Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta Escola do Rock. Ordenar por data Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta Escola do Rock. Ordenar por data Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

.: Escola do Rock, o Musical: listão de motivos para não perder o show

Em setembro de 2019


"Vai ser um show", alerta o mais novo "professor" da 
Horace Green, Dewey Finn (Arthur Berges), durante aula na "Escola do Rock, o Musical". Em cartaz no palco do Teatro Santander, o espetáculo que é uma realização da Atelier de Cultura, traz talentos conhecidos como Sara Sarres (diretora Rosalie Mullins), Cleto Baccic (Ned Schneebly, professor, ex-roqueiro e amigo de Finn), Thais Piza (namorada mandona de Ned, Patty Di Marco), além de 42 crianças que se revezam durante as seis sessões semanais.

Embora a trama seja focada no ambiente escolar, o espetáculo é um verdadeiro show, com direito a palco que sobe, cabelos revoltos, gelo seco e, claro, muito rock. Não só nas músicas e suas versões, mas também na interpretação de todo o elenco, principalmente a de Arthur Berges. O protagonista consegue se transformar num perfeitamente autêntico Dewey Finn brasileiro. Certamente, Jack Black aprova! 

A montagem apresenta a história de Dewey Finn, um cantor e guitarrista que não é mais jovem e ainda tenta ser uma estrela do rock. Ao fingir ser professor substituto da prestigiosa e conservadora escola Horace Green, Dewey nota o talento musical de seus alunos do quinto ano e monta um grupo para concorrer no próximo concurso: a Batalha das Bandas.

Nós do Resenhando.com assistimos tamanho espetáculo e continuamos impressionados. Para tanto, preparamos um listão com motivos inegáveis para você também assistir "Escola do Rock, o Musical"no Teatro Santander. Não duvide, pois "vai ser um show" inesquecível!!


1. "Escola do Rock, o Musical" é libertador, por vezes, há a sensação de que todos, inclusive a plateia, fazem parte da história. E é tão bom!!

2. Arthur Berges, na pele de Dewey Finn, atua de modo tão convincente que vira o Jack Black brasileiro. No palco, conquista a todos dando um show de interpretação contagiante. 

3. Aclamado pela mídia mundial, é o mais recente musical de sucesso do Sir Andrew Lloyd Webber. 

4. No início da apresentação de "Escola do Rock, o Musical", o próprio Lloyd Webber destaca que as crianças tocam os instrumentos ao vivo.

5. A montagem brasileira, o primeiro contrato de licenciamento internacional do espetáculo, o 001, é baseada no filme da Paramount, "School of Rock" (2003).

6. São  63 atores, o maior elenco jamais apresentado no Brasil (42 crianças e 21 adultos).

7. A diretora de Horace Green, Rosalie Mullins, interpretada por Sara Sarres, vai do rock pauleira ao lírico e revela um outro lado da atriz, oposto à terna mãe de "Billy Elliot, o Musical" ou a governanta amiga de "Annie, o Musical".

8. Cleto Baccic, produtor e ator do espetáculo, apresenta um Ned, amigo de Finn, cheio de atitude rock´n´roll -quando a namorada Patty está longe de casa. Como não se impressionar com a precisão de Ned (Cleto Baccic) e Finn (Arthur Berges) na cena cheia de movimentos na disputa do "guittar hero"?

9. Até mesmo a banda que descarta Dewey Finn, encabeçada pelo vocal impressionante de Abner Depret (de "A Era do Rock" e "Ghost, o Musical"), ganha o público.

10. 
Seja na escola Horace Green, na casa de Ned, em que Finn vive ou nas apresentações externas dos alunos, os cenários suntuosos rapidamente se transformam, incluindo projeções mapeadas que tornam os ambientes empolgantes. O arrojado projeto de cenografia foi desenvolvido especialmente para o Brasil pela cenógrafa da produção original na Broadway e no West End, Anna Louizos de Nova Iorque. 

11. 
Na cena em que há uma referência à canção "Tomorrow", do clássico "Annie", o protagonista brinca e arranca risadas da plateia. 

12. No musical, em diversos momentos, o palco sobe e gera a sensação de que o(s) intérprete(s) está(estão) flutuando. A cenografia explora a altura da boca de cena do Teatro Santander e cria alturas com cinco elevadores automatizados construídos sob medida para a produção.

13. "Escola do Rock, o Musical" é o mais recente sucesso de Andrew Lloyd Webber, também compositor e produtor de "O Fantasma da Ópera""Cats" e "Jesus Cristo Superstar", estreou em dezembro 2015 na Broadway, em 2016 em Londres, em 2017 iniciou turnê nos Estados Unidos e em 2018, subiu aos palcos em Sidney.

14. "Escola do Rock" é uma realização do Atelier de Cultura, produtora de sucessos como "Annie, o Musical""Billy Elliot, o Musical" e "O Homem de La Mancha".



15. Figurino belíssimo, desde o escolar, seja o uniforme dos alunos, as vestimentas dos professores e diretora, ao look roqueiro. O figurino foi desenvolvido especialmente para o Brasil pela cenógrafa e figurinista da produção original na Broadway e no West End, Anna Louizos de Nova Iorque, também responsável pelo design das produções de "Avenida Q", "In The Heights" e "Rodgers & Hammerstein’s Cinderella"

16. Até os detalhes dos figurinos enriquecem as cenas. Conforme as tradicionais escolas americanas, as roupas dos personagens são apimentadas pelo mundo do rock, incluindo pintura de tecido feita a mão e diversas aplicações de hotstamps, penas e lantejoulas.

17. As versões das músicas são puro amor ao rock, com espaço até para protesto. A versão das letras de músicas e texto são de autoria de Mariana Elisabetsky e Victor Mühlethaler ("Billy Elliot", "Wicked", "A Pequena Sereia", "Cantando na Chuva") e, para o português, aproximam-se com perfeição às letras de Glen Slater e texto de Julian Fellowes (autor do roteiro de “Downton Abbey”).

18. Além das versões das músicas, há interpretação de trechos de clássicos do rock. 

19. Crianças multitalentosas cantam, dançam e até tocam instrumentos no palco, como Lloyd salienta no início.

20. A iluminação ágil acompanha a história que se torna mais envolvente, inserindo todo o público num show de rock. O desenho de luz é assinado por um dos maiores nomes de iluminação de teatro musical da atualidade, o premiado inglês Mike Robertson. O vencedor do prêmio Olivier Award, conecta a composição das músicas, do cenário, das movimentações do elenco, do texto e das coreografias, criando momentos emocionantes. Robertson foi o responsável pela iluminação de "Annie" e "Billy Elliot", do Atelier de Cultura.

21. A coreografia de "Escola do Rock", assinada por Philip Thomas, dita o ritmo eletrizante do espetáculo que ganha vida com elenco do coro formado por Abner Depret, Bernardo Berro, Bruno Sigrist, Cadu Batanero, Clarty Galvão, Fabrício Negri, Guilherme Leal, Jana Amorim, Keila Bueno, Laura Carolinah, Leilane Teles, Roberta Jafet, Tchello Gasparini, Thiago Perticarrari, Tony Germano, Kuciana Artusi e Mau Alves. O coreógrafo inglês colaborou nas coreografias de "Aladdin", "Sweeny Todd", "Tick Tick Boom, Oliver!", "As Bruxas de Eastwick", "Mary Poppins" e "Mamma Mia!". 

22. "Escola do Rock, o Musical" é a oportunidade perfeita para reencontrar rostinhos conhecidos como o de Paulo Gomes, de "Billy Elliot, o Musical"; Dudu Ejchel de "A Noviça Rebelde" e "Dogville"; Luiza Gattai, de "Annie, o Musical" e reality show "The Voice Kids Brasil"Maria Clara Rosis, de "Annie, o Musical" e finalista do reality show "Cultura, o Musical"; Luiza Bresser, de "Billy Elliot, o Musical"; Gigi Patta, de "Billy Elliot, o Musical" "A Noviça Rebelde"; Bia Brumatti, de "A Noviça Rebelde" e "Annie, o Musical"; Agyei Augusto, de "A Megera Domada" e outros.

23. A direção musical é do Maestro Daniel Rocha, responsável por "Annie" e "Billy Elliot", do Atelier de Cultura, que rege a orquestra composta por oito músicos. 

24. A banda de "Escola do Rock, o Musical" é formada por Daniel Rocha (direção musical), Flávio Lago (Teclado I e Regência da banda), Renan Achar (Teclado II), Diogo Cardoso (Guitarra I), Thiago Lima (Guitarra II), Jorge Ervolini (Guitarra III), Eduardo Brasil (Baixo) e Kiko Andrioli (Bateria)

25. As músicas de Andrew Lloyd Webber são reproduzidas na formação original da orquestra, como realizado em Londres e em Nova Iorque.

26. superprodução "Escola do Rock, o Musical" é uma excelente aula sobre buscar a verdade e seguir sonhos.

27. Três elencos de 14 crianças revezam-se nas apresentações semanais, que incluem coreografias arrojadas, cenários grandiosos, um show de luzes e som, sendo que quatro delas tocam guitarra, baixo, bateria e teclado ao vivo. 

28. O espetáculo é um verdadeiro show, desde a interpretação das músicas, os desenhos de luz, coreografias em grupo, cenários impressionantes e a atuação impecável do elenco. 

29. experiência teatral é tão forte e emocionante, que cenas ficam na memória. Logo, cantar os refrões das músicas será muito comum nos próximos dias.

30. "Escola do Rock, o Musical" é tão espetacular que ao fim da apresentação querer bis é uma certeza!




Ficha Técnica:
Libreto Julian Fellowes
Letras Glenn Slater
Músicas Andrew Lloyd Webber
Originalmente dirigido por Laurence Connor
Direção Geral Mariano Detry
Versão Brasileira Mariana Elizabetsky e Victor Mületahler
Diretor associado Floriano Nogueira
Diretor Musical Daniel Rocha
Coreógrafo Philip Thomas
Cenógrafa Anna Louizos
Cenógrafa Associada Christine Peters
Figurinistas Anna Louizos e Abby Hahn
Figurinista Associada Ligia Rocha
Designer de Luz Mike Robertson
Designer de Luz Associado Adam Motley
Designer de Som Gaston Birski
Designer de Som Associado Alejandro Zambrano
Visagista Feliciano San Roman
Produtora de Elenco Marcela Altberg
Produtores Associados Cleto Baccic, Carlos A. Cavalcanti e Vinícius Munhoz
 Apresentado por: Ministério da Cidadania e Comgás
Patrocínio: Zurich-Santander, Vivo e Eurofarma
Apoio: Johnson & Johnson e Prosegur
Hotelaria Oficial: Radisson Blu
Realização: Atelier de Cultura, Secretaria Especial de Cultura e Governo Federal

Elenco:
Arthur Berges – Dewey Finn
Sara Sarres – Rosalie Mullins
Cleto Baccic – Ned Schneebly
Thais Piza – Patty Di Marco

Elenco infantil:
Mafê Mossini, Nina Medeiros e Sophia Marie – Katie (Baixista)
Agyei Augusto, Henrique  Bonadio, e Nicolas Cruz – Zack (Guitarrista)
João Pedro Delfino, Rafael Mezadri e Thomas Diniz – Freddy (Baterista)
Dudu Ejchel, Henry Gaspar e Kauã Soares – Lawrence (Tecladista)
Bia Brumatti, Dudda Artese e Luisa Bresser – Summer
Luiza Gattai, Maria Clara Rosis e Rinon Ueyama – Tomika
Gigi Patta, Giovana Maciel e Valenthina Rodarte – Schonelle
Isabella Daneluz, Julia Ribak e Martha Nobel – Marcy
Felipe Costa, Felipe de Souza e Luis Prudêncio – Andy
Lorenzo Tarantelli, Isidoro Gubnitsky e Paulo Gomes – Billy
Davi Lourenço, Gustavo Spinosa e Rodrigo Spinosa – James
Juju Morgade, Mariana Dias e Milena Blank – Madison
Gu Ferreira, Gabriel Meirelles e Michel Singer – Mason
Duda Ramalho, Erin Borges e Paula Serra – Sophie

Ensemble feminino:
Clarty Galvão
Jana Amorim (Cover de Rosalie Mullins)
Kelia Bueno
Laura Carolinah
Leilane Teles
Luciana Artusi
Roberta Jafet

Ensemble masculino:
Abner Depret
Bernardo Berro
Bruno Sigrist
Cadu Batanero
Fabricio Negri
Guilherme Leal
Mau Alves
Thiago Perticarrari
Tony Germano
Tchello Gasparini (Cover de Dewey)

Serviço
"Escola do Rock"
Teatro Santander (1.100 lugares)
Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041
Informações: (11) 4810-6868
Bilheteria: domingo a quinta, das 12h às 20h ou até inicio do espetáculo. Sexta e sábado, das 12h às 22h. Aceita todos os cartões de crédito e débito. Não aceita cheque. Estacionamento no local, R$ 35.

Vendaswww.ingressorapido.com.br
Quinta e sexta às 20h30 | Sábado e domingo às 15h e 18h30
Ingressos:
De R$ 75 a R$ 310
Duração: 120 minutos (com 20 de intervalo)
Classificação: Livre
Gênero: musical
Estreia dia 15 de agosto de 2019

Clientes Vivo tem 25% de desconto na aquisição de ingressos A partir de hoje, ingressos à venda. www.ingressorapido.com.br



Encerramento de "Escola do Rock", no Teatro Santander

Teaser de "Escola do Rock"

*Mary Ellen Farias dos Santos é criadora e editora do portal cultural Resenhando.com. É formada em Comunicação Social - Jornalismo, pós-graduada em Literatura e licenciada em Letras pela UniSantos - Universidade Católica de Santos. Twitter: @maryellenfsm

segunda-feira, 17 de junho de 2019

.: "Escola do Rock" chega ao Brasil quatro anos após estreia na Broadway

Baseado no filme da Paramount escrito por Mike White. Libreto: Julian Fellowes. Letras: Glenn Slater. Músicas: Andrew Lloyd Webber. Originalmente dirigido por Laurence Connor. Direção Geral: Mariano Detry. Versão Brasileira: Mariana Elizabetsky e Victor Mületahler. Diretor associado: Floriano Nogueira. Diretor Musical: Daniel Rocha. Coreógrafo: Philip Thomas. A Escola do Rock é apresentada por um acordo especial com a Really Usefull Group. Estreia dia 15 de Agosto no Teatro Santander. A partir de hoje, ingressos à venda: www.ingressorapido.com.br

São  63 atores, o maior elenco jamais apresentado no Brasil (42 crianças e 21 adultos) em mais uma super produção do Atelier de Cultura, desta vez em parceria com Andrew Lloyd Webber.

Três elencos de 14 crianças revezam-se em uma aventura eletrizante, com coreografias arrojadas, cenários grandiosos, em um show de luzes e som, no qual quatro crianças do elenco tocam seus instrumentos ao vivo: guitarra, baixo, bateria e teclado. Acredite: elas tocam instrumentos ao vivo! O espetáculo tem o patrocínio da Comgás.

Baseado no filme "School of Rock", de 2003, escrito por Mike White e estrelado por Jack Black, "Escola do Rock" conta a história de Dewey Finn, um cantor e guitarrista  na casa dos 30 e poucos anos,  que ainda deseja se tornar uma estrela do rock. Depois de identificar o talento musical em seus alunos, ao fingir ser um professor substituto em uma prestigiosa e conservadora escola, Dewey forma um grupo do quinto ano, na tentativa de ganhar o próximo concurso: a Batalha das Bandas.

O mais novo sucesso de Andrew Lloyd Webber, o mesmo compositor e produtor de "O Fantasma da Ópera", "Cats", "Jesus Cristo Superstar", entre outros, estreou em dezembro 2015 na Broadway, em 2016 em Londres, em 2017 iniciou turnê nos Estados Unidos e em 2018, subiu aos palcos em Sidney. A produção do Atelier de Cultura, em 2019, é o primeiro licenciamento internacional do título, e a primeira vez que o espetáculo será apresentado em versão para a língua local.

A montagem no Brasil, apresentada pelo Ministério da Cidadania e Comgás, é dirigida por Mariano Detry, responsável pela direção de Chaplin o musical em São Paulo, Antuérpia e Amsterdã. Foi também responsável pela nova montagem de Les Miserábles e Cats na Espanha. Detry traz projeto cênico inédito que nos faz transitar pelo mundo do rock’n’roll com gigantesca eficácia: “É incrível dirigir 'Escola do Rock',  um musical encantador para toda família que não vai te deixar parado”, diz o diretor.

O espetáculo traz um arrojado projeto de cenografia e figurino, ambos desenvolvidos especialmente para o Brasil pela cenógrafa e figurinista da produção original na Broadway e no West End, Anna Louizos de Nova Iorque, também responsável pelo design das produções de Avenida Q, In The Heights e Rodgers & Hammerstein’s Cinderella. 

Sua nova cenografia explora a altura da boca de cena do Teatro Santander e cria alturas com cinco elevadores automatizados construídos sob medida para a produção, além de projeções mapeadas que tornam os ambientes empolgantes.

Os figurinos remetem às tradicionais escolas americanas e ao mundo do rock, com pintura de tecido feita a mão e diversas aplicações de hotstamps, penas e lantejoulas que engrandecem ainda mais o musical.

A coreografia de "Escola do Rock", é assinada por Philip Thomas, coreógrafo inglês que colaborou nas coreografias de "Aladdin", "Sweeny Todd", "Tick Tick Boom,  Oliver!", "As Bruxas de Eastwick", "Mary Poppins" e "Mamma Mia!". Assim como a composição, a coreografia é fundamental para o ritmo elétrico que conduz o espetáculo.

A direção musical é do Maestro Daniel Rocha, responsável por "Annie" e "Billy Elliot", do Atelier de Cultura, que também será o regente da orquestra composta por nove músicos. As músicas de Andrew Lloyd Webber serão reproduzidas na formação original da orquestra, como realizado em Londres e em Nova Iorque.

O desenho de luz fica a cargo do premiado inglês Mike Robertson, um dos maiores nomes para iluminação de teatro musical da atualidade. Robertson é vencedor do prêmio Olivier Award, entre outros tantos, ao redor do mundo. Seu projeto é criado em conexão com a composição das músicas, do cenário e das movimentações do elenco, do texto e das coreografias, construindo momentos emocionantes. Robertson também foi o iluminador dos projetos de "Annie" e "Billy Elliot", do Atelier de Cultura.

A versão de letras de música e texto são de autoria de Mariana Elisabetsky e Victor Mühlethaler ("Billy Elliot", "Wicked", "A Pequena Sereia", "Cantando na Chuva") e revelam singular aderência das letras de Glen Slater e ao texto de Julian Fellowes (o mesmo autor do roteiro de “Downton Abbey”) para o português.

Realizada pela produtora Atelier de Cultura, a montagem brasileira apresenta 42 crianças que se revezam durante as seis sessões semanais. Alguns estreantes em suas carreiras, outros gabaritados atores e atrizes mirins, são responsáveis por dar vida à icônica classe de Horace Green.

O espetáculo terá sua estreia nacional no Teatro Santander, um dos mais importantes e modernos palcos do país. O Atelier de Cultura renova a parceria com a casa de espetáculos que também sediou a bem-sucedida temporada de "Annie, o Musical". Com varas automatizadas e boca de cena com mais de 15 metros de altura, faz com que os projetos desenvolvidos para seu palco estejam em linha com o que há de melhor em termos de qualidade técnica no mundo.

Não perca a oportunidade única de assistir no Brasil a grandiosa produção de "Escola do Rock", o mais novo hit da Broadway e West End. Trata-se da primeira produção mundial não realizada pela Really Useful Group, detentores originais do espetáculo, uma exclusividade do Atelier de Cultura. Uma experiência teatral tão forte e emocionante, que ficará para sempre em seu coração.



Sobre o Atelier de Cultura
Com experiência na gestão de mais de R$ 120 milhões em patrocínio, suas últimas realizações incluem a temporada do musical Billy Elliot (2019), Annie (2018/2019), A Noviça Rebelde (2018), O Homem de La Mancha (2013/2014, 2017 e 2018), espetáculos que garantiram mais de 15 premiações ao Atelier, realizando 1.034 sessões de teatro musical e atingindo mais de 600 mil espectadores. Além das produções de entretenimento ao vivo, foi responsável por implantar o primeiro curso profissional e Formação de Atores em Teatro Musical reconhecido pelo MEC do Brasil em parceria com o SESISP, tendo recebido a Medalha Arthur de Azevedo (2013) por serviços prestados a indústria do Teatro Musical.

Sobre a Comgás
A Companhia de Gás de São Paulo trabalha para ser a melhor alternativa energética para as pessoas, as empresas e a sociedade.

Com fornecimento ininterrupto e atendimento 24h, a Comgás atende mais de 1,9 milhão de clientes em sua área de concessão no Estado de São Paulo: a Região Metropolitana de São Paulo, a Região Administrativa de Campinas, a Baixada Santista e o Vale do Paraíba.

A Companhia possui mais de 16 mil quilômetros de rede de distribuição em 88 municípios, abastecendo com gás natural os segmentos industrial, comercial, residencial e automotivo, além de viabilizar projetos de cogeração e disponibilizar gás para usinas de termo geração.

Vivo apoia a Cultura
A Vivo acredita e investe na cultura como elemento de transformação. Há 14 anos, por meio do Teatro Vivo, em São Paulo, e de espetáculos com circulação nacional, a empresa busca proporcionar novas experiências culturais e ampliar a conexão com o público. Esse compromisso com a arte valoriza tanto atores consagrados como novos artistas em espetáculos por todo país.

Sobre o Teatro Santander
O Teatro Santander é considerado um dos mais modernos do mundo e o primeiro teatro multiuso de São Paulo, com quatro possibilidades diferentes de configuração, o que permite realizar no local desde shows musicais, desfiles de moda e eventos corporativos até grandes produções da Broadway sem a necessidade de qualquer adaptação. A versatilidade se deve ao exclusivo sistema de poltronas retrátil, que pode acomodar 1.100 pessoas sentadas ou até 1.800 espectadores em outros formatos. O Teatro Santander tem 13.000m2 de área construída e é o único teatro do pais com 56 varas cênicas motorizadas.

Ficha Técnica:
Libreto Julian Fellowes
Letras Glenn Slater
Músicas Andrew Lloyd Webber
Originalmente dirigido por Laurence Connor
Direção Geral Mariano Detry
Versão Brasileira Mariana Elizabetsky e Victor Mületahler
Diretor associado Floriano Nogueira
Diretor Musical Daniel Rocha
Coreógrafo Philip Thomas
Cenógrafa Anna Louizos
Cenógrafa Associada Christine Peters
Figurinistas Anna Louizos e Abby Hahn
Figurinista Associada Ligia Rocha
Designer de Luz Mike Robertson
Designer de Luz Associado Adam Motley
Designer de Som Gaston Birski
Designer de Som Associado Alejandro Zambrano
Visagista Feliciano San Roman
Produtora de Elenco Marcela Altberg
Produtores Associados Cleto Baccic, Carlos A. Cavalcanti e Vinícius Munhoz
 Apresentado por: Ministério da Cidadania e Comgás
Patrocínio: Zurich-Santander, Vivo e Eurofarma
Apoio: Johnson & Johnson e Prosegur
Hotelaria Oficial: Radisson Blu
 Realização: Atelier de Cultura, Secretaria Especial de Cultura e Governo Federal

Elenco:
Arthur Berges – Dewey Finn
Sara Sarres – Rosalie Mullins
Cleto Baccic – Ned Schneebly
Thais Piza – Patty Di Marco

Elenco infantil:
Mafê Mossini, Nina Medeiros e Sophia Marie – Katie (Baixista)
Agyei Augusto, Henrique  Bonadio, e Nicolas Cruz – Zack (Guitarrista)
João Pedro Delfino, Rafael Mezadri e Thomas Diniz – Freddy (Baterista)
Dudu Ejchel, Henry Gaspar e Kauã Soares – Lawrence (Tecladista)
Bia Brumatti, Dudda Artese e Luisa Bresser – Summer
Luiza Gattai, Maria Clara Rosis e Rinon Ueyama – Tomika
Gigi Patta, Giovana Maciel e Valenthina Rodarte – Schonelle
Isabella Daneluz, Julia Ribak e Martha Nobel – Marcy
Felipe Costa, Felipe de Souza e Luis Prudêncio – Andy
Lorenzo Tarantelli, Isidoro Gubnitsky e Paulo Gomes – Billy
Davi Lourenço, Gustavo Spinosa e Rodrigo Spinosa – James
Juju Morgade, Mariana Dias e Milena Blank – Madison
Gu Ferreira, Gabriel Meirelles e Michel Singer – Mason
Duda Ramalho, Erin Borges e Paula Serra – Sophie

Ensemble feminino:
Clarty Galvão
Jana Amorim (Cover de Rosalie Mullins)
Kelia Bueno
Laura Carolinah
Leilane Teles
Luciana Artusi
Roberta Jafet

Ensemble masculino:
Abner Depret
Bernardo Berro
Bruno Sigrist
Cadu Batanero
Fabricio Negri
Guilherme Leal
Mau Alves
Thiago Perticarrari
Tony Germano
Tchello Gasparini (Cover de Dewey)

Serviço
"Escola do Rock"
Teatro Santander (1.100 lugares)
Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041
Informações: (11) 4810-6868
Bilheteria: domingo a quinta, das 12h às 20h ou até inicio do espetáculo. Sexta e sábado, das 12h às 22h. Aceita todos os cartões de crédito e débito. Não aceita cheque. Estacionamento no local, R$ 35.

Vendas: www.ingressorapido.com.br
Quinta e sexta às 20h30 | Sábado e domingo às 15h e 18h30
Ingressos:
De R$ 75 a R$ 310
Duração: 120 minutos (com 20 de intervalo)
Classificação: Livre
Gênero: musical
Estreia dia 15 de agosto de 2019
Clientes Vivo tem 25% de desconto na aquisição de ingressos A partir de hoje, ingressos à venda. www.ingressorapido.com.br

quinta-feira, 21 de maio de 2020

.: #ResenhaRápida: João Pedro Delfino, Charlie no teatro e Pinóquio na TV



Prestes a ser o emblemático personagem Charlie no espetáculo "Charlie - O Musical", que estreia no Teatro Alfa assim que a pandemia e o isolamento social passarem, e o Pinóquio da novela "As Aventuras de Poliana", o ator mirim João Pedro Delfino só tem 13 anos de idade e muita vida pela frente.

Se no espetáculo teatral ele dará vida ao papel título da montagem brasileira do espetáculo da Broadway "Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate", musical produzido pela equipe do Atelier de Cultura, o mesmo de "Escola do Rock", "Billy Elliot", "Annie", entre outros sucessos,  ele foi destaque na montagem brasileira do musical "A Escola do Rock", onde interpretava o baterista Freddy. Além de atuar, cantar e dançar, tocava o instrumento ao vivo durante o espetáculo. João Pedro Delfino divide o papel de Charlie com Felipe Costa e Pedro Souza. Charlie, o protagonista desta história, é um garoto pobre e doce, que ama chocolate e quer ajudar e proteger a sua família a todo custo.

Baseado nos clássicos do cinema que marcaram gerações, o musical segue a trajetória de Charlie, um garoto que consegue um bilhete dourado que dá a chance de ele conhecer a fábrica de chocolates de Willy Wonka, que procura um sucessor. O espetáculo estrou primeiro em Londres, em 2013, e em 2017 chegou aos palcos da Broadway, com diversas adaptações e novas músicas, estrelando Christian Borle como o dono da Fábrica. As músicas de Marc Shaiman e Scott Wittman, e texto de David Greig. 

A montagem brasileira tem direção de John Stefaniuk, o mesmo diretor da montagem brasileira de "Billy Elliot" e diretor associado de diversas produções pelo mundo, como o musical da Disney "The Lion King". No elenco brasileiro estarão grandes nomes do Teatro Musical como Cleto Baccic, que será responsável por dar vida a Willy Wonka, Sara Sarres será a Senhora Bucket e Rodrigo Miallaret será Vovô Joe. Nesta #ResenhaRápida, com exclusividade, conhecemos um pouco mais sobre este menino brilhante que desponta para o estrelato.


#ResenhaRápida de João Pedro Delfino:

Nome completo: João Pedro Delfino Figueiredo.
Apelido: JP.
Data de nascimento: 26 de janeiro de 2007.
Qualidade: otimista. 
Defeito: perfeccionista. 
Signo: aquário.
Ascendente: escorpião.
Brinquedo favorito: slime. 
Jogo favorito: ludo.
Brincadeira favorita: esconde-esconde.
Desenho animado favorito: "Bob Esponja". 
Conto de fadas favorito: Pinóquio.
Prato predileto: massa.
Uma mania: cantar o tempo todo.  
Religião: católico.
Time: Cruzeiro.
Amor: família.
Família é: base. 
Ídolo: Deus.
Inspiração: Tiago Barbosa. 
Arte é: viver.
Brasil: esperança. 
Fé: virtude. 
Deus é: Tudo. 
Política é: desanimadora. 
Hobby: Atuar, tocar, dançar e cantar. 
Lugar: Disney e Broadway. 
O que não pode faltar na geladeira: suco.
Sobremesa: petit gateau.
Fruta: morango.
Cor favorita: amarelo.
Medo de: morrer.
Uma peça de teatro: "Escola do Rock" e "Charlie - O Musical".  
Um show: "Meus Prêmios Nick". 
Um ator: Pedro Lemos. 
Uma atriz: Sara Sarres.
Um cantor: Michael Jackson. 
Uma cantora: Any Gabrielly. 
Um escritor: Eduardo Escames.
Uma escritora: Eleonor H. Porter.
Um filme: "Minha Mãe É Uma Peça - O Filme".
Um livro: "Charlie and the Chocolate Factory", de Roald Dahl. 
Uma música: "Manda se Ferrar" ("Stick It to the Man") - da trilha de "Escola do Rock - O Musical"
Um disco: "School of Rock The Musical" - Original Cast Recording.
Um personagem: Freddy (de "Billy Elliot - O Musical") , Pinóquio ( "As Aventuras de Poliana") e Charlie ("Charlie - O Musical). 
Uma novela: "As Aventuras de Poliana Moça", de Íris Abravanel.
Uma série: "Stranger Things".
Um programa de TV: "As Aventuras de Poliana".
Um podcast: Gustavo Braga. 
Uma saudade: família e amigos. 
Algo que me irrita: pessimismo.
Algo que me deixa feliz é: abraço.
Não abro mão de: Deus. 
Do que abro mão: jogo de futebol. 
Digo sim a: amor. 
Digo não a: ódio. 
Sonho: ser reconhecido por meu trabalho. 
Futuro: conquistar sonhos. 
Morte é: saudade. 
Vida é: alegria. 
Palavra favorita: gratidão. 
Teatro é: cultura. 
Chocolate é: “incrivelicioso”.
Ser o Charlie de "A Fantástica Fábrica de Chocolate" é: um sonho realizado.
Willie Wonka é: o melhor confeiteiro de todos os tempos.
Ser ator é: fazer algo com amor. 
Ser cantor é: desafio. 
Ter 13 anos é: diversão. 
Ser adolescente hoje é: enfrentar a liberdade com responsabilidade. 
João Pedro Delfino por João Pedro Delfino: sonhador, otimista e determinado. 


quarta-feira, 15 de julho de 2020

.: Luisa Bresser estará na nova fase de "As Aventuras de Poliana"


Na última segunda-feira, dia 13, foi exibido o último capítulo da novela "As Aventuras de Poliana", trama do SBT que estava há mais de dois anos no ar. “Ontem foi um dia de grande emoção, além de acompanhar o último episódio da novela que foi simplesmente maravilhoso, pude ver algumas cenas que já havíamos gravado antes da pandemia. E não tem sensação mais incrível do que ver seu sonho tornando-se realidade. Não vejo a hora de voltar a gravar com esses grandes profissionais. Obrigada SBT pela oportunidade”, comentou Luisa. 

Baseada no segundo livro de Eleonor H. Porter, "Pollyana Moça", publicado em 1915, a nova fase da novela está prevista para entrar no ar em 2021. Devido a pandemia, a estreia teve que ser adiada. Para Luisa, a fase da quarentena é mais uma oportunidade para estudar os personagens e o elenco segue trabalhando remotamente.  Esta será a estreia de Luisa na televisão. Na nova fase da trama do SBT, ela será Helena Rogatto, uma jovem que vive em conflito, passando por todos os dramas da adolescência. Seus pais, David Rogatto e Eugênia Rogatto, serão interpretados pelos atores Marcello Airold e Amanda Acosta.

“Helena é uma personagem interessantíssima, ela está na fase da adolescência e tem seus problemas emocionais e familiares. Na sua visão, seus pais não lhe dão a atenção que precisa, o que faz com ela fique ainda mais rebelde do que já é. Ela viaja muito e teve contato com muitas escolas, isso tira muito o contato com o outro. Helena não costuma ter muitos amigos, porém quando entra na escola Ruth Goulart enfrenta uma série de problemas amorosos. Helena vai aprontar bastante na vida de Poliana, aguardem!”, adianta.

Expoente do teatro musical, Luisa Bresser já participou de dois espetáculos seguidos ("Billy Elliot" e "Escola do Rock"), e em breve dará vida à Veruca Sal na adaptação brasileira do espetáculo “Charlie - O Musical”. A estreia da peça, que seria em abril, foi adiada por causa da pandemia e, em breve, uma nova data será anunciada.

Luisa tem 13 anos e desde pequena, sempre se interessou por música e atuação. Sua preparação conta com ballet clássico na escola Lucianne Murta, atuação no Teatro Escola Célia Helena, coach com Lígia Cortez, preparação de voz com a fonoaudióloga Silvia Pinho, orientação de carreira vocal com a coach Andreia Vitfer, sapateado com Chris Matallo e aulas diversas no Studio Broadway.

A sua primeira experiência profissional foi a participação nas audições de “Annie - O Musical”. Não passou, mas, motivada pela família, continuou trabalhando até passar nos testes para “Billy Elliot”, onde interpretou Debbie Wilkison no espetáculo que tinha no elenco nomes como Carmo Dalla Vecchia, Sara Sarres, Vanessa Costa, entre outros.

Após a experiência, muito estudo, foco e força de vontade, Luisa conquistou mais uma oportunidade no teatro musical. Foi selecionada para interpretar Summer Hathaway, uma das personagens de destaque no “Escola do Rock - O Musical”. O espetáculo foi um marco para a carreira da jovem atriz.

A temporada de “Escola do Rock - O Musical” encerrou em dezembro e, em janeiro Luisa já estava se preparando para seu terceiro espetáculo “Charlie - O Musical”. Paralelamente à peça, Luisa foi confirmada no elenco da nova fase da novela “As Aventuras de Poliana”, do SBT. Esta será a estreia da artista na televisão. Filha de Jeniffer Bresser (designer de presentes) e Daniel Bresser (diretor de escola), irmã de Sofia Bresser (digital influencer) e Artur Bresser, Luisa é apaixonada pelo que faz e não mede esforços para se aprimorar cada vez mais. 

segunda-feira, 4 de abril de 2016

.: Rock in Rio vai plantar árvores na Amazônia e promoverá show

Show inédito com Plácido Domingo e sinfônica impulsionará campanha de doações. Artistas, parceiros e fãs serão envolvidos para que número de árvores plantadas ultrapasse a marca de 3 milhões


Nesta segunda-feira, dia 4 de abril, o Rock in Rio realizou o lançamento do Amazônia Live - Projeto Social do Rock in Rio para todas as edições do festival até 2019. Foi apresentada uma grande campanha de mobilização que incentiva a população a abraçar a causa, sob o mote "Mais do que Árvores, Vamos Plantar Esperança". O encontro contou com artistas, formadores de opinião e parceiros. 

Segundo a Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (Raisg), de 1500 a 1977, certa de 4,7% da Amazônia foi desmatada. Só nos últimos 36 anos, este número subiu para 18%. Até 2013 o Brasil perdeu, segundo a Raisg, 632 mil km2 de florestas. O desmatamento afeta o clima e o equilíbrio das chuvas. Afeta diretamente quem está perto e também quem vive bem longe da floresta. E o que o Rock in Rio tem a ver com isso? Tudo. 

Para o Rock in Rio, a música é uma linguagem universal que une pessoas em todo o mundo através da emoção e é uma importante plataforma para causas socioambientais. O pilar de sustentabilidade do festival — Por Um Mundo Melhor — foi criado em 2001 e já beneficiou milhares de pessoas no Brasil, Portugal, Espanha, Estados Unidos e em diversos outros países. Os investimentos são provenientes da venda de ingressos e de ações promovidas junto aos parceiros. Agora, a organização do festival inicia um movimento global que ajudará na restauração florestal da Amazônia e que tem como objetivo maior chamar a atenção das pessoas para a importância do consumo consciente dos recursos naturais do planeta e convoca-las a serem agentes ativos no combate às alterações climáticas através da sua própria mudança de comportamento.

A região da Amazônia é estratégica, pois abriga a mais importante reserva de biodiversidade do mundo, com papel fundamental na redução do impacto do aquecimento global. A ação vai restaurar áreas desmatadas nas cabeceiras e nascentes do Rio Xingu. 

"Pela primeira vez estamos adotando globalmente uma mesma causa que será promovida em todos os países onde o Rock in Rio está, e não só, e se estenderá por várias edições do evento. Estamos garantindo o plantio de um milhão de árvores e, com a ajuda de marcas parceiras e dos fãs do festival, queremos chegar a cerca de 3 milhões de novas árvores na região. Com esta ação, vamos chamar a atenção do mundo inteiro para um problema urgente e mostrar que é possível plantar, sobretudo, esperança. Para se ter uma ideia da importância disso, segundo dados do ISA, uma floresta com 3 milhões de árvores transpira a cada dia cerca de 48 milhões de litros de água. Outro dado importante e que merece a nossa atenção é que a Amazônia tem 20% de toda a água doce do planeta e isso não pode se perder", explica Roberto Medina, presidente do Rock in Rio.

A ideia desta iniciativa surgiu em 2015, quando a equipe do Rock in Rio foi procurada pela Prefeitura de Manaus. "Fomos desafiados pelo Prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, a promover um evento na região como forma chamar atenção para a importância da floresta no equilíbrio da vida em todo o planeta. O desafio foi totalmente ao encontro do compromisso que assumimos desde 2006 de contribuirmos ativamente no combate às alterações climáticas", detalha Roberto Medina. 

O dia 27 de agosto marcará o ponto alto do projeto. O Rock in Rio apresentará um espetáculo sem precedentes que colocará a causa em grande evidência. Um palco flutuante será montado no Rio Negro, em Manaus (AM). O espetáculo poderá ser acompanhado pelo mundo inteiro, com live streaming pela internet, em todo o Brasil pela transmissão do Multishow. Apenas 200 pessoas entre formadores de opinião e jornalistas terão a oportunidade de assistir o show no local, em uma plataforma flutuante montada para o efeito. A apresentação contará com o tenor lírico Plácido Domingo, com a Orquestra Sinfônica e ainda com o tenor Saulo Lucas (*1) interpretando a canção "Canto Della Terra". A abertura será de Ivete Sangalo acompanhada também pela orquestra. Ainda em Manaus e na mesma data, Ivete fará um show aberto ao público, com o objetivo de chamar a atenção da população para as questões socioambientais. A ocasião também dará início à contagem regressiva de um ano para a sétima edição do festival no Brasil, em 2017. 

Paralelamente, o Rock in Rio vai lançar uma campanha publicitária estrelada pelo ator Marcos Palmeira. A mensagem é um alerta para a importância do consumo consciente dos recursos naturais do planeta e uma convocatória para que cada pessoa seja agente ativo no combate às alterações climáticas através da sua própria mudança de comportamento. A campanha estará em todas as grandes mídias e criará também uma gigantesca mobilização nas redes sociais, convidando também cada pessoa a plantar uma árvore na Amazônia.

Serão investidos mais de R$ 28 milhões nessa iniciativa, incluindo custos de plantio, assistência técnica, monitoramento e gestão, campanhas de mídia, produção do show e gastos logísticos. 

"Queremos chamar a atenção para um problema que afeta o mundo todo, sem qualquer exagero. Este é o grande investimento de uma empresa privada, mesmo em um momento de crise, pensando em um retorno direto para o planeta, e não para uma causa própria. E o investimento não será apenas financeiro, mas também uma união de esforços, com o engajamento de famosos e anônimos em prol de uma causa social e ambiental", detalha Roberto Medina, Presidente do Rock in Rio. 

A iniciativa do Rock in Rio para o plantio de árvores já conta com parceiros, como Itaú, Manaus Luz, Manaus Ambiental, Banco Mundial, Universidade Estácio de Sá, e Gol. Além das um 
milhão de árvores garantidas pelo festival, os parceiros também já se comprometeram com a causa elevando este número para 2,1 milhões. 

A parceria da Estácio com o Rock in Rio teve início em 2011 e vem ganhando força ao longo dos anos. Segundo Claudia Romano, diretora de responsabilidade social e parcerias da Estácio, a universidade vai doar 100 mil árvores e mobilizar 500 mil alunos e 15 mil colaboradores a fazerem o mesmo. "Se cada um plantar uma árvore já será um grande feito. Nossa missão de educar para transformar se expressa também na formação de profissionais e cidadãos conscientes e comprometidos", disse. 

Já a Manaus Ambiental tem em sua missão o comprometimento natural com causas que incentivem o respeito e a preservação do meio ambiente. "O projeto Amazônia Live traz um apelo global para responsabilidade que todos devemos ter em relação à natureza. A Concessionária utilizará os meios disponíveis, como as contas de água, para levar o recado que orienta esta iniciativa: nossos atos determinarão a continuidade da Amazônia com todo o seu esplendor", afirma Sergio Braga, diretor-presidente da Manaus Ambiental.

De acordo com Medina, "estamos construindo uma parceria com o Banco Mundial, no âmbito do Programa Áreas Protegidas da Amazônia - ARPA, onde serão plantadas, no mínimo, 1 milhão de árvores junto ao Amazônia Live". 

Para este projeto, o Rock in Rio se associou a um time de peso, garantindo assim o melhor resultado. A parceria envolve o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO) e o Instituto Socioambiental (ISA) e visa contribuir para a restauração florestal, a recuperação de nascentes e matas às margens dos rios e gerar renda de forma participativa e inclusiva às comunidades locais.

Para o plantio das árvores será utilizado um mix de sementes chamado de muvuca, técnica escolhida e aprimorada pelo Instituto Socioambiental (ISA) para reproduzir o processo natural da floresta. A técnica utiliza semeadura direta e a experiência de plantadores de árvores do Xingu-Araguaia prova que plantar as sementes diretamente no chão, no seu local definitivo, é o melhor método para a maioria dos tipos de árvores. Durante os três primeiros anos após o plantio serão publicadas notícias e relatórios técnicos sobre a situação das árvores e da floresta recuperada, garantindo transparência e monitoramento para quem acreditou nesta ideia. A experiência de plantadores de árvores do Xingu-Araguaia prova que plantar as sementes diretamente no chão, no seu local definitivo, é o melhor método para a maioria dos tipos de árvores. 

"As melhores soluções são criadas de maneira compartilhada e em Rede. Este é o aprendizado do nosso grande parceiro, a Rede de Sementes do Xingu. Nós do ISA e os mais de 420 coletores de sementes estamos animados com o desafio de plantar um milhão de árvores no coração do Brasil. Mas também muito empenhados em levar o alerta sobre os riscos que a Amazônia está enfrentando neste momento e o papel de cada pessoa nas questões socioambientais", afirma Rodrigo Junqueira, do ISA. Segundo ele, a Amazônia é responsável pelo controle climático global e renovadora atmosférica da poluição causada pelo homem. "Sem ela, a capacidade de retirar o dióxido de carbono atmosférico se concentraria unicamente no oceano, aumento de temperatura da Terra e pondo em risco a vida de diversas espécies animais", explica. 


Amazônia: a maior biodiversidade do planeta
Segundo dados da Raisg, a Amazônia se estende por cerca de 6 milhões de quilômetros quadrados ao longo dos nove países sul-americanos: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela. É o maior bioma do Brasil, onde ocupa 4,1 milhões de quilômetros quadrados (IBGE,2004). Nela crescem 2.500 espécies de árvores, o que corresponde a 1/3 de toda a madeira tropical do mundo).

Só na Amazônia brasileira há cerca de 30 mil espécies vegetais (das 100 mil da América do Sul), 1,8 mil de peixes, 399 de mamíferos, 1,3 mil de aves, 284 de répteis, 250 de anfíbios. No bioma também está a maior bacia hidrográfica do mundo, que ocupa cerca de 6 milhões de km2 e tem 1.100 afluentes. O rio Amazonas, maior da região, lança a cada segundo cerca de 175 milhões de litros d’água no Oceano Atlântico. De acordo com o Atlas da Raisg, 58,8% do território brasileiro é amazônico, distribuindo-se pelos estados do AM, PA, MT, AC, RO, RR, parte de TO e parte do MA.


O impacto do desmatamento da Amazônia afeta a vida da população mundial
A Amazônia — "o pulmão do mundo" — desempenha um papel crucial no ciclo de carbono global que ajuda a dar forma ao clima mundial. Cerca de 200 bilhões de toneladas de carbono estão contidos na vegetação tropical em todo o mundo, dos quais se estima que cerca de 70% esteja apenas na Amazônia. Sem ela, a capacidade de retirar o CO2 atmosférico se concentraria unicamente no oceano, pondo em risco a vida de diversas espécies de animais, que correriam o risco de extinguir-se, devido ao aumento da temperatura da Terra.

Um dos graves efeitos mundiais do desmatamento é, sem dúvida, a diminuição da biodiversidade global, mas também a contribuição para o aquecimento global. Hoje, 1/3 da população mundial não tem acesso a água potável. Se a temperatura global aumentar 2,5°C acima dos níveis pré-industriais este número pode duplicar.

Os índices de desmatamento a um ritmo muito rápido causam a conversão de mais carbono em dióxido de carbono, seja quando as árvores são queimadas ou mais lentamente pela decomposição de madeiras não queimadas. Estima-se que apenas a destruição da floresta tropical mundial poderá, nos próximos quatro anos, libertar mais carbono para a atmosfera do que todos os voos desde o nascimento da aviação até 2025. O Brasil, por exemplo, está entre os cinco maiores emissores de gases estufa, não devido às suas elevadas emissões de combustíveis fósseis mas devido ao desmatamento. 

As alterações climáticas têm vindo potencializar mais riscos do que nunca em termos de crises de água, escassez de alimentos, crescimento econômico restrito, coesão social mais fraca e aumento dos riscos que afetam a segurança. E, como a atmosfera não tem fronteiras, estima-se que cerca de 90% de todas as catástrofes naturais registadas na Europa, desde 1980, foram causadas direta ou indiretamente pelas alterações climáticas.

"A restauração florestal é um desafio global, e o plantio de um milhão de árvores nas cabeceiras do Xingu é uma contribuição para a biodiversidade, a qualidade e o volume de água. Em 20 anos, o Funbio já apoiou 39% da superfície protegida do Brasil, e esperamos, com o apoio de parceiros, ter o mesmo impacto na restauração florestal", diz Rosa Lemos de Sá, Secretária-geral do Funbio, que fará a gestão financeira do projeto.


Por um mundo melhor: desde 2001, o Rock in Rio já investiu cerca de R$ 70 milhões em projetos sociais e ambientais

304 mil árvores plantadas até 2016 em projetos de reflorestação
100% de compensação das emissões do evento de gases com efeito estufa 
Mais de 200 entidades apoiadas
Mais de 56 mil beneficiários apoiados anualmente em todo o mundo
100 Salas de aula em comunidades carentes do Rio de Janeiro
28 Projetos da UNESCO financiados
1 Escola na Tanzânia
1 Centro de saúde no Brasil
14 Salas sensoriais para cegos e jovens com deficiências 
760 Painéis solares instalados em 38 escolas portuguesas. Este projeto ganhou o prémio internacional "Energy Globe Awards"
10 Salas de música escolas públicas brasileiras
2.200 Instrumentos doados a 150 ONGs brasileiras
40 Jovens formados em assistente de Luthier
80 bolsas de estudo de dois anos em educação musical 
15.632 refeições e 37.000 sanduíches doados a instituições que apoiam famílias carentes em Portugal e nos EUA


A cada edição, o Rock in Rio se compromete a implementar: 

Certificação na norma ISO 20121 - eventos sustentáveis 
Plano de sustentabilidade para a organização, patrocinadores e fornecedores
Compensação da pegada carbônica 
Abrangente campanha sobre mobilidade sustentável
Plano de mobilidade do público, incluindo espaços e acessos diferenciados e preparados para pessoas com mobilidade reduzida
Campanhas de sensibilização sobre boas práticas de sustentabilidade desenvolvidas para artistas, patrocinadores, fornecedores, público e comunidade
Entrega de certificados Carbono Zero aos artistas, garantindo que o Rock in Rio compensa a sua pegada carbônica
Exigente plano de gestão de resíduos para reduzir, reutilizar e reciclar o máximo de resíduos possíveis - alcançando taxa média de reciclagem global de 70%
Doação de materiais reciclados ao final da cada edição do evento
Doação de sobras alimentares em boas condições em Portugal e nos EUA
Prêmio para patrocinadores e fornecedores com melhores práticas de sustentabilidade na Cidade do Rock - Rock in Rio Atitude Sustentável

Outras informações:
(*1) - O tenor Saulo é um artista com deficiência visual e autista, exemplo de como a música pode transformar a vida das pessoas. 

Sobre: O Rock in Rio é o maior evento de música e entretenimento do mundo. Criado em 1985 e com 31 anos de vida, é parte relevante da história da música mundial. O evento já soma 16 edições, 96 dias e 1498 atrações musicais. Ao longo destes anos, mais de 8,2 milhões de pessoas passaram pelas Cidades do Rock. 

Nascido no Rio de Janeiro, o Rock in Rio conquistou não só o Brasil como, também, Portugal, Espanha e, em maio de 2015, chegou aos Estados Unidos da América, sempre com a ambição de levar todos os estilos de música aos mais variados públicos.

Muito mais que um evento de música, o Rock in Rio pauta-se também por ser um evento responsável e sustentável. Em 2001, através do projeto social "Por um mundo melhor", assumiu o compromisso de consciencializar as pessoas para o fato de que pequenas atitudes no dia-a-dia são o caminho para fazer do mundo um lugar melhor para todos. Em 2013, o Rock in Rio recebeu a certificação da norma ISO 20121 - Eventos Sustentáveis, um reconhecimento do poder realizador da marca que desenvolve diversas ações com vista à construção de um mundo melhor, como a criação de 173.500 empregos diretos e indiretos no total das 16 edições, e mais de US$ 31 milhões investidos em causas socioambientais e a construção de um legado positivo para as cidades onde o evento é realizado.

Próximas postagens → Página inicial
Tecnologia do Blogger.