sexta-feira, 15 de novembro de 2019

.: Crítica: "Jardim de Inverno" reverbera gritos silenciosos em um país estridente

Com Andréia Horta, Fabricio Pietro e grande elenco, "Jardim de Inverno" terá seu último final de semana no Teatro Raul Cortez. Antes, nesta quinta-feira, haverá sessão popular a R$ 20. Foto: Danilo Borges

Por Helder Moraes Miranda, editor do Resenhando.

"Jardim de Inverno" é um espetáculo que abrange tantas coisas ao mesmo tempo que é difícil especificar apenas um assunto. O principal deles, como se sabe e vem se falando muito, é o machismo que impede a vida de tantas pessoas, sejam homens ou mulheres, a irem adiante. 

Mas a peça teatral é mais do que essa "guerra dos sexos" enfadonha que, em um mundo de "lacres" em redes sociais, é tão problematizada e tão pouco combatida em ações efetivas. A realização de "Jardim de Inverno" é uma medida efetiva para esse assunto, mas vai além. 

O espetáculo é sobre o vazio existencial de pessoas, tratadas como produtos do meio e parte de um sistema, que ficaram pelo caminho. Algumas querem mais da vida, outras se acomodaram ao redor do que conquistaram. Em comum entre as duas, há o medo. De seguir em frente... embora haja insatisfação, e perder tudo o que foi conquistado. Ou de partir para objetivos mais ambiciosos e jogar para o alto tudo o que foi acumulado ao longo da vida.

Mas o que fazer, sobretudo se você é mulher, se nasceu em uma época que não é adequada para pessoas brilhantes? Aliás, as pessoas brilhantes se encaixam em alguma época, seja qual for o tempo ou elas sempre serão escamoteadas? Intérprete do protagonista e tradutor do espetáculo, Fabricio Pietro daria dois conselhos ao protagonistas. Ao Frank, personagem que ele interpreta, ele diria para "enxergar além do óbvio". Para April, personagem de Andréia Horta, para ela "tomar as rédeas da própria vida". Será que esses personagens ouviriam os conselhos do ator? E se ouvissem, o rumo das coisas seria diferente?

Em interpretações arrebatadoras por todos os lados, em cima do texto baseado no romance "Revolutionary Road", de Richard Yates, Fabricio Pietro e Andréia Horta mostram dois lados de uma história de desenlaces e frustrações que reverberam para além do feminino e do masculino. São questões universais, que interferem na vida de todos, mas que têm mais consequências para as mulheres. 

Talvez o único personagem que fique no meio termo é o filho da vizinha que, com problemas mentais, dá as opiniões mais coerentes e certeiras. Iuri Saraiva é esse contraponto entre um personagem e outro e é, também, a voz da sanidade em um mundo em que as aparências falam mais alto do que os gritos silenciosos que ecoam ao longo do espetáculo. Gritos de socorro em um país estridente e histriônico que, além de tudo, é carente de tudo o que está relacionado a gente (de ambos os sexos).  

Ficha técnica:
Título Original: "Revolutionary Road", romance De Richard Yates. 
Dramaturgia e tradução: Fabricio Pietro. 
Colaboração dramatúrgica: Erica Montanheiro e Marco Antônio Pâmio. 
Direção: Marco Antônio Pâmio. 
Elenco: Andréia Horta, Fabricio Pietro, Erica Montanheiro, Iuri Saraiva, Martha Meola, Ricardo Ripa, Luciano Schwab, Aline Jones, Julia Azzam e Lucas Amorim. Direção de Produção: Danielle Cabral. Direção de movimento: Marco Aurélio Nunes. Assistente de Direção: André Kirmayr. Cenografia: Marisa Rebolo. Figurinista: Flaviana Bernardo. Iluminador: Wagner Antônio. Trilha Sonora: Marco Antônio Pâmio. Visagismo: Louise Helène. Cabelo divulgação: Rô Pinheiro. Make divulgação: Rodrigo Nunes. Fotos divulgação: Danilo Borges. Finalização de fotos: Jujuba Digital. Artes: Marketing DCARTE. Vídeos divulgação: Kroon Company Produções. Promoção: Rede Globo. Vídeo Promocional: Johnny Luz. Assessoria de Imprensa: Adriana Balsanelli e Renato Fernandes. Produtoras associadas: Pietro Arte e Comunicação e Lolita e La Grange Produções. Administração Projeto PROAC ICMS: Amanda Leones - Versa Cultural. Assessoria contábil e jurídica: Juliana Rampinelli Calero. Produtoras de operações: Jessica Rodrigues e Victória Martinez  - Contorno Produções. Coordenação de produção: Fabrício Pietro e Mateus Monteiro. Negociação de direitos autorais: Marcel Nadal Michelman e Evandro Ragonha. Idealização: Fabrício Pietro. Produção Geral: DCARTE. Patrocínio: PAPIRUS.

Serviço:
"Jardim de Inverno" no Teatro Raul Cortez.
Duração: 100 minutos. Classificação: 14 anos. Ingressos: R$ 50 (inteira); R$25 (meia-entrada).
Sexta, às 21h30, sábado, às 21h, e domingo, às 20h.

Importante:
Dia 15 de novembro, sessão com preços populares a R$ 20 e acessível em libras.
Dia 17 de novembro, debate com elenco após a sessão.

Teatro Raul Cortez – Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - Bela Vista, São Paulo.
Bilheteria: de terça a quinta, das 15h às 19h; e de sexta a domingo, das 15h até o início do espetáculo (Não abre aos feriados). Vendas online: https://www.sympla.com.br/.
Capacidade: 520 lugares. Informações: (11) 3254-1633.

E-mail: teatro.raulcortez@fecomercio.com.br

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.
 
google.com, pub-3645003449125371, DIRECT, f08c47fec0942fa0