quinta-feira, 30 de julho de 2020

.: Mônica Corazza no júri especial do 3° Festival de Curtas Mulheres no Cinema


De 1° a 5 de agosto no YouTube acontece o 3° Festival de Curtas Mulheres no Cinema, uma iniciativa voltada para mulheres cineastas de todo o Brasil. A atriz Mônica Corazza fará parte do juri especial, também formado pela atriz Alexia Annes, grande nome do teatro paulista e curadora e fundadora do Festival, além da atriz Luiza Jorge, curadora do prêmio Femsa Coca-Cola de Teatro, e dos editores do portal Resenhando, Helder Moraes Miranda e Mary Ellen Farias dos Santos.

O 3° Festival de Curtas Mulheres no Cinema recebeu inscrições de filmes de todo o Brasil. Após duas edições em espaços incríveis, agora lança uma edição virtual, em uma mostra competitiva, e uma categoria especial para alunas de escola pública de todo o Brasil. O festival conta com uma equipe de mulheres incríveis, que traz a juventude para o universo dos Festival: Gabriele Annes, Ana Lívia Kanno, Hellen Canavezi e Gabrielly Alves. Você pode seguir o festival nas redes sociais no InstagramYouTube Facebook.

Sobre Mônica Corazza
Atriz nascida na cidade de Piracicaba, interior de São Paulo. Possui formação em Teatro pela Escola Macunaíma de São Paulo (1980) e em Comunicação Visual pela Universidade Mackenzie (1980). Começou a trajetória artística na dramaturgia aos 15 anos, quando ingressou em um curso de teatro na Escola de Música de Piracicaba Maestro Ernst Mahle (EMPEM). Junto ao Macunaíma, interpretou Adela, de "A Casa de Bernarda Alba" e a Fantasia e outras personagens em "A Fantasia", de Arthur Azevedo.

Na televisão, foi a Madame Ivete na novela “Orgulho e Paixão” na Rede Globo. Participou do seriado “Os Suburbanos” na Multishow como a personagem Claudia no 8º episódio da 3ª temporada. Na novela “Haja Coração”, na Rede Globo, fez a personagem Hilda. Morou na Itália de 1984 a 1987, onde lecionou comunicação e cultura brasileira para missionários italianos. É fluente no idioma italiano e tem amplo conhecimento sobre aspectos culturais do país. Por ter dupla cidadania e ter constituído família na Itália, frequenta o país anualmente. É fotógrafa renomada. Ao longo de sua vida participou de inúmeras exposições no Brasil e no exterior com prêmios nacionais e internacionais.



.: Festival Simpsons reúne episódios com U2, Britney Spears, R.E.M. e mais

Episódios fazem parte do “Festival dos Simpsons”, que vai ao ar nos dias 30 e 31 de julho, a partir das 19h00 e promoverá a campanha Mães da Favela, da CUFA (Central Única das Favelas).



É claro que, além de divertidos e malucos, “Os Simpsons” também são muito musicais! E é por causa desse dom harmônico que o FOX Channel exibe nessa quinta e sexta, dias 30 e 31 de julho, a partir das 19h o Festival Simpsons.

Bem eclético, o especial reúne episódios escolhidos a dedo que contam com participações especiais de personalidades musicais do mundo todo. Britney Spears, Paul McCartney, Mick Jagger, Johnny Cash, Cyndi Lauper, Ludacris, além das bandas U2, Aerosmith, N’ Sync, Smashing Pumpkins, Sonic Youth, The Who e R.E.M. são os artistas no line-up da “live musical” da tão querida família amarela.

Além disso, simultaneamente ao Festival Simpsons, ocorrerá uma ação solidária para arrecadar doações para a campanha “Mães da Favela”, idealizada pela CUFA (Central Única das Favelas). A iniciativa tem objetivo de auxiliar mães solo moradoras de favelas de 17 estados e do Distrito Federal para minimizar os impactos sociais da pandemia de Covid-19. Para quem quiser contribuir com a campanha, as doações deverão ser feitas pelo site maesdafavela.com.br, que é a página oficial do movimento.

Sobre o FOX Channel: O FOX Channel foi lançado na América Latina em agosto de 1993 e se tornou, desde então, o canal de entretenimento geral nº 1 da TV por assinatura para jovens adultos de 18 a 49 anos (High-Medium). Oferece conteúdo exclusivo diversificado, original, divertido, inovador e de qualidade. Com a opção SAP, chega a 61,9 milhões de residências em 19 países da região, via cabo e satélite; enquanto o sinal HD chega a 21,8 milhões de residências.

O FOX Channel oferece os melhores conteúdos dublados em espanhol e português (para o Brasil), com a opção SAP, e sua programação variada inclui séries com estreia day & date com os EUA em idioma original legendado, como “The Gifted”, "The Walking Dead”, “Arquivo X”, “9-1-1” e “S.W.A.T.”, além de sucessos de bilheteria, de estreia e exclusivos dos melhores estúdios de Hollywood, de vários gêneros. Também é o único canal de entretenimento com direitos exclusivos de temporadas de estreia de "Os Simpsons".

Acompanhe as novidades do FOX Channel em suas plataformas oficiais:
Facebook BR: facebook.com/foxchannelbr
Twitter BR: twitter.com/FOXChannelBR
Instagram BR: instagram.com/foxchannelbr

quarta-feira, 29 de julho de 2020

.: #ResenhaRápida: Paulo Sacaldassy, dramaturgo, roteirista, poeta e escritor



Dramaturgo, roteirista, poeta e escritor, Paulo Sacaldassy é formado em Ciências Contábeis. Depois que começou a escrever, no entanto, fez pós-graduação em Língua Portuguesa e em Alfabetização e Letramento e foi buscar qualificação na escrita a partir de diversos cursos livres e oficinas de dramaturgia, roteiros cinematográficos, produção cultural e de história do teatro. Hoje é um autor consagrado de peças infantis, adultas, monólogos, roteiros de curta e longa-metragem, poemas e letras de canções. 

Autor premiado em vários concursos de dramaturgia, roteiros e poesias, foi um dos seis selecionados do segundo módulo do Concurso Nacional Dramaturgias Urgentes realizado pelo CCBB de São Paulo em setembro de 2012. Autor selecionado no Concurso de Dramaturgia “Mercado das Peças”, organizado pela Universidade Federal de Santa Catarina em Setembro de 2015. e Premiado com o Melhor Texto Original da 10º Festival de Esquetes Nacionais no Espírito Santo. Tem vários textos apresentados em diversas cidades da maioria dos estados brasileiros, além de textos encenados em Portugal (Lisboa, Porto, Ilha da Madeira, Almada e Porto Santo-Ilha da Madeira), na República de Cabo Verde, Angola e em Moçambique. 

Hoje ele ministra oficinas de dramaturgia e foi jurado no Concurso Nacional de Dramaturgia de Mogi das Cruzes. Autor dos livros infantis “As Aventuras de Helena”, “As Aventuras de Helena pelo Folclore Nacional” e “ABC dos Bichos” e autor integrante do livro de poesia “Nós da Poesia: Vozes da Rua” e na Antologia “Eu Sou o Samba”. Quem quiser conhecer me conhecer um pouco mais, é só acessar o blog Poucas Palavras neste link

#ResenhaRápida com Paulo Sacaldassy

Nome completo: Paulo Roberto Pajares Sacaldassy.
Apelidos: uns me chamam de Paulinho, outros de Paulão.
Data de nascimento: 29 de julho de 1966.
Qualidade: persistência.
Defeito: achar que posso resolver tudo.
Signo: leão.
Ascendente: áries.
Uma mania: algumas.
Religião: fé.
Time: Palmeiras.
Amor: Patrícia (minha companheira de vida).
Sexo: bom demais.
Mulher bonita: Patrícia (minha companheira de vida).
Homem bonito: Gandhi.
Família é: estar junto sempre, ainda que distante.
Ídolo: a idolatria é muito perigosa.
Inspiração: a vida.
Arte é: o espelho da vida.
Brasil: um lugar lindo, mas mal habitado.
Fé: todo dia.
Deus é: algo que não vejo, mas creio.
Política é: um jogo de interesses.
Hobby: desenhar.
Lugar: minha casa.
O que não pode faltar na geladeira: cerveja.
Prato predileto: feijoada.
Sobremesa: pudim de leite.
Fruta: muitas.
Cor favorita: azul.
Medo de: andar de avião.
Uma peça de teatro: tantas que me inspiraram...
Um show: "Roberta Sá – Pra se Ter Alegria".
Um ator: Marcos Caruso.
Uma atriz: Fabíula Nascimento.
Um cantor: Oswaldo Montenegro.
Uma cantora: Roberta Sá.
Um escritor: Monteiro Lobato.
Uma escritora: Clarice Lispector.
Um filme: "O Tempero da Vida" ("Politiki Kouzina"). Trailer neste link.
Um livro: "Roteiro de Cinema e Televisão" – Flávio Campos. Compre neste link.
Uma música: Não sendo funk, nem sertanejo, vale tudo.
Um disco: "Comunhão" – Mario Gil. Compre neste link.
Um personagem: tantos que queria ter escrito...
Uma novela: a última que acompanhei  – "Novo Mundo", de Thereza Falcão e Alessandro Marson.
Uma série: não tenho acompanhado séries.
Um programa de TV: tenho assistido muito documentário.
Um site: Google.
Um blog: não sigo.
Um podcast: não ouço.
Um Twitter: não uso muito o Twitter.
Um canal no YouTube: Loucos por Viagens.
Uma saudade: os tempos de teatro.
Algo que me irrita: a falta de pontualidade.
Algo que me deixa feliz é: viajar.
Não abro mão de: acreditar que é possível.
Do que abro mão: gente chata.
Digo sim: à amizade.
Digo não: à ignorância.
Sonho: viver de escrever.
Futuro: um desconhecido que a gente não vê a hora de encontrar.
Morte é: uma certeza.
Vida é: um presente.
Uma palavra: gratidão.
Ser escritor é: organizar as ideias em histórias.
Ser homem hoje é: buscar ser melhor a cada dia.


Dramaturgias Urgentes - Peça "Nem tudo são Flores" - CCBB - São Paulo, 20/09/12

.: Atriz Luiza Jorge no júri especial do 3° Festival de Curtas Mulheres no Cinema


De 1° a 5 de agosto no YouTube acontece o 3° Festival de Curtas Mulheres no Cinema, uma iniciativa voltada para mulheres cineastas de todo o Brasil. A atriz Luiza Jorge, curadora do prêmio Femsa Coca-Cola de Teatro, fará parte do juri especial, também formado pela atriz Alexia Annes, grande nome do teatro paulista e curadora e fundadora do Festival, além da atriz Mônica Corazza,  e dos editores do portal Resenhando, Helder Moraes Miranda e Mary Ellen Farias dos Santos.

O 3° Festival de Curtas Mulheres no Cinema recebeu inscrições de filmes de todo o Brasil. Após duas edições em espaços incríveis, agora lança uma edição virtual, em uma mostra competitiva, e uma categoria especial para alunas de escola pública de todo o Brasil. O festival conta com uma equipe de mulheres incríveis, que traz a juventude para o universo dos Festival: Gabriele Annes, Ana Lívia Kanno, Hellen Canavezi e Gabrielly Alves. Você pode seguir o festival nas redes sociais no InstagramYouTube Facebook.

Sobre Luiza Jorge
Luiza Jorge é empreendedora cultural atuando como produtora, coordenadora e curadora de espetáculos teatrais e projetos culturais. É também atriz, dramaturga e diretora. Por meio da empresa Academia de Arte e Cultura presta curadoria, consultoria e coordena projetos culturais e corporativos. Iniciou suas atividades na elaboração de projetos e produção nos anos 80 no Instituto Nacional de Artes Cênicas – Funarte – MinC nas áreas de Teatro, Circo e Dança.

No teatro, como atriz, foi premiada com o Troféu Mambembe e APCA. Participou em inúmeros espetáculos atuando com vários diretores, entre eles Ulisses Cruz, Naum Alves de Souza, Beto Silveira, Flávio de Souza, Fernando Ceylão, Jamil Dias, Marcelo Romagnoli e Nelson Baskerville.
Em 2012 produz e atua no espetáculo "Atrás do Pano – A Comédia", texto de autoria dela, premiado no Concurso de Dramaturgia Heleny Guariba e editado pela Giostri Editora. Em 2015, atua como atriz e produtora em “Suburbano Coração”, texto de Naum Alves de Souza com direção de Nelson Baskerville. 

Na televisão, participou em novelas, seriados, programas infantis e femininos nas emissoras – TV Cultura, Bandeirantes, Record e Globo. Ainda no teatro, dirigiu e produziu o texto de própria autoria "Você Vai Ser o que Você Quer Ser", produziu e atuou em "Trajetória de Nós", "Síndica Qual é a Tua?", "Clube da Tempestade", "Oxenti Romi Xinaide" e "Missa do Galo".

Em 2009, fez a consultoria na produção executiva de "Viver Sem Tempos Mortos" com atuação de Fernanda Montenegro e direção de Felipe Hirsch. De 2010 a 2013, foi curadora do Festival Centro da Terra para Crianças e em 2013 e 2014 foi curadora da programação infantil da Companhia Paulista de Força e Luz – CPFL. De 1998 a 2013, para a Coca-Cola Femsa - Brasil foi coordenadora e curadora do Programa Femsa de Teatro Infantil e Jovem. 

De 2014 a 2018 foi Curadora e Coordenadora do Projeto São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem, sendo que uma das ações do projeto é o Prêmio São Paulo voltado para espetáculos para crianças e adolescentes. Em 2014, recebeu o prêmio APCA como Personalidade do Ano do Teatro Infantil e Juvenil. Em 2017, recebeu o prêmio Aplauso Brasil pelo trabalho desenvolvido no Teatro Infantil e Jovem.



.: Pedro Granato dirige peça online com participação do público


Pedro Granato dirige musical interativo online em clima de cabaré, com morte do filho do presidente. Foto: Ana Alexandrino

Com concepção e direção de Pedro Granato, Caso Cabaré Privê estreia dia 1º de agosto, sábado, às 21 horas, na plataforma digital da Sympla. O espetáculo musical é feito por jovens atores do Núcleo Pequeno Ato, em resposta direta às questões que os afligem no Brasil de 2020, uma característica marcante do processo de pesquisa e criação do grupo junto ao diretor. O elenco é formado por Andressa Lelli, Bella Rodrigues, Bruna Martins, Carolina Romano, Claudia Garcia, Felipe Aidar, Gabriela Gonzalez, Gustavo Zanela, Helena Fraga, Jade Mascarenhas, Letícia Calvosa, Ludmilla Cohen, Luiza Guilien, Isabela Mello, Manuela Pereira, Renan Ramiro e Thiago Albanese.

O texto é de Tainá Muhringer e Felipe Aidar. Gustavo Bricks assina como videomarker. A direção musical fica a cargo de Pedro Monteiro e a direção de arte de Renan Ramiro. No figurino Isabela Mello e Gustavo Zanela e na coreografia Ines Bushatsky. E a produção é de Jessica Rodrigues e Victória Martinez (Contorno Produções).

Na trama, o filho do presidente é encontrado morto em um cabaré privativo e o público é convidado a investigar as pistas antes do anúncio oficial para imprensa. Nenhuma performer do estabelecimento pode sair e começam as interrogações conduzidas por um delegado. O público é direcionado para cabines privê e pode interrogar as personagens. Os atores fazem a encenação em tempo real, executando as cenas e interagindo com a plateia, que assiste tudo direto de suas casas por meio de salas virtuais.

Dessa forma se estabelece um jogo imersivo a partir dos registro do celular do filho do presidente, que funciona como um flashback, para ajudar na elucidação do que aconteceu naquela noite. Essa é a única cena gravada previamente onde o grupo respeitou todos os protocolos de segurança e distanciamento físico.

A montagem estava prevista para estrear no primeiro semestre em formato presencial. “Assim que começou a pandemia migramos os ensaios para plataforma on-line. Começamos a experimentar diferentes formas de relação e interação pensando uma estética voltada para esses tempos. Assim surgiu a ideia de transformar o cenário, que seria em show de cabaré, em cabines reservadas onde cada personagem interage com o público, sem perder a costura musical”, conta Pedro Granato.

O formato já faz parte da pesquisa do diretor, que estreou em 2019 o espetáculo Babylon: Beyond Borders, encenado simultaneamente em quatro países com transmissão ao vivo pela internet. “Como eu já tinha feito uma peça de forma on-line e em países diferentes, me deu uma certa tranquilidade por saber que era possível realizar. O maior desafio de produzir, no único formato possível de se fazer nesse momento, foi buscar novas maneiras para resolver os problemas. Existe a novidade tecnológica que eu já estava experimentando e que a pandemia universalizou permitindo assim uma nova conexão com o público”, explica.

Para a adaptação, os atores usaram suas próprias casas como cenário para comentar a trama de um cabaré esvaziado (sem a presença do público). Como possivelmente houve um crime, cada personagem está fechada em sua cabine. Os atores pensaram as ambientações utilizando elementos cênicos e a iluminação que tinham disponíveis para construir o universo de cada interpretação. Mesclando recursos contemporâneos como números de lip sync, que se popularizaram com as drag queens, e a estética de coreografia de videoclipes e redes sociais, a encenação bebe na fonte da realidade e na riquíssima herança musical brasileira.

Inspirado em táticas de ação direta que tem tomado protestos contra o autoritarismo no mundo todo, a ideia do projeto é retrabalhar a visão Brechtiana de musical que se propõe a questionar o funcionamento da sociedade com os elementos de hoje. O objetivo é construir um musical vibrante que dialogue com a nova geração e se posicione de maneira clara contra a onda reacionária que se espalha pelo mundo. “O teatro preserva a comunhão do tempo-espaço, só que agora de forma on-line. O jogo continua com a efemeridade que só fazer teatral pode proporcionar, pois para cada plateia acontece um espetáculo diferente”, conclui Granato.

Sobre Pedro Granato
Coordenador dos Centros Culturais e Teatros Municipais, em sua gestão em um ano, dobrou o público destes espaços e inaugurou o Centro Cultural da Diversidade, além de participar da criação e execução de Festivais como Verão sem Censura e Palco Presente.

No Pequeno Ato investiga o teatro imersivo e a formação de novos públicos. Essa pesquisa permanente resultou em espetáculos criados colaborativamente que conquistaram a crítica e o público jovem: Fortes Batidas - Prêmio APCA de Melhor Espetáculo em Espaço não Convencional, Prêmio Especial por Experimentação de Linguagem no Prêmio São Paulo e Prêmio Zé Renato para circulação e 11 Selvagens pré-indicado para “melhor texto original” no Prêmio São Paulo entre os 10 melhores espetáculos de 2017 pela Revista Veja e PROAC Circulação para viagens ao interior do estado.

Em 2019, em absoluta sintonia com o momento político do país, o Núcleo estreou Distopia Brasil, indicado ao Prêmio Aplauso Brasil nas categorias “Melhor Arquitetura Cênica” e “Melhor Figurino” para o 1º Semestre de 2019. Foi contemplado pelo Prêmio Cleyde Yaconis realizando 20 apresentações em espaços públicos do centro de são Paulo, tendo os ingressos esgotados em menos de 5 minutos, e 8 apresentações em CEUs.

Sobre o Núcleo Pequeno Ato
Gera espetáculos criados por jovens, falando de jovens e para o público jovem. Na cena teatral é difícil definir qual o espaço e qual a margem de idade. O grupo chama de “jovem” pessoas dos 16 aos 30, que muitas vezes não se encaixam entre o teatro infantil e o teatro adulto, sem programas claros, temáticas e estéticas que os atraiam, tendo dificuldades para se firmar na cena teatral.

Os espetáculos do núcleo dão voz a estes jovens e se constroem em processos colaborativos em que os atores, direção e técnica trazem referências atuais como notícias, séries, filmes e músicas e acima de tudo, suas experiências de vida e visão de mundo. Levam para a cena aquilo que os inquieta atualmente com uma linguagem contemporânea. Tema e forma se potencializam e os espetáculos alcançam enorme comunicação com o público.

Ficha técnica:
Concepção e Direção: Pedro Granato. Dramaturgia: Tainá Muhringer e Felipe Aidar. Assistente de Direção: Felipe Aidar. Elenco: Andressa Lelli, Bella Rodrigues, Bruna Martins, Carolina Romano, Claudia Garcia, Gabriela Gonzalez, Gustavo Zanela, Helena Fraga, Jade Mascarenhas, Letícia Calvosa, Ludmilla Cohen, Luiza Guilien, Isabela Mello, Manuela Pereira e Renan Ramiro. Detetive: Felipe Aidar. Convidado Especial: Thiago Albanese. Videomaker e Operador de Zoom: Gustavo Bricks. Direção Musical: Pedro Monteiro. Direção de Arte: Renan Ramiro. Figurino: Isabela Mello e Gustavo Zanela. Confecção de Figurino: House of Le Blanc. Coreografia: Ines Bushatsky. Fotos: Ana Alexandrino. Assessoria de Imprensa: Adriana Balsanelli. Produção: Pequeno Ato e Contorno Produções. Direção de Produção: Jessica Rodrigues e Victória Martinez
 
Serviço:
"Caso Cabaré Privê" estreia dia 1 º de agosto.
Temporada: de 1 º de agosto a 6 de setembro. Sábados 21h e Domingos 20h.
Duração: 90 minutos.
Classificação etária: 16 anos.
Ingressos: de R$20 a R$50.
Capacidade: 50 espectadores.
Venda ingressos e acesso à transmissão: Sympla.com.br/pequenoato
Especificação técnica: baixar o aplicativo Zoom, preferencialmente no PC ou notebook. Também é possível assistir por tablet, celular ou emparelhamento com Smart TV.

.: Onze músicas inéditas de Adoniran Barbosa serão lançadas pela Eisenbahn


As melhores cervejas nascem da combinação de ingredientes especiais e atenção aos mínimos detalhes. Já as canções especiais surgem da mistura dos melhores músicos e musicalidades. Mas para que a receita faça sucesso, é preciso incluir paixão em todas as etapas do processo de produção. Nesse contexto, a marca Eisenbahn, referência de qualidade no segmento de cervejas artesanais, convida o público a embarcar no universo de Adoniran Barbosa e conhecer 11 músicas inéditas do sambista, que serão lançadas nas vozes de diferentes personalidades.

A marca e o artista além de terem uma figura em comum - o trem - compartilham sentimentos semelhantes, como autenticidade e originalidade, que serão explanados neste projeto. As faixas serão disponibilizadas no Spotify e contarão com alguns artistas já consagrados como Elza Soares, Zeca Baleiro e Di Melo. Além deles, artistas em ascensão como a banda Francisco El Hombre, ÀVUÀ, Zé Ibarra, Rubel, Barro, Luê, Amanda Pacífico e Illy também fazem parte do projeto, que possui produção musical da DaHouse Audio e curadoria do Coala.Lab. 

"Adoniran Barbosa captou como ninguém a essência de seu tempo com seus versos, personagens e histórias que tratavam com maestria da realidade de São Paulo em plena expansão. Foi um músico versátil que nos deixou uma obra que vai muito além da música, mas também registro histórico cultural e social. Agora, temos a oportunidade de homenageá-lo neste projeto da Eisenbahn e acreditamos muito na beleza desse processo, de trazer à tona obras inéditas interpretadas por vários artistas, cada um à sua maneira", explica o sócio do Coala Lab, Gabriel Andrade.

O mix de gerações e artistas faz com que o projeto ganhe um ar contemporâneo e diversificado, levando a cultura de Adoniran para todas as gerações. "Estamos muito felizes em poder trazer para o público 11 músicas inéditas deste artista tão icônico para a cultura do nosso país. O link entre Eisenbahn e Adoniran vai muito além do trem, presente no nosso logo e em uma das músicas mais famosas do cantor. Este projeto, além de um tributo ao compositor é uma forma de destacar a importância da beleza dos processos. Queremos reforçar este posicionamento pois é assim que produzimos nossas cervejas, pensando em cada detalhe para garantir a qualidade artesanal dos nossos produtos", explica a gerente de marketing da marca, Karina Pugliesi.

Adoniran Barbosa era o nome artístico de João Rubinato. Conhecido nacionalmente como o pai do samba paulista, além de músico, foi compositor, humorista, radialista, ator e até artesão. Nascido em Valinhos, no interior de São Paulo, o artista faleceu em novembro de 1982 e além do clássico "Trem das Onze", entre os grandes sucessos da carreira estão: "Saudosa Maloca", "Iracema" e "Samba do Arnesto".

terça-feira, 28 de julho de 2020

.: Caco Ciocler encena "Medusa" na quarta-feira em live teatral


Caco Ciocler interpreta a tentativa desesperada de um homem de meditar em meio ao caos urbano
Foto: Caio Gallucci

Dentro de apresentações teatrais das lives #EmCasaComSesc, quarta-feira, dia 29, às 21h30, o ator Caco Ciocler encena "Medusa" na quarta-feira, dia 29. O espetáculo faz parte do projeto "Fluxorama", com direção de Monique Gardenberg e texto de Jô Bilac, composto por quatro peças curtas - "Amanda", "José Guilherme", "Valquíria" e "Medusa". A peça pode ser assistida no YouTube do Sesc São Paulo youtube.com/sescsp -  e no Instagram do Sesc Ao Vivo - @sescaovivo

No texto, Caco Ciocler interpreta a tentativa desesperada de um homem de meditar em meio ao caos urbano. Ao tentar esvaziar a mente, a questão sobre o sentido na vida se coloca em seu caminho. A peça oferece uma reflexão, ora cômica, ora dramática, a respeito do homem contemporâneo e sua existência num mundo em aceleração. "Fluxorama" é um projeto que surge de um processo de investigação da dramaturgia performativa e toma o ato de pensar como ponto de partida para a criação. 

A narrativa é constituída sob a ótica de personagens que vivenciam situações-limite, tornando-se reféns do fluxo de seus pensamentos e memórias, num curso ininterrupto de consciência. A semana contará, ainda, com Fabiana Gugli, em "Terra em Trânsito", espetáculo dirigido por Gerald Thomas, e Soraya Ravenle em "Instabilidade Perpétua". Detalhes da programação de sexta e domingo serão divulgados ao longo da semana.

.: "Toma Lá Dá Cá" de volta à tela da Globo a partir deste sábado


As inesquecíveis confusões no condomínio Jambalaya estão de volta a partir do próximo sábado. O elenco e o autor Miguel Falabella comentam o retorno do seriado. Foto: Globo/Marcio de Souza

A partir deste sábado, 1º de agosto, o público voltará a acompanhar as inesquecíveis confusões no condomínio Jambalaya com o retorno do "Toma Lá dá Cá" para a grade da TV Globo. Vão ao ar dois episódios por exibição, começando com uma seleção da primeira temporada. A série iniciou sua trajetória de sucesso em 2005 como um especial de fim de ano, e teve três temporadas exibidas entre 2007 e 2009. 

Com texto de Miguel Falabella e Maria Carmem Barbosa, direção de núcleo do saudoso Roberto Talma e direção geral de Mauro Mendonça Filho e Cininha de Paula, "Toma Lá Dá Cá" tem formato de sitcom, com plateia que não aparece no vídeo, e arranca gargalhadas ao trazer situações inusitadas do cotidiano de duas famílias vizinhas, repletas de críticas sociais. O elenco reúne um time de feras composto por Miguel Falabella, Adriana Esteves, Diogo Vilela, Marisa Orth, Arlete Salles, Stella Miranda, Fernanda Souza, Alessandra Maestrini, Daniel Torres e George Sauma, além de muitas participações especiais.
 
Onze anos após o final da última temporada, o programa retorna nas tardes de sábado, depois do "Jornal Hoje", deixando o elenco surpreso e feliz com a novidade. "Me enche de alegria ter o programa de volta. Foi um dos momentos profissionais mais prazerosos da minha vida, com uma personagem que me fez confiar e acreditar que eu poderia fazer humor", conta Adriana Esteves, que interpreta a dona de casa Celinha no humorístico. Diogo Viela conta que o público sempre torceu pelo retorno da série. "Até hoje todos que me param na rua perguntam por isso! Eu também sinto muita saudade. Tenho ótimas lembranças do nosso convívio, que era muito carinhoso. Quando outros colegas queridos eram convidados para participar virava uma festa!", relembra o ator, intérprete do dentista Arnaldo.
 
O autor Miguel Falabella ressalta que o programa segue atual, pois trata de temas que continuam sendo discutidos ainda hoje, e acredita que o sucesso se deve ao excelente casamento entre o texto e a interpretação dos atores. '"Toma Lá Dá Cá' foi um processo natural depois do 'Sai de Baixo', que focava mais na empatia dos atores do que no texto propriamente dito. Eu tinha muita vontade de fazer isso com a técnica do texto de comédia, que não se calcasse na personalidade dos atores, mas sim dos personagens. Acho que o meu texto e da Maria Carmem afiado com a interpretação do elenco foi um dos grandes motivos para o sucesso da série", analisa o autor.
 
Marisa Orth acredita que os diálogos inteligentes contribuíram muito para prender a atenção do público. "Como resistir a um papo entre Bozena, Álvara e Copélia? Os dois casais de base, por mais tresloucados que possam parecer, funcionam como um 'normal' flutuando na órbita dos outros personagens completamente fora de qualquer padrão", contextualiza a atriz. 
 
Na trama, a personagem de Marisa Orth, Rita, trabalha como corretora de imóveis e é casada com o dentista Arnaldo (Diogo Vilela), mas já foi esposa do também corretor de imóveis Mário Jorge (Miguel Falabella), que está casado com a dona de casa Celinha (Adriana Esteves), ex- de Arnaldo. Com Mário Jorge, Rita teve dois filhos, Isadora (Fernanda Souza) e Tatalo (George Sauma). Os dois casais moram no mesmo prédio e são vizinhos de porta. Copélia (Arlete Salles), mãe de Celinha (Adriana Esteves), Bozena (Alessandra Maestrini), diarista que trabalha nas casas das duas famílias, e Álvara (Stella Miranda), a conservadora síndica do condomínio, também colaboram para convivência “tumultuada” do grupo.
 
Intérprete da diarista Bozena, Alessandra Maestrini estava quase sempre presente nas situações mais divertidas da série, um dos trabalhos de maior visibilidade de sua carreira - ela ganhou, inclusive, um prêmio de melhor atriz de programa humorístico. "Todo o elenco tinha uma sintonia incrível. Sabíamos que éramos um quebra-cabeça e que, quanto melhor o encaixe das peças, mais divertido ficava o nosso playground", reflete Alessandra. 

Para Arlete Salles, "Toma Lá Dá Cá"  foi um trabalho em que precisou explorar um perfil de personagem e interpretação bastante diferente na carreira. "Copélia tem sua vida toda movimentada pelo sexo. Acredito que a personagem trata desse preconceito que ainda existe em relação aos idosos que tem uma vida sexual ativa. Foi um tempo muito feliz e importante da minha carreira na televisão", conclui a atriz. De volta a partir de 1º de agosto, "Toma Lá Dá Cá" tem texto de Miguel Falabella e Maria Carmem Barbosa, direção de núcleo de Roberto Talma e direção geral de Mauro Mendonça Filho e Cininha de Paula.

.: Terceira temporada de "Máquina Mortífera" será reexibida na TV Globo


A terceira temporada da série "Máquina Mortífera" entra no ar a partir desta terça-feira, dia 28, na TV Globo. Baseada na famosa franquia do cinema, "Máquina Mortífera" conta a história da dupla clássica de policiais Riggs (Clayne Crawford) e Murtaugh (Damon Wayans) em sua luta contra o crime na cidade de Los Angeles. Na terceira temporada, após a morte de Riggs, Wesley Cole (Seann William Scott), um ex-agente da CIA que esteve em todos os lugares e acompanhou tudo, se vê navegando em uma nova parceria com Murtaugh, enquanto se ajusta à vida em Los Angeles. O elenco conta também com Jordana Brewster e Keesha Sharp, entre outros. Com 15 episódios, a terceira temporada de "Máquina Mortífera" irá ao ar após o "Conversa com Bial".

.: "Top Chef": sob olhar de chef japonês, teste coloca competidores no limite


Participantes precisarão mostrar habilidade, técnica e agilidade para cortar cebolinha, decorar cogumelos, fazer tsuma de pepino e limar e filetar peixe. Foto: Antonio Chahestian/Record TV

A saída de Rafael Terrassi no segundo episódio do "Top Chef", exibido na quarta-feira passada mostrou que qualquer descuido pode significar a eliminação precoce na competição. Pensando nisso, os 12 participantes que continuam no reality show comandado por Felipe Bronze vão dobrar a atenção para permanecerem na disputa pelo prêmio de R$ 300 mil. 

No terceiro episódio, que vai ao ar nesta quarta-feira, dia 29, eles vão se dividir em duplas no "Teste de Fogo". E, ao longo de quatro rodadas, precisarão mostrar habilidade, técnica e agilidade para cortar cebolinha, decorar cogumelos, fazer tsuma de pepino e limar e filetar peixe. A cada prova, a última dupla a completar a tarefa é desclassificada e vai direto para o Desafio de Eliminação. Na última etapa, as duas duplas restantes se enfrentam para preparar um prato oriental, sob o olhar atento do premiado chef Murakami, convidado da atração. A dupla vencedora ganha imunidade. 

No "Desafio de Eliminação", ainda divididos em duplas, as mesmas do "Teste de Fogo", os competidores precisam apresentar dois pratos orientais, sendo um frio e o outro quente. A dupla que mostrar o pior prato duela entre si. A prova será disputadíssima, e nem mesmo o apresentador, Felipe Bronze, e os jurados, Emmanuel Bassoleil e Ailin Aleixo, conseguem segurar a emoção.

O paranaense César Scolari, por ter feito o melhor prato do "Desafio de Eliminação" do segundo episódio, tem a "Faca de Ouro" da semana, cujo poder pode ser determinante para os rumos da competição. E a convivência na casa, onde os participantes estão confinados, fica cada vez mais complicada, com a formação de grupos e o ego mais inflamado: tanto que a baiana Taty Albano chama a carioca Lara Carolina para tirar satisfação em relação a algumas atitudes no programa.


← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial

#ResenhandoIndica

20 20 20
Tecnologia do Blogger.