Por isso resolvi escrever este artigo. 

O Socialismo, IDEOLOGIA política de quem SE POSICIONA à esquerda, IDEALIZA a socialização dos recursos de produção econômica e a extinção da divisão da sociedade nas classes antagônicas de exploradores e explorados. 

Se eu sou explorado e entendo quem ou o que me explora, é meu instinto de sobrevivência que me posiciona ao lado dos explorados, no caso, à esquerda. Por isso, Lenin teorizou o Socialismo como norteador de um processo transitório do modo de produção capitalista, para o comunista. Mas ser afiliado a um partido dessa matriz ideológica, ser simpatizante, votar e fazer campanha para um candidato desse partido, não significa que vá mudar toda uma ordem mundial secular já consolidada. Isso é uma ignorância até dos processos que levaram às duas guerras mundiais e de suas consequências geopolíticas e econômicas. 

O Socialismo não foi inventado pelo PSOL, tampouco pelo PT. Este último pode até ter surgido nas lutas sindicais da CUT e ter feito história na oposição ao Capitalismo neoliberal, mas foi se descaracterizando como “esquerda” à medida que foi se aliançando ao Capital. Por isso não se pode mais dizer que o PT ainda esteja na esquerda. Porque esquerda e direita são posições onde se ESTÁ. Ninguém É de esquerda ou de direita. Os cidadãos ESTÃO, quer se reconheçam ou não, à esquerda ou à direita, e podem migrar para um meio termo, à medida que entendem COMO funciona a dinâmica da política brasileira. Sem estudo, portanto, você vai acabar à mercê desse marketing político dicotômico eficaz para o político, não para você.

Sobre o autor
Helder Bentes* é professor de Língua Portuguesa e Literatura, na educação básica e superior, em Belém do Pará. Está escrevendo textos sobre política para educar leitores ao voto com consciência de classe.




← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.