terça-feira, 7 de novembro de 2017

.: 7x9: AHS Cult mergulha nas seitas e seus messias

Por: Mary Ellen Farias dos Santos
Em outubro de 2017



CONTÉM SPOILERS!



O nono episódio de AHS Cult, "Drink the Kool-Aid", inicia a trama embasada em fatos verídicos a respeito de diversos cultos do passado. Com a narrativa de Kai (Evan Peters), no primeiro relata a polícia registrando os corpos dos 39 membros do culto Heaven´s Gate, situado no Rancho Santa Fé. Em 26 de março de 1997, após uma denúncia anônima, para uma seita americana baseada em OVNI, liderada por Marshall Applewhite, que resultou num suicídio coletivo, em busca de encontrar Jesus Cristo, durante a passagem do cometa Hale-Bopp. Assim, deixaram seus corpos e subiram para outro nível. 

Na sequência, a história de David Koresh, líder religioso do Ramo Davidiano, que acreditava ser o último profeta -e fez muitos acreditarem também. Por falar bem, conhecia os segredos entre o reino e o céu. Para tanto, as famílias dos seguidores foi desmontada e os homens tornaram-se celibatários, pois cabia a David repopular o mundo. Ele tinha o sêmen divino! Para não abandonar o líder, os que não morreram com tiro de arma, foram queimados no incêndio ocasionado na casa em que viviam.

Contudo, nada supera James Warren "Jim" Jones, o fundador e líder do culto Templo dos Povos, famoso devido ao suicídio/assassinato de 918 dos seus membros em Jonestown, Guiana, em novembro de 1978. Pedindo o cessar do choro e histeria, fez com que os ali presentes ingerissem cianeto. Quem fugiu, sem querer morrer com dignidade, foi morto por tiro.

Todas as três histórias foram contadas como que num acampamento, com direito a lanterna direcionada no rosto -embora estejam num porão. Por qual motivo Kai detalhou isso a seus seguidores? Conhecendo a postura dele nos episódios anteriores e somando o trailer do nono episódio, pode-se concluir que coisa boa é que não será. Em tempo, quem interpreta os líderes? Evan Peters! Sim! Ele é até o messias! Não há dúvida, o desejo em abocanhar o Emmy é grande. Fato!!

Para Kai, o verdadeiro líder é aquele que conquista a lealdade de seus seguidores e faz com que se matem, quando solicitado, ignorando as próprias necessidades e vontades. E finaliza: "Toda política é um culto de personalidade".

Um ataque ao discurso de esquerda e a tão usada, fake news, a perda de uma geração para o Candy Crush e a necessidade de peneirar o que toda uma população faz na internet. Contudo, a fala mais polêmica de Kai, é a de que será candidato ao Senado em 2018. 


Na casa de Ally (Sarah Paulson), uma D.R. com Ivy (Alison Pill). Somente pelo fato de Ally querer saber o motivo da parceira ter se envolvido em um culto. Diante de tantas revelações de Ivy, Ally deixa bem clara a necessidade que teve se juntar ao culto. Tudo por Ozymandias -nome retirado do soneto de Pierce Bysshe Shelley!

Para sacudir ainda mais a cena, chega Ozzy trazido por Winter (Billie Lourd) e uma nova discussão entre elas. Contudo, a mocinha se desculpa e sentencia que para as três escaparem vivas devem sair do culto. O que ela faz? Pesquisa na internet 14 passos de como sair de um culto. Ah! Essa modernidade... Contudo, o plano de fugir é abortado pelos "soldadinhos" de Kai que ordenou uma reunião de emergência, enquanto que Ozzy poderá ver desenhos.

Separadas, as três discutem até que Beverly (Adina Porter ) ataca Winter e Kai as interrompe, alertando de que é preciso união. Complementando Gary (Chaz Bono), Kai destaca que a "fidelidade é o pilar do nosso movimento". Qual é a decisão do líder? Tomar o sumo que os libertará do físico, mas os tornará em seres melhores. Toda a euforia e loucura religiosa explode em cena, seja na ameaça da ingestão do líquido ou nos gritos dados pelos soldadinhos e seu líder ao tomar a bebida. 

O que tinha ali? Nada! Afinal, mortos não podem votar no candidato ao Senado. Por que Kai fez aquilo? Para saber quem é leal a seu culto! Não morrer é um alívio para quase todos. Já para Beverly não é bem assim, pois o tormento dela continua. 

Retornando à casa de Ally e Ivy, o plano de fuga da dupla está a todo vapor. Entretanto, ao buscar o pequeno na escola, descobrem que Winter, a babá, já o levou do local, 30 minutos atrás. Adrenalina que leva todos para a casa Kai. Enquanto ele tenta convencer Oz sobre a importância de ter um pai. A parte fofa da conversa? Após Kai citar Tolstoi, o pequeno entende Toy Story. Promessa de dedinho, o total convencimento de que Oz é filho de Kai e que os dois podem passar um tempo juntos. Por quê? Ele foi doador da Clínica Braddon.

Sem Oz, Ally e Ivy conversam sobre a origem do doador de esperma que foi fecundado e originou o pequeno. Para a surpresa de Ivy, Ally age com naturalidade e toda calma. Para ela, basta que Kai acredite ser o pai de Oz. Dessa forma, ele não será capaz de machucar o menino. Ok! Bom discurso de convencimento. 

Sombria, Ally põe a mesa e promete recomeçar o relacionamento. Contudo, a conversa vira um desabafo a respeito do que passou nos dias em que ficou internada em um hospício. Abandonada, enquanto que os medos preenchiam o espaço da ausência. Assim, Ally escolheu a vingança, o que a curou. Qual é o primeiro passo da vingadora? Colocar arsênico no vinho e no macarrão para Ivy comer. Quais os dois desejos de Ally? Ter Oz somente para ela e ver Ivy morrer. Cena tensa, pois a frieza é impactante!

Um pouco mais de Jim Jones, com narração de Kai. Contudo, é a história depois dos suicídios, a interpretação dele inclui a descida de Cristo (interpretado por Peters) e o renascimento do líder e seus seguidores. Difícil não rir com esse cena! Entretanto, o pequeno quebra a visão romanceada de Kai usando uma pesquisa no Wikipédia. Como Kai rebate? Afirma que Wikipédia oferece notícias falsas, pois ele é o único de sabe a verdade e o que as outras pessoas não sabem. Resultado: Uma cena de loucura protagonizada pelo líder.

Após perder a viagem para buscar o filho, Ally vai até a clínica para descobrir quem é o verdadeiro doador do esperma. A recepcionista informa que é uma informação sigilosa, mas com dinheiro e um bom papo, a conversa toma o rumo desejado. Que emoção!


Eis que em mais uma temporada o dueto Sarah Paulson e Evan Peters, tornando a trama envolvente. Na casa de Ally, o jantar prometido a Kai acontece. Conversa vai, conversa vem e Ally revela ter matado Ivy. O que Kai quer saber? Simples. "Como foi vê-la morrer?". Ally responde a altura: "Foi fantástico!". Em contrapartida, ela investe no tema pai e filho, tece diversos elogios. Chega até a dizer que a escolha dela foi "cósmica". E não é que Kai cai no papo? Uma boa jogada para proteger Oz das garras de Kai! Qual é o desfecho? Uma família verdadeira! Sim! Só até o próximo episódio, claro!



Seriado: American Horror Story: Cult
Episódio: Drink the Kool-Aid
Elenco: Sarah Paulson como Ally Mayfair-Richards, Evan Peters como Kai Anderson, Cheyenne Jackson como Dr. Rudy Vincent, Billie Lourd como Winter Anderson, Alison Pill como Ivy Mayfair-Richards, Colton Haynes como Detetive Samuels, Billy Eichner como Harrison Wilton, Leslie Grossman como Meadow Wilton, Adina Porter como Beverly Hope, Lena Dunham como Valerie Solanas, Emma Roberts como Serena Belinda, Chaz Bono como Gary Longstreet, John Carroll Lynch como Twisty, o Palhaço, Frances Conroy, Mare Winningham, James Morosini.


* Mary Ellen é editora do site cultural www.resenhando.com, jornalista, professora e roteirista, além de criadora do www.photonovelas.com.br. Twitter: @maryellenfsm 
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.