domingo, 1 de agosto de 2021

.: "American Horror Stories" tem "Drive In" apocalíptico lotado de esfomeados


Por: Mary Ellen Farias dos Santos 

Em agosto de 2021


"American Horror Stories" estreou com uma história de amor ambientada na amada Murder House. Contudo, a homenagem em episódio duplo é bem mais branda, pois é a seguinte nova história de AHStories em que o horror e a euforia do sexo juvenil explodem na tela. Em "Drive In", Chad (Rhenzy Feliz) e Kelley (Madison Bailey) são namorados e ele, como todo jovenzinho está afoito para deixar de ser virgem, enquanto que ela ainda não está à vontade com a ideia.

Os amigos que fiscalizam e cobram a concretização do ato sexual, sugerem que Chad leve a namorada para assistir o filme "proibidão" "Rabbit Rabbit". Qual é a lenda em torno da película? Não é algo similar ao clássico "O Chamado" e nenhuma menina irá sair do poço para matar alguém após sete dias. 

Muito pelo contrário, é ainda mais assustador. Assim que a plateia é exposta a tantas imagens fortes, o que faz parte de uma experiência, começam a agir iguais a zumbis e até devoram umas as outras. Quem é o criador de tal proeza? O cineasta Larry Bitterman (John Carroll Lynch, quem deu vida ao palhaço Twisty de  "American Horror Story: Freak Show" e  "American Horror Story: Cult").

Como adolescente tem a certeza da imortalidade e ignora o que não tem, tecnicamente sentido ao seu interesse, nenhum jovem dá bola para a história que estava esquecida. Considerando que o medo de Kelley, durante a sessão no drive-in será o ingrediente necessário para que Chad consiga fazer sexo com a moça, todos marcam presença no drive in da cidade.


Eis que na fila para a entrada, antes da exibição, um aviso aos berros é dado por uma sobrevivente de uma exibição nos anos 90: Rabid Ruth. E quem é a intérprete dessa personagem? Naomi Grossman, quem interpretou a inesquecível Pepper em "American Horror Story: Asylum" e "American Horror Story: Freak Show". Ela não muda a ideia de ninguém e permanece no alambrado, com tempo suficiente de reforçar o perigo que o filme representa para Chad e Kelley.

E todo aquele blá blá blá sobre a reação gerada do filme no público é confirmada e é aí que "Drive In" vira mais do que um episódio de "American Horror Stories". Embora aconteça nos tempos atuais e tenha toda a tecnologia moderna, há uma pegada vintage na produção, tal qual uma homenagem aos clássicos filmes de terror. Aliás, tem até um toque de filme de ação quando o casalzinho resolve tudo com as próprias mãos, ou seja, pune quem está errado na história. Com direito a explosão!



Num misto de casal justiceiro, os jovens resolvem o problema enquanto a zumbizada enlouquece. "Drive In" é mais do que um episódio isolado de AHStories com uma história de arrepiar, mas também um alerta crítico a respeito do consumo de produções digitalizadas -o que aconteceu muito em tempos de pandemia. Caso não curta sangue jorrando a torto e a direita, evite. Aos fãs de terror pesado, o episódio é extremamente empolgante!

Seriado: American Horror Stories
Temporada: 1
Episódio 3: "Drive In"
Exibido em: 22 de julho de 2021, EUA.
Elenco: Rhenzy Feliz, Madison Bailey, Ben J. Pierce, Naomi Grossman, Leonardo Cecchi, Kyle Red Silverstein, Amy Grabow, Adrienne Barbeau, John Carroll Lynch 



* Mary Ellen é editora do site cultural www.resenhando.com, jornalista, professora e roteirista, além de criadora do www.photonovelas.com.br. Twitter:@maryellenfsm


.: "American Horror Stories" antecipa Natal com "The Naughty List"

Abertura de "Drive In"





← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comments:

Postar um comentário

Deixe-nos uma mensagem.

Tecnologia do Blogger.