sexta-feira, 6 de outubro de 2017

.: 7x5: American Horror Story traz sequências de fazer cair o queixo

Por: Mary Ellen Farias dos Santos
Em outubro de 2017



O quinto episódio de American Horror Story, "Holes", não apresenta meias histórias. Embora a tradução seja "Buracos", diversos espaços que ficaram sem explicação, anteriormente, ganham sentido. Tudo é complementado. Afinal, Kai Anderson (Evan Peters) não é somente um homem problemático. Na vida, tudo tem um motivo e assim, em meio a muito sangue jorrado, nada como entender a história de cada membro do culto, não é?


No início, Beverly continua sendo humilhada pelo chefe Bob (ator de O Casamento do Meu Melhor Amigo), até ser, finalmente, demitida. Qual o desejo da boca para fora? Tenha um bom dia! 


Eis que a reunião dos membros do culto acontece e choca! Por quê? Todo o esforço em assassinar, não está sendo efetivo. Eles querem meter medo! De fato, o pavor que o grupo está tentando implantar no bairro, não ganhou as proporções desejadas. Contudo, a grande surpresa, de fazer o queixo cair, fica por conta da chegada atrasada de uma integrante: Ivy.


Enquanto isso, Ally, já separada de Ivy e sem o pequeno Ozzy, alucina com besouros pretos na pele do pescoço. O que ela faz para lidar com a tripofobia? Procura o cínico e ardiloso médico: 
Dr. Rudy Vincent (Cheyenne Jackson). De fato, não é uma boa escolha. Até a conclusão do episódio, o envolvimento dele no grupo do medo ganha uma maior explicação. Mais um momento de deixar o queixo caído!


Entretanto, uma volta ao ano de 2016, mostra Ally e Ivy, juntas, mas já com problemas. No presente, o esforço de Ally em agradar Ozz, nas visitas supervisionadas por Ivy retratam o total distanciamento entre as duas. O que ambas amam? O filho e mais nada! Briga para o próximos episódios? Com certeza!


Para manter o 
projeto de espalhar o terror, os membros do culto focam em Bob para ser a próxima vítima. Eis que no ataque, o apresentador de telejornal alerta ter um escravo sexual no sótão. Que visão medonha! Numa sequência impressionante, o ritual evoca Satanás e as mortes são garantidas. Tudo registrado por celular. 


O curioso? Kai e Beverly falam bastante durante o ato, sendo que a gravação é utilizada na produção de uma matéria feita por Beverly. Estranho! A polícia não recolheu o material para análise?! Apesar dessa falha na narrativa, Beverly ganha diversas matérias de assassinatos enquanto repórter de TV.


Para o espectador, os palhaços assassinos são desmascarados. Já Ally, sem saber de nada, desconfia dos novos vizinhos. Com alma investigativa, vai até a casa deles, encontra uma cova e Meadow dentro pedindo socorro. O que Ally faz? Liga para a polícia. Sem sucesso! Então, liga para Ivy. Tolinha!! Mais uma vez é taxada de louca. O mais triste? Meadow bate alucinadamente a porta da casa e até tenta avisá-la sobre o que está sendo realizado. Opa! Outro momento estranho: Como Meadow saiu daquele buraco? Mistério! 


Entretanto, Kai tem um objetivo a ser cumprido, nada ficará no caminho dele e seus cordeiros. Um seguidor fraco? Com ou sem cerimônia, é eliminado por todos os companheiros de matança. A tortura de RJ é medonha. Por meio de tiros com pregos na cabeça, que é preciso ter muito estômago para assistir a tudo sem sentir qualquer agonia.


As maiores revelações começam a pipocar, quando Beverly consegue tirar informações de Kai, pois "segredos são o que nos torna fracos". Assim, ele volta a 2014. Ele, formado em estudos religiosos, morando com os pais, presencia cenas lastimáveis. Numa cadeira de rodas, o pai, é a personificação da grosseria nível master. Estúpido, a mãe de Kai resolve matar quem a faz viver no inferno e, depois, atira nela. Desesperado, o rapaz, ainda de cabelos "normais", liga para o irmão mais velho. É o médico! E para completar a trama: Winter também é irmã dos dois! 


Nessa volta ao passado, o pacto dos dedinhos é explicado, mas uma revelação assunto: os corpos dos pais é mantido no quarto, como em um mausoléu. Por quê? Assim todos continuariam a viver normalmente. Winter ainda estava na faculdade. Frieza em Kai? Nada evidente! Contudo, ele faz a promessa de ser alguém de quem a mãe irá se orgulhar. Bonito, mas o desfecho não é tão provocante, pois há um choro compulsivo de Kai e nada mais. 



Seriado: American Horror Story: Cult
Episódio: Holes
Elenco: Sarah Paulson como Ally Mayfair-Richards, Evan Peters como Kai Anderson, Cheyenne Jackson como Dr. Rudy Vincent, Billie Lourd como Winter Anderson, Alison Pill como Ivy Mayfair-Richards, Colton Haynes como Detetive Samuels, Billy Eichner como Harrison Wilton, Leslie Grossman como Meadow Wilton, Adina Porter como Beverly Hope, Lena Dunham como Valerie Solanas, Emma Roberts como Serena Belinda, Chaz Bono como Gary Longstreet, John Carroll Lynch como Twisty, o Palhaço, Frances Conroy, Mare Winningham, James Morosini.


* Mary Ellen é editora do site cultural www.resenhando.com, jornalista, professora e roteirista, além de criadora do www.photonovelas.com.br. Twitter: @maryellenfsm 



← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.