quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

.: Resenha crítica de "Pinóquio" em live-action, com Roberto Benigni

Quanto maior a mentira, mais sombria a verdade


Por: Mary Ellen Farias dos Santos*


"Pinóquio", com Roberto Benigni ("A Vida É Bela"), a nova produção cinematográfica italiana que estreia nos cinemas dia 21 de janeiroadapta, pela primeira vez em formato live-action, romance "As Aventuras de Pinóquio", escrito por Carlo Collodi, é conceitual e longe de querer ser um blockbuster. A produção com direção de Matteo Garrone ("Gomorra", "Dogman"), cineasta vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes, passa longe de gracejos e cores vibrantes. 

Diferente, a produção desenvolve o longa de 125 minutos priorizando a história original dmenino de madeira. No novo "Pinóquio", o solitário marceneiro Gepeto (Roberto Benigni, que também dirige o longa), é um homem sem condições financeiras e o que comer. Num passeio pela cidade, vê marionetes e tem a brilhante ideia de construir um boneco tão lindo a ponto de fazê-lo viajar pelo mundo. 

Ao ser presenteado por um amigo com um grande pedaço de madeira "mágica", Gepeto realiza o sonho de ser pai. O boneco transforma-se em um menino que não sabe o que é obedecer a seu criador. Mesmo sem dinheiro, Gepeto leva Pinóquio à escola, e aceita trocar o terno e o colete de uso -sendo um dia frio- em troca de uma cartilha para que o filho estude.

Pinóquio engana o pai, não entra na escola, e troca a cartilha por um ingresso para o Teatro de Bonecos mambembeE é justamente nesse momento em que tudo de surpreendente e fantástico começa a acontecer. O menino é raptado pelo dono da atração e inicia uma grande aventura que inclui uma dupla de ladrões assassinos, fantasmas, uma fada que o ajuda a desfazer feitiços e, claro, a presença do consciente Grilo Falante. Nessa jornada, Pinóquio aprende com os próprios erros, enquanto Gepeto não desiste de encontrá-lo.

"Pinóquio", de Roberto Benigni tem um toque sombrio, mas impressiona pela fidelidade na adaptação, o que o distancia da famosa versão clássica animada de 1940, de Walt Disney. Segundo Benigni, dirigir e atuar na produção foi a realização de dois sonhos. Ao público, fica o agradecimento de vê-lo diante das câmeras novamente -após oito anos de hiato- e embarcar com o menino de madeira nessa aventura repleta de mistérios e seres fantásticos pelos perigos do mundo.

Filme: Pinóquio

Data de lançamento: 21 de janeiro de 2021 (Brasil)

Diretor: Matteo Garrone

Autor: Carlo Collodi

Bilheteria: 21,6 milhões USD

Distribuidora: Imagem Filmes 

*Mary Ellen Farias dos Santos é criadora e editora do portal cultural Resenhando.com. É formada em Comunicação Social - Jornalismo, pós-graduada em Literatura, licenciada em Letras pela UniSantos - Universidade Católica de Santos e formada em Pedagogia pela Universidade Cruzeiro do Sul. Twitter: @maryellenfsm

Trailer de "Pinóquio"


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.