sábado, 14 de novembro de 2020

.: "O Livro dos Prazeres" no Festival Internacional de Mulheres no Cinema


Filme "O Livro dos Prazeres" será exibido no Festival Internacional de Mulheres no Cinema Inspirado na obra de Clarice Lispector, longa dirigido por Marcela Lordy, terá sessão única no festival, no dia 17 de novembro, às 20h. O Painel "Clarice Lispector e o Cinema" com a diretora do filme, será no canal FIM CINE no youtube, na terça-feira, dia 17, às 14h.

Primeiro longa de ficção da diretora Marcela Lordy, "O Livro dos Prazeres" será exibido no encerramento do FIM - Festival Internacional de Mulheres no Cinema, dia 17 de novembro, às 20h. No mesmo dia acontece o painel "Clarice Lispector e o Cinema" com a diretora do filme Marcela Lordy, a partir das 14h, no canal FIM CINE no YouTube.

O longa-metragem é uma livre adaptação da obra "Uma Aprendizafem ou O Livro dos Prazeres", de Clarice Lispector, uma das mais importantes escritoras em língua portuguesa do século XX. Uma coprodução Brasil-Argentina, entre bigBonsai, Cinematográfica Marcela, Rizoma Films, República Pureza e Canal Brasil, o filme traz para os tempos atuais a narrativa do livro publicado em 1969. No ano do centenário de Clarice Lispector, o filme foi exibido na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, e foi selecionado para a Competição Oficial do Festival de Vitória de 24 a 29 de novembro.

"O Livro dos Prazeres" acompanha Lóri (Simone Spoladore), uma professora que vive a monotonia de uma rotina de trabalho e relacionamentos furtivos até que conhece Ulisses (Javier Drolas), um professor de filosofia argentino, egocêntrico e provocador. É com ele que Lóri aprende a amar enfrentando sua própria solidão. Uma jornada de investigação íntima, de cara a cara com a angústia e a dor, numa trajetória só possível pelo encontro, troca e aprendizado entre os dois.

“O filme é um romance psicológico erótico sobre o ponto de vista de uma mulher contemporânea em busca de conexões afetivas reais”, coloca a diretora Marcela Lordy, que completa, “A vontade de adaptar ‘Uma Aprendizagem ou Livro dos Prazeres’ para o cinema surgiu da minha necessidade de olhar mais de perto para a velocidade com que as relações afetivas se formam e se desfazem nos dias de hoje. Estava morando sozinha pela primeira vez quando me deparei com Lóri e seus desafios existenciais da maturidade. Ao ler o livro, senti que havia algo sagrado ali sobre o amor e a autorrealização feminina na sociedade patriarcal brasileira que ainda precisava ser resgatado”, completa. Algo difícil, não só na literatura da época, mas ainda nos dias de hoje, mais de 50 anos após a publicação do livro.

"O Livro dos Prazeres" acompanha Lóri em sua descoberta de si, do outro e do mundo. Um cinema da normalidade, das coisas não-extraordinárias, propondo, no entanto, um olhar extraordinário sobre o cotidiano. Esta narrativa sensorial sugere a possibilidade de uma relação amorosa estável desconstruindo o mito do amor romântico no qual a obrigação de fazer o outro feliz sai do cônjuge e vai para o indivíduo e suas escolhas.

“No momento em que o cinema brasileiro vive um processo de desmonte e asfixia de recursos, o filme rodado no Rio de Janeiro, - em locações presentes no livro como a orla da praia do Leme e a Floresta da Tijuca, - já se torna resistência no cinema autoral.”, diz a diretora. Desde a primeira versão do roteiro, o papel de Lóri já era da atriz Simone Spoladore, com quem Marcela Lordy trabalhou anteriormente no telefilme A Musa Impassível e no curta metragem Sonhos de Lulu. Já o ator argentino Javier Drolas entrou no projeto por seu talento, proximidade com a cultura brasileira e pelo fato do 'O Livro dos Prazeres' ser uma coprodução com a Argentina.

Com roteiro da também argentina Josefina Trotta em parceria com a própria diretora Marcela Lordy e com produção de Deborah Osborn e Marcela Lordy, "O Livro dos Prazeres" conta com a fotografia de Mauro Pinheiro, direção de arte de Iolanda Teixeira, montagem da argentina Rosário Suárez e trilha sonora original de Edson Secco. O longa tem participação especial da artista plástica Letícia Ramos criando os intertítulos do filme em 16mm, do artista visual Pedro Cezar Ferreira nas aquarelas e do fotógrafo Wladimir Fontes, em imagens de pinhole e still q aparecem ao longo do filme. A distribuição no Brasil é da Vitrine Filmes.

Sobre a diretora
Marcela Lordy é diretora, roteirista e produtora. Graduada em cinema na FAAP, estudou direção de atores na EICTV, em Cuba e foi assistente de importantes cineastas como Walter Salles, Hector Babenco e Carlos Nader. Entre o cinema, a televisão e as artes visuais seus filmes "Sonhos de Lulu" (2009), "A Musa Impassível" (2010), "Aluga-se" (2012) e "Ouvir o Rio: uma Escultura Sonora de Cildo Meireles" (2012) foram programados e premiados em diversos festivais e museus mundo afora. Seu curta "Ser O Que Se É" (2018) virou um fenômeno digital com 5 milhões de visualizações em um mês. Para a televisão, dirigiu episódios da série infantojuvenil "Julie e os Fantasmas", vencedora do APCA 2011 e indicada ao Internacional Emmy Awards 2012, e ‘Passionais’ veiculada na Globosat.

Em 2012, fundou a Cinematográfica Marcela, uma produtora independente de caráter cultural passando a coproduzir os filmes de sua autoria. Júri e parte da comissão de seleção de diversos festivais e editais, coordenou a cadeira de documentário da AIC de 2014 a 2017. Coroteirista dos seus curtas e longas, este ano estreia "O Livro dos Prazeres", seu 1º longa-metragem de ficção, em coprodução com a bigBonsai, República Pureza e a produtora argentina Rizoma Films. Atualmente desenvolve a série "Made in China", com a Mar Filmes e "Aline", segunda longa-metragem de ficção com a Klaxon e a Sudaca Films do Peru.

Sobre a produção
"O Livro dos Prazeres" é uma coprodução internacional entre o Brasil e a Argentina. O filme é o primeiro longa-metragem de ficção da bigBonsai, que já possui vasta experiência na produção de documentários, conteúdo para marcas e programas de TV e da Cinematográfica Marcela, produtora criada pela diretora para coproduzir os filmes de sua autoria. A Rizoma Films é uma das mais importantes produtoras argentinas da atualidade, sendo responsável por filmes de forte repercussão internacional como “Medianeras” (Gustavo Taretto) e “Whisky” (Pablo Stoll e Juan Pablo Rebella). Já a coprodutora carioca República Pureza é conhecida como uma das mais importantes produtoras de cinema autoral do país. O filme também conta com a coprodução do Canal Brasil.

Distribuição
Em dez anos, a Vitrine Filmes distribuiu mais de 150 filmes. Entre seus maiores sucessos estão "Aquarius", "O Som ao Redor", e “Bacurau” de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, longa que já alcançou mais de 750.000 espectadores, além de “A Vida Invisível”, de Karim Aïnouz, representante brasileiro do Oscar 2020, "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho", de Daniel Ribeiro, e “O Filme da Minha Vida”, de Selton Mello. Entre os documentários, a distribuidora lançou "Divinas Divas", dirigido por Leandra Leal e "O Processo", de Maria Augusta Ramos, que entrou para a lista dos 10 documentários mais vistos da história do cinema nacional. Em 2020, ano em que completou uma década, a Vitrine Filmes lançou no primeiro semestre “O Farol”, de Robert Eggers, indicado ao Oscar de Melhor Fotografia e “Você Não Estava Aqui”, novo longa de Ken Loach. Em breve lançará “Pacarrete”, de Allan Deberton e o premiadíssimo “A Febre", de Maya Da-Rin.

Serviço:
Sessão (única) 
"O Livro dos Prazeres"
Terça-feira, dia 17, às 20h
Onde assistir: https://innsaei.tv/#/detalhes/c36a1b26-bc07-4b1f-bc99-4eaaab6ea97d

Painel "Clarice Lispector e o Cinema" com a diretora Marcela Lordy
Terça-feira, dia 17, às 14h
Onde assistir: https://www.youtube.com/channel/UCnWYIjDLv42fwX6JpHHE9ng/featured





← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.